DO EL PAÍS

Presidente oferece cargos a políticos do Centrão, mesmo após prometer que não lotearia o seu Governo

 
Brasília
Bolsonaro durante protesto que pedia o fechamento de poderes no domingo.
Bolsonaro durante protesto que pedia o fechamento de poderes no domingo.SERGIO LIMA / AFP

No discurso aos seus apoiadores, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) diz que não faz acordos, que representa a nova política e que não loteia o seu Governo para legendas. Na prática, isolado politicamente desde o início da pandemia de coronavírus, agiu de maneira distinta e se aproximou de figuras que foram condenadas ou são rés em dois dos maiores escândalos de corrupção do país: o mensalão e a Lava Jato. Tudo contou com apoio da ala militar de sua gestão. Desde a semana passada, Bolsonaro e seus ministros participaram de reuniões com interlocutores da “velha política” que dizem combater.

Estiveram à mesa presidencial representantes de Valdemar Costa Neto (PL) e Roberto Jefferson (PTB), ambos condenados no mensalão, além de Gilberto Kasab (PSD) e Ciro Nogueira (Progressistas), investigados pela Operação Lava Jato (na noite de quinta-feira a CNN e a revista Época publicaram um vídeo de Jair Bolsonaro ao lado Arthur Lira (PP) onde o presidente cumprimenta a família do deputado, réu em uma ação ligada à Lava Jato). Na movimentação. ainda foram ouvidos representantes do Republicanos. Juntos, esses cinco partidos têm 159 dos 513 deputados federais. É o núcleo duro do bloco conhecido como Centrão. Atualmente, quase nada no Legislativo é aprovado sem os votos desse grupo, que está sob a influência do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM).

Oficialmente, Bolsonaro pediu integração dos partidos para superar as crises sanitária e econômica da covid-19. Nos bastidores, contudo, ele ofereceu dezenas de cargos de segundo e terceiro escalão. Vai desde a presidência do Banco do Nordeste até o comando dos Fundos Nacionais da Saúde (FNS) e da Educação (FNDE). No curto prazo seus objetivos são frear o que considera “pautas bombas” que o Congresso queira votar nesse período e evitar qualquer discussão sobre um eventual processo de impeachment. No médio prazo, pretende influenciar na sucessão da Câmara em janeiro de 2021, tendo um candidato governista para se opor ao próprio Maia – que articula uma mudança constitucional para concorrer a um quarto mandato consecutivo – ou a quem for indicado por ele.

Em contrapartida, os partidos que emplacarem seus indicados já teriam maneiras de interferir na disputa das eleições deste ano, irrigando prefeituras com recursos e ajudando a eleger parte da base eleitoral que servirá de sustentação para o pleito de 2022. O primeiro sinal de que a articulação está dando certo ocorreu já nesta quarta-feira, quando a pedido do Governo e de megaempresários, a Câmara desistiu de votar um projeto de lei que obrigava as empresas bilionárias a fazerem empréstimos compulsórios ao Executivo no período de combate à pandemia de coronavírus. O autor da proposta é Wellington Roberto, líder do PL na Casa.

MDB, DEM e PP

O presidente do MDB, Baleia Rossi, foi outro que se reuniu com o presidente. Mas ele diz que nada lhe foi oferecido e que esteve na reunião apenas para colocar sua bancada, de 34 deputados, à disposição do Governo para combater a covid-19. “O MDB não reivindica, não pede e não indicará nenhuma função no Governo federal”, diz. Rossi tem a missão de trazer alguma relevância aos emedebistas, que tinham assentos em todos os governos desde a redemocratização. Diz que sua prioridade não é buscar o embate, como Bolsonaro tanto apregoou nos últimos meses. “Momento agora não é de radicalismo, de briga política”.

O próximo a se reunir com o presidente é Antônio Carlos Magalhães Neto, que preside o DEM e é prefeito de Salvador (BA). O encontro está previsto para esta quinta-feira. No caso de ACM Neto, ainda não está clara qual será a postura de Bolsonaro.

Os principais incentivadores da aproximação de Bolsonaro com os representantes partidários foram os ministros-generais Luiz Eduardo Ramos (Secretaria-Geral) e Walter Braga Netto (Casa Civil). Eles entendem que, sem um elo entre presidente o Legislativo, não será possível dar andamento às pautas econômicas necessárias para auxiliar no combate à covid-19. A preocupação deles é a de evitar que as pautas governistas inteiramente alteradas no Parlamento, como foi a ajuda emergencial aos Estados e municípios.

No último dia 13, a Câmara aprovou uma proposta que mais que dobrava os gastos que União pretendia ter com essa ajuda financeira, atingindo o patamar de 89,6 bilhões de reais. Sob a batuta de Maia e de governadores, o Centrão ajudou a desfigurar o pacote de socorro fiscal desenhado pelo Ministério da Economia. Antes, os mesmos parlamentares aumentaram de 200 reais para 500 reais mensais a ajuda de custo que o governo deveria dar à população mais pobre durante o período da crise – mais tarde o Executivo concordou em elevar para 600 reais.

As alterações nas propostas governistas fizeram com que Bolsonaro elevasse as críticas contra o presidente da Câmara. O mandatário diz que o deputado quer tirá-lo do poder. Sob a mesa de Maia há sete pedidos de impeachment que dependem de uma decisão unilateral sua para serem iniciados. O clima esquentou depois que Bolsonaro participou no domingo de um ato pró-fechamento do Legislativo e do Supremo Tribunal Federal. E arrefeceu na segunda-feira, quando ele disse a apoiadores que era a favor da democracia e entendia que todos os poderes deveriam seguir abertos. Os vaivéns presidenciais, com acenos radicais e supostos recuos, têm sido praxe, e estão longe de terminarem.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos