Cântico dos Cânticos

Cântico dos Cânticos
FERNANDO VICENTE

Uma oportuna arritmia salvou Víctor García de la Concha da homenagem que iríamos prestar-lhe em Córdoba (Argentina) durante o oitavo Congresso da Língua realizado recentemente na cidade. Tivemos de nos contentar com um bom documentário sobre seus esforços acadêmicos para reforçar o caráter unitário do espanhol, apesar de ser incessantemente irrigado por mais de vinte países no mundo. Mas não se livrará por muito tempo, já que o Instituto Cervantes pretende entregar a ele em Madri a medalha que ficou sem destinatário nessa ocasião. Eu, da minha parte, o homenageei lendo seu último livro: uma edição crítica do Cântico dos Cânticos de Salomão, traduzido do hebraico pelo frei Luis de León, publicado recentemente pela Editora Vaso Roto em sua coleção Esenciales Poesía.

É um livro impecável, lido do início ao fim com imenso prazer; ainda que também com certa indignação, porque, por escrevê-lo e pelas intrigas dos eternos invejosos, o infeliz frei Luis de León ficou vários anos preso em Valladolid e foi torturado pela Inquisição. Além disso, nunca viu editada essa bela tradução publicada somente duzentos anos após sua morte (em 1798). Em sua apresentação, García de la Concha dá todos os dados necessários para se conhecer a história do poema e das vicissitudes dolorosas que significou para o frei Luis de León – incluindo o julgamento interminável a que foi submetido – se arriscar a traduzi-lo do hebraico à língua castelhana.

De acordo com a lenda, o rei Salomão teve setecentas mulheres e trezentas concubinas. Mas nenhuma delas o inspirou como a filha do Faraó, a sulamita, um poema tão profundo e terreno como esse cântico que, apesar de suas ousadas e voluptuosas imagens, se recitava primeiro na Pascoa judaica (ainda que os judeus só pudessem lê-lo após completar quarenta anos) e fazia parte do Antigo Testamento. Nesta edição, cuidadosamente anotada, estão também as Explicações à sua tradução escritas por frei Luis de León e que, pela delicadeza e perfeição de sua prosa, assim como pela sabedoria de suas análises e observações filológicas, são um complemento indispensável do poema. A liberdade das efusões trocadas pelos amantes brilha desde os primeiros versos do poema com a ardente proclamação da Esposa: “Beije-me com beijos de sua boca / porque seus amores são melhores do que o vinho”.

Víctor García de la Concha foi um excepcional crítico da poesia mística espanhola , Fiel à tradição, frei Luis lembra de tempos em tempos em suas Explicações que, na verdade, o Cântico dos Cânticos é uma alegoria, ou seja, uma paixão figurada que narra a inquebrantável união de Deus e da Igreja e que, portanto, os galanteios e carícias desenfreadas dos esposos ao longo do poema não são carnais e sim espirituais e simbólicos. Temo que ninguém que o leia em nossos incrédulos tempos engula semelhante teoria. Mas, talvez, não seja tão absurdo o contrário; ou seja, que a maestria artística com que é descrita essa paixão ardente que possui os amantes a carrega de espiritualidade e lhe confere uma dimensão que transcende a vida meramente vivida, desejada e consumada e a enriquece com uma projeção religiosa e ultraterrena.

O autor do poema e, seja como for, seu tradutor ao espanhol, conheciam o amor, a atração da mulher, os jogos da sedução, os segredos do desejo, e haviam imaginado (e talvez vivido) a felicidade e o gozo físico que o texto evoca com tanto refinamento e delicadeza. Os amantes se observam, se examinam, se excitam, se despem e fazem amor. Também brincam, disfarçados de pastorinhos, correm pelos campos, se escondem entre as árvores e em meio aos rebanhos de cabras, simulam se perder e, então, a Esposa perde a razão e, correndo todos os riscos, durante a noite se lança pelas ruas de Jerusalém à procura de seu Amado. Tudo aquilo é um ingrediente do jogo teatral que fez parte da paixão dos casais ao longo dos séculos; e, entretanto, a poesia do Cântico dos Cânticos o transforma em uma experiência singular, excepcional e única. Era talvez a isso que se referia Jorge Guillén quando chamou o poema de um “cântico prodigioso”. Não resta a menor dúvida de que o é e, para os leitores deste tempo, como é maravilhoso, como é atual, como nos fala diretamente de um amor que conhecemos, como parece extraordinariamente próximo à poesia experimental e de vanguarda, graças ao atrevimento de suas metáforas e ao deslocamento de sua sintaxe, à liberdade exercida por seu autor a cada verso. Na grande poesia há sempre algo superlativo e inefável, que nos fascina ao mesmo tempo em que nos assusta, pois nos abre as portas – ou as frestas – desse “outro lado” que a vida também tem e que somente a grande arte – a poesia e a música – são capazes de nos fazer entrever. Há muito tempo não tinha tanto prazer lendo um poema que não havia relido desde meus tempos de estudante.

O autor do poema e, seja como for, seu tradutor ao espanhol, conheciam o amor, a atração da mulher, os jogos da sedução, os segredos do desejo

É justo que se preste uma homenagem a Víctor García de la Concha. Foi um excepcional crítico da poesia mística espanhola, e poucos analistas descreveram com a fluência e elegância com que ele o fez, no livro fundamental que é Al Aire de Su Vuelo, a poesia de santa Teresa, de são João da Cruz e do próprio frei Luis de León. A poesia mística é algo mais do que poesia, o testemunho de um encontro inusitado em que seres excepcionais cruzam uma fronteira misteriosa rumo a algo além do que a razão e o conhecimento podem reconhecer, algo a que só se chega através do milagre da fé, e que, justamente por isso, está fora do alcance do ser puramente racionalista e agnóstico. E, entretanto, a beleza imperecível de certas imagens, emoções e músicas, e a astúcia e sutileza do crítico, aproximam esses leitores refratários ao coração dessa poesia que é mais do que poesia, e permitem que ele compartilhe com seus autores sua embriaguez irracional e sua loucura divina. Mas Víctor García de la Concha também foi um sagaz leitor do romance moderno espanhol e latino-americano, como mostrou em sua coleção de ensaios Cinco Novelas en Clave Simbólica, publicada em 2010.

Como diretor do Instituto Cervantes, no que foi provavelmente o período mais crítico da crise econômica na Espanha, lutou não só para não fechar nenhum centro do Instituto Cervantes como para abrir vários outros em diversos continentes. E foi um diretor excepcional da Real Academia Espanhola, que trabalhou de maneira incansável para estreitar os vínculos entre todas as academias americanas e a espanhola, de modo que desapareceram as reservas e distâncias que anteriormente frustraram essa colaboração. A vitalidade e o impulso crescente do espanhol pelo mundo têm há muitos anos nesse antigo professor da Universidade de Salamanca um de seus melhores guardiões.

“Enchente”, Moreira da Silva: Música composta em 1959 , interpretada por Morengueira em seu melhor estilo, revela s grande atualidade deste samba de breque genial sobre as enchentes no Rio de Janeiro e as mazelas administravas de sempre ou quase sempre). Desta vez, já custou a vida de 10 pessoas. 50 anos se passaram e nada foi feito. E o pouco que fizeram (além de depenar os cofres públicos com fome de ratos) foi mal feito.

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

abr
10

País tem mais de 7,5 milhões de idosos na ativa e número deve crescer com as mudanças na Previdência. Entre 2012 e 2018, total de brasileiros que tinham 60 anos ou mais saltou de 6,5% da força de trabalho para 8,1%

 Heloísa Mendonça
Nova Petrópolis (Rio Grande do Sul)
José Aloysio Neumann, de 82 anos, trabalha diariamente em sua corretora de seguros.
José Aloysio Neumann, de 82 anos, trabalha diariamente em sua corretora de seguros. Tânia Meinerz

Aos 82 anos e com duas aposentadorias, o corretor José Aloysio Neumann não pensa em parar de trabalhar. Dono de uma corretora de seguros em Nova Petrópolis, uma cidade pacata de 20.000 habitantes no Rio Grande do Sul, ele credita sua vitalidade ao fato de acordar cedo e, diariamente, ir ao escritório que possui na parte de baixo da casa em que mora há décadas com a esposa. “Eu continuo para não ficar parado, os aposentados que não fazem nada não duram”, explica. Apesar de estar no ramo há 60 anos, sua experiência profissional é variada: já teve um emprego em um escritório de contabilidade, foi vendedor de carros e juiz de paz do Estado.

Sua relação com o trabalho começou cedo. Dos 10 aos 14 anos, quando se preparou para a vida religiosa, precisava trabalhar na limpeza da instituição onde estudava. O período gasto para custear sua formação acabou sendo computado como tempo de serviço para a aposentadoria e Neumann se aposentou, precocemente, aos 47 anos. Nessa época, ele já atuava também como juiz de paz, celebrando casamentos no cartório de Registro Civil que ficava a poucos metros de sua casa. O cargo fez com que décadas mais tarde, o corretor se aposentasse novamente, agora por outro regime, como servidor do Estado. “É um valor baixo que ganho, mesmo tendo dois benefícios, não é muita coisa. Claro que tudo também depende do nível de vida de cada um. Mas hoje tenho um gasto fixo grande com meu plano de saúde”, conta o aposentado, que sabe que o acúmulo de benefícios pode estar com os dias contados para novos beneficiários caso a reforma da Previdência, apresentada pelo Governo de Jair Bolsonaro, seja aprovada.

José Aloysio Neumann, de 82 anos, guarda em um cofre sua antiga carteira profissional onde está registrado que trabalha de corretor desde 1959.
José Aloysio Neumann, de 82 anos, guarda em um cofre sua antiga carteira profissional onde está registrado que trabalha de corretor desde 1959. Tânia Meinerz
 

Nos últimos anos, Neumann foi diminuindo o ritmo de visitas às casas de possíveis novos clientes e começou a ver a praticidade nas negociações via celular. “O certo é o corretor correr atrás, mas já tenho minha clientela. Hoje o pessoal quer conversar tudo pelo celular. Nem quer ver a cara. O bom é que os clientes já te procuram um pouco mais decididos, só te perguntam o preço”, diz. Enquanto a saúde permitir, a ideia de Neumann é seguir essa rotina. “Imagina que, neste ano, já faço 35 anos desde que me tornei um aposentado. Já tenho os anos para me aposentar como aposentado”, brinca.

Seguir na ativa, porém, nem sempre acontece por vontade e escolha do aposentado. Muitos precisam continuar no mercado de trabalho para conseguir fechar as contas no fim do mês. A realidade brasileira mostra que o valor médio das aposentadorias do regime geral é baixa e varia entre Estados mais ricos e mais pobres. No INSS do setor privado, a maior parte dos beneficiários, 83,4%, recebe menos de dois salários mínimos. A busca por um complemento de renda pode ser uma das explicações para o crescimento do número de idosos e aposentados na força de trabalho brasileira. Em 2012, 6,5% dos trabalhadores brasileiros tinham 60 anos ou mais. Em seis anos, este índice saltou para 8,1%, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua). São mais de 7,5 milhões de idosos trabalhando e essa conta deve subir com a mudança demográfica do país.

Há 5 anos aposentado, o sonho de deixar de trabalhar continua distante de Jurandir dos Reis, de 66 anos. O benefício rural é de apenas um salário mínimo, o que não consegue cobrir seus gastos.
Há 5 anos aposentado, o sonho de deixar de trabalhar continua distante de Jurandir dos Reis, de 66 anos. O benefício rural é de apenas um salário mínimo, o que não consegue cobrir seus gastos. Tânia Meinerz
 “Esse aumento do número de idosos no mercado de trabalho dialoga com dois pontos: o aumento da população com mais de 60 anos no Brasil e também este momento de crise econômica que estamos vivendo nos últimos anos”,  explicar Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do Instituto de Geografia e Estatística (IBGE). Na avaliação de Azeredo, a tendência é que o número de pessoas com mais de 60 anos no mercado continue aumentando. “Além do movimento de envelhecimento da população, as novas regras da Previdência, caso sejam aprovadas, não permitirão aposentadorias precoces”, completa.

Aposentado há cinco anos, o sonho de deixar de trabalhar continua distante para Jurandir dos Reis, de 66 anos. A aposentadoria rural mensal de 998 reais não consegue cobrir nem os 1.113 reais que gasta com o plano de saúde. “Nos últimos anos passei por quatro cirurgias, então não quero abrir mão do meu plano e contar apenas com o SUS”, diz Rei,. apontando para uma cicatriz do lado esquerdo da boca, de onde foi retirado um tumor. Para que as contas da casa em que vive com a mulher aposentada, a sogra, de 94 anos, o filho e uma nora, fechem no azul, ele e a família precisam trabalhar na horta que fica no fundo do terreno onde produzem aipim, hortelã, coentro, salsinha, milho, batata doce, entre outros alimentos. Duas vezes por semana, o filho leva parte dos produtos para serem vendidos na Ceasa (Centrais de Abastecimento) do Rio Grande do Sul, que fica na capital gaúcha, a 90 km de Nova Petrópolis. O que não é vendido vai geralmente para o lixo.

As marcas de sol no corpo e os calos nas mãos do aposentado denunciam que o trabalho, que começa às vezes antes do sol raiar, é penoso. “Faça um calorão ou muito frio não temos descanso. Precisamos irrigar, capinar, colher e plantar no ritmo da natureza”, conta Reis ao dirigir um quadriciclo com uma caçamba de madeira pelas suas plantações em uma manhã ensolarada de março. Desde jovem trabalhando no campo, Reis trocou apenas alguns anos da sua vida rural pela legislatura. Foi vereador da cidade de Nova Petrópolis entre 1997 e 2000, mas não conseguiu que o tempo de contribuição no cargo político aumentasse um pouco o valor do seu benefício previdenciário. “O jeito é ir trabalhando e me adaptando às mudanças do campo, que vai ficando cada dia mais velho. A ‘gurizada’ quase toda já não quer ficar aqui na roça”, diz.

abr
10
Posted on 10-04-2019
Filed Under (Artigos) by vitor on 10-04-2019

URGENTE: STF SOLTA ALDEMIR BENDINE

Com o voto decisivo de Ricardo Lewandowski, a Segunda Turma do STF mandou soltar o ex-presidente da Petrobras Aldemir Bendine.

Também votaram pela concessão do habeas corpus Gilmar Mendes e Celso de Mello. Ficaram vencidos Edson Fachin e Cármen Lúcia.

A maioria considerou que a prisão preventiva, em vigor desde julho de 2017, estava alongada e representava uma antecipação da pena.

Em substituição à prisão, Bendine ficará proibido de deixar o país — ele também tem nacionalidade italiana e deverá entregar o passaporte –, e também de manter qualquer contato com outros investigados.

Bendine foi condenado no ano passado, em primeira instância, por corrupção e lavagem, por exigir propina da Odebrecht.

Para Lewandowski, a ordem de prisão de Sergio Moro, decretada na sentença, tinha caráter abstrato.

“Os argumentos são meramente retóricos e de caráter abstrato. Os fundamentos são absolutamente desproporcionais, sobretudo de que o réu poderia praticar atos de ocultação de ativos. São argumentos que de forma alguma parecem hábeis para a construção cautelar, pois destoam de elementos concretos”, afirmou o ministro, no fim do julgamento.

Do Jornal do Brasil

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, comprometeu-se hoje (9) a melhorar os resultados educacionais do Brasil com o orçamento atual. De acordo com ele, não é “radical” e tem experiência em gestão, daí a disposição em apresentar resultados, e destacou ser aberto ao diálogo. Também mencionou conhecer universidades estrangeiras inclusive na China.

Macaque in the trees
Abraham Weintraub (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

“Com o que a gente gasta em relação ao PIB [Produto Interno Bruto], a gente tem que entregar mais”, afirmou Weintraub durante a cerimônia de posse, no Palácio do Planalto, na presença do presidente Jair Bolsonaro e do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Segundo Weintraub, como titular pretende “entregar o que foi prometido no plano de governo. Bem sucintamente, mais com o mesmo que a gente já gasta”. Ele se disse também aberto ao diálogo e enfatizou que não tem filiação partidária.

Mudanças

O ministro também elogiou o antecessor, Ricardo Vélez Rodríguez,exonerado ontem (8). “Velez é muito inteligente, mas dadas as circunstâncias, a gente não está conseguindo entregar [os resultados] no ritmo esperado”, disse.

Weintraub comparou a equipe do governo a um time de futebol e disse que às vezes trocas são necessárias. “Dificilmente vai ver um técnico não fazer uma ou outra modificação, não porque seja ruim ou seja bom, mas simplesmente porque naquele momento ele não está adequado para aquela função.”

O ministro reiterou que é de falar pouco, mas que fazia questão de dar tranquilidade neste momento.

Escolha

O presidente Jair Bolsonaro discursou na cerimônia de posse do ministro. Segundo ele, a escolha de Weintraub foi feita entre mais de 10 “bons currículos” e que viu no indicado a maioria dos pré-requisitos necessários para o cargo. “Ele é aquele que não tinha deficiência ou era melhor em cada um desses itens [pré-requisitos para o cargo], por isso eu escolhi o nosso Abraham.”

Bolsonaro afirmou que Weintraub terá liberdade para escolher sua equipe na pasta. Nos últimos meses, houve troca em pelos mais de 10 cargos do alto escalão do ministério e órgãos vinculados na gestão de Vélez. “Ele [Weintraub], assim como os demais ministros que estão aqui, tem carta branca para escolher todo o seu primeiro escalão”, disse.

O presidente ressaltou que acredita no “empenho, dedicação e patriotismo” do novo ministro e definiu o que espera de resultado na educação até o fim do seu mandato.

“No final do nosso mandato, se Deus quiser, em 2022, nós possamos ter uma garotada que não esteja ocupando os últimos lugares do Pisa [Programa Internacional de Avaliação de Alunos], uma prova internacional que se faz com a molecada desde a nova série do ensino fundamental, na faixa dos 15 anos de idade. Nós queremos que não mais 70% dessa garotada não saiba fazer regra de três simples, não saiba interpretar texto, não saiba perguntas básicas de ciências”, afirmou.

Em um ranking de 70 países, o Brasil ocupa a 63ª posição em ciências; a 59ª posição em leitura e a 65ª posição em matemática, no Pisa. [LINK: http://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2016-12/brasil-tem-primeira-queda-em-matematica-da-serie-historica-do-Pisa]

Perfil

Weintraub foi integrante da equipe de transição do governo do presidente Bolsonaro, e ocupou o cargo de secretário executivo da Casa Civil, sob o comando de Onyx Lorenzoni.

O novo ministro é, professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), mestre em administração na área de finanças pela Faculdade Getúlio Vargas (FGV) e graduado em Ciências Econômicas pela Universidade de São Paulo (USP – 1994).

Atuou como economista-chefe e diretor do Banco Votorantim, e como sócio na Quest Investimentos.

Dados

Atualmente, o Brasil investe o equivalente a 5,5% do PIB, que é a soma dos bens e serviços produzidos no país, de acordo com dados de 2015 do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), os últimos disponíveis. Considerando apenas os gastos públicos com educação pública, esse investimento é equivalente a 5% do PIB.

O investimento está no mesmo patamar de países com melhores resultados educacionais, quando se trata da porcentagem. O Chile, por exemplo, investe o equivalente a 4,8% do PIB daquele país, o México, 5,3% e os Estados Unidos, 5,4%.

Em valores, no entanto, o Brasil está aquém de outros países. O governo do Brasil gasta cerca de US$ 3,8 mil por estudante dos ensinos fundamental e médio nas instituições públicas, o que representa menos que a metade da média Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

 DO JORNAL DO BRASIL

‘Chuvas e irresponsabilidades trazem este tipo de resultado ao Rio. Novo é o prefeito culpar o presidente com pouco mais de 3 meses de mandato’ , diz Carlos Bolsonaro

Um dos filhos do presidente Jair Bolsonaro, o vereador do Rio Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), saiu em defesa do pai após o prefeito Marcelo Crivella (PRB) culpar a falta de repasse de verbas federais pelas tragédias que ocorreram no Rio este ano por causa de fortes tempestades. Até o momento, a cidade contabiliza 7 mortos devido às enchentes ocorridas nas últimas semanas (três na noite desta segunda-feira, 8).

“Chuvas e irresponsabilidades trazem este tipo de resultado ao Rio. Novo é o prefeito culpar o presidente com pouco mais de 3 meses de mandato e realizando o que pode pelo País. Meus sentimentos ao carioca. Seguimos cobrando e propondo soluções como sempre participamos”, disse o vereador em uma rede social.

Crivella disse em coletiva mais cedo que a chuva desta segunda-feira foi “absolutamente anormal para essa época de outono”, e que a falta de repasses de verbas federais impede a prefeitura de fazer a manutenção da rede pluvial da cidade, assim como tirar pessoas que moram em áreas de risco.

“Nossas parcerias com o governo federal, nesse primeiro ano Bolsonaro, praticamente pararam”, disse o prefeito em coletiva pela manhã no Centro de Operações Rio (COR).

abr
10
Posted on 10-04-2019
Filed Under (Artigos) by vitor on 10-04-2019


 

Nei Lima, no portal de humor

 

abr
10
Pele internado hospital
Pelé é transportado em cadeira de rodas no aeroporto de Guarulhos. AFP
  • Pelé retornou ao Brasil nesta terça-feira pela manhã e foi encaminhado ao hospital Albert Einstein, em São Paulo, para dar sequência ao tratamento de uma infecção urinária. Cumprindo agenda comercial em Paris, onde se encontrou com o atacante Mbappé, do PSG, o ex-jogador do Santos e da seleção brasileira sentiu um mal estar e passou cinco dias internado na capital francesa. Ele precisou ser submetido a um procedimento cirúrgico para desobstrução de uréter.

O tricampeão mundial chegou ao aeroporto de Guarulhos por volta de 7h. Em uma cadeira de rodas, demonstrou estar melhor, cumprimentou fãs e brincou com jornalistas. “Não vai dar para jogar no domingo”, debochou Pelé, que aproveitou para agradecer pelas mensagens de apoio. “Recebi ligação de muita gente torcendo pelo meu pronto restabelecimento, dizendo que fazia prece, orando por mim. Mais uma vez, graças a Deus, foi tudo bem, estou aqui e viva o nosso Brasil.”

Em nota, a equipe médica do Albert Einstein informa que, apesar da nova internação, a infecção urinária já foi debelada e o estado de saúde do Rei do Futebol é bom. Ele passa por uma bateria de exames e deve permanecer em observação nas próximas 24 horas. Antes de embarcar para o Brasil, o ex-jogador recebeu a visita de Neymar no hospital parisiense.

Aos 78 anos, Pelé tem sofrido com os problemas de saúde. O quadro de infecção urinária é semelhante ao que lhe acometera em 2014 e demanda cuidados especiais, já que o Rei tem apenas um rim  retirou o outro quando ainda era jogador, na década de 80.

Desde 2012, ele já passou por duas cirurgias no quadril, incluindo o implante de uma prótese que limita seus movimentos, uma na coluna e outra na próstata. No ano passado, despertou preocupação ao aparecer com um andador na cerimônia de abertura do Campeonato Carioca e faltar a um evento na Inglaterra após se sentir mal em casa.

  • Arquivos