Resultado de imagem para Boechat velório no MIS-SP
Velório do jornalista Ricardo Boechat: emoção e dor no MIS-SP..
Resultado de imagem para Boechat e dona Merces velório no MIS
…Dona Mercedes, no MIS-SP: forte e comovente depoimento ao lado do caixão do filho
ARTIGO DA SEMANA

Ricardo Boechat: o jornalista, o filho de dona Mercedes e o general Heleno   

Vitor Hugo Soares

Representante do presidente da República, Jair Bolsonaro (internado 17 dias no Hospital Albert Einstein antes de receber alta quarta-feira, 13, e voltar para o olho do furacão em Brasília), no velório do jornalista Ricardo Boechat,  o general Augusto Heleno, consternado, informa, analisa e arrisca projeções para o futuro. É terça-feira, 12 – dia seguinte ao estúpido e inesperado desastre de helicóptero que comoveu o País e, seguramente, produzirá abalos e sequelas, principalmente em parte considerável de sua imprensa, engolfada em intestinas e fúteis (ou interesseiras?) “batalhas ideológicas”.

Provado estrategista militar, comandante dos “Capacetes Azuis”, da ONU, em teste de fogo no despedaçado Haiti, o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional do Governo (que já trabalhou na Band), até parece um profissional de redação, da TV, ou de rádio, ao falar sobre o morto: o profissional e o ser humano. E ao prever o impacto da ausência de Boechat nesta hora crucial de transição na vida política, econômica e governamental do Brasil.

A imaginação foge do Museu da Imagem e do Som/SP,  e conduz o jornalista para um voo nas asas dos versos de “Folha de Papel”, de Sérgio Ricardo, enquanto observo o movimento das pessoas na despedida – gente comum, misturada com nomes famosos da política, dos esportes, das artes e, principalmente, dos meios de comunicação pelos quais o incansável farejador de notícias, que se foi aos 66 anos, transitou, transversalmente, ao longo de décadas .  Com  talento, competência, garra, e a inigualável versatilidade em sua profissão:

 “Olha só o que o vento faz com o papel/ e traga ele a notícia que for/ Vai voar… voar… Olha só/ Como a gente nem sabe onde está/ Nós somos o papel a voar/ Contemplando este mundo/ Tristonho, profundo”… Retorno do torpor do pensamento, com a voz do general Heleno falando sobre a morte  do notável ex-colunista e ex-chefe de Redação do Jornal do Brasil nos Anos 70/80, que conheci e de cujo saber bebi – igual a tantos profissionais no jornalismo brasileiro – naquele tempo em que eu também trabalhava no JB.

Repita-se,  quantas vezes sejam necessárias, o que disse o general Heleno no MIS: “É uma perda irreparável. Boechat era referência para o jornalismo, muito inteligente, articulado. Vamos sentir falta da palavra dele. O presidente ficou muito triste. Sentimos muito esse desfalque. Eu tive muito contato com ele porque trabalhei na Band. Ele é um ícone, por tudo o que fez e representava. Ele tinha honestidade intelectual, que está em falta hoje em dia”.

Mais significativas e comoventes só as palavras de dona Mercedes Carrascal, 86 anos, também no MIS, ao lado do caixão , ornamentado com inscrições TAXI: “Gente, isso é maravilhoso! Agora sim é o caixão de Ricardo. A cara do meu filho, de quem tenho muito orgulho, simples, corajoso e que tratava com igual carinho e respeito a todos. Um homem honesto e de simplicidade profissional, que não fazia as coisas solicitando recompensa. Fiquei de boca aberta com os depoimentos das pessoas, de todas as classes sociais, sobre meu filho”, disse  a fabulosa mulher que nos faz entender, ainda melhor, na despedida, a origem da grandeza e da relevância do filho.
Partiu Boechat! Toca o barco, como ele pedia diariamente na Band. E viva Dona Mercedes!

Vitor Hugo Soares é jornalista, editor do site blog Bahia em Pauta. E-mail: vitors.h@uol.com.br

Be Sociable, Share!

Comentários

Maria Aparecida Torneros on 16 Fevereiro, 2019 at 12:47 #

Toquemos o barco. Sim. Ainda que sobre águas poluídas e sem Boa carta de navegação. Deus guarde o ateu Ricardo Eugênio Boechat! Sua mãe e toda a família!


luiz alfredo motta fontana on 16 Fevereiro, 2019 at 13:30 #

Caro VHS!

Talvez, e como esta palavra contém um desejo em prece, talvez, em uma mesa, frente à uma garrafa de Poire, Boechat e Ulisses, distraidamente, em conversa amena e bem humorada, ouvindo Tom Jobim ao piano, inaugurem um novo sentido para o que chamamos de happy hour.

Talvez!

Afinal, por direito adquirido, merecem os carinhos da liberdade sonhada,.

Já, neste barco à deriva, o trago amargo de destilados do abandono.

VHS, decididamente,o time dos que partiram, é dono das últimas esperanças de quem ficou submerso na perda.

Tim Tim!!!


regina on 16 Fevereiro, 2019 at 16:32 #

Cheguei tarde nesse barco, não conhecia Boechat até o dia que o infortúnio ceifou sua brilhante existência. Por estar fora do Brasil por 46 anos, embora o visite com frequência e acompanhe na medida possível, através das variadas formas e meios de comunicação, a TV e Rádio Bandeirantes não estavam entre elas… é possível que enquanto ele trabalhou em outros meios eu estava ocupada trabalhando e criando filhos.
De todas as maneiras me encontro consternada com o terrível fim de sua vida aqui entre nós!!! Procuro agora, entre centenas de vídeos no YouTube, conhecer a pessoa que impressionou de maneira tão ampla o povo brasileiro desde seu posto nas manhãs paulistas e em suas outras atividades!!!!
Também me impressionou sobremaneira a coragem e despojamento da mulher que foi testemunha ocular e ativa do terrível desastre, como o seu próprio drama revelado depois…
A Senhora Mercedes, é a coroação de honra nesse latismável e doloroso momento de despedidas, uma revelação do que é, quero crer, o comum de uma mãe presente e participante da vida, não só do filho, como da nação, que, de tão pobre e abandonada se assusta com sua coragem!!!
Vamos pensar em cada detalhe, tem muito a nos ensinar, se não quisermos perder a chance de embarcar nesse barco outra vez…


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • Fevereiro 2019
    S T Q Q S S D
    « jan   mar »
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    25262728