Resultado de imagem para Bolsonaro e a india Ysani Kalapalo em NY
Ysani: batismo de fogo de nova liderança indígena da ONU,,,
Resultado de imagem para Bolsonaro exalta Moro na ONU
…e elogio rasgado do presidente ao ministro Moro

ARTIGO DA SEMANA

ONU de Bolsonaro: elogio a Moro e vez da índia Kalapalo na Amazônia

Vitor Hugo Soares

Visto, ouvido e analisado em perspectiva crítica – do ponto de vista da forma ou do conteúdo, da estratégia política de governo ou de estado, da diplomacia e, principalmente, sob a ótica do jornalismo e de Sua Excelência o Fato (no dizer de Charles de Gaulle), foi relevante –  para além da ampla e intensa ressonância que produziu – o discurso do presidente da República, Jair Bolsonaro, na sessão solene de abertura da 74ª Assembléia Geral da ONU, esta semana, em Nova York. No plano caseiro, destaque-se a menção ao ex-juiz condutor da Lava Jato, atual ministro da Justiça e da Segurança, Sérgio Moro, e a pá de cimento jogada sobre o monopólio do cacique Raoni”, como representante indígena referencial do País.

Ao mesmo tempo, a apresentação e abertura das cortinas, no palco maior das Nações Unidas, para entrada em cena da era da jovem índia Ysani Kalapalo – vinda das matas do Parque do Alto Xingu com seus colares típicos e celular em punho –  fincada no centro mais nervoso dos debates sobre o polêmico território chamado de Amazônia Legal. De volta à ordem do dia no planeta, com as recentes queimadas, denúncias de desmatamentos e o impróprio pensamento do presidente francês, Emmanuel Macron, ao questionar, na cúpula recente do G7, a soberania brasileira sobre a cobiçada região.

Admita-se, a bem da verdade factual: Bolsonaro, os produtores do texto de sua fala e os que o treinaram para a destacada performance no plenário da ONU, jogaram com signos de comunicação e de marketing invejáveis, mesmo para consagrados marqueteiros e seus idólatras governantes, na história recente do Brasil. No plano do jornalismo político e da diplomacia internacional, a fala do presidente espalhou “leads” – temas relevantes que abrem os textos nas reportagens e apimentam colunas dos jornais, revistas e sites, da mídia impressa ou eletrônica – para todo lado e para todo gosto. De aliados a adversários. E colunas do meio.

Exagerado pensar ou dizer que foi “discurso de um estadista”. Mas, sem dúvida, foi uma boa fala: afirmativa nos acertos e equívocos, contundente, diferenciada em relação à tradição conciliadora do tipo “abre-te pernas”, ou do “deixa como está para ver como fica”, de outros governantes e chefes de estado recentes. Carregado de nuances, a fala ainda dará o que falar, interna e internacionalmente. A conferir.

Alguns exemplos dos “leads” que o mandatário brasileiro salpicou em seu discurso na ONU: bateu com força no “socialismo que ameaçava o Brasil” antes de sua chegada ao Palácio do Planalto, citando como referenciais o Foro de São Paulo e os governos de Cuba e da Venezuela, atacou a corrupção nos governos petistas; condenou o “colonialismo ambientalista”, contestou “a falácia da Amazônia em chamas”. Mandou recados duros ou irônicos a Macron, Merkel e Bachelet; exaltou o aliado Donald Trump, derrapou na tentativa de defesa do regime militar de 1964. E disse mais, muito mais, que não cabe neste espaço.

Se não preencheu de todo o Decálogo do Estadista, segundo Ulysses Guimarães, é certo que Bolsonaro apostou suas fichas no primeiro mandamento: A Coragem. Cujo enunciado diz em sua abertura: ”O pusilânime nunca será estadista. Churchill afirmou que das virtudes, a coragem é a primeira.  Porque, sem ela, todas as demais, a fé, a caridade e o patriotismo, desaparecem na hora do perigo”. Ponto final.

Vitor Hugo Soares é jornalista, editor do site blog Bahia em Pauta.E-mail: vitors.h@uol.com.br  

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • setembro 2019
    S T Q Q S S D
    « ago   out »
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    30