Resultado de imagem para Simone Tebet com Davi Alcolumbre no Senado
Davi Acolumbre e Simone Tebet: aliados e vencedores na disputa no Senado…
Resultado de imagem para Renan Calheiros o coronel derrotado no Senado
…e Renan Calheiros: ocaso com desonra do decadente “coronel” da política 

ARTIGO DA SEMANA

Ocaso de Renan: triunfo do Congresso, de Bolsonaro e do País

Vitor Hugo Soares

Seguem, aqui e ali,  as choramingas e cantilenas causadas pela fragorosa derrota experimentada pelo senador Renan Calheiros, do MDB, no salto mortal, sem rede de segurança, que ele tentou, ambiciosa e desgraçadamente, para  retomar pela quinta vez o comando do Senado e, por extensão, de um dos nacos mais cobiçados do poder no Brasil. Esparramou-se no chão, fragorosamente batido por Davi Alcolumbre, do DEM, modesto e praticamente estreante da Casa, cuja empáfia do “coronel” só enxergou na hora da votação decisiva, quando um potente cruzado no plexo o colocou a nocaute.

Estranhamente, gente que ama o passado, sem ver as mudanças à sua volta, ou segue aferrada a submersos e suspeitos interesses – no meio político, nas redes sociais e, lamentavelmente, em muitos,  seletos e influentes setores da imprensa – despreza Sua Excelência, o Fato, que merece respeito e reconhecimento acima de tudo, no dizer do saudoso estadista Charles de Gaulle.

Fala-se de “mágoas”,  de  “sequelas”,  de “ressentimentos” do perdedor, que, armado destes sentimentos menores e desprezíveis no homem público, estaria passando unguento nas feridas e recobrando o fôlego antes de novos ataques, mais à frente, contra os ganhadores de sábado passado, que são três, para este jornalista: o Senado em si, que acolheu a voz e o recado da sociedade, revelados nas urnas (segundo Davi, o ganhador, em entrevista na TV); o Governo Bolsonaro, que apostou na arriscada opção (e livra-se de um entulho político e mais que provável estorvo no futuro), e o País, pelo menos no âmbito dos bons costumes e de práticas democráticas e parlamentares mais saudáveis e civilizadas. 

Calheiros, visão obscurecida pelo arcaico e perverso mandonismo dos que carregam o rei na barriga – do sábio ditado que aprendi ainda menino, nas barrancas do São Francisco, o rio que passa na minha aldeia (ameaçado agora pela mortal e destrutiva lama do desastre da barragem da Vale, em Brumadinho), antes de desaguar no mar de Alagoas. Território da derradeira trincheira de mando do cacique que esqueceu, ou nem levou em conta, um ensinamento basilar de Ulysses  Guimarães, sábio e legendário símbolo do MDB, desde a construção conturbada do partido da redemocratização.

Vale citar, como lição não só ao abatido “coronel”, mas, igualmente, aos vencedores da vez: “Não se pode fazer política com o fígado, conservando o rancor e o ressentimento na geladeira. A Pátria não é capanga de idiossincrasias pessoais. É indecoroso fazer política uterina, em benefício de filhos, irmãos e cunhados. O bom político costuma ser um mau parente”.

Na mosca. Nada a acrescentar. A não ser uma recomendação da leitura (ou releitura ) do romance “Cem Anos de Solidão”, do Nobel colombiano Federico Garcia Marquez, e um breve comentário sobre o motivo da sugestão, que aparece logo no início da obra magistral. Os pergaminhos de Melquíades começam com esta frase: “Muitos anos depois, frente ao pelotão de fuzilamento, o Coronel Aureliano Buendía recordaria aquela tarde remota em que seu pai o levou para conhecer o gelo”. A frase, no entendimento dos melhores analistas e estudiosos de “Cem Anos de Solidão”, se refere a um passado remoto e um futuro ambíguo, que terá e não terá lugar.
A conferir, também, neste ocaso solitário do coronel Renan Calheiros.

Vitor Hugo Soares é jornalista, editor do site blog Bahia em Pauta. E-mail: vitors.h@uol.com.br

Be Sociable, Share!

Comentários

luiz alfredo motta fontana on 9 Fevereiro, 2019 at 13:44 #

Habemus Papa?

Estranha sensação.
A cada dia um assombro.
A cada hora um hiato.
Afinal, quem governa?

Afora o tal discurso em Davos, que segundo Joacis, colocou em posição de mesura os líderes mundiais, e uma sequência interminável de atos rotineiros em casernas, o intrépido Bolsonaro , em compreensível e necessária ausência, busca a recuperação hospitalar.

Mourão, em que pese a desconfiança até de aliados americanos, busca em improvisos humorados tornar amena sua presença.

O mago da economia, cuja ascensão foi erigida como a solução de todos os nossos fracassos econômicos, resume-se na interminável tarefa de rascunhar uma reforma previdenciaria que até o mais humilde e iletrado dos trabakadores braçais, aem emprego, é certo, reconhece como necessaria e urgente.

Mas, o esboço parece obra mitológica, o que é alinhavado durante o dia é desfeito durante a noite.

Ah, mas derrotamos Renan!
Só não sabemos bem o que representa o tal Alcolumbre , mas pior que o Maia da Câmara não deve ser. Afinal ambos tem o aval de sua excelência Onix, aquele que pediu perdão pelo caixa 2.

Ah o poder, ao alcance de arroubos, por vezes provoca disputas, ásperas, até inespejradas.
De um lado o tal poder judiciário , aquele que preacunde de votos, vitalício, não parece emanar do povo, ao menos não deste povo que dele conhce apenas a tal morosidade e o discurso em laudas infindas para ao final decidir que não é hora de decisões.
De outro a esfinge impenetrável que chamamos. de fisco. Um poder derivado que não admite fiscalização sobre seus atos e números.
Que fiscaliza o fisco?
Os mais crédulos acreditam que Deus se incumbe desta tarefa.

Pois é!
Agora trombaram.
Ousaram investigar Gilmares.
Quem decide?

Mas Joacis parecem felizes,.

Enquanto isso o filho pródigo buaca refúgio na mesa diretora do Senado.
É, Alcolumbre parece mesmo fiel.

VHS

Ulisses pontificou, político não tem parente, e poder não admite vácuo, mesmo que justificado.

Tim T im!!!

( Ao menos, Lula, não poderá dizer: inclusive sou primário!)


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • Fevereiro 2019
    S T Q Q S S D
    « jan   mar »
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    25262728