jan
03
Posted on 03-01-2020
Filed Under (Artigos) by vitor on 03-01-2020


 

Miguel , no

 

jan
03

Michel Mayor e Didier Queloz são os primeiros a receber o prêmio da academia sueca pelo achado de exoplanetas; James Peebles foi agraciado pelo estudo da evolução do cosmos

James Peebles, Michel Mayor e Didier Queloz, prêmios Nobel de Física, em um desenho distribuído pela Fundação Nobel.
James Peebles, Michel Mayor e Didier Queloz, prêmios Nobel de Física, em um desenho distribuído pela Fundação Nobel.NOBEL FOUNDATION
 Daniel Mediavilla

A Real Academia de Ciências da Suécia concedeu o Prêmio Nobel de Física 2019 a Michel Mayor, Didier Queloz e James Peebles. Os dois primeiros foram responsáveis pela descoberta dos primeiros planetas fora do sistema solar. O terceiro é um dos pais das teorias cosmológicas que explicam como o universo surgiu e como vem evoluindo. No anúncio em Estocolmo, a academia sueca justificou a premiação pelas contribuições dos vencedores ao conhecimento humano sobre a evolução do cosmos e o lugar que a Terra ocupa nele.

Até menos de 30 anos atrás, a existência de planetas fora do sistema solar era apenas uma abordagem teórica, algo muito provável, mas que ninguém havia sido capaz de comprovar com observações diretas. Em 1992, Aleksander Wolszczan e Dale Frail anunciaram a primeira descoberta da história de planetas extrassolares. Orbitavam uma estrela de nêutrons, algo que de alguma forma desvalorizou a descoberta. Três anos depois, os suíços Michel Mayor e Didier Queloz descobriram o primeiro planeta extrassolar em torno de uma estrela “normal” e, por isso, foram eles que receberam o reconhecimento da academia sueca. Hoje, já foram descobertos mais de 4.000 planetas fora do sistema solar, algumas de suas atmosferas começaram a ser estudadas e em breve será pesquisado nelas sinais de atividade biológica.

Se Mayor e Queloz nos lembraram que nosso planeta é apenas mais um entre bilhões que vagam pelo universo, o canadense James Peebles desenvolveu teorias décadas atrás para explicar como tudo começou. Em 1964, Robert Wilson e Arno Penzias, dois engenheiros da empresa Bell Labs, descobriram ao construir uma antena de telecomunicações um ruído de fundo que não conseguiam eliminar e cuja procedência desconheciam.

Aquele sinal incômodo foi finalmente identificado como o fundo cósmico de microondas, uma radiação fóssil que era como uma espécie de eco do Big Bang. A descoberta, que também mereceu o Prêmio Nobel de Física, dava razão aos cientistas que tinham defendido a ideia de que o universo começou em um pequeno ponto extremamente quente e denso a partir do qual se expandiu. Mais de meio século depois, Peebles, um dos cientistas que havia previsto a existência daquela radiação de fundo, também recebeu o Nobel

jan
02
Posted on 02-01-2020
Filed Under (Artigos) by vitor on 02-01-2020

DO SITE O ANTAGONISTA

Moro celebra concurso para agentes penitenciários

Sergio Moro foi hoje ao Twitter celebrar o novo concurso para agente penitenciário federal. “Governo do presidente Jair Bolsonaro começa ano com investimentos na segurança”, anunciou.

Publicada ontem em edição extra do Diário Oficial, a portaria nº 675 do Ministério da Economia autoriza concurso para 309 cargos do Departamento Penitenciário Nacional, sendo 294 agentes e 15 especialistas. O edital de abertura deve ser publicado em até seis meses.

“Isolar líderes criminosos e retomar o controle de presídios estaduais têm contribuído para a queda dos índices criminais. Reduzir a impunidade, prendendo e neutralizando criminosos perigosos, reduz os crimes. Óbvio assim. Obrigado Ministério da Economia pelo apoio no investimento estratégico”, celebrou o ministro da Justiça.

“Non Je n`ai rien oublié”, Charles Aznavour: Esplendorosa interpretação de uma das mais românticas o tocantes canções francesas, pelo próprio autor. Neste vídeo histórico a versão da performance do fabuloso artista em show no Palais de Congéès, de Paris, em 2000. Momento inesquecível, com legenda em português

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

jan
02

Do Jornal do Brasil

 

Em mensagem de Ano Novo, papa critica violência contra mulheres

O papa Francisco, em sua primeira mensagem no ano novo, denunciou nesta quarta-feira o uso e abuso de mulheres na sociedade moderna e pediu o fim da exploração do corpo feminino.

Macaque in the trees
Papa Francisco (Foto: REUTERS/Yara Nardi)

Falando na Basílica de São Pedro, o papa também defendeu os direitos das mulheres de migrar em busca de um futuro melhor para os filhos e condenou aqueles que pensam apenas no crescimento econômico e não no bem-estar dos outros.

“Toda violência infligida às mulheres é uma profanação de Deus”, disse o papa em sua homilia.

“Quantas vezes o corpo de uma mulher é sacrificado no altar profano de publicidade, lucro, pornografia, explorado como uma superfície a ser usada”, afirmou ele, acrescentando que o corpo feminino “precisa ser libertado do consumismo, deve ser respeitado e honrado.”

O papa tem procurado regularmente defender os direitos das mulheres durante seu pontificado e, em abril, disse que a Igreja Católica Romana tinha que reconhecer uma história de dominação masculina e abuso sexual de mulheres.

“Podemos entender nosso nível de humanidade pela maneira como tratamos o corpo de uma mulher”, declarou ele nesta quarta-feira.

O papa também usou sua homilia para abordar outro tema próximo ao seu coração, a imigração, dizendo que as mulheres que se mudaram para o exterior para sustentar os filhos deveriam ser honradas e não desprezadas.

“Hoje até a maternidade é humilhada, porque o único crescimento que nos interessa é o crescimento econômico”, afirmou.

“Há mães que se arriscam em viagens perigosas para tentar desesperadamente dar ao fruto do útero um futuro melhor e são consideradas supérfluas por pessoas cujas barrigas estão cheias de coisas, mas cujos corações estão vazios de amor”(Reuters)

Por G1

O ex-presidente Barack Obama — Foto: AP Photo/Charles Rex Arbogast O ex-presidente Barack Obama — Foto: AP Photo/Charles Rex Arbogast

O ex-presidente Barack Obama — Foto: AP Photo/Charles Rex Arbogast

 

Obama divulgou na segunda-feira (30) uma playlist do Spotify, serviço de streaming, com as músicas favoritas dele em 2019.

A lista tem canções de artistas que foram destaque neste ano como a americana Lizzo, o colombiano J Balvin e a espanhola Rosalía.

Nomes mais conhecidos como Beyoncé, Alicia Keys e Bruce Springsteen também foram lembrados.

 
 
Barack Obama elege suas músicas preferidas de 2019

Barack Obama elege suas músicas preferidas de 2019

 

O ex-presidente dos Estados Unidos tem o costume de criar listas de músicas com as preferidas do ano e também com trilhas para o verão.

“Do hip-hop ao country e ao chefão, aqui estão minhas músicas do ano. Se você está procurando algo para ser uma companhia durante uma longa viagem de carro ou para ajudá-lo a malhar, espero que tenha uma ou duas música aqui que ajudem”, explicou Obama.

Barack Obama

? @BarackObama

From hip-hop to country to The Boss, here are my songs of the year. If you’re looking for something to keep you company on a long drive or help you turn up a workout, I hope there’s a track or two in here that does the trick.

DO EL PAÍS

Francisco deu um tapa na mão de uma fiel que o puxou bruscamente enquanto ele cumprimentava o público na praça de São Pedro, nesta terça-feira

O papa Francisco celebra a primeira missa do ano, no Vaticano.
O papa Francisco celebra a primeira missa do ano, no Vaticano.ANGELO CARCONI / EFE

O papa Francisco se desculpou nesta quarta-feira, antes da tradicional oração do Angelus, por ter “perdido a paciência” e dado um tapa na mão de uma fiel que o puxou bruscamente ao saudá-lo. “Tantas vezes perdemos a paciência. Também acontece comigo. Peço desculpas pelo mau exemplo dado ontem”, declarou o pontífice de uma janela do palácio apostólico na praça de São Pedro, no Vaticano.

O incidente ocorreu na noite anterior, na mesma praça, quando o papa, visivelmente contrariado, repreendeu uma mulher que o agarrou bruscamente pela mão e o puxou na sua direção enquanto ele cumprimentava os fiéis, após celebrar a última missa do ano.

A mulher, de traços asiáticos, estava na primeira fila detrás das barreiras metálicas de segurança instaladas na praça. Quando Francisco passou ao seu lado, ele pegou a mão dele e o puxou repentinamente em sua direção. O papa tentou imediatamente escapar da mulher e, depois de conseguir, deu um leve tapa na sua mão, em sinal reprimenda, enquanto seus agentes de segurança se aproximavam para socorrê-lo, embora não tenham tido que intervir. Quando o incidente ocorreu, o pontífice argentino acabava de chegar à praça de São Pedro para visitar a árvore de Natal e o presépio instalados durante esta época do ano.

O papa celebrou nesta quarta-feira a primeira missa do ano na basílica de São Pedro, quando proferiu uma homilia em que condenou com firmeza a violência, a humilhação e as ofensas impostas com frequência às mulheres. “As mulheres são fonte de vida. Entretanto, são continuamente ofendidas, golpeadas, violentadas, induzidas a se prostituir e a eliminar a vida que levam no ventre”, declarou o líder da Igreja Católica. Depois ele se dirigiu ao palácio apostólico para rezar o Angelus com os fiéis reunidos na praça de São Pedro e aproveitou a ocasião para se desculpar pela atitude da véspera.

jan
02
Posted on 02-01-2020
Filed Under (Artigos) by vitor on 02-01-2020
asileiro na Internet – ano XXII – 4ª- feira 01/01/2020
random image
Santiago, no portal de humor A Charge Online

 
Universitárias mexicanas representam a coreografia ‘Um Estuprador no seu Caminho’, em 29 de novembro.
Universitárias mexicanas representam a coreografia ‘Um Estuprador no seu Caminho’, em 29 de novembro.GALO CAÑAS (CUARTOSCURO)
O repúdio à violência machista é algo generalizado, mas as formas de combatê-la deixam amplo espaço para o debate. A proposta da chefa de Governo da Cidade do México, Claudia Sheinbaum, de criar um cadastro público de agressores sexuais, no qual a população possa consultar a identidade de quem cometeu estupros e abusos, já nasceu cercada pela polêmica que acompanhou essa mesma iniciativa quando se tentou implantá-la em outros países. De um lado se situam aqueles que defendem o direito a saber que o vizinho é um agressor, e no outro aqueles que duvidam da eficácia de uma medida meramente punitiva. “Não se pode reduzir um debate complexo a termos simples como vítimas e algozes”, argumenta a antropóloga mexicana Marta Lamas.

Nestes dias em que mulheres de todo o mundo se mobilizam contra as agressões cometidas por seus companheiros e quando o México beira a intolerável cifra de 10 mortas por dia, a capital apresentou uma bateria de medidas sob sua declaração de alerta por violência de gênero, declarada em novembro. A capital apresenta cifras alarmantes: no ano recém-terminado, os dados oficiais indicam que a polícia recebeu 588 chamados por estupro, de um total próximo de 3.300 em todo o país. É sabido que muitos estupros não são denunciados, e também que muitos casos ocorrem entre cônjuges. Pesquisas do Governo indicam que 64% das mulheres — 12,2 milhões — já sofreram violência severa ou muito severa em seus relacionamentos, o que inclui estupros esporádicos ou frequentes.

O que fazer com esses casos em que a mulher agredida não denuncia? “É uma medida mais de efeito do que efetiva, que pode violar os direitos humanos. O problema é que no México a Justiça não funciona, a polícia não investiga e fabrica culpados ou usa a coerção para obter confissões. Por outro lado, há gente poderosa que corrompe os agentes inclusive em casos de homicídio. O que nos garante que os estupradores sentenciados sejam realmente os culpados pelo delito?”, pergunta Lucía Melgar, professora de Literatura e Gênero e ativista dos direitos das mulheres. E acrescenta outras questões relevantes: “Para que serve um registro incompleto por falta de denúncias? O que acontecerá com os que escapem à Justiça? Para que, concretamente, esse cadastro será usado?”.

São questões demais para um projeto anunciado, mas do qual ainda se desconhecem muitos detalhes, e que precisará passar por dois Legislativos: o da Cidade do México e o federal. Para começar, não se sabe se esse cadastro de livre acesso público incluirá o nome somente daqueles que já tiverem condenações definitivas. “Há outras possibilidades a explorar”, afirma a diretora-geral para uma Vida Livre de Violência da capital, Ingrid Gómez. Ela acrescenta que foram analisadas experiências de outros lugares, mas que nesta cidade de quase nove milhões de habitantes “havia um clamor, sobretudo das moças, para que se fizesse pública a informação sobre estes agressores, para combater a reincidência”.

Centenas de mulheres protestam contra a violência de gênero na praça Zócalo, na Cidade do México, em 29 de novembro.
Centenas de mulheres protestam contra a violência de gênero na praça Zócalo, na Cidade do México, em 29 de novembro.GRACIELA LÓPEZ (CUARTOSCURO)

Argentina e Estados Unidos

A principal autoridade municipal para questões de Igualdade, Gabriela Rodríguez, diz que antes de lançar a iniciativa a prefeitura “analisou as experiências da Argentina e Estados Unidos”, entre outros países. O caso dos Estados Unidos é singular, possivelmente o que mais longe chegou na exposição pública dos condenados por violência contra a mulher. Com alguns cliques, uma pessoa que viva em Washington pode saber quantos agressores há em seu entorno, onde vivem e que rosto têm. Tão fácil como ativar uma busca em Internet para marcar um encontro sexual.

Na Argentina, o clamor popular foi agitado em 2003 por Isabel Yaconis, quando sua filha Lucila foi assassinada ao resistir a um estupro. Um cadastro de agressores foi criado há 10 anos e regulamentado em 2017. Não se trata de uma base de dados pública, e sim para uso exclusivo da polícia e da Justiça. Inclui dados genéticos de delinquentes identificados ou não, segundo fontes do Ministério da Justiça.

“Aquele caso me impactou, e a proposta da mãe de criar um registro genético me pareceu boa em princípio”, recorda a jornalista Luciana Péker, que cobriu o assassinato e sua repercussão pública e política. “É uma proposta moderada que não implica a estigmatização maciça de pessoas. A Argentina tem uma longa tradição contra a violência de gênero, mas esta medida não mudou nada. É necessário que haja educação, prevenção e políticas acertadas”, afirma. “É preciso gerar políticas latino-americanas contra a impunidade do poder. Esta medida não dá nem dará resultados notáveis por si só”.

Mundo afora, já há quem tenha se cansado de conjugar só os verbos educar e prevenir. Não falam de vingança, mas sim de direitos. Acontece na Espanha, onde a reincidência já deixou mais de uma vítima morta (após a saída da prisão) e várias maltratadas pelo mesmo agressor. Um dos casos mais notáveis foi, em 2019, o de um homem que assassinou sua esposa e, ao deixar a cadeia, manteve uma relação com a advogada que o assistiu no processo. Matou-a em janeiro. Ela não necessitava de um registro público, pois conhecia bem o agressor. E tampouco parece servir àquelas que têm uma ordem de afastamento a seu favor e a ignoram para voltar a conviver com seu futuro assassino.

O caso espanhol

A feminista espanhola María Durán opina que “é recomendável o registro público porque há toda uma solidariedade mal entendida por parte de muitos homens que acreditam que as condenações são excessivas e porque ainda não se acredita nas mulheres que sofreram violência de gênero, nem no seu entorno mais imediato. Uma sentença pública com nomes e sobrenomes recoloca o maltratador em seu lugar”, afirma. Mas, no mundo da pós-verdade, há quem não acredite nem nas sentenças e se dedique, por exemplo, a enlamear a credibilidade das vítimas, mencionando as raríssimas denúncias falsas.

María Durán foi a impulsionadora na Espanha, no começo do século, da publicação das sentenças firmes por casos de maus tratos entre cônjuges na comunidade da Castela-La Mancha. Na terra de Dom Quixote, a possibilidade de publicar a sentença judicial com o nome do agressor continua existindo, mas nem de longe é algo habitual. Há poucas experiências desse tipo na Espanha. “Opino que cada vez se acredita mais nas mulheres que denunciam, mas agora, com o crescimento da ultradireita do Vox, o freio é brutal porque eles não falam do ponto de vista da racionalidade, e sim da emotividade”, afirma Durán, que em 2001 era presidenta da associação de mulheres juristas Themis. A atual vice-presidenta dessa organização, Altamira Gonzalo, continua pedindo uma medida como essa: “É de caráter dissuasivo, uma garantia para a sociedade e uma forma a mais de atacar a violência machista. Temos direito de saber quem é o nosso vizinho”.

Resta um último argumento àqueles que veem pouca eficácia na medida: os problemas jurídicos que pode ocasionar. Na Espanha, num dado momento, já se falou de certo choque com o direito à proteção de dados. No México, isso é vagamente mencionado pela diretora-geral de Combate à Violência no Instituto Nacional da Mulher, Fabiola Alanis, que considera esse debate adequado, mas vê alguns inconvenientes: “Os argumentos jurídicos que podem ser esgrimidos poderiam dificultar a medida e dar elementos aos defensores dos algozes. [No México] já é complicada a argumentação jurídica para alcançar as sentenças máximas estabelecidas nos códigos penais. Eu apelaria mais à eliminação da impunidade e à prevenção”.

jan
01
Posted on 01-01-2020
Filed Under (Artigos) by vitor on 01-01-2020
 
DO EL PAÍS
i

Um sonho para o Brasil de 2020

Fiéis fazem homenagem a Iemanjá na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, em ritual para o Ano Novo.
Fiéis fazem homenagem a Iemanjá na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, em ritual para o Ano Novo.Pilar Olivares / REUTERS (Reuters)

Quis, para esse final de ano e a chegada de 2020, lembrar alguma história de meu passado que, em um dia como esse, tivesse o sabor da esperança, após o ano vivido de tormento político e social, de sombras e temores e, o mais grave, de brigas entre amigos e até familiares, envenenados por ideologias sem sentido no mundo da comunicação universal, em que nunca estivemos todos tão próximos.

Encontrei a lembrança no arquivo de minha memória. Foi durante minha estadia na Itália. Em um final de ano como o que viverei novamente agora no Brasil, uma amiga me perguntou se queria acompanhá-la para visitar, em um hospital para pobres, uma jovem africana que vivia, já sem esperança de cura, com um pulmão artificial e que era um exemplo de esperança aos outros doentes.

Era em Gênova. A jovem que havia fugido da África para trabalhar na Itália tinha um sonho naquele final de ano. Um sonho pequeno, mas que a ajudava a continuar viva: que a manhã chegasse para que o sol que entrava pela janela pudesse acariciar seu corpo jovem e ferido, preso naquele pulmão de aço. Eu perguntei por que para ela era tão importante aquele raio de sol em sua pele. Me disse: “Sou africana e para nós o sol é Deus. Ele nos dá a vida e a conserva. Eu me sinto completa e viva quando o sol me abraça”.

Vou comemorar pela vigésima vez meu final de ano neste Brasil que me adotou.

E gostaria que 2020 trouxesse a todos os brasileiros, principalmente aos que mais sofrem a pobreza e a injustiça, um sonho de esperança. Aquele que permitia à jovem africana continuar viva. Não posso esquecer que pelas veias de milhões de brasileiros corre sangue africano e com ele a herança de uma cultura milenar rica em experiências de vida. O Brasil é também um país de sol, que é feliz quando deixam que viva a vida em liberdade sem impor mordaças que humilham sua história.

