jan
13
Posted on 13-01-2019
Filed Under (Artigos) by vitor on 13-01-2019
    • DO R7/ESTADÃO 
 Italiano foi preso na Bolívia há pouco
 Alex Silva/13.03.2015/Estadão Conteúdo

O italiano Cesare Battisti foi preso neste sábado (12), na Bolívia, segundo o jornal o Estado de S. Paulo. O STF (Supremo Tribunal Federal) havia emitido uma ordem de prisão em dezembro, mas o italiano não foi encontrado. A ordem de prisão cumpre a um pedido do governo italiano de extradição de Battisti, onde foi condenado à prisão perpétua.

Mais cedo, Felipe Martins da Assessoria Internacional dA Presidência publicou no twitter uma mensagem na qual confirma a informação de que o italiano foi preso e poderá ser extraditado para a Itália, depois de trazido para o Brasil. A Polícia Federal também confirmou a prisão do italiano, no começo da madrugada deste domingo.

 O caso:

Cesare Battisti, de 63 anos, foi condenado na Itália por homicídios e vivia em São Paulo. Ex-membro do grupo Proletários Armados pelo Comunismo, um braço das Brigadas Vermelhas, ele foi condenado à prisão perpétua na Itália por quatro homicídios na década de 1970, dos quais se declara inocente.

 

Ele passou 30 anos como fugitivo entre o México e a França e, em 2004, veio para o Brasil, onde permaneceu escondido durante três anos, até ser detido em 2007.

Em 2009, o STF autorizou a extradição em uma decisão não vinculativa que dava a palavra final ao então presidente Lula, que a rejeitou em 2010, no último dia do segundo mandato e o ato foi confirmado pelo STF.

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, afirmou que pretende extraditar o italiano.

“Midnigth The Stars and You”, Ray Noble-Al Bowlly. Música tema da trilha do filme “The Shining”, do premiado diretor Stanley Kubricth . Aqui em preciosa gravação original (orquestra e crooner) que atravessou o tempo.Incólume, para surpreender a quem gosta de boa música neste ardente domingo de janeiro no BP.

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)   

Protestos em Washington contra o bloqueio.
Protestos em Washington contra o bloqueio. Carlos Barria REUTERS
Washington

A paralisação parcial do Governo norte-americano, que se tornará neste domingo a mais longa na história dos EUA, mostrou-se em toda sua gravidade na sexta-feira, quando quase 800.000 funcionários públicos ficaram sem receber seus salários. O empenho de Trump em construir um muro contra a imigração na fronteira com o México, e a recusa dos democratas em financiá-lo, deram lugar a uma situação sem precedentes, que prenuncia os desafios que aguardam o polêmico presidente nesta nova etapa de poder compartilhado. Na falta de um acordo que parece inalcançável, o shutdown só poderia terminar com uma declaração de emergência nacional, algo que o presidente há dias ameaça fazer, embora na sexta-feira tenha declarado que “não é algo que se contemple imediatamente”.

O que é um shutdown?

 A burocracia federal que mantém em funcionamento muitos dos aspectos da vida norte-americana é financiada com um orçamento anual estabelecido e aprovado pelo Congresso. Isso se dá mediante uma dúzia de projetos de lei que precisam ser aprovados por maioria qualificada de dois terços no Senado, e que o presidente precisa sancionar. Se não superar essa maioria, ou se o presidente não assinar o pacote antes da data regulamentar, as partes do Governo que ficam sem financiamento fecham. Os funcionários são mandados para casa, com licença não remunerada, exceto os considerados essenciais pela natureza de seu trabalho – estes são obrigados a darem expediente sem ganhar.

jan
13

Toffoli nega pedido para barrar nomeação de filho de Mourão

 

Dias Toffoli negou neste sábado um pedido de liminar contra a nomeação de Antonio Rossell Mourão — filho do vice-presidente da República — para a assessoria da presidência do Banco do Brasil.

No despacho, Toffoli afirmou que não é cabível recorrer à Justiça, por meio de reclamação, contra uma medida da administração pública antes de esgotados os recursos na esfera administrativa.

O advogado autor da petição requereu que Mourão e seu filho fossem “incursados na prática de Nepotismo, seja pela via direta, seja pela via cruzada, pois provada a relação de parentesco em conjunto com o nexo causal, as designações recíprocas”

jan
13
Posted on 13-01-2019
Filed Under (Artigos) by vitor on 13-01-2019

Do Jornal do Brasil

 

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, disse neste sábado (12) que as investigações dos homicídios da vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco (PSOL), e do seu motorista Anderson Gomes, estão próximas de um desfecho. Ambos assassinados em 14 de março de 2018, na região central do Rio, quando o carro em que estavam foi alvejado por criminosos.

“Talvez isso aconteça até o final desse mês”, afirmou.

Macaque in the trees
O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel fala à imprensa após reunião com secretariado no Palácio Guanabara. (Foto: Tomaz Silva | Agência Brasil)

O governador ressaltou, no entanto, que não tem conhecimento de quem são as pessoas envolvidas. “Não tenho atribuição legal para olhar os autos, que estão sob sigilo”.

Witzel falou das investigações sobre a morte de Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes, durante entrevista à imprensa para explicar os ajustes na administração prisional e na área de segurança pública fluminense.

Entre os ajustes, estão a nomeação do coronel da Polícia Militar, Alexandre Azevedo de Jesus, para o comando da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap) e a extinção da Secretaria Executiva do Conselho de Segurança Pública.

O coronel Azevedo substitui André Caffaro de Andrade, que pediu exoneração 11 dias após a posse. André seria o primeiro servidor público de carreira da Seap a assumir o comando da secretaria, confirmando promessa de campanha de Witzel.

“O André é meu amigo. Ele estava muito motivado. Infelizmente, esta semana ele teve um problema pessoal que eu não posso aqui mencionar. Isso afetou muito a vida dele”, disse o governador. De acordo com Witzel, André continuará auxiliando a gestão da secretaria na medida de suas possibilidades.

Sobre a extinção da Secretaria Executiva do Conselho de Segurança Pública, anunciada apenas 11 dias após a sua criação. O governador explicou que a estrutura era prevista para durar seis meses e promover uma transição até que as novas secretarias da Polícia Militar e da Polícia Civil absorvessem todas as funções que eram desempenhadas pela extinta Secretaria de Estado de Segurança Pública (Seseg).

jan
13
Posted on 13-01-2019
Filed Under (Artigos) by vitor on 13-01-2019

Do Jornal do Brasil

 

O ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu enviar os pedidos da Procuradoria-geral da República relacionado ao inquérito dos Portos para o relator do caso, o ministro Luis Roberto Barroso. O despacho é de sexta-feira, 11.

Em 19 de dezembro, véspera do recesso do Judiciário, a procuradora-geral Raquel Dodge denunciou o então presidente Michel Temer (MDB) por corrupção e lavagem de dinheiro no caso da edição do decreto dos Portos. Ao denunciar, Dodge também solicitou a abertura de outras cinco investigações contra o presidente e pessoas próximas a ele e o envio dos casos para a 1ª instância.

Macaque in the trees
Ministro do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso. (Foto: Fernando Frazão)

O ministro Barroso é o relator do caso, mas como os pedidos entraram no sistema do STF durante o recesso foram parar no gabinete do presidente da corte. Por entender que não há urgência na decisão, Toffoli optou por enviar as solicitações ao relator.

Assim como as investigações sobre o inquéritos dos Portos, outras duas denúncias oferecidas pela PGR contra Michel Temer devem ser enviadas para a 1ª instância. A primeira é por corrupção no caso da entrega da mala de R$ 500 mil para o ex-assessor Rodrigo Rocha Loures. A outra acusa o emedebista de ser o líder da organização criminosa que atuava na Caixa e em outras estatais. As duas denúncias foram barradas na Câmara e, agora, retornarão ao trâmite normal na 1ª instância.

O caso de recebimento de propina da Odebrecht, em que Dodge não ofereceu denúncia por serem crimes praticados antes de Temer se tornar presidente, também deverá seguir para um juiz de 1ª instância. Temer teria recebido parte de R$ 10 milhões acordados com a Odebrecht em um jantar no Palácio do Jaburu.

jan
13
Posted on 13-01-2019
Filed Under (Artigos) by vitor on 13-01-2019


 

 Gabriel Renner no jornal (RS)

 

Beatriz Jucá
  Olavo de CarvalhoLUIS GRAÑENA

Considerado uma espécie de guru intelectual da direita brasileira, o filósofo Olavo de Carvalho emplacou três discípulos em cargos estratégicos do Ministério da Educação sob o presidente Jair Bolsonaro. Além do próprio titular da pasta, Ricardo Vélez, os seguidores Carlos Nadalim e Murilo Resende ocupam, respectivamente, a Secretaria Especial da Alfabetização e a direção da Avaliação da Educação Básica do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira). Tratados pelo mentor como “olavistas” ou “olavetes”, Vélez, Nadalim e Resende chegam ao poder afinados com as ideias que aprenderam principalmente nos cursos online oferecidos pelo filósofo direitista, e pelos quais já passaram cerca de 12.000 pessoas.

Da escola ‘Balão Mágico’ e do YouTube a um posto estratégico no MEC

A primeira pasta inédita do Governo Bolsonaro será comandada por Carlos Nadalim, que é mestre em Educação, defensor da alfabetização domiciliar e coordenador da escola de sua mãe, o colégio Mundo Balão Mágico em Londrina.

Murilo Resende, o ‘olavete’ contra a marxismo que supervisionará o Enem

Murilo Resende é economista tem 36 anos e nenhuma especialização em educação, ainda assim ele é o novo responsável pelo ENEM, o maior vestibular do país.

As ideias de Carvalho centradas principalmente no fim da “doutrinação ideológica marxista” que diz existir no ensino público do país devem influenciar as políticas dos próximos quatro anos nas duas pontas da educação brasileira: da alfabetização ao ensino superior, cujo impacto deve recair sobre os cerca de 48,6 milhões de estudantes matriculados nas escolas da educação básica e sobre os pouco mais de 8,3 milhões de alunos do ensino superior (segundo o último Censo Escolar, de 2017).

No centro do discurso de Olavo de Carvalho, estão críticas ferrenhas a Paulo Freire (1921-1997), o educador e filósofo brasileiro mais referenciado em universidades do mundo, nomeado patrono da educação brasileira em 2012, laureado dezenas de vezes com o título doutor honoris causa fora do Brasil. O pedagogo pernambucano, criticado pelo Governo Bolsonaro, defendia a educação como um ato político, mantendo os alunos em contato constante com os problemas contemporâneos no processo educacional. Ainda que não seja o único teórico no qual se apoiam os professores brasileiros, Paulo Freire é um dos principais alvos de crítica de Olavo e também dos seguidores que agora ocupam secretarias complexas no Governo Federal.

  • Arquivos

  • Janeiro 2019
    S T Q Q S S D
    « dez   fev »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    28293031