“Parabéns”, Roberto Carlos: Vai dedicada a Graça Dourado Tonhá, cunhada e amiga do peito, leal e sincera amiga de sempre, esta bonita e singela canção de aniversário, na especial interpretação do Rei. Que a poesia simples, mas verdadeira, desta música, seja a minha mensagem de alegria em louvor a admirada aniversariante na data de celebrar a sua feliz chegada ao mundo. E que venham dias melhores que permitam festejos com todos os abraços, alegria, boa mesa e boa bebida como a aniversariante merece. Um brinde (Tim Tim), vivas e cantemos todos Parabéns a Gracinha.Com afeição e admiração.

BOM DIA!!! FELIZ ANIVERSÁRIO!!!

(Vitor Hugo)

Confirmado no cargo pelo STJ, Cláudio Castro deve indicar o procurador-geral que comandará caso da rachadinha de Flávio Bolsonaro a partir de lista tríplice da categoria

O governador interino Cláudio Castro, à direita, ao lado do afastado Wilson Witzel, no Palácio Guanabara em Laranjeiras, no Rio de Janeiro.
O governador interino Cláudio Castro, à direita, ao lado do afastado Wilson Witzel, no Palácio Guanabara em Laranjeiras, no Rio de Janeiro.Fernando Frazão/Agência Brasil

 Gil Alessi

São Paulo

Se Wilson Witzel tocava trompete, seu ex-vice e atual governador interino do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PSC), também tem afinidade com a música. Membro da Renovação Carismática, uma corrente da Igreja Católica, ele é cantor gospel com dois discos solo lançados, além de ter feito parte do conjunto Em Nome do Pai. Enquanto os videoclipes nos quais ele solta a voz em louvação rendem até 15.000 visualizações em seu canal no YouTube, a seção dedicada à atuação política é mais discreta: seu discurso de posse como vice-governador foi visto por 154 pessoas. Até o afastamento de Witzel na última sexta-feira, Castro desempenhava a função de número 2 do Palácio Guanabara de forma discreta neste ano e meio de mandato. Agora, ainda mais depois de confirmado no cargo por ao menos seis meses pelo colegiado do STJ (Supremo Tribunal de Justiça) nesta quarta-feira, atrai os holofotes para si.

Nascido em Santos, no litoral paulista, Castro foi eleito vereador pelo Rio em 2016, onde defendeu a proibição do aborto: “Tivemos a notícia [de um pedido] feito pelo PSOL para que o aborto seja liberado no Brasil até a 12ª semana. Você não ganha no voto e vai ao STF, chamar ele [o tribunal] para fazer ativismo jurídico! O direito inviolável à vida é cláusula pétrea da nossa Constituição”, afirmou à época na tribuna. Castro também usa o termo “ideologia de gênero”, uma muleta da extrema direita que busca atacar o conceito de identidade de gênero.

Dentro do meio político fluminense, ele é considerado um apaziguador. Serviu como interlocutor entre o Legislativo e o Executivo neste período de turbulência no Governo do Estado desde a abertura do processo de impeachment contra Witzel na Assembleia Legislativa do Rio, em junho. Como vice, coordenou o trabalho do Instituto de Segurança Pública do Rio, responsável por desenvolver metodologias e analisar os dados da área.

Desde que assumiu interinamente o cargo de chefe do Executivo estadual, Castro se esforça para dar um verniz estadista à sua atuação. Nas redes sociais fala sobre educação (“Estamos programando a reabertura das escolas do estado para alunos sem acesso à Internet”), economia (”Solicitei aos secretários de Trabalho, Fazenda e Desenvolvimento Econômico e Social a criação de um plano de retomada de empregos!”) e divulga reuniões de trabalho com o prefeito Marcelo Crivella (”Em reunião com o prefeito alinhamos que nossas equipes vão deliberar em conjunto a reabertura da economia e o retorno das atividades escolares”).

Apesar do esforço nas redes, Castro não é considerado como tendo muito capital político. Parte desta fraqueza se deve ao fato de que ele também foi citado na delação premiada de Edmar Santos, ex-secretário da Saúde que foi preso por seu envolvimento no esquema de corrupção atribuído a Witzel. Após ser preso, Santos delatou o ex-chefe e outros integrantes do Governo. A Procuradoria-Geral da República afirma haver a suspeita de que Castro, que também foi alvo da operação que terminou com o governador afastado, ajudasse a direcionar recursos da Saúde.

