Nuvem de gafanhotos chega à Argentina e se aproxima do Brasil ...
Gafanhotos na Argentina deixam em alerta fronteiras do
Brasil e do Uruguai.
Centro de Inteligência Leonel Brizola | Vaquinhas online
Leonel Brizola: metáforas no exílio .

ARTIGO DA SEMANA

 

Gafanhotos: metáforas de Brizola (e do Brasil)

Vitor Hugo Soares

Acompanho a marcha dos gafanhotos  nas proximidades das fronteiras de Brasil e do Uruguai  com interesse jornalístico – além de boa dose de curiosidade,  ou para agregar o tipo de conhecimento  genérico  que nas barrancas do Rio São Francisco, de onde venho, se costuma chamar de “ciência de almanaque”. Sigo com assombro a nuvem de insetos  (400 milhões de exemplares, calculados pelos técnicos que monitoram sua passagem ameaçadora pelas plantações do Mercosul), no vôo incerto dos pastos da Argentina e do Paraguai que se aproxima, cada vez mais, das lavouras brasileiras e do pequeno país oriental  às margens do Rio da Prata. Por acaso e, de repente, observo um dado de aparente coincidência, que mais se assemelha a um alerta do falecido ex-governador do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro, Leonel Brizola , em seu incrível fraseado de sotaque gaúcho, repleto de metáforas políticas, não raramente bem humoradas e sempre provocativas e polêmicas.

E anoto: os gafanhotos – mais famintos que os predadores políticos do Centrão, capitaneados pelos notórios Waldemar da Costa Neto e o encrenqueiro de aluguel, Roberto Jefferson, que atacam vorazmente nos roçados mais endinheirados e cobiçados do governo do presidente Jair Bolsonaro (atingido pelo corona vírus), –  já estavam, na terça-feira, 21,  bem próximos da Villa de Carmen, na província uruguaia de Durazno, derradeiro abrigo de Brizola, antes da sua expulsão, pela ditadura que se instalava, nos anos 70, na pequena, próspera e sempre solidária nação vizinha.  Ambiente campestre onde, de férias do Jornal do Brasil, encontrei pessoalmente o ex-líder brasileiro, dias antes dele seguir para a penúltima etapa de seu exílio (ao lado da decidida e firme ex – primeira dama, dona Neuza), para os Estados Unidos, então sob a presidência do democrata Jimmy Carter.

Recordo do ex – líder político nacional (que se foi há 16 anos, na noite de 21 de junho, em um hospital do Rio) e de suas imbatíveis frases metafóricas, quando a repentina virada do tempo no extremo sul do país (das chuvas e frio de menos de 10 graus para o calor de 25 graus, no começo desta semana de julho do ano da pandemia), parece querer dar razão ao ditado da sabedoria popular, que aprendi na minha infância de garoto sertanejo nas margens do rio que passa na minha aldeia:.”Praga nunca vem sozinha”.

Pelo menos dois países na nossa fronteira constatam, amargamente, este saber do povo. E leio nos informes de monitoramento, da secretaria estadual de Agropecuária do Rio Grande do Sul, que os gafanhotos, em seu implacável instinto predador, chegaram a menos de  100 quilômetros da fronteira gaúcha, voltando a preocupar os agricultores . A dúvida agora é sobre o rumo próximo  da ameaçadora nuvem de insetos – a depender das condições climáticas locais –  que ocupavam, no começo da semana,  área estimada em 10km por 3km, de acordo com dados do monitoramento estadual.
Resta saber que rumo tomarão os gafanhotos: se das estâncias de Durazno (do exílio de Brizola) ou se vão preferir a rota das lavouras nos campos de Aceguá e Jaguarão,  as cidades brasileiras mais próximas. Quem sabe, antes, será extinta em parte por doses cavalares de inseticida, como se anunciava nesta sexta-feira. Ou, a parte que sobreviver,  buscará  outros espaços e caminhos “de verduras, de nabos e quiabos”, da “Marcha dos Gafanhotos”, antigo  e sempre atual sucesso  carnavalesco. A conferir.

Vitor Hugo Soares é jornalista, editor do site blog Bahia em Pauta. E-mail:vitors.h@uol.com.br

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos