Resultado de imagem para Arpoador e o Rio de Janeiro triste
ARPOADOR

CRÔNICA

O Rio parou de sorrir

Gilson Nogueira

Há mais de 50 anos venho ao Rio. Desde o primeiro  dia em que coloquei meus pés no  seu solo abençoado por Deus uma força estranha provoca-me arrepios. Sei lá, algo como  se houvesse um piano, um contrabaixo e uma bateria dentro de mim anunciando a bossa nova antes  dela fazer Copacabana conhecer chuva de garrafas ou eu ter olhado para o céu e beber um gole divino, sob um temporal que deu-me a impressão de testemunhar um novo dilúvio!  

 
Após o pernoite no bairro da Tijuca, indo de Salvador para Santos, o Rio carimbou-me uma paixão que só Ele Poderia Traduzir. Agora, por exemplo, fitando a estátua do Cristo Redentor, no Alto do Morro do Corcovado, enquanto tento contar o número de Biguás, que  voam imitando a Esquadrilha da Fumaça, e nuvens de chuva no céu Azul  Arpoador cobrem a Cabeça de uma das sete maravilhas do mundo, diagnostico uma dorzinha na barriga por culpa exclusiva da saudade que começa a bater forte  no coração do velho bossanoveiro,  próximo à viagem de volta para a Capital do Berimbau, a amada Salvador do mundo inteiro.
Mais uma lágrima vai rolar  no asfalto de Botafogo, na Praia de Ipanema ou na Cinelândia, onde estive na quarta-feira passada e, alí, levei um susto de fazer-me pensar que o VLT  era uma flecha atirada pelos Tamoyos em cima de um soteropolitano que estava pensando, naquele momento, em criticar, com os seus botões, a decadência geral da Cidade Maravilhosa. E agora, lendo o noticiário  da Capital da Bossa Nova, admito, o Rio que mora no mar não é mais aquele. Procuram-se os cariocas!
Só para exemplificar a mudança de humor de sua gente hospitaleira: estou com uma dor de ouvidos, braba. O motivo? As buzinas fluminenses! E o risco de atropelo, da fila das farmácias ao ciclista que não pára para a criança atravessar uma rua estreita, saindo da escola. O sorriso do carioca virou artigo de luxo. O Rio tem que dar a volta por cima, antes que os pilotos de helicópteros morram de fome.
Gilson Nogueira, jornalista, é amigo do peito e colaborador de raiz do Bahia em Pauta.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos