DO EL PAÍS

Mesmo desfalcada de Marta, seleção brasileira quebra sequência de derrotas em sua primeira exibição no Mundial

Cristiane marcou três gols para o Brasil na estreia. DENIS BALIBOUSE Reuters

O Brasil venceu a Jamaica por 3 a 0 neste domingo, em Grenoble, em sua estreia no grupo C pela Copa do Mundo França 2019. Aos 15 minutos, a seleção abriu o placar com Cristiane, de cabeça. No segundo tempo, a atacante marcou mais duas vezes, incluindo um golaço de falta, e chegou a seu décimo gol em Mundiais. Outra que também fez história é a volante Formiga. Aos 41 anos, ela se tornou a única jogadora entre masculino e feminino a disputar sete Copas.

Acumulando nove derrotas nos últimos nove jogos, a seleção brasileira era a única entre as 24 envolvidas no Mundial que escolheu não realizar amistosos preparatórios antes da estreia na França. Marta, recuperando-se de lesão, ficou fora da partida. Apesar do momento de baixa e do desfalque de peso no lado canarinho, as jamaicanas, disputando uma Copa do Mundo pela primeira vez, ofereceram pouca resistência ao modo frenético de atacar da equipe comandada pelo técnico Vadão. No primeiro tempo, a seleção teve várias chances de ampliar o placar e ainda perdeu um pênalti com Andressa Alves.

Porém, na etapa final, o Brasil deixou de desperdiçar oportunidades e matou o jogo logo no início contando com a estrela de Cristiane. Com a vitória, a seleção assume a liderança do grupo C pelo saldo de gols. No outro jogo da chave, a Itália bateu por 2 a 1 a Austrália, próxima adversária das brasileiras. A partida acontece na próxima quinta-feira, às 13h.

Imagem relacionada

CRÔNICA

 

 A morte seria um bom dia pra se viver?

 

Janio Ferreira Soares

 

Recentemente me vi diante de um outdoor que divulgava a infindável saudade de uma família por um de seus membros, morto há nove anos. Péssimo em memorizar datas – mas conhecendo a figura -, exclamei: “poxa, tudo isso!”.

Em seguida comecei a matutar sobre essa assombrosa velocidade que o tempo anda infligindo na gente e constatei que, nessa pisada, em breve estaremos todos navegando sob o remo da velha ceifadora – se isso consola -, uma democrática anfitriã sem predileção de cor, credo ou euro, que conduz em seu imenso barco tanto as pecadoras almas que leem Paulo Freire, quanto os inocentes anjinhos que preferem Cebolinha, coitados, agora sem a proteção das cadeirinhas no banco traseiro por ordem do malvado titio “Bolsonalo”, que parece não mais querê-los com suas mamães e vovós nas manifestações dominicais.

Falando nisso, por esses dias a médica e escritora Ana Claudia Arantes deu uma palestra para os atores que irão participar da próxima novela das 19h da Globo, cujo tema será a morte, assunto que ela domina com maestria. Geriatra e especialista em Cuidados Paliativos, Dra. Ana é a autora do livro “A Morte é um Dia Que Vale a Pena Viver”, que narra não só os caminhos que podem possibilitar aos que estão prestes a partir a oportunidade de irem na paz, como também a chance de uma maior compreensão da perda para os que ficam. Afinal, diz ela, a morte deveria ser assunto corriqueiro, já que de Cristo a Buda, de Jair a Lula, do Papa a prostituta, todos terão que encará-la um dia, como diz o nosso sábio Gil, tendo que morrer vivendo, no derradeiro ato seu. E é nessa hora que surgem questionamentos sobre religião, fé e afins, com revelações que podem surpreender os fervorosos.

Diante de tão fascinante assunto, impossível não lembrar dos meus últimos dias ao lado de Cecília, ocasião em que, sem nem saber que existia essa especialidade médica, pintamos, bordamos, rimos e choramos, como se estivesse implícito entre nós, que teria de ser assim. É tanto que no segundo ou terceiro dia dos quase 30 que ficamos juntos, depois que serviram sua comida ela começou a rir e disse que muita gente ali devia morrer antes da hora só por causa daqueles temperos. Tempos depois, enquanto cochilava sob o efeito de sedativos, ela, certamente sonhando com a nutricionista do hospital, receitava: “primeiro você corta a cebola roxa. Depois mistura o tomate, o coentro e as verduras de sua preferência, e só depois coloca o bode bem sequinho. Mas cuidado com o sal pra não estragar!”.

