abr
22

DO EL PAÍS

Governador do Distrito Federal, que diz não considerar Bolsonaro um aliado, inicia reabertura do comércio após quase 40 dias de quarentena. Ele elogia novo ministro, e critica socorro econômico do Executivo

O governador do Distrito Federal Ibaneis Rocha (MDB), em novembro de 2018, em sua casa em Brasília.
O governador do Distrito Federal Ibaneis Rocha (MDB), em novembro de 2018, em sua casa em Brasília.Pedro Ladeira / Folhapress / Pedro Ladeira/Folhapress

O Distrito Federal tem o sétimo maior coeficiente de incidência do novo coronavírus no Brasil. São 289 casos para cada 1 milhão de habitantes, um índice considerado alto, mas ainda quase a metade do Amazonas, que lidera o ranking no país. Em Brasília e suas regiões administrativas moram 2,5 milhões de pessoas, e até esta terça-feira havia a confirmação de 881 pessoas infectadas e 24 mortes, o que coloca a taxa de letalidade na federação em 2,7% (ante 6,4% do índice nacional). Na avaliação do Ministério da Saúde, o DF está entre as sete unidades da federação próximas a entrar em uma fase descontrolada de contaminação. Ainda assim, o governador Ibaneis Rocha (MDB) demonstra tranquilidade para ampliar o afrouxamento do isolamento social que ele impôs por decreto desde a segunda semana de março. Segundo ele, a adoção rápida do confinamento deu tempo para o DF se preparar para a fase de pico, prevista para o fim de abril. “Não tenho dúvida nenhuma que surtiu efeito. Chegamos a ter dias com 80% de isolamento social. Isso ajudou muito para não estarmos em uma situação incontrolável hoje”, afirmou ao EL PAÍS. Foi o primeiro governador do país a adotar uma postura indicada por autoridades sanitárias, mas repudiadas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que demitiu seu ministro da Saúde na semana passada exatamente por essas divergências.

Dizendo gostar do presidente, mas não o considerar um aliado, Ibaneis é um dos que concordaram com a demissão de Luiz Henrique Mandetta do Ministério da Saúde, no último dia 16, ao contrário do que pensa 64% da população, conforme pesquisa Datafolha. “Acho que já foi tarde”. O governador do Distrito Federal também esteve entre os poucos que não assinou as recentes cartas críticas ao presidente —a mais recente, assinada por 20 governadores, manifestou apoio aos líderes da Câmara e do Senado em repúdio aos protestos com viés antidemocráticos realizados no domingo, com a presença do presidente. Com quase tudo fechado desde 12 de março, nas últimas duas semanas, Ibaneis autorizou a abertura de feiras livres, lojas de móveis e eletroeletrônicos, além de óticas. Até 4 de maio, deve abrir o restante do comércio. E, no começo de junho, autorizará o retorno das aulas nas redes públicas e privadas. Diz não sofrer pressões para fazê-lo antecipadamente e que, apesar do pico da doença chegar até o fim de abril, está preparado para um eventual aumento dos casos que necessitem de internações hospitalares. A seguir, os principais trechos da entrevista concedida por telefone.

Pergunta. Qual a sua avaliação sobre a demissão de Luiz Henrique Mandetta do Ministério da Saúde?

Resposta. Acho que já foi tarde. O ministro Mandetta fez um excelente trabalho antes do coronavírus. Na nossa secretaria de saúde ele ajudou muito na atenção básica e no reaparelhamento da saúde, na compra de medicamentos, nos equipamentos dos hospitais. Isso tudo até a chegada da covid-19. Depois, parece que ele foi colhido por um vírus político e entrou numa divergência com o presidente e esqueceu da condução e do tratamento do coronavírus no Brasil como um todo. Tínhamos condições que eram previsíveis em todo o país. Saber que São Paulo teria um colapso era uma coisa natural. Saber que Brasília corria um risco, em virtude de sua condição de ter embaixadas, o Congresso Nacional, abrigar a Presidência da República era alguma coisa previsível também. Alguns Estados do Nordeste também. O Ceará por causa do turismo e Pernambuco pela atividade econômica. Tem algumas situações que poderiam ter sido identificadas e tratadas de um modo diferenciado. Não sou médico, mas com base em nossa equipe concluí que ele não tratou o vírus da forma técnica como deveria. O tempo que ele perdia naquelas entrevistas era um tempo que poderia ser utilizado tratando de estratégias de combate com os governadores e secretarias de saúde dos Estados. Eu, nesse período todo ele não tratou comigo nenhuma vez.

P. Como assim? Não teve nenhuma reunião com o Mandetta nessa crise?

R. Não. Tudo o que fiz no Distrito Federal foi com os meus técnicos. Montei minha sala de gestão, montei os meus modelos, com todos os dados inseridos e pelas previsões. Analisei os dados do mundo que deram certo e errado. Eu entendo que o ministro Mandetta poderia ter feito um trabalho diferenciado olhando para o Brasil como um todo. Ele se envolveu em uma guerra com o presidente da República e se esqueceu de um exército formado pelas secretarias de saúde dos Estados e municípios.

P. O senhor também demitiu o Osnei Okumoto, seu secretário da Saúde, durante a pandemia. Por qual razão?

R. Foi no início da crise e não foi por incompetência ou por questões políticas, não. Ele é extremamente competente, da mesma maneira que é o Mandetta. Ele conhece muito de atenção básica. Me ajudou a resolver o problema da saúde do Distrito Federal. Hoje, temos quase 80% de cobertura na atenção básica, acabei com desabastecimento. Tudo isso foi ele quem fez. Mas, para o enfrentamento da crise com a agilidade que eu precisava, eu logo notei que o secretário Osnei não ia dar conta. Ele saiu, mas continua na minha equipe. Hoje, ele preside o hemocentro. Você tem uma pessoa para cada momento [Francisco Araújo Filho assumiu o comando da Secretaria de Saúde do DF]. O Mandetta foi num excelente ministro antes da crise, dentro da crise, entendo que ele não agiu bem.

R. Qual é a avaliação que o senhor faz do novo ministro da Saúde, Nelson Teich?

R. A primeira fala dele aponta para um rumo mais correto. Quero ver as ações. Em primeiro lugar, ele tem de esquecer a política, já que ele se coloca como um técnico. E ele tem de partir agora para uma união dos Estados. Tem de sentar com a equipe técnica dele e montar uma estratégia para os Estados para pensar na recuperação do Brasil como um todo. Como a crise se agravou em São Paulo, Fortaleza, Manaus, ele vai ter de adotar uma estratégia diferente. Se não o país não vai sair da crise.

P. O Ministério da Saúde inclui o DF como um dos que estão na iminência de entrar em uma fase descontrolada.

R. O Distrito Federal hoje está com uma curva de controle, tanto que eu estou falando já em reabertura. Agora, tem outros Estados que não vão tratar disso tão cedo. O ministério hoje tem de olhar o mapa do Brasil como um todo, ver a estrutura das cidades, aumentar a testagem da população como ele colocou na sua primeira manifestação e dar um socorro para cada um dos Estados prevenindo o que está acontecendo.

P. Conforme os seus técnicos, o pico já chegou no Distrito Federal?

R. Não. Vamos chegar no pico daqui mais uma ou duas semanas. Até o fim do mês.

P. Se ainda vai atingir o pico no fim de abril, por que o senhor prevê reabrir o comércio na primeira semana de maio?

R. Eu já tinha essa análise desde o fim de março. Como estamos sob controle, eu tive tempo para melhorar minha rede de saúde. [Até a sexta-feira, 17 de abril] Hoje tenho só 17 pessoas internadas para 300 leitos de UTI na rede pública. Somando com a rede privada chegamos a uns 500 leitos só pra Covid-19. Temos o maior número de leitos da UTI, temos mais de 1.600 leitos. A nossa previsão é que o vírus agora vai se espalhar para as comunidades mais carentes. E muitos deles não tem condição de fazer um isolamento domiciliar. Como eu diminuí muito o atendimento dentro dos hospitais, separei o Hospital Regional da Asa Norte [referência na rede pública] que só está atendendo queimados e covid-19. Então, eu tenho leitos hoje para fazer isolamento até quem não tem conta de se isolar em seu domicílio. E até o fim do mês também terei um hospital de campanha pronto.

P. Qual é a estrutura desse hospital de campanha?

R. Serão mais 200 leitos no estádio Mané Garrincha. Não terá UTI, mas será destinado para quem se infectar nas regiões mais carentes e não tem como se isolar. Darei o isolamento para pessoa e, se for necessário, o que sair do estágio mais grave da UTI e ainda precisar ficar internado, irá para esse hospital de campanha

P. Brasília está em isolamento desde a segunda semana de março. Acha que surtiu efeito?

R. Não tenho dúvida nenhuma que surtiu efeito. Chegamos a ter dias com 80% de isolamento social. Isso ajudou muito para não estarmos em uma situação incontrolável hoje.

P. Há empresas que fazem esse monitoramento que apontam que o isolamento hoje está torno de 55% no DF. Por que reduziu tanto?

R. Ainda somos o primeiro do Brasil. Reduziu porque eu já abri algumas atividades [feiras, lojas de eletrônicos, móveis e ótica]. Essa é uma gripe que muita gente vai pegar. O que temos é diminuir o ritmo da infecção. Vamos chegar num ponto que teremos 70% das pessoas infectadas. Como não tem vacina, só vamos ter a imunidade quando tivermos mais de 60% da população que tiveram contato com o vírus.

P. Pelo seu decreto, as escolas só devem reabrir em junho. Já que está abrindo o comércio, pretende alterar essa data também?

R. Não. No caso das escolas, se eu as mantenho fechadas, diminuo pela metade o número de pessoas circulando na cidade. Antes do início das medidas, eu tinha em torno de 1,2 milhão de pessoas que circulam diariamente. Eu mantendo as escolas fechadas e servidores públicos em teletrabalho, eu vou ter, com a reabertura do comércio, em torno 500.000 a 600.000 pessoas circulando.

P. Sente-se pressionado por empresários, comerciantes ou qualquer outro setor para afrouxar as medidas de restrição de isolamento social o quanto antes?

