Por Guilherme Mazui, G1 — Brasília

Jair Bolsonaro chama educador Paulo Freire de 'energúmeno'

O presidente Jair Bolsonaro chamou nesta segunda-feira (16) de “energúmeno” o educador Paulo Freire, patrono da educação brasileira, e declarou que a programação da TV Escola “deseduca”.

Bolsonaro fez as afirmações contra Paulo Freire e a TV Escola na saída da residência oficial do Palácio da Alvorada, ao ser questionado sobre o tema enquanto conversava e fazia fotos com apoiadores.

Na última sexta (13), o contrato com a associação responsável por gerir a TV Escola desde 1995 não foi renovado Em nota, o Ministério da Educação (MEC) afirmou que estuda a possibilidade de as atividades do canal serem exercidas por outra instituição da administração pública.

O presidente defendeu a decisão do ministério de não renovar o contrato e disse que a audiência da TV Escola é muito baixa.

“Você conhece a programação da TV Escola? Deseduca”, afirmou o presidente.

“Queriam que assinasse agora um contrato, o Abraham Weintraub [ministro da Educação], de R$ 350 milhões. Quem assiste a TV Escola? Ninguém assiste. Dinheiro jogado fora”, acrescentou.

Segundo Bolsonaro, a educação do Brasil tem desempenho ruim e avaliações por causa “dessas programações”, com a da TV Escola que, na sua opinião, tinha uma programação “totalmente de esquerda”, que promovia “ideologia de gênero” com recursos públicos.

‘Energúmeno’

De acordo com o presidente, as mudanças que a sua gestão implementa terão reflexos na educação do país num prazo entre cinco e 15 anos.

Ao concluir o argumento, ele chamou o educador Paulo Freire de “energúmeno” (ignorante, boçal, imbecil, segundo definição do dicionário Houaiss.

“Era uma programação [da TV Escola] totalmente de esquerda, ideologia de gênero, dinheiro público para ideologia de gênero. Então, tem que mudar. Reflexo, daqui a 5, 10, 15 anos vai ter reflexo. Os caras estão há 30 anos [no ministério], tem muito formado aqui em cima dessa filosofia do Paulo Freire da vida, esse energúmeno, ídolo da esquerda”, disse Bolsonaro

No mês passado, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Nível Superior (Capes) alterou a plataforma criada para os professores buscarem cursos de aperfeiçoamento profissional e retirou a homenagem ao educador Paulo Freire do nome. Agora, a “Plataforma Freire” se chama “Plataforma da Educação Básica”.

“Olha a prova do Pisa. Estamos em último lugar no mundo, se eu não me engano, matemática, ciências e português. Acho que em um ou dois itens somos os últimos da América do Sul. Vamos esperar o que desse Brasil com esse tipo de educação?”, completou.

Bolsonaro estava se referindo ao Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa, na sigla em inglês). Na mais recente avaliação, feita em 2018 e divulgada neste mês, o Brasil não ficou em último lugar, embora o desempenho tenha sido baixo. Entre os países da América do Sul, a Argentina ficou em último lugar.

Paulo Freire

Paulo Freire foi declarado o patrono da educação brasileira em 2012. O educador desenvolveu uma estratégia de ensino baseada nas experiências de vida das pessoas, em especial na alfabetização de adultos.

Uma das obras de Freire, “Pedagogia do Oprimido”, é o único livro brasileiro a aparecer na lista dos 100 títulos mais pedidos pelas universidades de língua inglesa consideradas pelo projeto Open Syllabus.

A metodologia de Paulo Freire vem sendo criticada por integrantes do governo Jair Bolsonaro, que atribuem ao método o baixo desempenho escolar do país em avaliações da qualidade da educação.

Be Sociable, Share!

Comentários

Lucas Ribeiro on 17 dezembro, 2019 at 7:36 #

O brasileiro que entrou para a história da pedagogia mundial, por Maria Fernanda Garcia
Paulo Freire entrou para a história da pedagogia mundial, tendo influenciado o movimento da pedagogia critica. É um dos brasileiros mais homenageados da história.

Por Jornal GGN -17/12/2019
Compartilhar

do Observatório do 3º Setor
O brasileiro que entrou para a história da pedagogia mundial
por Maria Fernanda Garcia
(artigo publicado em 30/04/2019)

Paulo Freire nasceu em 19 de setembro de 1921, no Recife (PE), filho de Joaquim Temístocles Freire e de Edeltrudes Neves Freire. Educador e filósofo reconhecido internacionalmente, tornou-se Patrono da Educação Brasileira.

Nos primeiros anos de sua vida, Paulo Freire pertencia a uma família de classe média. Mas sua realidade passou por uma série de mudanças com a Crise de 1929. Afetada pela crise financeira, sua família precisou se mudar para uma área mais periférica da cidade de Recife e desde então Paulo Freire teve contato com a pobreza e até mesmo com a fome. Isso o marcou de tal forma que ele voltou sua atenção na vida adulta aos mais pobres, construindo um método revolucionário de alfabetização.

Por seu empenho em ensinar os mais pobres, ele se tornou uma inspiração para gerações de professores, especialmente na América Latina e na África. O talento como escritor o ajudou a conquistar um amplo público de pedagogos, cientistas sociais, teólogos e militantes políticos.

Em 1961, tornou-se diretor do Departamento de Extensões Culturais da Universidade do Recife e, no mesmo ano, realizou junto com sua equipe as primeiras experiências de alfabetização popular que levariam à constituição do Método Paulo Freire. Seu grupo foi responsável pela alfabetização de 300 cortadores de cana em apenas 45 dias.

Em resposta aos eficazes resultados, o governo brasileiro aprovou a multiplicação dessas primeiras experiências num Plano Nacional de Alfabetização, que previa a formação de educadores em massa e a rápida implantação de 20 mil núcleos (“círculos de cultura”) pelo País. Em 1964, meses depois de iniciada a implantação do Plano, o golpe militar extinguiu esse esforço. Logo após o golpe, Freire foi preso por 72 dias, por ser considerado subversivo.

Em seguida, deixou o país, fixando-se no Chile, onde trabalhou no Instituto Chileno para a Reforma Agrária. Lá, escreveu ‘Educação como prática da liberdade’ (1967) e a sua principal obra, ‘Pedagogia do oprimido’, publicada em espanhol e em inglês em 1970, e em português apenas em 1974. Em 1969, foi para os Estados Unidos, na condição de professor visitante da Universidade de Harvard.

Leia também: Ana Maria Freire rebate Bolsonaro: “homem nefasto”
Com a Anistia em 1979, Freire pôde retornar ao Brasil, o que ele fez em 1980. Filiou-se ao Partido dos Trabalhadores na cidade de São Paulo, e atuou como supervisor para o programa do partido para alfabetização de adultos de 1980 até 1986.

Na gestão de Luiza Erundina (1989-1993) na prefeitura de São Paulo, Freire foi nomeado secretário de Educação da cidade, cargo que exerceu entre 1989 e 1991. Seu mandato teve como marca a recuperação salarial dos professores, a revisão curricular e a implantação de programas de alfabetização de jovens e adultos.

Em 1991, foi fundado em São Paulo o Instituto Paulo Freire, para estender e elaborar as ideias de Freire. O instituto mantém até hoje os arquivos do educador, além de realizar atividades relacionadas ao legado do pensador e à atuação em temas da educação brasileira e mundial.

Freire morreu de um ataque cardíaco em 2 de maio de 1997, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, devido a complicações em uma operação de desobstrução de artérias.

Em 2012, por meio da Lei 12.612, de 13 de abril de 2012, de autoria da Deputada Federal Luíza Erundina, Paulo Freire foi declarado Patrono da Educação Brasileira.

Paulo Freire entrou para a história da pedagogia mundial, tendo influenciado o movimento da pedagogia critica. É um dos brasileiros mais homenageados da história, tendo ganhado 41 títulos de Doutor Honoris Causa de universidades como Harvard, Cambridge e Oxford. Entre outros prêmios que ganhou ao longo de sua vida estão o Prêmio Rei Balduíno para o Desenvolvimento, na Bélgica, em 1980; o Prêmio UNESCO da Educação para a Paz, em 1986; e o Prêmio Andres Bello como Educador do Continente, da Organização do Estados Americanos, em 1992.
https://jornalggn.com.br/entenda/o-brasileiro-que-entrou-para-a-historia-da-pedagogia-mundial-por-maria-fernanda-garcia/


Taciano Lemos de Carvalho on 18 dezembro, 2019 at 17:18 #

É cada energúmeno que chega à Presidência…


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • dezembro 2019
    S T Q Q S S D
    « nov   jan »
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    3031