Sem querer apelar à dramaticidade de um folhetim barato, acho que se todo filho tivesse a sorte de sentir o cheiro da comida de sua mãe enquanto ela se prepara para a mais temível das viagens, a morte seria, sim, um belo dia pra se viver.

Janio Ferreira Soares, cronista, é secretário de Cultura de Paulo Afonso, nas  barrancas baianas do Rio São Francisco.

“Natural Mystic”, Bob Marley: o regae transcendental do imortal jamaicano, construtor do gênero que construiu um traço perfeito de união entre Jamaica e Brasil. É isso que importa, qualquer que seja o resultado do jogo de hoje (9), em Grenoble. Viva!!!

(Vitor Hugo Soares)

jun
09
Posted on 09-06-2019
Filed Under (Artigos) by vitor on 09-06-2019

O empenho da herdeira do astro da música em conseguir fundos, nos últimos cinco anos, foi essencial para o sucesso do futebol feminino do país caribenho

A seleção jamaicana de futebol feminino.A seleção jamaicana de futebol feminino. GETTY

As Reggae Gilrz jamaicanas, que ocupam a 53.a posição no ranking da FIFA, fazem na França a sua estreia numa Copa do Mundo. É a primeira equipe caribenha a se apresentar numa fase final.

A proeza foi fruto de seu terceiro lugar no grupo de classificação da Concacaf, após vencer o Panamá por 4-2 nos pênaltis em outubro. As Reggae Girlz perderam apenas dois jogos (2-0 contra o Canadá e 6-0 ante os Estados Unidos) em toda a etapa de classificação, fazendo 53 gols e levando 14. À frente do time esteve seu aríete, Khadija Bunny Shaw, com 19 gols na fase classificatória.

A seleção que viaja à França inclui várias atletas oriundas da Jamaica nascidas nos EUA e no Reino Unido. É praticamente o mesmo time que disputou a fase classificatória. Ainda assim, o técnico Hue Menzies conseguiu somar alguns talentos novos antes do torneio.

Menzies e suas jogadoras adotaram o 4-3-3, confiando em sua velocidade e condição física para abrir as defesas rivais, sobretudo pelas laterais. Como de costume, Shaw ocupará o centro do ataque e pode ser determinante contra as adversárias mais ilustres do grupo C, desde que receba a bola perto o suficiente do gol para marcar.

Como já se comentou, as Reggae Girlz parecem mais eficazes no contra-ataque graças à sua velocidade. E a volta da atacante Trudi Carter após uma lesão deve agregar maior impulso. A defesa mostrou sua força na fase de classificação. Embora tendam a recuar quando o rival é forte, as defensoras às vezes avançam para impor maior pressão ao marcar o adversário e apoiar o meio campo para tentar roubar a bola.

Passado e presente

A seleção de futebol feminino da Jamaica começou a ganhar forma em 1991, quando as Reggae Girlz disputaram seu primeiro jogo internacional contra o Haiti —e perderam por 1-0. Desde então, tornou-se um dos times femininos mais destacados da região, ao lado de Haiti e Trinidad e Tobago. Hoje, as jogadoras exibem orgulhosas seu posto 53 no ranking da FIFA, o mais alto já obtido.

As atletas enfrentaram muitos obstáculos até chegar ao ponto atual. Há oito anos, a Federação Jamaicana de Futebol dissolveu o programa de futebol feminino, assim como o programa olímpico feminino, por falta de financiamento. Tanto que a Jamaica sumiu do ranking da FIFA após três anos sem atividades.

O programa foi retomado em 2014 com o apoio de Cedella Marley, filha de Bob Marley e atual embaixadora do futebol feminino da Jamaica. Os vigorosos esforços de Marley para gerar fundos permitiram que as jamaicanas conseguissem sua histórica classificação para a Copa, após fracassar na tentativa em 2015 e ficar novamente de fora do ranking da FIFA em junho de 2017.