Tudo o que significa, como começa a acontecer no mundo, retroceder aos tempos do obscurantismo e das frustrações de esperanças e de liberdades já adquiridas é querer roubar o deus do sol ao Brasil, algo que espero ser impossível

E essa herança africana com tudo o que isso traz de luz e sombras, de elos de escravidão e de riqueza humana e espiritual, criou esse país, um dos mais multifacetados em suas crenças e mais próximo ao sol das antigas mitologias com seu simbolismo de vida e de felicidade.

Tudo o que significa, como começa a acontecer no mundo, retroceder aos tempos do obscurantismo e das frustrações de esperanças e de liberdades já adquiridas, com o perigo de recuperar os instintos mais primitivos de violência e de vingança de uns contra outros, dos horrores das guerras reais e verbais, é querer roubar o deus do sol ao Brasil, algo que espero ser impossível.

Vamos nos alegrar que no Ano Novo comecem a aparecer os primeiros sintomas de recuperação econômica dos anos difíceis de desemprego e da queda de milhões de pobres à miséria. Mas que essas melhoras da economia global cheguem também às mesas dos que mais sofreram o açoite da pobreza e não fiquem somente nas dos que menos precisam, porque eles nunca são afetados pelas crises e até as usam para crescer ainda mais.

Para que 2020 possa ser um ano diferente, em que comecem a abrir as portas da esperança de uma melhora para todos, junto com o sol desse sonho que nunca deve se perder de poder viver melhor, é preciso, com a dose de esperança, o alerta da resistência contra os bárbaros que tentam desestruturar esse país assim como contra os que, enquanto dormimos em nossa falta de reação à barbárie, constroem muros de novas escravidões sem que percebamos até nos encontrarmos presos e impotentes.

São dois alertas que vi refletidos em dois magníficos poemas de um dos maiores poetas do século XX, o grego Konstantínos Kaváfis. São os poemas Muros e Esperando os Bárbaros. O dos muros que nos levantam no silêncio da noite e o pecado de nossa falta de vigilância diante da chegada dos bárbaros que “tentam impor suas leis”. Uma boa leitura de alerta para o ano que se inicia.

No poema Muros, escreve o poeta:

Sem consideração,

sem piedade, sem

vergonha

construíram grandes e altos

muros ao meu redor…

E por que não os vi quando erguiam os muros?

E conclui:

Imperceptivelmente me trancaram fora do mundo.

No outro poema Esperando os Bárbaros, escreve:

Quando os bárbaros chegarem

eles farão as leis

E narra como no fundo as pessoas haviam se acostumado tanto a que os bárbaros decidissem sua vida, que, quando uma noite não haviam chegado porque, das fronteiras, diziam que “já não existiam bárbaros”, se sentiram perdidas. E o final do poema é uma pergunta e um alerta que balança todos nós hoje:

E o que será de

nós agora sem bárbaros?

Essas pessoas eram uma espécie de solução

Terrível nostalgia dos tempos da tirania.

A melhor resistência, efetivamente, à chegada dos bárbaros e ao perigo de acordarmos um dia encurralados sem saída é que o Brasil, como a jovem africana do pulmão de aço, não renuncie ao melhor de sua identidade e história que é o amor por esse raio de sol, símbolo da liberdade e da felicidade, aproveitada juntos, em harmonia, sem que o país possa continuar dividido. Das culturas mais antigas à cristã, a figura de Satanás sempre foi a que tenta dividir e separar os homens, de semear cizânia e impedir-lhes de viver como eles desejam e não como gostariam os bárbaros como símbolo de intolerância e divisão.

Feliz 2020, portanto, aos meus leitores. A todos. Aos que às vezes gostariam que eu partisse deste país e aos muitos mais que me acolheram e me acolhem com esse calor humano e essa capacidade de contagiar a alegria de viver, que aqui senti sobre minha pele como em nenhum outro país. A todos eles “sonhos dourados” de felicidade, como dizem os italianos. Aquele sonho que alongava a vida e fazia sorrir a jovem africana, crucificada em seu pulmão de aço

Pages: 1 2 ... 17 18 19 20 21 22 23 24

  • Arquivos