set
09

OPINIÁO i
Presidente Jair Bolsonaro e ministro Sergio Moro, em uma cerimônia em Brasília.
Presidente Jair Bolsonaro e ministro Sergio Moro, em uma cerimônia em Brasília. EVARISTO SA AFP

Acredito que restam poucas dúvidas. Bolsonaro está devorando Moro. Ora, mas eles não apareceram abraçados e felizes no sábado, no desfile de 7 de setembro? Isso foi só uma fachada, porque Bolsonaro, ao mesmo tempo em que está dessangrando seu ministro da Justiça, sabe que hoje sua popularidade está muito abaixo da de seu ministro.

O certo é que Bolsonaro está entre a espada e a parede. Por um lado, sua claque nas redes sociais apoia o ex-juiz da Lava Jato e por outro, o presidente teme que o troféu que ele exibiu ao ganhar as eleições possa começar a aspirar a sucedê-lo. Assim, a verdade é que, apesar dos risos e abraços em público, na solidão dos palácios as coisas ganham outra cor, e Bolsonaro começou a colocar pedras no caminho de seu ministro de maior destaque. Se começou a devorá-lo pelas bordas, agora está chegando ao coração. Não é preciso consultar as antigas pitonisas gregas para saber qual vai ser o final do ex-astro da Lava Jato à frente do emblemático Ministério da Justiça do Governo autoritário de Bolsonaro.

Moro sempre foi, e continua sendo, um juiz esfinge. Mesmo nas conversas vazadas dele com procuradores, reveladas pelo The Intercept, ele é o mais parco em palavras. Ao contrário de alguns loquazes colaboradores dele, Moro se mostra mais recolhido. E, ao contrário do desbocado Bolsonaro, Moro é quase mudo até com a imprensa. Raramente dá uma notícia. E jamais põe em discussão seu chefe. É a prudência por excelência.

Seria o caso de perguntar como uma personalidade recolhida e esquiva como o ex-juiz Moro, que continua, talvez por isso, sendo o personagem político com maior aprovação popular, pôde querer comprometer sua brilhante carreira, reconhecida no mundo todo, para se tornar, segundo a definição irônica do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, um simples “funcionário de Bolsonaro”.

A resposta mais óbvia seria que Moro, apesar de sua sagacidade e capacidade estratégica, levada às vezes ao limite da lei, pensou que poderia dominar o ex-paraquedista e capitão da reserva, por muito presidente que fosse.

Ao lado de um Bolsonaro com uma bagagem intelectual vazia e ao qual, como dizia o velho estadista italiano Giulio Andreotti sobre os políticos espanhóis, “manca finezza” (“falta finesse”), Moro pode ter pensado que ele, com sua fama e sua biografia, seria não só o herói do Governo, a estrela, mas também seu mentor e até o sucessor de Bolsonaro. Lúcifer também teve, um dia, a ilusão de que, com sua inteligência, podia se dar ao luxo de desafiar o poder do céu. Caiu. Virou o diabo.

É verdade, embora poucos tenham destacado, que Moro tinha mais pontos de identidade em sua ideologia com Bolsonaro do que muitos pensavam. Por exemplo, o ex-juiz é da direita liberal, como o presidente, embora sem suas estridências e excentricidades, e sem sua linguagem chula e até vulgar. Sua formação em Harvard e sua personalidade proíbem isso.

Moro, no modo de encarar a luta contra a violência, de usar seus métodos heterodoxos, sua dureza com os acusados, suas decisões drásticas, seus decretos, já como ministro, para “deportar” os estrangeiros indesejados ou sua benevolência com os policiais valentões, não é tão diferente de seu chefe político atual. Poderia se entender melhor com ele do que, por exemplo, com o intelectual e democrático ex-presidente Fernando Henrique Cardoso na dureza ao julgar.

Diante de um processo judicial, não sei se Bolsonaro, se fosse juiz, seria mais duro e perigoso que Moro. Essa identidade com Bolsonaro ao abordar o problema da violência e a severidade com aqueles que cometem crimes podem ter feito com que Moro não tenha tido medo de aceitar o desafio do extremista direitista e autoritário Bolsonaro, amante até da tortura e da pena de morte.

Não acredito, como alguém pensou, que Moro tenha deixado seu tribunal porque já considerava esgotada sua missão e, embora famoso no mundo, no fim das contas era apenas um juiz de primeira instância. Ou que Curitiba já lhe parecesse pequena para os limites que sua fama tinha ultrapassado e ele sonhasse com o Supremo, se é que até este não lhe parecesse pouco. Mais que isso, pode ter sido a última tentação, a última aventura juvenil de transferir sua fama de juiz duro, que infundia medo até nos grandes, para o jardim proibido do poder político.

As elucubrações sobre as misteriosas relações entre Moro e Bolsonaro fervilham a cada dia e aumenta o número de pitonisas que tentam saber esse destino final. Na verdade, é quase impossível saber hoje quais são os cálculos de Moro, do qual se diz abertamente que estaria se preparando para suceder ao mito, já que ele se sente mais mito do que o presidente e até mais ungido popularmente. Ela certamente não deixa de ficar lisonjeado com o resultado da pesquisa mais recente, que lhe confere 54% de aprovação, em comparação com 29% de seu chefe.

A pergunta, no entanto, continua de pé, misteriosa e indecifrável: será que o mito Bolsonaro permitirá que nasça de seu seio um novo herói que o substitua? Assim como os incapazes que conseguem chegar ao poder acabam sendo os mais perigosos na hora de usar sua força de destruição para suprir o que a inteligência lhes negou, Bolsonaro jamais permitirá que alguém seja mais mito que ele.

Teoricamente, neste momento Moro teria tudo para perder sua arriscada aposta de entrar com força na política. Está nas mãos do poder, que é muito, do presidente da República. Se é verdade que hoje aparece em todas as pesquisas como o político mais aplaudido, também é certo que a glória da qual gozava como simples juiz de primeira instância tinha maior esplendor, até internacional, que a de “dependente” do Governo Bolsonaro, cuja impopularidade mundial poderia acabar comprometendo-o.

Moro derrubou as pontes de sua glória na justiça pouco antes de aparecerem as comprometedoras conversas divulgadas pelo The Intercept, que revelam, embora ilegalmente, que talvez sua atuação como juiz implacável com os poderosos, que levou à prisão o popular ex-presidente Lula, parecia ser, já naquela ocasião, tão política quanto, ou mais do que, judicial.

Quem o conhece de perto diz que Moro é frio em suas decisões e calculista como poucos, um bom jogador de xadrez que sabe quando mover as peças e aguarda sem pressa o momento para dar o xeque-mate. Talvez Bolsonaro, que também gosta de se arriscar no xadrez, no qual se identifica com o rei, mas sem a frieza e técnica de Moro, pense que com seu poder possa continuar usando o mito da Lava Jato enquanto isso lhe servir. O presidente já lembrou ao ex-juiz que no Governo em que este aceitou entrar, embora pela porta grande, quem manda é ele e só ele. Abraços e sorrisos em público são apenas paliativos para esconder do grande público a dissidência que os devora.

E é verdade que hoje, fora do Governo, Moro também começou a perder sua antiga força de Sansão, temida pelos filisteus da política que ele tinha em suas mãos. Hoje a força de seus cabelos está se esgotando e poderia estar à espreita, em qualquer esquina, um golpe de misericórdia dos poderosos que antes o temiam e hoje esperam apenas seu descalabro.

A não ser que o ex-juiz esconda em sua manga alguns segredos que poderia usar a qualquer momento. Talvez, dentro daquele que foi seu reino indiscutível de poder, que fazia tremer os grandes e até ontem intocáveis, ele possa conservar, ou acredite conservar, um poder de chantagem que desconhecemos.

Talvez soe como um paradoxo, mas Moro e Bolsonaro, tão iguais e tão diferentes, poderiam ser dois galos que gostam mais do que parece de uma briga. Bolsonaro sabe ameaçar mais e sente prazer mostrando seus esporões. Moro grita mais com seu silêncio e com seu duro rosto franzido. Ambos podem acabar juntos ou em conflito. Não é, no entanto, difícil imaginar que, neste último caso, a luta política seria, metaforicamente, sangrenta.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • setembro 2019
    S T Q Q S S D
    « ago    
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    30