No Mundial deste ano, espera-se um grande rendimento da capitã, Konya Plummer, e de sua companheira na defesa, Allyson Swaby. Ambas mostram potência no jogo aéreo e decisão com a bola nos pés, ainda que ultimamente a defesa sempre tenha sido um trabalho de equipe, em que todas se esforçam ao máximo e trabalham juntas.

Em resumo, a Jamaica tem muitas chances de perder, mas não viaja à França para se deixar vencer. E nunca devemos subestimar o poder de um grupo disposto a dar tudo não só por si mesmo, mas pelo povo da Jamaica.

jun
09

THAIS ARBEX

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) indicou na noite deste sábado (8) que vai esperar a eleição da lista tríplice da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República) para indicar o próximo chefe do Ministério Público Federal (MPF). 

“Estou aguardando a lista tríplice”, afirmou o presidente ao deixar o Palácio da Alvorada rumo à Granja do Torto, onde passará a noite.

Questionado se a atual procuradora-geral da República, Raquel Dodge, é um bom nome, Bolsonaro se limitou a falar que “todos são bons nomes”. O mandato de Dodge na PGR (Procuradoria-Geral da República) termina em setembro.

A declaração de Bolsonaro deste sábado vai na contramão das sinalizações de que não pretendia seguir a lista tríplice da ANPR.

O presidente fez a afirmação ao parar o carro para cumprimentar apoiadores que o esperavam do lado de fora da residência oficial, como tem feito com frequência nas últimas semanas.

Nesta sexta (7), Dodge admitiu pela primeira vez estar no páreo para ficar mais dois anos no cargo. 

“Estou à disposição, tanto da minha instituição quanto do país, para uma eventual recondução. Não sei se isso vai acontecer”, disse a procuradora-geral em São Paulo.

Dodge afirmou que a consideração da lista tríplice enviada pela ANPR ao presidente é uma prerrogativa do chefe do Executivo. “É uma decisão do presidente, definida na Constituição.” 

A procuradora-geral foi indicada para o cargo pelo então presidente Michel Temer, em 2017. Ela ficou em segundo lugar pelo voto dos pares naquela ocasião.

A lista tríplice foi criada em 2001 e é defendida pelos procuradores como um dos principais instrumentos de autonomia da carreira. De acordo com a Constituição, o presidente da República pode escolher qualquer um dos procuradores em atividade para o comando da PGR.

De 2003 a 2015, o nomeado foi o mais votado pelos membros da ANPR. Ao optar por Dodge, Temer quebrou a tradição iniciada por Luiz Inácio Lula da Silva de respeitar a ordem da lista e indicar o primeiro colocado.

Dez procuradores se apresentaram à sucessão na PGR neste ano. Até o dia 17 de junho, os candidatos seguem em campanha. A eleição ocorrerá em todas as unidades do Ministério Público Federal do país, por meio eletrônico, no dia 18 de junho. Podem votar os cerca de 1.150 membros ativos do MPF.

‘Talvez ela fique no banco, mas nosso plano é que ela não participe do jogo’, disse Vadão

  A atacante brasileira Marta não iniciará a partida de estreia da seleção brasileira na Copa do Mundo de futebol feminino contra a Jamaica no domingo, por causa de uma lesão na coxa, disse o técnico Vadão neste sábado.

“Ela está se recuperando melhor do que o esperado, mas ela não pode começar. Talvez ela fique no banco, mas nosso plano é que ela não participe do jogo”, disse Vadão em entrevista coletiva.

A jogadora de 33 anos, vencedora seis vezes do prêmio de melhor do mundo da Fifa, se lesionou durante a preparação da equipe para o Mundial no mês passado.

Macaque in the trees
Marta (Foto: Christopher Hanewinckel-USA TODAY Sports)

O Brasil está no Grupo C do torneio, ao lado de Jamaica, Austrália e Itália.

jun
09

Jair Bolsonaro usou o Twitter neste sábado para dizer que se o PLN 4 — projeto de lei que autoriza operações de crédito suplementar — não for aprovado, o governo terá de suspender pagamento de benefícios a idosos no próximo dia 25.

“Nos meses seguintes faltarão recursos para aposentadorias, Bolsa Família, Pronaf, Plano Safra…”, acrescentou.

jun
09
Posted on 09-06-2019
Filed Under (Artigos) by vitor on 09-06-2019



 

Paixão, NA

 

jun
09
Posted on 09-06-2019
Filed Under (Artigos) by vitor on 09-06-2019

Pequim intensificou as medidas para reduzir sua dependência tecnológica da grande potência

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, e o presidente do Banco Popular da China (banco central), Yi Gang, mantiveram um encontro neste fim de semana em Fukuoka (Japão), no âmbito da reunião de ministros de Finanças do G20. Em outros tempos, a conversa teria sido uma mera questão de rotina. Mas agora não: foi a primeira entrevista entre altos funcionários econômicos dos dois países desde o fracasso das negociações comerciais e o início da escalada na guerra comercial e tecnológica, que ameaça se perpetuar e estabelecer uma nova ordem mundial.

Aparentemente, tratava-se de uma reunião preparatória para o encontro que o presidente chinês, Xi Jinping, manterá com seu homólogo norte-americano, Donald Trump, na cúpula do G20 em Osaka (Japão). Mas embora aquele Trump tenha dado como certo esse encontro, sua realização não está garantida: Pequim não quis confirmá-lo até o momento. A reunião parece mais incerta que nunca após Trump ter declarado que “provavelmente” aumentará as tarifas também sobre os 300 bilhões de dólares (1,17 trilhão de reais) de importações chinesas que ainda não foram afetadas pela disputa.

 

Em todo caso, poucos acreditam que esse encontro tenha um resultado significativo. Talvez deter essas possíveis tarifas. Ou talvez um indulto para a Huawei, a gigante de tecnologia que Washington proibiu de fazer negócios com as empresas norte-americanas. Um acordo “realmente não muito relevante”, como dizia recentemente a economista-chefe para Ásia-Pacífico do banco de investimentos francês Natixis, Alicia García-Herrero.

Ao menos na mente de Pequim, o divórcio entre as duas grandes potências já ocorreu. E a China deixou claro que, embora preferisse um acordo amistoso, prepara-se para um conflito longo e possivelmente penoso, pelo menos enquanto Trump continuar na Casa Branca. Um conflito que provavelmente não tenha volta atrás: para o Governo chinês, já ficou claro o risco de depender muito do que possa ser decidido em Washington.

O presidente do banco central chinês afirmou que, do ponto de vista econômico, Pequim conta com várias opções ante um possível endurecimento da guerra comercial. “Há muitas ferramentas de política monetária e fiscal, incluindo taxas de juros, porcentagens de reservas e maiores estímulos fiscais”, dizia nesta semana.

Do lado tecnológico, a China decidiu acelerar o desenvolvimento de sua indústria para garantir a independência. Nos últimos dias, concedeu as primeiras licenças de 5G às três grandes operadoras de telefonia e uma de TV do país. A Huawei, segundo noticiou a agência Bloomberg esta semana, determinou que seus engenheiros projetem, o mais rápido possível, os componentes e o software que deixará de receber do Vale do Silício. Seu novo sistema operacional poderia ficar pronto em agosto ou setembro.

Resposta contida

Pequim, que até agora respondeu com relativa moderação aos gestos dos EUA (seja, segundo alguns, pela vontade de se apresentar como a parte “adulta” na disputa ou, segundo outros, por não ter ferramentas mais eficazes) continua ensaiando seus próximos passos. Além de responder com seu próprio aumento de tarifas, o país anunciou a criação de uma lista de empresas estrangeiras “pouco confiáveis” que ainda não publicou. A China também estuda proibir a exportação aos EUA de terras raras, materiais imprescindíveis para a fabricação de produtos de alta tecnologia. Mas a briga já começa a ir além da mera economia e das eternas disputas pela segurança no mar do Sul da China.

Esta semana, o Governo chinês advertiu aos seus estudantes e acadêmicos sobre os riscos de estudar nos EUA, ante o aumento de pedidos de visto rejeitados e os cortes na duração das autorizações de permanência. Cerca de 360.000 jovens chineses frequentam cursos na primeira potência mundial, gerando uma renda de 14 bilhões de dólares (55 bilhões de reais) aos EUA, mais do que a quantia obtida pela venda da soja ao gigante asiático, informou a consultoria Capital Economics num relatório.

  • Arquivos

  • junho 2019
    S T Q Q S S D
    « maio   jul »
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930