Do Jornal do Brasil

 

COISAS DA POLÍTICA

Tereza Cruvinel

OS JOGOS FINAIS

 

O que acontecer nestes dias finais da campanha pesará na definição crucial dos indecisos, que ainda somam cerca de 15% dos eleitores, afora os 5% que continuam dispostos a votar em branco, a depender do instituto. Eles começaram no sábado, com a grande manifestação das mulheres contra Bolsonaro, emendaram com a resposta forte dos bolsonaristas e o debate da TV Record no domingo, fatos que não deixaram ganhador único mas contiveram a força de Bolsonaro. Haverá o debate da TV Globo, na quinta-feira, e a entrevista do ex-presidente Lula pode agora acontecer. Mas a dúvida é sobre um fato extraordinário, que possa afetar o resultado esperado, como já aconteceu em outros pleitos, menos polarizados.
Só um fato extraordinariamente forte, nesta altura, poderá evitar o resultado projetado pelas pesquisas, de um segundo turno entre Bolsonaro e o petista Fernando Haddad. Teria que ser algo capaz de produzir um crescimento sobrenatural de qualquer outro candidato, inclusive do terceiro colocado, Ciro Gomes, ou de derrubar muito a votação de um dos dois prováveis finalistas. Não se enxerga algo assim no horizonte, embora possam acontecer fatos capazes de afetar a votação obtida por um ou por outro no domingo, ampliando a votação do petista ao ponto de dar-lhe a primeira colocação, ou, em sentido inverso, ampliando ainda mais a votação de Bolsonaro. Hoje, as pesquisas apontam para o empate técnico entre eles, embora nominalmente o candidato do PSL siga na frente. “As pesquisas sugerem, visualmente, que as curvas dos dois vão se encontrar no dia da eleição”, diz o vice-presidente do instituto Vox Populi, João Francisco Meira.

Manifestação das mulheres
A manifestação das mulheres foi pluripartidária, reunindo eleitores de Ciro, Boulos, Haddad e Marina. Se o #elenão tiver convencido eleitores indecisos a não votar em Bolsonaro, é provável que eles não migrem para o polo oposto, para Haddad, mas para um voto intermediário, em Ciro, Alckmin ou qualquer outro. Mas, no frigir dos ovos, isso ajudará o petista no segundo turno. No debate de domingo, houve uma nítida concertação de todos contra Haddad e Bolsonaro, cada qual buscando segurar seus eleitores, evitando que sucumbam a um movimento de voto útil para resolver a parada no primeiro turno. Desidratados, sairiam muito enfraquecidos da eleição, para sobreviver ou para negociar com o futuro governo. Esta estratégia da segunda divisão deve ser mantida no debate da TV Globo, com desvantagem para o petista, já que Bolsonaro se protegerá com a ausência, embora os médicos tenham autorizado sua participação, se mantido seu bom estado de saúde.

O impoderável
A indagação que persiste é sobre fatos imponderáveis, tenham ou não a forma de armação. Ontem o juiz Moro retirou o sigilo sobre uma parte da delação do ex-ministro petista Antônio Palocci, decisão inequivocamente prejudicial ao PT. Isso aconteceu em 2014, com delações de um ex-diretor da Petrobrás. Mas como já são conhecidas as revelações de Palocci sobre doações irregulares para a campanha de Dilma e a ocupação de cargos na Petrobrás, é pouco provável que provoquem uma tsunami antipetista. Se o discurso anticorrupção tivesse hoje grande força eleitoral, Álvaro Dias não estaria onde está nas pesquisas. Numa evidência de que no STF o clima é de guerra interna, o ministro Lewandowski voltou a autorizar a entrevista de Lula, vetada pelo colega Fux. Se ela acontecer, será um fato forte. Lula, calado, já garantiu Haddad no segundo turno mas não parece haver nada que ela possa dizer, com força bastante para evitar o segundo turno. Mas ele pode dar um empurrão em seu candidato. Daqui para sábado, teremos um debate, três programas de TV e algumas pesquisas elementos importantes para a definição dos indecisos. Mas, em quase todas as eleições, a reta final foi visitada por fatos extraordinários, quase sempre abomináveis. Como em 1989, pela denúncia da ex-mulher de Lula, Miriam Cordeiro, de que ele tentara induzi-la abortar. Foi uma armação da campanha de Collor, ao custo de 600 dinheiros. Mas quando isso ficou claro, tudo era passado.

“Perder e Ganhar”, Paulinho da Viola: lição em forma de bom samba para aprender (e cantar) antes das eleições gerais de domingo. Escolha certo e vote bem!!!

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

Jair Bolsonaro, Fernando Haddad no debate da Rede TV.

 Jair Bolsonaro, Fernando Haddad no debate da Rede TV. REUTERS PHOTOGRAPHER REUTERS

Pesquisa Datafolha divulgada nesta terça-feira confirmou a tendência de alta do candidato do PSL, Jair Bolsonaro, já verificada no Ibope da última segunda-feira. O deputado federal foi de 28% para 32%, uma alta de quatro pontos percentuais em uma semana mesmo enfrentando uma massiva manifestação contrária no sábado, dia 29. Já Fernando Haddad, do PT, oscilou um ponto para baixo. Bolsonaro também teve outra boa notícia: ele melhorou sua performance no segundo turno, agora ele aparece 44% contra 42% de Haddad.

Bolsonaro teve um grande crescimento entre as mulheres, em relação à pesquisa anterior, ocorrida antes das marchas femininas contra ele. Neste segmento, ele passou de 21% para 27% e ultrapassou Haddad (20%), que antes alcançava a primeira posição entre elas. Segundo análise dos diretores do Datafolha, o capitão reformado continua rejeitado por metade das mulheres do país. Entre as mulheres com renda mais alta, ele aumentou dez pontos percentuais desde a pesquisa feita em 18 e 19 de setembro. Entre as mulheres mais pobres, com até dois salários mínimos, ele subiu cinco pontos percentuais. “Uma hipótese para o fenômeno é o grau de identificação de subconjuntos femininos com valores das que se mostraram nos últimos dias contra ou a favor do capitão reformado”, afirma a análise de Mauro Paulino e Alessandro Janono. “Um exemplo é que homens e mulheres de famílias nucleares, isto é, casados e com filhos, tendem a votar muito mais no candidato do PSL. Já entre as mães solteiras, Haddad lidera com folga: o apoio ao petista chega a 29% contra 14% do ex-deputado”, seguem eles.

A rejeição a Bolsonaro oscilou negativamente um ponto, de 46% para 45%, mas segue a mais alta entre os candidatos. A de Haddad, entretanto, disparou: foi de 32%, na última pesquisa, para 41% lcançando um índice próximo ao do capitão reformado.

Os principais números da pesquisa

INTENÇÃO DE VOTO

(Entre parênteses o índice de cada candidato na pesquisa anterior, aplicada nos dias 18 e 19/09)

Jair Bolsonaro (PSL): 32% (28%)

Fernando Haddad (PT): 21% (22%)

Ciro Gomes (PDT): 11% (11%)

Geraldo Alckmin (PSDB): 9% (10%)

Marina Silva (Rede): 4%(5%)

João Amoêdo (Novo): 3%(3%)

Alvaro Dias (Podemos): 2%(2%)

Henrique Meirelles (MDB): 2%(2%)

Cabo Daciolo (Patriota): 2%(1%)

Guilherme Boulos (PSOL): 0% (1%)

Vera (PSTU): (1%)

João Goulart Filho (PPL): (0%)

Eymael (DC): (0%)

Brancos/nulos: 8%(10%)

Não responderam: 5% (5%)

REJEIÇÃO DOS CANDIDATOS

Jair Bolsonaro (PSL): 45% (46%)

Fernando Haddad (PT): 41% (32%)

out
03

Do  Jornal do Brasil

Faltando cinco dias para o primeiro turno das eleições, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso encabeça um manifesto em defesa da candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) à Presidência, que foi lançado nesta terça-feira, 2, e conta com 91 assinaturas.

Além de FHC, entre os signatários estão o economista Samuel Pessôa, o cientista político Rubens Figueiredo, o cineasta João Batista de Andrade, o administrador Guilherme Setúbal e o educador Cláudio Moura e Castro. O manifesto foi organizado por Rubens Figueiredo, Antonio Lanzana, Gustavo Dedivitis, José Álvaro Moisés e Roberto Macedo.

Macaque in the trees
O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil )

O texto diz que o Brasil precisa de um “compromisso radical com a democracia” e defende a realização de reformas. A iniciativa ocorre em um momento delicado para a campanha de Alckmin, que na mais recente pesquisa Ibope/Estado/TV Globo apareceu com 8% das intenções de voto.