R. Não. Eu passei minha vida todinha na advocacia. Não sou sujeito à pressão. Como fui eleito por mim mesmo, não tive o apoio de ninguém, não devo nada a ninguém. Tenho uma condição diferenciada.

P. Um diálogo vazado do ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, com o deputado Osmar Terra mostrou que se o senhor relaxasse as medidas, poderia servir de exemplo para os demais governadores. Isso de alguma forma afetou suas decisões? Sentiu-se sob pressão para reabrir logo?

R. Não. Eu tive uma conversa com o ministro Braga Netto (Casa Civil) e com o Osmar Terra. Fui eu quem falei para eles que tinha previsão de abrir antes. E, se o governo me ajudasse, eu poderia servir de exemplo. Quando eu falo isso, eu preciso de ajuda para fazer uma testagem em massa, para ter maior nível de segurança. E preciso equipar mais meus hospitais. Aí, eu disse a eles que Brasília podia ser um exemplo. Nós adotamos as medidas de isolamento com muita firmeza e estamos fazendo nossa parte. Essa foi a informação que eu passei para eles. Naquele diálogo, eles só replicaram a minha fala.

P. E essas testagens em massa. Há previsão de acontecerem?

R. Começamos a fazer já. Antes, fazíamos em torno de 600 testes por dia e aumentamos para 1.000. Contratei um laboratório e contratarei mais dois para que, na próxima semana, passemos a fazer 1.500 testes ao dia. O ministério está nos ajudando enviando 15.000 testes. Até o fim do mês, quero chegar a 2.000 testes por dia. Até o final de maio quero chegar a 400.000 pessoas [cerca de 15% da população].

P. A mortalidade no Distrito Federal é de 2,7% dos infectados, enquanto que a do Brasil está na casa dos 6,4%. A que atribuiu esses dados?

R. Às condições de nosso atendimento médico tanto na rede pública quanto na privada, que é muito bem equipada.

P. Qual é o impacto financeiro dessa crise para o DF?

R. É muito ruim do ponto de vista econômico. Mas do ponto de vista da saúde, tivemos a oportunidade de reequipar a rede pública, inclusive. Estamos com nossos leitos públicos renovados e ampliados.

P. E os respiradores. Conseguiram comprar?

R. Sim. Nós recuperamos 250 que estavam em nossa sucata. Compramos 150 com recursos do BRB [banco estatal de Brasília] com doações de empresários e mais 150 com recursos próprios. Soma-se a isso outros 160 que já tínhamos [total 710].

P. O senhor já se declarou aliado do presidente Bolsonaro. Mas, ultimamente, tem adotado medidas diferentes das que ele defende. Ainda é um aliado dele?

R. Eu sou um hospedeiro da presidência da República e do Congresso Nacional. Eu sabia que teria de ter uma boa convivência com todos eles. Eu tenho um bom relacionamento com o presidente e com os ministros. Agora, nem por isso sou obrigado a concordar com tudo o que ele fala e faz. Vivi e cresci dentro da democracia. Eu convivo com opiniões divergentes com muita facilidade. Agora, eu adoto as que eu acho que estão corretas. Isso não me faz brigar com ninguém. Posso não concordar com muita coisa que ele fala, mas não vai me fazer um inimigo dele.

P. Mas o senhor já subscreveu cartas de governadores que criticavam o presidente. Acha que, de alguma maneira, elas interferiram na relação dos governadores com ele?

R. Eu subscrevo as cartas. Sou coordenador do fórum. Quando houve uma reunião para tratar de uma questão mais politizada, eu não participei. Quando há reuniões que contém críticas positivas e, se adotadas, podem ajudar na evolução, eu assino sem problema.

P. Para ficar claro. O senhor é ou não um aliado do presidente?

R. Sou um aliado. Não, corrigindo. Sou aliado, não. Eu gosto do presidente e de muita coisa que ele fez, só não concordo com todas.

P. Está satisfeito com o socorro econômico anunciado pelo Governo federal aos Estados e Municípios e da forma com que ele foi votado na Câmara?

R. Esse pacote que não olha para os Estados entendendo que o Brasil é um país continental com suas divergências. A principal renda das regiões Norte de Nordeste vem do Fundo de Participação dos Municípios e do Fundo de Participação dos Estados. Tem razão os parlamentares e governadores de lá quando fazem suas críticas. Quando você vem para Centro-Oeste, Sul e Sudeste, você tem uma modificação na composição dessa renda. Nossa principal fonte é a arrecadação de tributos: ICMS e ISS, principalmente. Esse pacote trata todos os Estados da federação da mesma maneira, e, por isso, você não consegue resolver o problema. Fica cada um puxando a corda para um lado e gera uma situação de impasse. Faltou um pouco de técnica na elaboração, para que realmente tivesse uma solução que atendesse a todos. Isso não é só desse Governo, o Brasil sempre foi assim. Eles tentam dar uma solução nacional, quando nossos problemas são regionais. A nossa Constituição teve esse pecado, quis igualar todo mundo, esquecendo que todos os brasileiros vivem em localidades diferentes.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos