DO EL PAÍS

A Convenção Nacional do grupo renuncia a debater um programa eleitoral e nomeia o presidente, que em seu discurso acusa os democratas de “usar a covid-19 para roubar as eleições”

 Pablo Guimón

Washington
O presidente Trump, no primeiro dia da Convenção Republicana.
O presidente Trump, no primeiro dia da Convenção Republicana.LOGAN CYRUS / AFP

Aos gritos de “mais quatro anos!” uma pequena audiência de Charlotte (Carolina do Norte) recebeu Donald Trump um tanto desanimada pelas demandas de distanciamento social, no início de uma convenção republicana que tentará por quatro dias convencer os eleitores de que o 45º presidente dos Estados Unidos merece um segundo mandato. O candidato chamou a atenção desde o início, após a indicação, com um longo e caótico discurso que demonstrou seu poder absoluto em um partido que até desistiu de debater um programa. “Continuará”, explicou o partido, “apoiando com entusiasmo a agenda” do líder.

Demorou apenas algumas horas para Trump conquistar os holofotes, fazendo uma viagem surpresa a Charlotte para aceitar a indicação com um daqueles discursos megalomaníacos de showman que duram uma hora. Em dado momento ele disse “para terminar”, e ainda falou por mais 20 minutos.

Se os republicanos queriam frescor para contrariar o argumento enlatado da Convenção Democrata, eles o tinham desde antes mesmo de a programação oficial começar à noite, com um discurso frenético que ia da economia ao Remdesivir; do emprego à “peste chinesa”; das piadas sobre Biden ao número de televisores no avião presidencial; do muro na fronteira aos milhões de Jeff Bezos; do viés da mídia ao califado do Estado Islâmico; dos 300 juízes conservadores nomeados durante sua gestão para pedidos de milho que são entregues à China; da independência energética à ameaça da esquerda “super radical”; de tarifas sobre países que “têm se aproveitado os Estados Unidos há anos” à promessa de contratar mais policiais. E, como fio condutor do caos, as recorrentes acusações aos democratas de planejarem uma fraude eleitoral com o voto pelo correio, que enchem de inquietude o horizonte das eleições de novembro.

“Nós os pegamos fazendo coisas ruins em 2016 e agora eles estão preparando coisas ruins”, disse Trump, aludindo a alegações infundadas de que o presidente Obama e o vice-presidente Joe Biden espionaram sua campanha. “Eles estão usando a covid para roubar as eleições. Tem que ter cuidado. Desta vez, eles tentam fazer isso com o golpe de voto por correio. Temos que vencer. É a eleição mais importante da história do nosso país “.

A primeira intervenção de Trump foi uma revisão desordenada de uma ideologia e de uma agenda definida individualmente pelo presidente. A tal ponto ele moldou o Grande Velho Partido à sua vontade que o Comitê Nacional Republicano anunciou que este ano, pela primeira vez em sua história, não adotará um novo programa eleitoral, mas “continuará a apoiar com entusiasmo a agenda da ‘América Primeiro’ do presidente“.

A decisão foi tomada, explicam, porque o escopo da convenção foi reduzido pela pandemia e eles não queriam “um pequeno contingente de pessoas magras para formular um novo programa”. Os democratas, embora tenham realizado sua convenção inteiramente virtual na semana passada, adotaram um novo programa. “Não é mais o Partido Republicano. É um culto a Trump“, lamentou no Twitter o ex-chefe de gabinete do vice-presidente Dan Quayle e prestigioso analista político conservador Bill Kristol.

Os programas partidários nos Estados Unidos são documentos não vinculativos que expressam os princípios e posições em questões importantes. Um exercício de certo interesse no caso dos republicanos, após alguns anos em que o presidente Trump rompeu com o que era considerado ortodoxia do partido em questões fundamentais como política externa ou política fiscal. Em substituição ao programa, a campanha de Trump divulgou na véspera um documento com os “princípios centrais” do presidente para um segundo mandato. Uma lista surpreendentemente desprovida de detalhes, com promessas como “retorno à normalidade em 2021” ou “drenar o pântano globalista enfrentando organizações internacionais que prejudicam os cidadãos americanos”.

O primeiro dia começou com a tradicional lista de chamada, em que os delegados dos diferentes estados e territórios do país votam nos candidatos a presidente e vice-presidente. Sem competição, Donald Trump e Mike Pence foram nomeados de forma esmagadora. Ao contrário da Convenção Democrata, a lista de chamada foi presencial, embora com um auditório habitado por apenas 336 delegados. Em resposta à mensagem da Convenção Democrata de que o que está em jogo é a democracia, o vice-presidente Pence, após aceitar sua nomeação, defendeu que “é a economia que está em jogo”. Não faltaram críticas a Joe Biden, sobre quem foi dito na lista de chamada que “ele está escondido no escuro, esperando para tirar a vida de nossos bebês em gestação”.

Mas o presidente Trump atraiu toda a atenção antes mesmo de chegar ao auditório, atacando a mídia no Twitter do Air Force One por não acompanhar ao vivo um evento que marca uma virada para ele. O partido precisa de uma mudança urgente na narrativa da campanha. Com o roteiro interrompido pela pandemia, o presidente se afasta de Biden nas pesquisas, tanto em nível nacional quanto em estados decisivos. E se alguém pode corrigir o curso, confiam os republicanos, é Donald Trump.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • agosto 2020
    S T Q Q S S D
    « jul   set »
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31