Manuel Ansede
  • Premio Nobel de FÍsica 2018
 Entrevista coletiva na Academia sueca nesta terça-feira, com os três premiados. HANNA FRANZEN AFP

A Real Academia de Ciências da Suécia concedeu nesta terça-feira o Prêmio Nobel de Física de 2018 a Arthur Ashkin, Gérard Mourou e Donna Strickland, por suas “invenções pioneiras no campo da física do laser”.

Arthur Ashkin (Nova York, 1922) inventou as pinças ópticas, capazes de capturar partículas, átomos, vírus e células vivas com dedos de luz laser. Em 1987, foi capaz de apanhar bactérias vivas sem danificá-las, conforme destaca o comitê do Nobel. Gérard Mourou (Albertville, França, 1944) e Donna Strickland (Guelph, Canadá, 1959) abriram o caminho para “os pulsos de laser mais intensos já criados pela humanidade”, segundo o comitê.

A técnica de Mourou e Strickland, criada em 1985 e conhecida como amplificação de pulso com varredura em frequência (CPA, por sua sigla em inglês), tornou-se muito rapidamente a ferramenta-padrão para obter lasers de alta intensidade, utilizados desde então em milhões de cirurgias do olho. Ashkin, formado na Universidade Cornell, Strickland, da Universidade de Waterloo, e Mourou, da Universidade de Michigan, dividirão os nove milhões de coroas suecas (quatro milhões de reais) do prêmio.

Donna Strickland é a terceira mulher a ganhar o Nobel de Física. Desde 1901, quando foi instituído, apenas dois dos 198 cientistas laureados (1%) haviam sido mulheres: Marie Curie (1903) e Maria Goeppert-Mayer (1963). Entretanto, a astrofísica norte-americana Sandra Faber partia neste ano como uma das favoritas, segundo o bolão de apostas elaborado pela empresa especializada Clarivate Analytics. Faber, da Universidade da Califórnia na Santa Cruz, descobriu em 1976 um novo método para determinar a distância até as galáxias, conhecido como relação de Faber-Jackson.

“Temos que reconhecer as mulheres físicas, e suponho que de agora em diante haverá mais de nós ganhando este prêmio. Eu me sinto honrada por ser uma delas”, declarou Strickland nesta terça

“Eu achava que haveria mais mulheres que tinham ganhado o Nobel de Física. Temos que reconhecer as mulheres físicas, e suponho que de agora em diante haverá mais de nós ganhando este prêmio. Eu me sinto honrada por ser uma delas”, declarou Strickland na entrevista coletiva desta terça, falando por telefone do Canadá.

No ano passado, a Real Academia de Ciências da Suécia concedeu Nobel de Física aos norte-americanos Rainer Weiss, Barry Barish e Kip Thorne por sua “contribuição decisiva para os detectores do LIGO [situados em Washington e Louisiana] e a observação de ondas gravitacionais”. O físico Albert Einstein foi o primeiro a prever a existência desses sinais, fruto, por exemplo, do choque de dois buracos negros. As ondas gravitacionais se disseminam à velocidade da luz, deformando o espaço-tempo, e chegam à Terra com tão pouca força que foram indetectáveis até 14 de setembro de 2015, quando os aparelhos do Observatório de Ondas Gravitacionais por Interferometria a Laser (LIGO) captaram um sinal pela primeira vez. O avanço abriu uma nova era na astronomia, ao permitir estudar a natureza com outros olhos.

out
03
Posted on 03-10-2018
Filed Under (Artigos) by vitor on 03-10-2018



 

Sid, no portal de humor

 

out
03
 Ciro, o exorcista

Durante campanha em São Caetano do Sul Ciro Gomes recebeu um apelo de uma mulher que implorou a ele que retirasse seu nome do SPC, relata a Folha.

Ao receber o pedido de Maria Helena Alves Cristino, Ciro –cujo programa promete facilitar a limpeza do nome dos endividados– sorriu e colocou as mãos sobre a cabeça da cuidadora de idosos.

O pedetista parece estar incorporando o personagem das redes sociais (“Pai Ciro tira seu nome do SPC em três dias”).

  • Arquivos

  • outubro 2018
    S T Q Q S S D
    « set   nov »
    1234567
    891011121314
    15161718192021
    22232425262728
    293031