Uma vitória para o clã Bolsonaro

Politicamente, a decisão do Superior Tribunal de Justiça de manter o afastamento de Witzel do cargo por 180 dias, tomada nesta quarta-feira, e a manutenção de Castro no cargo de governador interino é uma vitória para o clã Bolsonaro. Castro já sinalizou que busca uma aproximação com a família do presidente após meses de atritos e acusações entre o ocupante anterior do Palácio do Guanabara com o do Planalto. A expectativa é que, com Castro no comando do Estado, as investigações que tramitam no Rio envolvendo o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) por um suposto esquema de rachadinha não tragam grandes surpresas para a família presidencial. Está nas mãos do novo líder do Executivo estadual indicar o chefe do Ministério Público do Rio e da Polícia Civil, que coordenam as investigações.

Para se manter no cargo, Castro aposta em uma aproximação com os Bolsonaro. De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, ele anunciou a interlocutores que estaria disposto a deixar a legenda do governador afastado (liderada pelo Pastor Everaldo, detido na sexta-feira e atualmente desafeto dos Bolsonaro), e disse que não tomaria medidas drásticas sem antes consultar o Planalto. Ainda de acordo com o jornal, o governador em exercício sinalizou inclusive que pretende ouvir o clã do presidente sobre a sucessão na Procuradoria-Geral de Justiça do Rio ?à diferença do Ministério Público Federal, Castro é obrigado, por lei, a escolher entre os três promotores indicados pela categoria. É lá que tramitam processos que envolvem a família de Jair, dentre eles o inquérito que investiga um suposto esquema de rachadinha no gabinete de Flávio Bolsonaro à época em que ele era deputado estadual.

Essa investigação, que chegou a respingar na primeira-dama ao surgirem informações de que ela recebeu um depósito de 89.000 de Fabrício Queiroz (ex-assessor de Flávio e pivô no escândalo), é crucial para o Planalto. O rompimento entre o clã presidencial e Witzel, que se elegeu na esteira do bolsonarismo, tem relação com estas apurações feitas pelo Ministério Público do Rio e pela Polícia Civil, bem como com o caso do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e de seu motorista Anderson. Para o presidente, o governador afastado, a quem se refere como traidor, persegue tanto ele e como seus filhos via corporações do Estado. O fato que aprofundou a discórdia foi o vazamento, em outubro de 2019, do áudio da portaria do condomínio Vivendas da Barra, onde o mandatário vive. Na gravação um dos acusados de assassinar a parlamentar conversa com o porteiro, que teria dito em depoimento à polícia que o visitante iria à casa do “seu Jair”. O presidente estava em Brasília na data.

Bolsonaro se defendeu atacando: “No meu entendimento, o senhor Witzel estava conduzindo o processo com o delegado da Polícia Civil para tentar me incriminar ou ao menos manchar o meu nome com esta falsa acusação”. O presidente foi além, e creditou a eleição do governador à popularidade de sua família. “[Witzel] Colou no Flávio Bolsonaro e em mim para poder se eleger governador do Rio de Janeiro. Depois de eleito, elegeu Flávio e eu como inimigos”, afirmou. Witzel negou qualquer vazamento, e alegou não transitar “no terreno das ilegalidades”.

Os acenos de Castro foram bem recebidos em Brasília. Nesta segunda-feira, o governador interino foi às redes sociais comemorar um telefonema que teria recebido do senador Flávio. “Recebi agora há pouco uma ligação do senador, que se colocou à disposição para ajudar o Estado do Rio de Janeiro na renovação do Regime de Recuperação Fiscal. Diálogo! Todos pelo Rio!”, escreveu.

set
03
Posted on 03-09-2020
Filed Under (Artigos) by vitor on 03-09-2020
Não há vacina contra a estupidez
 

João Doria criticou Jair Bolsonaro, por ele ter dito que “ninguém pode obrigar ninguém” a tomar vacina contra a Covid-19.

“Quero respeitosamente discordar dessa posição. Ao meu ver, a vacina deveria sim ser obrigatória para todos os brasileiros. A vacina tem que ser uma decisão pessoal de cada um, mas uma obrigação, uma determinação do Estado”, disse o governador de São Paulo. “Entendo que essa manifestação do presidente Jair Bolsonaro possa ser revista. Penso que posição da saúde deva ser aquela que prevalece sobre posições de ordem ideológica.”

