fev
27

Por Carolina Cruz, G1 DF

CNBB lança no DF campanha da fraternidade com tema "Fraternidade e vida" — Foto: CNBB/Reprodução CNBB lança no DF campanha da fraternidade com tema "Fraternidade e vida" — Foto: CNBB/Reprodução

 

CNBB lança no DF campanha da fraternidade com tema “Fraternidade e vida” — Foto: CNBB/Reprodução

 

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) lançou, nesta quarta-feira (26), a campanha da fraternidade de 2020, com o tema “Fraternidade e Vida: dom e compromisso”. No ano passado, o foco foram as políticas públicas.

A cerimônia de abertura ocorreu na sede da CNBB, no Setor de Embaixadas Sul. Santa Dulce dos Pobres e o Papa Francisco são apresentados como exemplos de bons samaritanos – referência a uma parábola da Bíblia.

No lançamento, o secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Joel Portella Amado, explicou que o principal objetivo é “proteger a vida”. Citando números de violência no país, destacou o “cuidado entre as pessoas” como a principal ação (saiba mais abaixo).

Segundo o texto-base da campanha, o objetivo é “conscientizar, à luz da palavra de Deus, para o sentido da vida como dom e compromisso”. Já com o lema “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” – extraído de um versículo bíblico – a campanha quer incentivar as “relações de mútuo cuidado entre as pessoas, na família, na comunidade, na sociedade e no planeta”.

Criada em 1962, a campanha da fraternidade é apresentada todo ano na quarta-feira de cinzas, quando tem início a Quaresma, período de 40 dias que antecede a Páscoa.

Homenagem

 

Tapeçaria com imagem da Irmã Dulce, a Santa Dulce dos Pobres, na Praça de São Pedro, no Vaticano — Foto: Bruno Batista/VPR Tapeçaria com imagem da Irmã Dulce, a Santa Dulce dos Pobres, na Praça de São Pedro, no Vaticano — Foto: Bruno Batista/VPR

Tapeçaria com imagem da Irmã Dulce, a Santa Dulce dos Pobres, na Praça de São Pedro, no Vaticano — Foto: Bruno Batista/VPR

Irmã Dulce, canonizada no dia 13 de outubro do ano passado, é homenageada na Campanha da Fraternidade de 2020 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Ela é a primeira mulher nascida no Brasil a se tornar santa.

A sobrinha da Irmã Dulce, Maria Rita Pontes, participou do lançamento da campanha. Durante pronunciamento, ela destacou a trajetória da santa em ações de solidariedade com pessoas pobres e em situação de vulnerabilidade.

“O que nós vamos vivenciar nessa fase da Quaresma, Irmã Dulce vivenciou a vida inteira. Ela nunca procurou divulgar o que fazia e sim estar sempre perto daquilo que os necessitados mais precisavam”, disse.

Para Maria Rita, lembrar a obra de Irmã Dulce na campanha da fraternidade deste ano “é um ganho para toda a sociedade”. Ela afirma que a santa era “incompreendida” na geração que viveu.

“Ela estava muito além do seu tempo. Hoje, ela é atual, mas na época uma freira que queria evangelizar nos presídios através da música, que arrombava casas para ajudar pessoas, que fazia coisas impensáveis para a época, acolhia pessoas de rua e prostitutas, não discriminava ninguém”, pontuou ao G1.

“Tudo que a gente fala hoje de valores, ela [Irmã Dulce] já fazia há 50 anos atrás”

No centro do cartaz de divulgação da campanha da fraternidade, a santa brasileira aparece junto com crianças e idosos, nas ruas do centro histórico de Salvador.

 
CNBB lança Campanha da Fraternidade de 2020

CNBB lança Campanha da Fraternidade de 2020

Contra a indiferença

O secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Joel Portella Amado, destacou a vida de Irmã Dulce como um exemplo contra a indiferença.

“O remédio para a indiferença e a morte é o cuidado”, disse Dom Joel Portella.

Questionado sobre quais são as ações concretas que a igreja recomenda aos cristãos, Portella afirmou que há “diversos níveis de ação”.

“A primeira [ação] começa em cada um: [questionar] o que eu posso fazer para me tornar um cuidador? Até dentro de casa, até cuidar de si para poder cuidar dos outros. Já em nível de sociedade, com ações de natureza política e ecológica”, afirmou.

A campanha da fraternidade termina no dia 5 de abril, quando a igreja católica comemora o Domingo de Ramos, que antecede o domingo da Páscoa. Na ocasião, a igreja recolhe arrecadação dos fiéis. O valor é encaminhado ao Fundo Nacional de Solidariedade, que destina 60% dos recursos na diocese de origem e 40% a projetos sociais da comunidade.

Em 2019, o valor que custeou ações sociais foi de cerca de R$ 3 milhões, segundo a CNBB.

Objetivos específicos

Além do objetivo geral, a campanha da fraternidade de 2020 apresenta os seguintes objetivos específicos:

  • Apresentar o sentido de vida proposto por Jesus nos Evangelhos;
  • Propor a compaixão, a ternura e o cuidado como exigências fundamentais da vida para relações sociais mais humanas;
  • Fortalecer a cultura do encontro, da fraternidade e a revolução do cuidado como caminhos de superação da indiferença e da violência;
  • Promover e defender a vida, desde a fecundação até o seu fim natural, rumo à plenitude;
  • Despertar as famílias para a beleza do amor que gera continuamente vida nova;
  • Preparar os cristãos e as comunidades para anunciar, com o testemunho e as ações de mútuo cuidado, a vida plena do Reino de Deus;
  • Criar espaços nas comunidades para que, pelo batismo, pela crisma e pela eucaristia, todos percebam, na fraternidade, a vida como Dom e Compromisso;
  • Despertar os jovens para o dom e a beleza da vida, motivando-lhes o engajamento em ações de cuidado mútuo, especialmente de outros jovens em situação de sofrimento e desesperança;
  • Valorizar, divulgar e fortalecer as inúmeras iniciativas já existentes em favor da vida;
  • Cuidar do planeta, nossa Casa Comum, comprometendo-se com a ecologia integral.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • Fevereiro 2020
    S T Q Q S S D
    « jan   mar »
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    242526272829