Bahia em Pauta » Blog Archive » Janio Ferreira Soares: de Fernando ...

CRÔNICA

A cloroquina cristalina em Teresina

Janio Ferreira Soares

Nesses complicados tempos de idiotices sem fim, dois recentes acontecimentos que até pensei ter outro sentido acabaram por me levar a associá-los a um anjo louco com asas de um avião que decolou antes da hora, e a um velho querubim de brancas madeixas a lamber sua testa cheia de expressões de nãos e de sins.

O primeiro fato foi quando a ministra Damares soube pelas redes que no Hospital Regional de Floriano, cidade a cerca de 250 quilômetros de Teresina, dezenas de portadores do Covid-19 medicados com cloroquina estavam sendo curados. Aí, mesmo sem entender nada do assunto, nossa singela pastorinha da sagrada igreja onde o milagre da goiabeira se deu, pegou um avião e foi até lá testemunhar o fenômeno logo batizado por ela de “o milagre da cloroquina”, felizmente desmentido pelo diretor do hospital, Dr. Justino Moreira, que disse não haver prova do efeito da droga nos pacientes curados.

Dias depois, dando continuidade a essa doentia obsessão por um remédio que um estudo publicado ontem pela Escola de Medicina de Harvard diz que mata mais do que cura, foi a vez do nosso glorioso capitão relinchar mais uma de suas pérolas numa live assistida por centenas daqueles equídeos que se aglomeram diariamente no estábulo de seu quintal, sempre a postos pra seguir o mestre aonde quer que seu potoc, potoc vá, mesmo que o galope suicida siga o rumo do desfiladeiro das valas comuns. Mas voltando à frase, ei-la em todo seu esplendor: “Quem é de direita toma cloroquina, quem é de esquerda toma tubaína”.

Como disse lá em cima, tivesse o mito ao menos folheado algum livro com o tecido morto de seus cascos, ou a ministra soltado à franja ao som de uma melodia sobre a poesia de Torquato, e eu até poderia achar que esse jogo de palavras misturando cloroquina e tubaína, mais a inútil viagem a Teresina, teriam sido uma espécie de provocação a Caetano, que, esquerdista até o talo, só lhe sobraria à opção de uma cajuína quente e choca antes de partir.

A propósito, pra quem não conhece como essa canção aconteceu, conta Caetano que ele a escreveu após uma visita à casa de seu Heli, pai de Torquato Neto, em Teresina. Era a primeira vez que os dois se viam depois do suicídio de Torquato, acontecido em 1972. Quase não se falaram. Apenas olharam fotos antigas, enquanto Caetano chorava sem parar. Sem saber muito o que fazer, seu Heli foi ao quintal, colheu uma pequena rosa e lhe deu. Em seguida, beberam uma cajuína, se despediram e, pra sorte nossa e dessa história, a mão do gênio esfregou a própria garrafa e permitiu que ela também pertencesse ao mundo.

Logo no começo, uma afirmação e a pergunta: “Existirmos: a que será que se destina?”. Se me permite uma resposta, meu velho baiano, a isso daí é que não. Viva Torquato Neto!

Janio Ferreira Soares, cronista, é secretário de Cultura de Paulo Afonso, na margem baiana do Rio São Francisco.

Be Sociable, Share!

Comentários

Maria Aparecida Torneros on 24 Maio, 2020 at 11:23 #

Bom dia. Cronista.AMO ESSA MÚSICA. CAJUÍNA EM TERESINA. Vi o depoimento de Caetano sobt e ela. Realmente é um consolo lembrar que o poeta Torquatro Neto passou pelo nosso planeta. Deixou suadase . Seu texto me fez pensar que preciso pisar em Teresina um dia desses. Para homenagear Torquatro ou para o que ainda temos de bom nesse Brasil.


Maria Aparecida Torneros on 24 Maio, 2020 at 11:45 #

Corrigindo. Torquato Neto


Taciano Lemos de Carvalho on 24 Maio, 2020 at 12:13 #

Taí! Cloroquina nunca. Cajuína sempre.
E parabéns ao cronista pelo texto.
Também ao Mano Caetano.
E saudades do Torquato.


Vanderlei on 25 Maio, 2020 at 0:02 #

“Se há então dúvida, pela “ciência”, e uma possibilidade plausível é a cura, com a HCQ, e se a droga é barata, quase de graça, disponível e distribuída por vários laboratórios no Brasil (Cristália, Apsen, EMS, Forças Armadas, Sanofi-Aventis), e se ela apresenta efeitos colaterais mínimos em dosagem agudas de só 5 dias (muitos tomam a droga diariamente por anos), como todo o fármaco (vide a aspirina e o paracetamol), e se o réu corre ou pode correr maior risco de vida, se não medicado, então PRÓ-VIDA!”“ Cientistas e acadêmicos brasileiros escrevem CARTA ABERTA ao Brasil sobre a “Ciência” da pandemia do coronavírus”. Um dos que assinou a carta aberta é o DR. Amilcar Baiardi, Universidade Católica de Salvador – UCSAL.
https://conexaopolitica.com.br/ultimas/cientistas-e-academicos-brasileiros-escrevem-carta-aberta-ao-brasil-sobre-a-ciencia-da-pandemia-de-coronavirus/,


TONHO DO BANEB on 6 junho, 2020 at 19:20 #

sou leitor assiduo das cronicas de janio,paraben poeta,obrigado por preencher nossos momentos nesta pandemia,abraço.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos