Peronistas ganharam nove províncias contra apenas uma da aliança governista entre macristas e radicais. Pleitos mostram que popularidade do presidente argentino não aumenta, mas também não desaba

Juan Manzur (direita) comemora com Osvaldo Jaldo sua reeleição como governador da província de Tucumán.
Juan Manzur (direita) comemora com Osvaldo Jaldo sua reeleição como governador da província de Tucumán. TÉLAM

As eleições provinciais argentinas estão sendo claramente favoráveis ao lado peronista. Dentre as realizadas até agora, a aliança de macrismo e radicalismo só venceu uma, a de Jujuy (província no noroeste do país), enquanto a oposição venceu em nove. Mas esse é um indicador pouco confiável para as eleições gerais de outubro, porque em quase todas se reelegeu o governador já no cargo e porque o peronismo não está unido. O que parece se formar é uma eleição presidencial entre dois blocos, o de Mauricio Macri de um lado e o de Alberto Fernández e Cristina Kirchner do outro. A fraqueza das opções intermediárias pode fazer com que o primeiro turno, em 27 de outubro, já seja decisivo.

O que a eleições provinciais demonstraram até agora é que a popularidade de Macri não aumenta, mas também não desaba, e que a coalizão presidencial não tem a inserção territorial que possui o peronismo. A maior eleição provincial, a de Buenos Aires, ocorrerá em outubro, no mesmo dia da votação para presidente da República e para os parlamentares das duas Câmaras, e essa terá enorme relevância: quem ganhar em Buenos Aires, com seus mais de doze milhões de eleitores, muito provavelmente será o vencedor no país.A desconfiança em relação à atração eleitoral de Macri fez com que a maioria dos governadores, incluindo os macristas, afastasse suas datas eleitorais do 27 de outubro: não querem se ver afetados por uma possível onda de repúdio ao presidente. Buenos Aires não o fez e sua governadora, María Eugenia Vidal, disputará a reeleição junto com Macri contra o candidato kirchnerista, o ex-ministro da Economia Axel Kicillof.

Os liberais de Macri afinal conseguiram uma vitória no domingo, em Jujuy, uma das províncias mais pobres do país. O radical Gerardo Morales foi reeleito e aproveitou para pedir ao presidente que abra sua coalizão ao peronismo moderado, na convicção de que, por enquanto, os números do Cambiemos não são suficientes para uma vitória nacional.

A sequência de derrotas de Macri é grande. Em San Juan, seu candidato perdeu para Sergio Uñac, aglutinador do peronismo moderado e do kirchnerismo. Em Misiones o vencedor foi Oscar Herrera, peronista moderado. Sergio Ziliotto, outro unificador do peronismo, ganhou em La Pampa, e a capital provincial, Santa Rosa, ficou nas mãos do kirchnerista Luciano di Nápoli. Em Neuquén Omar Gutiérrez, do Movimento Popular Neuquino, teve vitória arrasadora. Em Santa Fé ganhou o socialista Antonio Bonfatti, mas as duas candidaturas peronista obtiveram mais votos. Tucumán foi para Juan Manzur, ex-ministro da Saúde de Cristina Kirchner. Em Entre Ríos venceu Gustavo Bordet, e em Río Negro, Arabela Carreras, aliada do kirchnerismo.

Na província de Córdoba, a segunda maior do país, Juan Schiaretti, peronista bem próximo a Macri, se manteve como governador. Tanto Schiaretti como o influente senador peronista Miguel Ángel Pichetto afirmaram que em um segundo turno presidencial entre Macri e Kirchner, votariam em Macri. A grande questão é se esse segundo turno ocorrerá, ou se o resultado do primeiro turno dará uma vantagem muito clara a uma candidatura para transformar em quase simbólica uma nova votação.

Os estrategistas de Mauricio Macri acreditavam que a Alternativa Federal, o bloco dos peronista moderados, obteria um bom resultado no primeiro turno e depois transportaria seus votos ao Cambiemos. Essa ajuda, somada ao repúdio a Cristina Kirchner por um amplo setor do eleitorado, deveria dar-lhes a vitória. Mas a união de Alberto Fernández, como candidato a presidente, e Cristina Kirchner, como candidata à vice-presidenta, sufocou a Alternativa Federal. E se o kirchnerismo conseguir atrair Sergio Massa, presidente da Alternativa Federal, pode sonhar com uma vitória decisiva no primeiro turno. Massa e Fernández há dias negociam e precisam de um acordo antes de quarta-feira, prazo final para o registro das coalizões eleitorais.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • junho 2019
    S T Q Q S S D
    « maio   jul »
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930