Resultado de imagem para Tonia Carreira e ACM

ARTIGO

DEUS É GRANDE

Gilson Nogueira

 

Apesar de tudo, há um amolador de tesouras sugerindo que nada está perdido

O Flamengo acabara de conquistar a Taça Libertadores e um ou uma idiota explodia. foguetes e bombas em um local cercado de edifícios residenciais. Fui dormir imaginando ser vítima de um ato insano ou insana.A estupidez, contudo, não impediu-me de sonhar com os anjos. Eles e elas, as anjas, diziam-me que a Humanidade nunca esteve tão louca. Acreditei, o absurdo, segundo o grande Octávio Mangabeira, havia acontecido acima do meu nariz, à noite, enquanto crianças e idosos dormiam. E fui em frente, ouvindo o silêncio, como fazia e gravava o inesquecível Sílvio Lamenha, cronista dos bons da Cidade da Bahia, aquela em que o absurdo, em todas as suas dimensões e gêneros, não havia desembarcado, por aqui, para fazer-me sentir um ser de outro planeta na convivência com os soteropolitanos e indivíduos de outras plagas. Moro no país abençoado por Deus, bonito por natureza e transbordando de estupefações diante dos fatos do dia a dia.

Minha mulher, com a paciência de uma santa em carne e osso, adverte-me, por segundo, “olhe sua saúde!”. Desobedeço-a e vou em frente acreditando em milagres, baseado na minha fé, inabalável, em Nosso Senhor do Bonfim. Ele está Vivo1 E Vendo Tudo. “ Quem faz, paga aqui, mesmo,” diz o povo da Capital do Berimbau, essa gente hospitaleira, única, no mundo das relações pessoais, em que o turista acredita ser ela uma dádiva dos céus conhece-la, pessoalmente, nas curvas, planícies e ladeiras que fazem, com méritos, a baiana ser tida com a fêmea mais habilmente esculpida por Deus. E o absurdo da bomba, imitando um campo de guerra, teima em dominar meu pensamento. Nesse instante, saboreio a leitura das imagens nas fotografias que me rodeiam. Vou do grande ACM ao amigo Zébin, abraçado com cada um dos dois, passando por Charllie Parr, Severino Filho, Tônia Carrero, o violão de Vinícius, Nélson Pinheiro Cal, Almirante Maximiliano da Fonseca, o inigualável Tarcílo Vieira de Mello Filho, Meu Pai e Minha Mãe, vivos, em meu dia-a-dia, e muito mais.

Encontro-me em companhia de um silêncio perfumado com os néctares da saudade de todos os que partiram e que se encontram testemunhando loucos varridos ( com o devido perdão aos doentes ) roubando a paz em nome de uma comemoração qualquer. O bem, contudo, para infelicidade dos insensíveis que nos rodeiam, prevalece. Hoje, ao acordar, tomar café, ler o que a maravilhosa Regina escreveu no espaço de comentários do BP e sorrir felicidade, ouvi um amolador de tesouras soprar sua gaita. Ela dizia, “ fiu-fiu!!!”

Gilson Nogueira é jornalista, colaborador da primeira hora do Bahia em Pauta

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • novembro 2019
    S T Q Q S S D
    « out   dez »
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    252627282930