São Paulo
Partida entre CSA e Flamengo na noite de quarta-feira (12), no estádio nacional de Brasília
Partida entre CSA e Flamengo na noite de quarta-feira (12), no estádio nacional de Brasília ALEX FARIAS Agência O Globo

As revelações do jornal The Intercept Brasil começam a mostrar ao ministro da Justiça, Sergio Moro, o que significou tirar o manto de magistrado e vestir a fantasia de político. Pesquisa exclusiva da empresa Atlas Político revela que o ex-juiz da Operação Lava Jato perdeu parte do seu capital popular após as reportagens que apontam sua ligação estreita com o procurador Deltan Dallagnol no processo que condenou mais de 1000 pessoas, entre eles o ex-presidente Lula que cumpre pena há um ano em Curitiba. Em pesquisa da Atlas realizada em maio, Moro tinha uma imagem positiva para 60% dos entrevistados. Na pesquisa realizada entre os dias 10 e 12 de junho, o ministro havia perdido quase dez pontos percentuais – manteve o mesmo prestígio entre 50,4% dos entrevistados –,  mas recebeu avaliação negativa de 38,6%, contra 31,8% no levantamento do mês passado. Apesar do desgaste, Moro ainda é o político mais popular do Brasil, e tem o respeito da maioria dos brasileiros.

O levantamento, feito online com 2.000 pessoas de todo o país (o resultado tem margem de erro de 2% para cima ou para baixo), mostra que 73,4% dos entrevistados tomaram conhecimento das conversas entre Moro e Dallagnol, divulgadas no último domingo, dia 9, pelo jornal The Intercept Brasil. Desses, 58% reconhecem que a prática de um juiz aconselhar e manter conversas privadas com membros da acusação ou defesa de um réu, sem o conhecimento da parte adversa, é incorreta. Somente 23,4% consideram esse comportamento correto. Outros 18,6% não opinaram.

 Os diálogos divulgados até aqui pelo jornal, e que não foram desmentidos pelo atual ministro, mostram que Moro mantinha intensas conversas privadas com o coordenador da Lava Jato pelo aplicativo Telegram com orientações, broncas, elogios e até dicas de fontes que a força tarefa deveria ouvir nas investigações que os procuradores conduziram para condenar o ex-presidente Lula. Esse comportamento fere princípios constitucionais e do Código Penal Brasileiro. Vai contra, ainda, uma posição que o próprio Moro sempre adotou. “Eu não tenho estratégia de investigação nenhuma. Quem investiga e quem decide o que vai fazer é o Ministério Público e a Polícia [Federal]. O juiz é reativo, o juiz normalmente deve cultivar virtudes passiva… e até me irrita ver críticas infundadas dizendo que eu sou um juiz investigador”, disse ele em palestra na Associação Nacional dos Auditores Fiscais em Curitiba, há três anos.

Moro perde apoio após The Intercept, mas ainda é o político mais popular do Brasil
 

Mesmo com uma avalanche de notícias que colocam em dúvida sua atuação, a pesquisa da Atlas Político mostra que as opiniões se dividem quase igualmente sobre eventuais abusos de Moro na época da Lava Jato quando entra o nome do ex-presidente Lula. Para 41,9% dos entrevistados ouvidos, o ex-juiz cometeu abusos na condução do processo do ex-presidente. Mas para 40,8%, não. Outros 17,2% deixaram de responder a essa pergunta.

Seja como for, a pesquisa mostra uma certa metamorfose na opinião pública brasileira sobre a imagem da prisão do ex-presidente petista. Ainda que uma maioria dos brasileiros se mostre a favor da prisão de Lula (49,4%) neste mês de junho, a Atlas mostra que essa certeza já foi maior. Em abril, a empresa fez a mesma pergunta em pesquisas para medir o impacto da entrevista concedida pelo ex-presidente Lula ao EL PAÍS e ao jornal Folha de São Paulo depois de um ano preso em Curitiba. Na ocasião, 57,9% dos que foram ouvidos se diziam favoráveis à pena de prisão de Lula, e 33,10% contra. Neste mês os contrários à pena do ex-presidente subiu para 38,4%. Outros 12,3% preferiram não responder a essa questão no levantamento deste mês (em abril 9% não havia se posicionado).

Moro perde apoio após The Intercept, mas ainda é o político mais popular do Brasil
 

A mudança de posição sobre Lula não pode ser atribuída apenas à publicação das reportagens do The Intercept, mas é a primeira vez que a queda da rejeição a sua prisão se cristaliza nos resultados de um levantamento, observa Andrei Roman, phD em Ciência Política pela universidade de Harvard, e sócio da Atlas Político. O mesmo vale para a percepção sobre o ministro da Justiça. “Havia muitos ataques à figura do ministro Sergio Moro, mas nunca houve impacto em sua imagem. O mesmo vale para o ex-presidente Lula. Sempre houve mensagens de defesa, mas não havia impacto em sua avaliação. É um ponto de inflexão”, explica Roman. Desde abril o ex-presidente vem concedendo entrevistas que, se não ganharam maiores destaques na televisão, foram amplamente divulgadas nas redes sociais.

Para o cientista político, o horizonte para Moro não é dos mais positivos desde que os diálogos vazados com os bastidores da operação Lava Jato vieram a público. “É um momento delicado. Não é só uma notícia ou algo pontual, é uma avalanche de informações e que não se sabe quantas mais existem e o quanto podem ser danosas a ele”, observa. Diante de ambições já declaradas por Bolsonaro de indicá-lo para uma vaga na Suprema Corte, o atual ministro da Justiça se vê sem controle da pauta do noticiário, bem diferente dos tempos em que era juiz de Curitiba e ajudava a pautar os jornais diariamente com as notícias das operações da Lava Jato. 

tingir o político mais popular do governo Bolsonaro, as reportagens do The Intercept acabaram por desmobilizar um pouco a tropa virtual fechada em torno do presidente e sua equipe. “A mobilização de centro direita, que sempre foi forte, está desnorteada por primeira vez em muito tempo”, diz Roman. “Há uma defesa feroz da Lava Jato e de Moro, mas é uma postura defensiva, e não de ataque”, completa.

Governo Bolsonaro

A avaliação sobre o Governo do presidente Jair Bolsonaro se mantém praticamente no mesmo patamar do mês passado, com 37,4% das opiniões entre ruim e péssimo (em maio era 36,2%) e 30,4% entre bom e ótimo (era 28,6% no mês passado). Outros 29,8% consideram sua gestão regular e 2,4% preferiram não opinar. Apesar do retrato do momento, o presidente Bolsonaro ainda tem uma imagem positiva para 50,3% dos entrevistados, um resultado que o coloca praticamente em empate com seu ministro da Justiça.

Moro perde apoio após The Intercept, mas ainda é o político mais popular do Brasil
 

Hábil no marketing pessoal, Bolsonaro decidiu testar sua popularidade e a de Sergio Moro num ambiente bem propício: uma partida de futebol no estádio Mané Garrincha. Com Flamento e CSA pelo Campeonato Brasileiro, o presidente apareceu na tribuna de honra ao lado de um engravatado Moro. Bolsonaro chegou a erguer o braço do seu ministro. Este se mostrou embaraçado, mas, pela imagem, disposto ao ‘sacrifício’ de encarar a opinião popular. Ambos vestiram a camiseta do Flamengo e receberam aplausos. Quiçá não em massa como nas manifestações de rua dos eleitores do Governo Bolsonaro, mas sem dúvida uma cena simpática para um momento delicado. O suficiente para que o presidente mudasse de tática na defesa de seu ministro.

Depois de dias de silêncio, o mandatário falou por primeira vez nesta quinta sobre a reportagem do The Intercept Brasil e os efeitos sobre Moro. “O que ele fez não tem preço. Ele realmente botou para fora, mostrou as vísceras do poder”, disse Bolsonaro, tratando Moro como “herói do Brasil”. “Nós estamos unidos do lado de cá para derrotar isso daí. Ninguém forjou provas contra Lula”, afirmou ele, logo após após evento no Palácio do Planalto.

A pesquisa da Atlas Político entrevistou 2000 pessoas de todas as regiões do país e de todos os estratos sociais, calibrando a representatividade também por faixa etária, sexo, e uso de redes sociais.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • junho 2019
    S T Q Q S S D
    « maio   jul »
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930