DO JORNAL DO BRASIL

A viagem do presidente aos EUA foi marcada por polêmicas

  O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste domingo (12) que não “passou recibo” ao desistir de viajar a Nova York nesta semana, onde seria homenageado num jantar de gala.

Após pressões de ativistas e do prefeito da cidade norte-americana, Bill de Blasio, Bolsonaro cancelou sua agenda em Nova York. Agora, a homenagem será entregue no Texas, nos dias 15 e 16 de maio, onde o mandatário deve ser recebido pelo ex-presidente George W. Bush e se encontrar com o senador republicano Ted Cruz.
“Eu não posso ir para um evento desses [em Nova York], que teria gente infiltrada para fazer balbúrdia. Eu poderia levar uma ovada na cara e essa seria a imagem que ia levar para o mundo todo”, justificou Bolsonaro neste domingo, durante uma entrevista no programa do jornalista Milton Neves, da rádio Bandeirantes.
Bolsonaro disse que De Blasio assumiu sua postura por ter pretensões de disputar as primárias pelo partido Democrata, que definirão o adversário do presidente Donald Trump nas eleições do ano que vem.
“Ele [De Blasio] é um fanfarrão e paspalhão. Se tivesse o PSOL lá, seria o partido dele”, disse Bolsonaro.
“Eu não posso ir na sua casa e o seu filho falar que vai jogar uma bandeja de macarrão em cima de mim”, completou o presidente na entrevista, dirigindo-se a Milton Neves.
“Eu tenho que pensar na minha imagem como presidente. Eu não posso aparecer na capa de jornal com o ovo jogado por um palhaço de um ativista desse prefeito, não menos palhaço e não menos bobalhão”, concluiu.
A viagem de Bolsonaro aos EUA para receber o prêmio de Pessoa do Ano da Câmara de Comércio Brasil-EUA está marcada por polêmicas.
No mês passado, o Museu de História Natural de Nova York se recusou a receber o evento.
Além do mais, manifestações pressionaram os patrocinadores a não vincular seu dinheiro –nem suas marcas– ao evento que, além do presidente, homenagearia o secretário de Estado americano, Mike Pompeo.
Após o Museu Americano de História Natural se recusar a sediar o evento, o hotel New York Marriott Maquis aceitou receber o jantar e passou a ser alvo de manifestações.
Diante disso, Bolsonaro optou por cancelar sua ida a Nova York. Posteriormente, ele aceitou receber a homenagem no Texas.

“Esta tarde vi llover”, Armando Manzanero: Um clássico mundial do bolero e um dos maiores sucessos do grande maestro e compositor mexicano. Aqui  em gravação do álbum Tesoros de Colección – Armando Manzanero – Sus Primeros Éxitos.
BOM DIA!!!
(Vitor Hugo Soares)
 Esta tarde vi llover Vi gente correr y no estabas tu La otra noche vi brillar Un lucero azul y no estabas tu La otra tarde vi que un ave enamorada Daba besos a su amor ilusionada y no estabas Esta tarde vi llover Vi gente correry no estabas tu El otoño vi llegar al mar oi cantar Y no estabas tu Yo no se cuanto me quieres si me Extrañas o me engañas solo se que vi llover Vi gente correr y no estabas tu Esta tarde vi llover Vi gente correry no estabas tu El otoño vi llegar al mar oi cantar Y no estabas tu Yo no se cuanto me quieres si me Extrañas o me engañas solo se que vi llover Vi gente correr y no estabas tu

maio
13
Posted on 13-05-2019
Filed Under (Artigos) by vitor on 13-05-2019

Do Jornal do Brasil

 

O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste domingo (12) que assumiu compromisso com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, para indicá-lo para uma vaga no STF (Supremo Tribunal Federal).

“Eu fiz um compromisso com ele, ele abriu mão de 22 anos de magistratura. A primeira vaga que tiver lá [no STF], estará à disposição”, disse Bolsonaro, numa entrevista ao programa do jornalista Milton Neves, da rádio Bandeirantes.

Macaque in the trees
Jair Bolsonaro (Foto: Carolina Antunes/PR)

“A primeira vaga que tiver eu tenho esse compromisso e, se Deus quiser, nós cumpriremos esse compromisso. O Brasil inteiro vai aplaudir”, acrescentou o presidente.

O primeiro ministro do Supremo que deve deixar a Corte é o decano Celso de Mello, que atinge a idade de aposentadoria obrigatória em novembro de 2020. A segunda vaga no STF deve ficar disponível com a aposentadoria de Marco Aurélio Mello, em julho de 2021.

Bolsonaro fez os comentários sobre Moro após ser perguntado pelos entrevistadores sobre uma fala recente do ex-juiz da Lava Jato, que disse a um jornal português que ir para o STF seria “como ganhar na loteria.”

Moro foi anunciado ministro da Justiça no início de novembro do ano passado, poucos dias depois de confirmada a vitória de Bolsonaro no segundo turno das eleições.

maio
13
Posted on 13-05-2019
Filed Under (Artigos) by vitor on 13-05-2019

DO BLOG O ANTAGONISTA

“Não dê palanque para equivocados”

No Twitter, Fernando Henrique Cardoso criticou neste domingo a reforma da Previdência apresentada pelo governo e disse que o projeto não deveria “tirar dos mais pobres”.

Bruno Bianco, secretário especial adjunto de Previdência, rebateu o comentário do ex-presidente:

“Já no seu governo buscava-se um sistema justo, com aposentadoria por idade e não por tempo de contribuição, fazendo com que os mais ricos contribuam mais e se aposentem na mesma idade dos mais pobres. Diferente do seu governo, nós vamos conseguir! Não dê palanque para equivocados.”

maio
13
Posted on 13-05-2019
Filed Under (Artigos) by vitor on 13-05-2019
Veja nossas estatísticas
 

Associação dos Cartunistas do Brasil

Tri-campeão do IBest
Atualizado diariamente desde 1996 Se você acha que não está vendo a página de hoje. Clique aqui para atualizar

Jornal de charges – O melhor do humor gráfico brasileiro na Internet – ano XXII – Domingo 12/05/2019

random image
Quinho2, no Diário da Tarde (MG)

Fenômeno da divulgação filosófica, argentino Darío Sztajnszrajber diz que “o movimento de gênero é encorajador para quem acredita que a abertura é o caminho para política da imaginação”

 
Darío Stajnszajber na Casa de América, em Madri, na terça-feira.
Darío Stajnszajber na Casa de América, em Madri, na terça-feira. KIKE PARA

Depois de meia vida dedicada ao ensino, um professor de Filosofia argentino que gostava de usar métodos heterodoxos para que a matéria “gerasse erotismo, desejo, vontade de se envolver”, recebeu uma encomenda de uma de suas alunas de pós-graduação. Ela trabalhava em um novo canal de televisão e lhe propôs desenvolver um programa sobre filosofia (Mentira la Verdad, que já tem 52 capítulos). “Foi aí que tudo explodiu”, diz Darío Sztajnszrajber (Buenos Aires, 1968) na Casa de América, em Madri, onde, depois de tirar a jaqueta o jornalista descobre que usava uma camisa preta com uma gola branca, como se fosse um colarinho clerical. O homem que tirou a filosofia da sala de aula e provocou um boom filosófico na Argentina fala sobre seu best-seller, Filosofía en Once Frases, no qual, de Sócrates a Marx, propõe através de uma trama romanesca uma viagem (“ou uma desconstrução”) pela história da filosofia.

Pergunta. Tanto na Espanha quanto na Argentina (e no Brasil) as instituições parecem querer enterrar a filosofia. No entanto, você sente que as pessoas têm fome dessa matéria?

Resposta. Sim. A filosofia começa a ter maior difusão e circulação fora dos formatos institucionais tradicionais, nas margens. É interessante essa virada.

P. Quando você fala de margens, entendo que fala sobre redes, do YouTube, do Twitter… Esses canais podem realmente ser um baluarte do pensamento emancipador? Parecem mais a concretização de uma hegemonia.

R. Óbvio, óbvio, o que acontece comigo é que não quero restringir a filosofia a uma única linguagem. Sua pergunta surge porque me perguntam constantemente sobre a relação entre a filosofia e as redes. Não é o único lugar nem o melhor. Faz parte do processo ver como nas redes se pode gerar sua oportunidade. Se fazer filosofia nas redes é repetir frases toscas filosóficas, não é filosofia. Em formatos como o Twitter, colocar um ensaio em dois milhões de tuítes não é filosofia. É preciso descobrir como provocar a partir de sua própria linguagem. É preciso retomar as origens. A filosofia não faz perguntas para encontrar respostas. Ela as faz para questionar as respostas estabelecidas. Não resolve problemas, ela os cria onde se diz que não faz falta.

P. Das 11 do seu livro, qual diria que é sua frase favorita?

R. Humm… Diria que a de Santo Agostinho: “Ame e faça o que quiser”. É muito estranha; se não conhecemos o contexto, diríamos que propõe uma sociedade pós-monogâmica (risos). E é o contrário, claro. Mas essa frase tirada do contexto… Na verdade é um pouco o jogo do livro: explicamos a frase em seu contexto, depois rompemos esse contexto.

“O ‘tudo que é sólido desmancha no ar’, de Marx, nos instala na modernidade”

P. E a que melhor define o mundo atual?

R. As quatro últimas. “Tudo que é sólido desmancha no ar”, de Marx, que nos instala na modernidade. Ou seja, não há nada a que se agarrar, é difícil nos entendermos em um mundo que muda freneticamente. A de Nietzsche, claro: “Deus está morto”. Que mais do que a Deus aponta para um fundamento que ordene a realidade. E se não existe fundamento, também estamos à deriva. E essa deriva pode ser emancipadora. Faz com que lutemos contra o que os outros erigem.

P. Depois viria a de Jacques Derrida: “Não há nada fora do texto”.

R. Claro, é entender que nossa experiência subjetiva sempre depende da linguagem. Não apenas somos o que narramos, mas somos narrados pelos outros. E por último a de Foucault: “Onde há poder, há resistência”, que nos obriga a projetar resistências que não sejam funcionais ao poder. Porque muitas vezes é o poder que precisa criar resistências para continuar a se expandir. Se a resistência está a serviço do poder, é preciso repensar como escapar à lógica do poder.

P. Mas lhe ocorre alguma resistência que neste mundo não seja útil ao sistema?

R. Hoje a filosofia de gênero é uma base. Define uma vanguarda. Acredito que é como uma síntese dessas últimas quatro frases. Tem muito de Derrida, de Foucault, de Marx e de Nietzsche.

P. Mas no sentido de que todo poder cresce, se expande, contra uma resistência, você não acha que a chamada “ideologia de gênero” pode servir ao poder?

R. Acredito que é a que mais consegue se afastar. E há uma intenção de pensar em seu lugar na obra de Judith Butler ou de Paul B. Preciado. Parece-me que há uma invocação para sair. Mas a questão é como você define o poder. Foucault fala do poder que está em toda parte, presente nas situações mais micro, mais imediatas. Lutar contra o poder é lutar contra si mesmo e contra essa necessidade de estar aberto à reinvenção permanente do que se acredita ser. Nesse sentido, a filosofia de gênero propõe uma desconstrução tão radical que nos lança em uma grande incerteza. E aí pode escapar ao poder.

P. Parece inevitável pensar que hoje é mais complicado do que nunca escapar do sistema, do imposto, do hegemônico. Não apenas em questões de controle social, mas nos próprios hábitos de pensar.

Darío Stajnszajber na Casa de América. ampliar foto
Darío Stajnszajber na Casa de América. KIKE PARA
 

R. São fundamentais. Os formatos. Na filosofia, a palavra dispositivo está na moda. No sentido de dispor, organizar. Esses dispositivos são anteriores. Foucault luta contra a ideia do poder como repressão e propõe a ideia de poder como normalização. É isso! Vínhamos pensando que você sabe o que quer e o poder te deixa ou não realizá-lo. Não, nesse “eu sei o que quero” o poder já agiu! Por isso Foucault, quando desnaturaliza o desejo sexual, coloca o dedo na ferida. É nesse lugar onde você nunca acreditaria que um dispositivo de construção lhe é imposto. Acredito que esses formatos estão muito instalados. O impulso dos meios de comunicação nisso é muito forte. Eles instalam formatos e são bem-vindos porque, de alguma forma, organizam e tranquilizam. Uma vida em que se sabe o que é certo e o que é errado é sempre mais tranquila. Quando você entende que além de bom é ruim, que além de amigo é inimigo, então se problematiza.

P. Voltando à “ideologia de gênero”, como acha que está o movimento na Argentina, onde as mulheres lutam pelo direito de abortar?

R. Está se impondo bastante, está gerando uma disseminação não só no macro, mas no micro, que me parece ser o mais importante, e ao mesmo tempo excede a proclamação específica pela luta pela mulher, e quase se tornou uma representação de uma nova forma de fazer política: excede o tradicional e, no entanto, tem uma representatividade inédita. Propõe um modo mais despersonalizado, um desidolatramento. O feminismo marca uma ruptura. Busca a horizontalidade. Na Argentina, dizemos que a mulher é cidadã de segunda porque não pode decidir sobre seu próprio corpo. Isso gera uma reação no conservadorismo, que teme o feminismo não por sua proposta sobre a mulher, mas porque desorganiza a identidade toda. Quando você começa uma desconstrução da identidade sexual acaba desconstruindo a identidade étnica, a nacional… A ideia de nação tradicional hoje resiste menos do que a de identidade de gênero! O movimento de gênero é encorajador para aqueles que acreditam que hoje a abertura é o único caminho para uma política da imaginação.

“Foucault, com seu ‘Onde há poder, há resistência’, nos obriga a projetar resistências que não sejam funcionais ao poder”

P. No entanto, não há nenhuma mulher entre os autores das 11 frases do seu livro.

R. Bem, foram pensadas mais como frases do que a partir dos autores. É também uma amostra do que é a história da filosofia como uma história de sujeição ou imposição. Sim, são trabalhadas autoras como Simone Veil e Hannah Arendt. Ela tinha uma frase magnífica sobre o Holocausto, mas eu decidi não me meter nesse assunto tão amplo…

P. Então não colocou nenhuma mulher.

R. Bem, Deus está (risos), não sabemos de que gênero é.

  • Arquivos

  • Maio 2019
    S T Q Q S S D
    « abr    
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728293031