jan
22
Postado em 22-01-2019
Arquivado em (Artigos) por vitor em 22-01-2019 00:24

Flávio Bolsonaro: o que se sabe e o que ele pode esclarecer

 

Os casos envolvendo Flávio Bolsonaro são tecnicamente complexos e o embaralhamento de informações na imprensa, somado a defesas e ataques das militâncias nas redes sociais, inclusive aos jornalistas, potencializa a confusão.

Flávio havia dito na TV no domingo que o dinheiro (R$ 96 mil) dos 48 depósitos de R$ 2 mil feitos em 2017 em sua conta era proveniente da venda de um apartamento no Rio de Janeiro e também de sua franquia carioca de uma loja de chocolates, com a qual, segundo o senador eleito, ele ganhava muito mais do que como deputado estadual.

O comprador do imóvel, o ex-atleta Fábio Guerra, confirmou que pagou R$ 100 mil em espécie ao então deputado estadual, ou seja: R$ 4 mil a mais que o valor identificado pelo Coaf. Isto é um ponto.

O imóvel era uma cobertura em Laranjeiras, bairro da Zona Sul carioca. Flávio a havia comprado na planta, por valor declarado de R$ 1,753 milhão, com financiamento da Caixa, quitado com o pagamento de cerca de R$ 1 milhão.

Em entrevista à Record, Flávio explicou assim a transação:

“Quando você compra apartamento na planta, o financiamento fica com a construtora. Quando sai o ‘habite-se’, que é quando a Caixa pode fazer o financiamento, o que você faz? Você busca a Caixa porque ela pode fazer um juros menor. A Caixa vai, paga a sua dívida com a construtora, eu deixo de ser devedor da construtora [no caso, a PDG] e passo a ser devedor da Caixa.”

O senador eleito confirmou que, depois do pagamento feito pela Caixa à PDG, todo mês era debitado em sua conta uma parcela desse valor, para quitar sua dívida com a Caixa.

“Todo mês tem o pagamento pra Caixa depois disso?”, perguntou o entrevistador. “Tem, tem. Débito na conta”, respondeu Flávio, sem chegar a esclarecer de quanto eram as parcelas, nem a origem do dinheiro na conta capaz de sustentá-las.

O então deputado estadual se desfez da cobertura em Laranjeiras em 2017, quando fez uma permuta com Fábio Guerra, recebendo em troca uma sala comercial na Barra da Tijuca e um apartamento na Urca, além de R$ 600 mil em dinheiro.

Desses R$ 600 mil, R$ 50 mil foram pagos em cheque e R$ 550 mil sem descrição da forma de pagamento. Desses R$ 550 mil é que saíram os R$ 100 mil em espécie confirmados à Folha por Guerra, que disse ter pago a Flávio o restante por transferência bancária. Na escritura, o imóvel de Laranjeiras tinha passado a valer R$ 2,4 milhões, ou seja: este foi o valor total da permuta.

“O novo bem, na Urca, teve valor registrado de R$ 1,5 milhão – vendido depois, em maio de 2018”, segundo a Folha.

“Outro apartamento adquirido pelo senador eleito entre 2014 e 2017 foi um na Barra da Tijuca, pelo valor de R$ 2,55 milhões. Para a compra, ele também pegou uma espécie de empréstimo, dessa vez com o Itaú, pelo valor de R$ 1,074 milhão.”

“No mesmo período, o senador eleito vendeu dois imóveis, um em Copacabana e outro também na Urca, pelo valor de, somados, R$ 2 milhões. Nos registros cartoriais também figura o nome da mulher de Flávio, Fernanda Antunes Figueira.”

Embora transações em espécie não sejam exatamente ortodoxas, Flávio Bolsonaro pode dissipar qualquer suspeita sobre todas essas negociações exibindo às autoridades, como prometeu fazer, toda a documentação necessária de compras, vendas e permutas; e demonstrando que tinha renda lícita para pagar suas aquisições e/ou as dívidas com financiadores, seja com o salário de deputado, os lucros de sua loja de chocolates, as próprias vendas de imóveis, ou tudo isso junto.

O Antagonista só preferiu perguntar se o dinheiro era dos chocolates porque tem especial apreço por doces.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • Janeiro 2019
    S T Q Q S S D
    « dez   fev »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    28293031