Bahia em Pauta reproduz em seu espaço principal de notícias e opinião o texto do escritor e poeta Paulo Martins – direto de Portugal -onde atravessa este tempo implacável de quarentena –  editado na rede social do Facebook en homenagem a Aldir Blanc. Leitura indispensável pelo brilho e talento próprios do admirado Messierm mas além disso porque vem acompanhado do magistral réquiem que o historiador musical Ricardo Cravo Alvim escreveu sobre Aldir Blanc (que considera tão grande quanto Noel) e que Paulo Martins reproduz em seu espaço. O genial artista que se foi merece tudo isso e muito mais. VIVA!!! (Vitor Hugo Soares, editor do BP)>

===================================

O DUPLO ABALO DA MORTE DE ALDIR BLANC
Paulo Martins, de Lisboa.

A paixão que sinto pela música me deixa sempre abalado quando morre um grande compositor. E esse ano já foram vários os que partiram para outras esferas. No meu caso é sempre mais triste pelo fato de eu escrever sobre música. E a sensação que fica é que não falei o que deveria ter falado daquele que partiu. Este é o caso especial de Aldir Blanc, que não tive o prazer de conhecer pessoalmente, mas a quem acompanhei no curso de sua carreira, não só como compositor mas também como escritor. Um sujeito tão bacana e tão genial! A dor é uma segunda vez mais forte porque estive muito envolvido com os movimentos de anistia, tendo participado da diretoria do CBA-BA, e sua O BÊBADO E O EQUILIBRISTA, em parceria com o também enorme João Bosco, ter ficado conhecida como o Hino da Anistia.

No plano meramente musical, devo dizer que no tempo de minhas frequentes farras com cantorias pelos recantos boêmios de Salvador, uma das músicas mais cantadas era “Amigo é pra essas coisas”, um tributo à amizade, que nos comovia e emocionava profundamente, principalmente quanto a cantávamos em dupla, como deve ser.

Reforçando a minha homenagem ao genial compositor, gostaria de oferecer aos amigos do FB a leitura deste texto do historiador musical Ricardo Cravo Albin, um dos mais sensíveis e bonitos que li durante estes dias de luto.

(Paulo Martins, de Lisboa)

===============================================================================

ALDIR BLANC, TÃO GRANDE QUANTO NOEL ROSA

Não se surpreendam com o título deste pequeno réquiem, muito sofrido para mim, que dedico ao mais importante letrista da MPB desde Noel Rosa. E por que? Porque para os que amam e sentem os desvios e as esquinas da alma carioca, há poucos compositores capazes de absorver esses pequenos mistérios, mumunhas e segredos que só o Rio de Janeiro pode ostentar. Noel Rosa foi excepcional na carioquice. Tanto quanto Aldir Blanc.

Conheci Aldir Blanc em 1969, muito jovem, nos bastidores de um festival chamado Festival Universitário da MPB. Estava no júri, até porque eu tinha liberado o Museu da Imagem e do Som para chancelar aquele concurso original de músicas feitas por universitários. Pela primeira vez, depois dos avassaladores FICs (Festivais Internacionais da Canção, que sacudiam o Maracanãzinho e o Brasil inteiro, provocando comparações e disputas entre os maiores nomes da então MPB mais jovem, como Chico Buarque, Edu Lobo, Milton Nascimento entre outros), o Festival Universitário, transmitido pela TV Tupi, já que o FIC era exclusivamente transmitido pela TV Globo, estava concorrendo com lançamentos de alguns de outros futuros gênios da MPB. Dos quais o principal fruto foi exatamente o letrista e personagem carioca Aldir Blanc. O jovem estudante de medicina Aldir ganhou o festival de 1969 com a canção “Amigo é pra essas coisas”, interpretada pelo MPB 4, em parceria com Silvio da Silva Junior. Até pelo título, já se deduz o caráter solidário e generoso do proceder da poesia, sim, digo poesia, do Aldir. Ao cumprimentar o letrista nos bastidores do Festival demonstrei a ele, como é do meu feitio sanguíneo, o entusiasmo pela sua letra e pela música do parceiro João Bosco. E o convidei para um encontro em meu apartamento de Botafogo. Queria beber mais, e sofregamente, aquele poeta que despontava com músicas tão estimulantes e fraternas aos companheiros.

Para minha surpresa, uma semana depois Aldir tocou a campainha, trazendo a tiracolo um presente especialíssimo, a cantora Elis Regina em pessoa. Vocês podem imaginar a noite que pude viver, tanto porque Aldir abriu sua coleção de joias musicais, boa parte delas cantadas pela magia da voz de Elis. Desde aquele encontro afinamos nossa viola ideológica, sustentada na comiseração e força pela alma carioca. A partir dai fiquei absolutamente certo de que o grande Noel Rosa teria uma possível sequência temática em relação às letras, incrustadas de pérolas poéticas, em nível de percepção acadêmica e estética no mais alto patamar.

Quando fui convidado para lutar contra a censura em Brasília, recebi um amável telefonema do meu já amigo, dizendo confiar na derrota da burrice dos censores do DCDP, o temível Departamento de Censuras e Diversões Públicas da Polícia Federal de então. E antecipou um pedido que certamente poderia chegar às minhas mãos, a possível liberação pela quase certa proibição de “O Bêbado e o Equilibrista”, puríssima obra prima e crônica de época de irretocável beleza, que saudava a volta dos exilados políticos em 1979. O personagem principal de Aldir era o sociólogo Betinho. De tal maneira divulguei a possibilidade da censura em relação à canção, que ela acabou por receber uma amena, quase não violenta, liberação pela censura federal. Vocês sabem, e todos nos acudimos da letra do gênio blanqueano, quando Aldir exercita sua salada poética, misturando Carlitos com viúvas de presos políticos assassinados. Referindo-se explicitamente na “volta do irmão do Henfil”, a Betinho, o sociólogo do bem e da comiseração.
Paro por aqui este lamento em preito ao desaparecimento de um grande brasileiro. Até porque não há como não derramar lágrimas pela tragédia que nos subtrai um gênio carioca e um dos seus mais sensíveis poetas. Lágrimas que engrossam quando fico a imaginar a solidão do caixão fechado, do velório proibido, da ausência de nossas presenças para conforto à Mari, filhas, netas. E a nós mesmos.
Ricardo Cravo Albin