mar
28
Macaque in the trees
O papa fez um culto solitário e dramático (Foto: Reuters/Yara Nardi)

O papa Francisco disse que o coronavírus colocou todos “no mesmo barco”, enquanto realizava um culto dramático e solitário na Praça de São Pedro, nesta sexta (27), instando o mundo a ver a crise como um teste de solidariedade e um lembrete de valores básicos.

“Uma escuridão espessa se acumulou em nossas praças, ruas e cidades”, disse ele, falando dos degraus da Basílica de São Pedro em uma praça assustadoramente vazia e chuvosa, antes de entregar uma extraordinária “Urbi et Orbi” (para a cidade e o mundo) – algo que ele normalmente faz apenas duas vezes por ano.

“Ele tomou conta de nossas vidas, enchendo tudo com um silêncio ensurdecedor e um vazio angustiante que interrompe tudo ao passar; sentimos isso no ar … nos sentimos com medo e perdidos”, disse ele.

O Vaticano chamou o serviço de “Uma Oração Extraordinária no Tempo da Pandemia”, um sombrio eco de um anúncio de autoridades italianas minutos antes de que o número de mortes por coronavírus no país havia ultrapassado as 9 mil.

Nos Estados Unidos, o número total de infecções superou 85 mil, tornando-o líder mundial em casos confirmados.

Francisco caminhou sozinho na chuva até um dossel branco nos degraus da basílica, e falou sentado sozinho diante de uma praça que normalmente atrai dezenas de milhares de pessoas, mas agora está fechada por causa da pandemia.

“Percebemos que estamos no mesmo barco, todos frágeis e desorientados, mas ao mesmo tempo importantes e necessários, todos fomos chamados para remar juntos, cada um de nós precisando confortar o outro”, disse ele.

Francisco disse que o vírus expôs a vulnerabilidade das pessoas “às certezas falsas e supérfluas em torno das quais construímos nossos horários diários”.

Ele elogiou médicos, enfermeiras, funcionários de supermercados, produtos de limpeza, prestadores de cuidados, trabalhadores de transporte, polícia e voluntários, dizendo que eles, e não os ricos e famosos do mundo, estavam “escrevendo os eventos decisivos de nosso tempo”.

O líder dos 1,3 bilhão de católicos romanos do mundo disse que Deus estava pedindo a todos que “despertem e ponham em prática essa solidariedade e esperança capazes de dar força, apoio e significado a essas horas em que tudo parece estar se debatendo”.

Ele orou diante de um crucifixo de madeira que normalmente é mantido em uma igreja de Roma e levado ao Vaticano para o serviço especial.

Segundo a tradição, uma praga que atingiu Roma em 1522 começou a desaparecer após o crucifixo ser tomado pelas ruas da capital italiana por 16 dias naquele ano.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos