set
04
 

Parlamento pode tirar do Governo seu poder de definir a ordem do dia e, depois, aprovar uma resolução para obrigá-lo a pedir a Bruxelas outro adiamento do Brexit

Captura de vídeo mostra o primeiro-ministro britânico durante sua intervenção, nesta terça-feira, no Parlamento.
Captura de vídeo mostra o primeiro-ministro britânico durante sua intervenção, nesta terça-feira, no Parlamento. (AFP)

Johnson começou seu discurso com a energia e os ataques que fazem a alegria de seus partidários ? “o que a oposição propõe é a lei de rendição de Jeremy Corbyn. Significa hastear a bandeira branca diante da União Europeia”, proclamou ?, mas terminou com hesitações e evasivas. O primeiro-ministro comprovou a ferocidade com que um sistema parlamentar reage quando vê suas atribuições serem ameaçadas.

Westminster se prepara para votar na noite desta terça-feira uma moção para retirar do Governo seu poder de definir a pauta de votação, abrindo caminho para impulsionar, nesta quarta-feira, uma resolução legal que obrigue Johnson a pedir a Bruxelas outro adiamento de três meses na data de saída do país da União Europeia.

“Já chega. O país quer que tudo isto acabe e que o resultado do referendo seja respeitado”, afirmou Johnson. Ele voltou a insistir, sem apresentar nada além de declarações ambíguas, que a UE começou a mostrar flexibilidade. Garantiu que pode obter um novo acordo de saída no que seria anulado o chamado backstop, um mecanismo de seguro considerado inegociável pelos membros da UE e inadmissível pelos eurocéticos conservadores. Uma forma de manter a Irlanda do Norte no espaço alfandegário comunitário e não romper o mercado interno, defende Bruxelas. Uma afronta à integridade territorial do Reino Unido, gritam os conservadores britânicos mais radicais.

Johnson vem usando todos os estratagemas legais e parlamentares ao seu alcance para tentar evitar que o Parlamento possa impor um novo adiamento do Brexit. Não parou de insinuar, sem nenhuma prova, que está prestes a alcançar um acordo com a UE. Forçou a Rainha a suspender a atividade parlamentar por cinco semanas para deixar seus críticos sem tempo. Afirmou que expulsará da bancada parlamentar os deputados conservadores que aderirem à rebelião. E, finalmente, ameaçou antecipar as eleições gerais para evitar qualquer decisão do Parlamento contra sua estratégia.

A única coisa que ele conseguiu com essa ofensiva foi aumentar a determinação de seus adversários e reafirmar a convicção de muitos rebeldes conservadores de que eles devem colocar os interesses do país à frente dos de seu próprio partido. “[Johnson] está minando nossa economia, nossa democracia e nosso papel no mundo. Está usando manipulação política, intimidação e mentiras. E está fazendo isso deliberadamente. Agiu com tanta imprudência a ponto de deixar de ser conservador”, afirmou o deputado Phillip Lee ao anunciar sua decisão de abandonar o Partido Conservador e aderir à bancada liberal democrata. Foi uma granada de mão que explodiu na cara de Johnson minutos antes que o primeiro-ministro iniciasse seu discurso no Parlamento, colocando-o diante da dura realidade. Ele acabava de perder sua ínfima maioria parlamentar de um deputado. O efeito da decisão foi mais simbólico do que real, porque há pelo menos 15 rebeldes conservadores que já anunciaram sua decisão de votar contra o Governo para frear Johnson.

“Será que o primeiro-ministro pode nos entregar, antes do final da tarde, alguma prova documental dos supostos avanços das negociações com Bruxelas?”, desafiou Philip Hammond, ex-ministro da Economia do Reino Unido e um dos líderes da rebelião conservadora. Hammond nunca foi radical em suas colocações, mas, com a vantagem de ter um conhecimento real das perspectivas econômicas do país, sempre lutou contra a possibilidade de uma saída desorganizada da UE. Juntamente com outros conservadores moderados, foi na manhã desta terça-feira a Downing Street para ouvir as explicações de Johnson. E, como informaram todos os veículos de comunicação britânicos, a reunião terminou de uma forma amarga. O primeiro-ministro não quis buscar a cumplicidade de seus críticos, preferindo atacá-los desde o primeiro minuto, acusando-os de estar favorecendo com sua atitude um futuro Governo trabalhista encabeçado por Jeremy Corbyn.

“Este Governo não tem um mandato, não tem moral e, a partir de hoje, não tem maioria neste Parlamento”, disse o líder da oposição a Johnson. Corbyn rejeitou a terminologia bélica ? tão ao seu gosto ? usada durante o debate pelo primeiro-ministro, que chegou a qualificar o projeto promovido pela oposição de “lei de rendição de Corbyn”. “Ninguém está se rendendo, primeiro-ministro, porque não estamos em guerra com a Europa. São nossos parceiros”, respondeu o líder oposicionista.

E como em muitas outras ocasiões, o homem encarregado de apontar que o imperador estava nu foi Kenneth Clarke, o veterano ? e venerado por muitos de seus companheiros ? deputado conservador que ostenta o título de “pai do Parlamento”. “A estratégia do primeiro-ministro é óbvia. Quer estabelecer condições impossíveis para a UE, para atribuir a ela a maior parte da culpa pelo fracasso da negociação. E depois quer realizar eleições gerais o mais rápido possível, antes que as consequências negativas de um Brexit sem acordo fiquem evidentes. Estou enganado?”, perguntou Clarke a Johnson, que mais uma vez se limitou a gaguejar quanto à sua vontade de alcançar um pacto com Bruxelas e a bajular Clarke a respeito de seu passado político.

“Nunca aceitarei outro adiamento do Brexit. Sairemos em 31 de outubro, do jeito que for, com ou sem acordo. Nunca entregarei o controle da capacidade de negociação do Reino Unido”, tinha afirmado Johnson no início de sua intervenção. Uma mensagem que serviu para reafirmar, na cabeça de muitos deputados, que se for aprovada a lei para frear o primeiro-ministro e obrigá-lo a adiar seus planos, ganhará mais força a possibilidade de eleições.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • setembro 2019
    S T Q Q S S D
    « ago    
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    30