Por G1

Lula no caminhão durante comemoração em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC — Foto: Roney Domingos/G1 Lula no caminhão durante comemoração em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC — Foto: Roney Domingos/G1

Lula no caminhão durante comemoração em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC — Foto: Roney Domingos/G1

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva discursou na tarde deste sábado (9) em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, e disse que o governo de Jair Bolsonaro foi eleito para governar para o povo brasileiro e não para os milicianos do Rio. Lula fez um discurso agressivo e atacou o ministro da Economia, Paulo Guedes, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, e a Operação Lava Jato.

“Ele [Bolsonaro] foi eleito. Democraticamente nós aceitamos o resultado da eleição. Esse cara tem um mandato de 4 anos. Agora, ele foi eleito para governar pra o povo basileiro, e não para governar para os milicianos do Rio de Janeiro” – Lula

Durante o discurso, Lula também usou palavras chulas e disse inverdades sobre a TV Globo. Sobre o fato, a emissora divulgou a seguinte nota:

“A Globo repudia os ataques do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A prova de isenção da emissora é a transmissão do discurso que o ex-presidente fez ontem e hoje. Também é prova de sua isenção ser alvo de ataques dos extremos do espectro político hoje, tão radicalizado. A Globo faz jornalismo sério e continuará a fazer. Sem se intimidar e sem jamais perder a serenidade.”

Lula foi solto nesta sexta-feira (8) após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). O ex-presidente passou a noite em Curitiba e embarcou em um avião fretado na manhã deste sábado rumo a São Paulo.

Neste sábado, estavam presentes Fernando Haddad, Marcelo Freixo, Guilherme Boulos, Gleisi Hoffmann e outras lideranças do Partido dos Trabalhadores (PT). A fala do ex-presidente durou cerca de 1 hora. Lula disse que o Brasil já foi “respeitado no mundo inteiro”.

“Não adianta ficar preocupado com as ameaças que eles fazem na televisão. Que vai ter miliciano, que vai ter o AI-5 outra vez. A gente tem que ter a seguinte decisão: esse país é de 210 milhões de habitantes e a gente não pode permitir que os milicianos acabem com esse país que nós construímos”, disse, em ataque ao governo de Jair Bolsonaro.

“Eu não posso aceitar ver mulheres jovens vendendo seu corpo em troca de um prato de comida. Eu não posso ver mais jovens de 14, 15 anos assaltando, sendo violentado pela polícia, as vezes inocente ou por ter roubado um celular”, disse.

“Se as pessoas tiverem onde trabalhar, se as pessoas tiverem salário, se as pessoas tiverem onde estudar, se as pessoas tiverem acesso à cultura, a violência vai cair. Nós temos que dizer contra a distribuição de armas do Bolsonaro. Nós vamos distribuir livros”.

O ex-presidente desembarcou no Aeroporto de Congonhas, na Zona Sul da capital paulista, às 11h30 deste sábado. Em um comboio, seguiu em direção ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, onde uma festa foi organizada. Lula chegou ao sindicato às 12h40 e foi recebido com abraços e fogos de artifício. Uma faixa vermelha com várias mensagens de apoio foi estendida e Lula caminhou por ela. Milhares de pessoas participam da comemoração em frente ao sindicato.

Com o ex-presidente, viajaram o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, e o fotógrafo oficial de Lula, Ricardo Stuckert.

No sindicato, Lula almoçou com a família, lideranças petistas e sindicalistas. À espera do ex-presidente, apoiadores ouviram música e cantaram jingles em homenagem a Lula. Alguns apoiadores passaram mal com o calor e médicos que estavam entre a multidão se ofereceram para ajudar.

DO BLOG O ANTAGONISTA

LULA USOU JATINHO DE HUCK

Como registramos há pouco, Lula decolou de Curitiba em direção a São Bernardo do Campo em um voo particular.

O jatinho que levou Lula ao Aeroporto de Congonhas neste sábado é do apresentador Luciano Huck.

Comprado em 2013 em nome da empresa Brisair Serviços Técnicos Aeronáuticos pelo valor de R$ 17,7 milhões, o avião de prefixo PP-HUC foi financiado pelo BNDES a juros subsidiados, como revelado por O Antagonista:

 

Resultado de imagem para Rodrigo Maia x general Augusto Heleno
Rodrigo Maia e general Heleno: navegação em área de risco
ARTIGO DA SEMANA

Rota de colisão: o navio Rodrigo Maia e o iceberg general Heleno

Vitor Hugo Soares

O deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) atua, há meses, no papel de um dos mais estranhos  e enigmáticos aliados do governo. Isso vem de longe, mas ficou evidente e explosivo depois que, com ajuda decisiva do presidente Jair Bolsonaro, e da tropa então unida na bancada do PSL (hoje em desalinho), emplacou mais um período no comando da Câmara. Ultimamente, Maia avança além de curva (para usar a expressão do sumido ex- presidente do STF, Joaquim Barbosa), ao montar, no começo da semana, um acampamento em Jaboatão dos Guararapes, simbólica área metropolitana de Recife, no coração do Nordeste – de governos estaduais  “de esquerda” conflagrados contra o bolsonarismo “de direita” – e de lá atirar contra o general Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), antigo instrutor e atual amigo in pectore do mandatário.     

 Mal (ou bem?) comparando, o homem de proa no leme de um dos navios pilares da política nacional, se parece, às vezes, com o enfezado personagem da propaganda do sal de frutas ENO, nos Anos 60, que a cada situação de mudança, à sua frente, reagia apelando para a expressão que viralizou na época: “Eu sou do contra”. Tem sido assim desde quando o tempo começou a esquentar entre os poderes, a partir da apresentação dos projetos de reforma da Previdência, do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do pacote anticrime, do ministro da Justiça, Sérgio Moro. Maia bateu-se contra estes dois titãs do governo, em seus primeiros testes de força e resistência.

Agora, sempre dando a impressão de ter como foco, de seus disparos retóricos, o presidente, ou um de seus três filhos com mandatos políticos – Eduardo, deputado; Flávio, senador e Carlos, vereador, todos com montanhas de votos no embornal –, o presidente da Câmara decidiu testar pontaria e poder com um alvo militar de peso, força e prestígio, pessoal e profissional,  de largo alcance. Ao lado disso, Augusto Heleno é, reconhecidamente, bom de briga e de combate. Com direito a Capacete Azul, da ONU, por sua relevante e construtiva atuação, em missão de Paz, em tempos temerários no Haiti.

Osso duro de roer, já se vê, em qualquer campo de luta, militar ou política. Ainda assim, futucado com vara curta pelo incomodado aliado do DEM que, talvez cansado de apanhar e receber desaforos da família Bolsonaro, partiu para cima do general, a título de opor-se ao suposto  desdém do ministro do CGI , em face das  bravatas  de Eduardo Bolsonaro na entrevista a Leda Nagle, no tocante ao malsinado AI-5 de amarga memória. Ferida autoritária grave, que segue em carne viva, apesar do tempo e da “anistia ampla, geral e irrestrita”. E parecemos retornar ao ambiente em que o monstro surgiu no ano que não terminou: as bravatas, os estapeamentos,  as provocações, os envenenamentos retóricos de parte a parte, como no tempo  do AI-5, o original.

No dia 4, o presidente da Câmara amanheceu em Pernambuco, e de lá apontou o bacamarte para o general em Brasília: “É uma cabeça ideológica. Infelizmente o general Heleno, o ministro Heleno virou um auxiliar do radicalismo do Olavo (de Carvalho). Uma pena que um general da qualidade dele tenha caminhado nesta linha”. Ponto.
Agora, uns jogam panos quentes para abafar o fogo, outros jogam mais gasolina para aumentar o incêndio. Resultado? Responda quem souber.

Vitor Hugo Soares é jornalista, e editor do site blog Bahia em Pauta. E-mail:vitors.h@uol.com.br

“Reunião de Bacana”, Exporta Samba: Olha o samba aê, gente! Bom sábado! Mas tome cuidado com a carteira, que vai ter mais lalau nas ruas!!!

BOM DIA!!!

(Gilson Nogueira)

nov
09
Posted on 09-11-2019
Filed Under (Artigos) by vitor on 09-11-2019

“Portanto, à vista do julgamento das Ações Declaratórias de Constitucionalidade nº 43, 44 e 54 – e ressalvado meu entendimento pessoal acerca da conformidade à Justiça, em sua acepção universal, de tal orientação -, mister concluir pela ausência de fundamento para o prosseguimento da presente execução penal provisória, impondo-se a interrupção do cumprimento da pena privativa de liberdade.”

Na decisão de ontem, o STF permitiu a manutenção de condenados na cadeia por meio de prisões preventivas — cabíveis quando há risco de fuga, novos crimes ou prejuízo às investigações. Pereira Júnior registrou que não é o caso de Lula.

“Na hipótese sob exame, tal como noticiado pelo executado, não há trânsito em julgado.
Outrossim, como mencionado acima, observa-se que a presente execução iniciou-se exclusivamente em virtude da confirmação da sentença condenatória em segundo grau, não existindo qualquer outro fundamento fático para o início do cumprimento das penas”, escreveu.

nov
09
Posted on 09-11-2019
Filed Under (Artigos) by vitor on 09-11-2019

DO EL PAÍS

De 7 de abril de 2018 até esta sexta-feira, manifestantes cumprimentavam petista com um “bom dia”, “boa tarde” ou “boa noite, presidente”

Apoiadora do ex-presidente Lula mostra camiseta com os dizeres
Apoiadora do ex-presidente Lula mostra camiseta com os dizeres HENRY MILLEO (AFP)

“Soltem Lula! Soltem Lula!”, gritavam diante da porta do prédio da Polícia Federal, em Curitiba, centenas de pessoas que se amontoaram no local onde o ex-presidente ficou preso por 580 dias em razão de sua condenação por corrupção e lavagem de dinheiro na Operação Lava Jato.

O resultado do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF), na véspera, encheu de esperança seus eleitores, que aguardavam ansiosamente sua saída. Pessoas vindas de várias partes do Brasil se revezavam desde o primeiro dia da prisão de Lula, em 7 de abril de 2018, em vigília voluntária ao redor do prédio. Desde essa data até esta sexta-feira eles o cumprimentavam religiosamente em todos os dias em que Lula permaneceu detido com um “bom dia, presidente”, “boa tarde, presidente” ou “boa noite, presidente”.

A defesa do ex-presidente entrou nesta sexta-feira com um pedido de soltura imediata, o que foi concedido pelo juiz Danilo Pereira Júnior, da 12ª Vara da Justiça Federal no Paraná. A juíza Carolina Lebbos, que costuma decidir sobre questões de execução penal na Lava Jato, está em férias.

Lula deixou a prisão por volta das 17h40 desta sexta. Tanto como a família, seus eleitores leais eram os mais animados por ver o ex-presidente sair da prisão. Principalmente depois que o petista lhes prometeu que a primeira coisa que faria quando saísse da carceragem da PF seria tomar uma cachaça com eles. Um gesto de gratidão pela disposição que tiveram em dormir em um alojamento ao lado da polícia para que Lula não sentisse solidão.

A assistente social Mirian Krueger, 60 anos, veio de Indaial (SC). Chegou no dia em que Lula foi preso e voltou 50 vezes, nas suas contas. E trouxe centenas de pessoas de sua cidade para visitá-lo à distância. Francisco, um trabalhador rural de Castro, a três horas de Curitiba, esteve aqui quando Lula foi preso e voltou nesta sexta-feira com a expectativa de vê-lo livre. “Ver tantas pessoas na porta da prisão é um sinal de que Lula fez muitas coisas boas pelo Brasil”, segundo Francisco. “Ele ajudou muita gente, ajudou o povo, e é por isso que as pessoas têm esse carinho por ele”, disse Francisco.

O STF revisou a jurisprudência que permitia a execução de uma sentença de prisão depois de confirmada em segunda instância – mesmo que nesta fase ainda houvessem recursos pendentes nos tribunais superiores. Com isso, Lula ganhou automaticamente a possibilidade de sair da prisão. Ele está com um recurso no Supremo pedindo a suspeição do ex-juiz Sergio Moro, que julgou o processo do tríplex em um balneário de São Paulo, que resultou na sua condenação a 8 anos de prisão (eram 12 inicialmente).

Enquanto cerca de vinte carros da polícia fechavam a entrada da rua do prédio da polícia, um palco foi montado na esperança de que Lula fizesse ali seu primeiro discurso em liberdade. Curitiba, a cidade fria em que o ex-presidente permaneceu em seus piores dias, vê mais um capítulo dessa odisseia.

Do Jornal do Brasil

 

Bolsonaro diz que não estaria onde está se Moro não tivesse cumprido missão quando juiz

Presidente não citou nenhuma ação específica

  

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira que não estaria onde está agora se o atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, não tivesse cumprido bem a missão quando era juiz responsável pela operação Lava Jato.

Segundo o presidente, que fez discurso ao lado do ministro durante cerimônia de formatura de novas turmas da Polícia Federal, parte do que acontece na política brasileira atualmente se deve a Moro.

Macaque in the trees
Presidente Jair Bolsonaro ao lado do ministro da Justiça, Sergio Moro (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

Bolsonaro não citou nenhuma ação específica julgada por Moro enquanto esteve à frente da Lava Jato. No entanto, Moro foi o responsável por condenar em primeira instância o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que era líder das pesquisas eleitorais antes de ser proibido de disputar a eleição do ano passado devido à Lei da Ficha Limpa.

Do Jornal do Brasil

 

ICMBio não descarta que novos fragmentos possam voltar

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) anunciou a reabertura do Parque Nacional Marinho de Abrolhos, na Bahia, à visitação de turistas a partir desta sexta-feira (8).

Na prática, a suspensão preventiva das visitas entrou em vigor na segunda-feira (4), dois dias após fragmentos do óleo que já poluiu praias, mangues e outros habitats dos nove estados da Região Nordeste (Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe) terem atingido uma pequena área do parque nacional.

Macaque in the trees
Parque de Abrolhos (Foto: TV Brasil)

A expectativa do ICMBio era autorizar a entrada de turistas na unidade de conservação às vésperas do feriado de 15 de novembro (Proclamação da República).

A reabertura do parque foi antecipada após cinco dias sem que novos fragmentos de óleo tenham sido encontrados na região. Em nota divulgada pelo ICMBio, o chefe do parque, Fernando Repinaldo Filho, garante que os vestígios recolhidos no último sábado não produziram impactos negativos diretos nem à fauna, nem à flora de Abrolhos.

Na terça-feira (5), o instituto afirmou não descartar a hipótese de as correntes marítimas voltarem a carregar novos fragmentos do produto para o arquipélago, que continua sendo monitorado não só por navios da Marinha e equipes do ICMBio, mas também por pesquisadores, ambientalistas, pescadores e mergulhadores autônomos.

Localizado a cerca de 70 quilômetros da cidade litorânea de Caravelas (BA), o parque nacional, criado em 1983, é uma das regiões mais ricas em biodiversidade marinha do Brasil e do Atlântico Sul, com estruturas de recifes únicas.

Segundo o ICMBio, a região é o principal berçário das baleias jubarte no Atlântico Sul e refúgio de espécies de tartarugas marinhas ameaçadas de extinção, além de aves marinhas que aproveitam o fato de as águas ao redor do arquipélago serem fartas em peixes e outras espécies marinhas. A pesca é fonte de subsistência de milhares de moradores da região.

Resíduos

Segundo o último balanço do Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA), divulgado na noite desta quinta-feira (7), desde o fim de agosto, quando as primeiras manchas de óleo foram avistadas ao longo do litoral nordestino, cerca de 4.300 toneladas de resíduos contaminados por óleo já foram recolhidos. Além de petróleo bruto, este material é composto por areia, lonas, equipamentos de proteção individual (EPIs) e outros materiais utilizados para a coleta do material contaminado.

O último informe do grupo de acompanhamento formado pela Marinha, Agência Nacional de Petróleo (ANP) e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) aponta que, até ontem, era possível encontrar vestígios de óleo em ao menos sete das localidades atingidas até o momento: Cumbuco, Barra do Cauípe, no Ceará; e Maragogi, Japaratinga, Barra de São Miguel, Feliz Deserto e Piaçabuçu, em Alagoas.

A Marinha deslocou em caráter preventivo um grupo de 30 fuzileiros navais destacados para os municípios capixabas de Conceição da Barra e São Mateus, na divisa entre o Espírito Santo e a Bahia, monitorando a região a fim de antecipar a eventual chegada do óleo ao Espírito Santo, na região Sudeste.

nov
09
Posted on 09-11-2019
Filed Under (Artigos) by vitor on 09-11-2019


 

Miguel, no

 

nov
09

Por Juliana Borges, G1 ES

Fragmentos do óleo que atinge o litoral do Nordeste chegaram ao Espírito Santo nesta quinta-feira (7), em Guriri, litoral de São Mateus, no Norte do Estado. A informação é da Marinha, que só divulgou nota oficial nesta sexta-feira (8) após confirmar que se tratava da mesma substância.

Fragmentos do óleo que chegaram à praia de Guriri, no Norte do Espírito Santo — Foto: Divulgação/Marinha

O Espírito Santo é o 10º estado brasileiro a ser atingido pelo óleo. Já foram afetados: Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe.

De acordo com a nota enviada pelo Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA), formado pela Marinha, Agência Nacional de Petróleo (ANP) e Ibama, foram encontrados e recolhidos pequenos fragmentos de óleo na praia de Guriri, em São Mateus, nesta quinta. As amostras da substância foram encaminhadas para o Instituto de Estudos do Mar (IEAPM), que confirmou ser o mesmo óleo encontrado na região Nordeste.

“São poucos e pequenos fragmentos, menores que uma moeda de R$ 1,00. Foram encontrados na areia da praia de Guriri, mas são de difícil identificação por serem realmente muito pequenos. Continuamos com o monitoramento das praias”, falou o superintendente do Ibama no Espírito Santo, Diego Libardi.

 
 
O óleo que contamina praias do nordeste chegou à região sudeste

O óleo que contamina praias do nordeste chegou à região sudeste

Trabalhos no Norte do ES

Uma base com profissionais dos órgãos ambientais especializados, militares do Exército e Marinha, além de voluntários, já foi montada em São Mateus para gerenciar ações com a chegada do óleo.

O superintendente do Ibama explicou que as equipes estão fazendo o monitoramento das praias a olho nu e que nenhuma praia capixaba está interditada por conta do óleo.

“Não é momento para alarde. Existe um efetivo fazendo monitoramento das praias. Como a quantidade é muito pequena, não há sequer inutilização da praia de Guriri. Ela está própria para banho”, falou Diego Libardi.

Ele explicou ainda o porquê de os fragmentos terem chegado primeiro em São Mateus e não em Riacho Doce, Conceição da Barra, na divisa com a Bahia.

“As correntes marítimas, o clima, os ventos são fatores que podem alterar o curso dessa substância no mar”, explicou.

 

Guriri em São Mateus: local onde Marinha confirmou que chegaram os primeiros fragmentos de óleo no ES — Foto: Reprodução/TV Gazeta Guriri em São Mateus: local onde Marinha confirmou que chegaram os primeiros fragmentos de óleo no ES — Foto: Reprodução/TV Gazeta

Guriri em São Mateus: local onde Marinha confirmou que chegaram os primeiros fragmentos de óleo no ES — Foto: Reprodução/TV Gazeta

As manchas de petróleo em praias do Nordeste começaram a aparecer no dia 30 de agosto, na Paraíba. A substância é a mesma em todos os locais: petróleo cru. O fenômeno tem afetado a vida de animais marinhos e causado impactos nas cidades litorâneas.

  • Arquivos

  • novembro 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    252627282930