 

Ainda não há vacina aprovada, mas o último grau de insanidade político-ideológica já se manifesta: a crença de que obrigatoriedade de vacina é coisa de esquerda ou não importa qual adversário político e que a vacina do outro é pior do que a minha.

A mestra mineira foi uma das fundadoras da Associação Nacional de Escritores, e autora de diversos livros de poesia

MM
Mariana Machado
 

 (foto: Barbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)

(foto: Barbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)

O Distrito Federal se despede de mais uma pioneira. Morreu, na tarde de terça-feira (1º/9), a professora e poeta Lina Tâmega Peixoto, aos 89 anos de idade. O morte foi comunicado pelo presidente da Associação Nacional dos Escritores (ANE), Fábio de Sousa Coutinho.

Natural de Cataguases, em Minas Gerais, Lina chegou ao DF quando Brasília era construída, em 1958. Três anos mais tarde, se juntava a outros escritores para fundar a ANE. Formada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), ela também fez parte da Academia de Letras do Brasil, e Pen Clube do Brasil.

Em nota de pesar, Fábio Coutinho lamentou a morte. “Lina foi poeta de recursos extraordinários, com meia dúzia de livros publicados, de superlativa qualidade literária. Sua presença nas atividades da ANE era uma constante que a todos enchia de satisfação e alegria.”

Entre as obras da autora, estão Alinhavos do tempo, Os bichos da vó, e Entre desertos. “Ela deixa o filho, Marcelo, e a neta, Mônica, e, em suas dezenas de amigos e admiradores, um forte sentimento de saudade, admiração e gratidão pelo privilégio de convívio tão enriquecedor, ao longo de tantas décadas”, declarou o presidente da ANE.

Lina será sepultada no cemitério Campo da Esperança da Asa Sul, na manhã de quinta-feira (3/9). O velório terá início às 8h30, na Capela 6, e o enterro está marcado para as 10h30.

set
03
Posted on 03-09-2020
Filed Under (Artigos) by vitor on 03-09-2020



 

Amarildo, NO JORNAL

 

DO CORREIO BRAZILIENSE

Segundo a reportagem, os argentinos Di Maria e Leandro Paredes também foram diagnosticados com a covid-19

CB
Correio Braziliense

Neymar, Di Maria e Paredes ficarão em isolamento durante uma semana - (foto: Carlos Costas/AFP)

Neymar, Di Maria e Paredes ficarão em isolamento durante uma semana – (foto: Carlos Costas/AFP)

Neymar foi diagnosticado com a covid-19, segundo o jornal francês L´É Equipe. A reportagem também diz que os argentinos Di Maria e Leandro Paredes IGUALMENTE foram diagnosticados com a covid-19.

Os testes foram realizados na manhã desta quarta-feira (2/9) pelo clube dos três jogadores, o Paris Saint-Germain (PSG) . Neymar, Di Maria e Paredes ficarão em isolamento durante uma semana, diz a publicação.

O estado de saúde deles não foi informado. O PSG confirmou três casos positivos no clube, mas não informou quais são os jogadores. A equipe entrou de férias após a derrota na final da Liga dos Campeões. 

“Três jogadores do PSG foram confirmados como positivos no teste Sars CoV2 e foram submetidos ao protocolo de saúde adequado. Todos os jogadores e a comissão técnica continuarão a ser testados nos próximos dias”, divulgou a equipe francesa no Twitter.

Neymar em Ibiza

Os jogadores afetados estavam de férias na ilha mediterrânea de Ibiza, na Espanha, como outros jogadores do clube, entre eles Mauro Icardi e Ander Herrera.

De acordo com o protocolo sanitário da Liga de Futebol Profissional (LFP) francesa em vigor, os jogadores com resultado positivo devem permanecer em quarentena por 14 dias.

Por conta disso, esses jogadores do time parisiense ficarão de fora da partida de estreia da equipe no Campeonato Francês , contra o Lens, no dia 10 de setembro.

O protocolo em vigor estabelece ainda que a partir de quatro casos detectados em oito dias consecutivos (entre jogadores e comissão técnica), não são mais permitidos treinos coletivos, o que pode levar ao adiamento dos jogos. Após a partida com o Lens, o PSG recebe em casa o Marsella, no dia 13 de setembro.

Com informações da Agência France-Press

Tags

  • Arquivos

  • setembro 2020
    S T Q Q S S D
    « ago    
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930