Resultado de imagem para Dona Justina de São Felipe
Dona Justina festeja 100 anos bem vividos em São Felipe.

CRÔNICA/ VIVER

Dona Justina – 100 anos de fé e persistência

Lílian Machado

Cem anos de vida, uma idade por muitos sonhada, mas que poucos conseguem alcançá-la. Dona Justina, como é conhecida em São Felipe a 178 quilômetros de Salvador conquistou essa dádiva e com o brilho nos olhos, sorriso no rosto e rodeada de amigos e admiradores celebrou o seu centenário, no último domingo. O aniversário aconteceu do jeito que ela gosta. Uma missa foi celebrada na Paróquia de São Felipe e São Tiago, que ela frequenta todos os domingos, na cidade. Cinco religiosos abençoaram o momento. Além disso, amigos e familiares declamaram palavras de amor e gratidão aquela que é considerada a habitante mais idosa do município. Rezadeira, devota do Sagrado Coração de Jesus e de Nossa Senhora, dona Justina agradeceu. Para ela não poderia ter comemoração melhor do que está cercada de pessoas queridas, em meio ao ambiente de muitos cânticos e orações. Justina Paula, nascida em 10 de setembro de 1918 atribui a sua longevidade à fé que alimenta desde a juventude.

Com fala mansa como se estivesse orando, ela responde sobre a receita para chegar aos 100 anos. “Ave Maria se eu não rezar o terço três vezes ao dia e se chegar o sábado e eu não rezar o santo Ofício de Nossa Senhora (oração popular do século XV). Eu sempre fui do lado de Deus. Quem quiser durar e aturar essa vida que chame muito por ele. Com essa bondade que eu tenho com Deus estou me dando é muito bem”, disse aos risos. Ela conta que aprendeu a devoção religiosa com a sua mãe, falecida aos 105 anos. “Meu pai era bebedor de cachaça e morreu cedo, mas minha mãe, não. Ela era uma pessoa de muita fé”, relatou.

Na missa, o padre Adilton Pinto, pároco da Basílica de Nossa Senhora da Conceição da Praia de Salvador, lembrou as dificuldades enfrentadas pela aniversariante. “Mesmo viúva aos 41 anos e com oito filhos, dona Justina manteve a fé para seguir em frente. Muita gente quando sofre se revolta com Deus, mas ela é exemplo para nós porque tem fé e obras”, destacou. Durante a celebração, objetos que retratam a vida da aniversariante foram levados por amigos e familiares até o altar. Um quadro com sua fotografia, bordados e fuxicos, além do vestido, usado por ela no casamento há mais sessenta anos foram algumas das lembranças.

Justina relata que sempre teve uma vida simples. Nasceu na localidade do Vai-Vai, zona rural da cidade. Depois morou com a família na comunidade do Riachão até os 6 anos. Em seguida morou na cidade de Maragojipe, também no Recôncavo Baiano e retornou a terra natal, onde reside até hoje. Foi lavradora, lavadeira e exerceu uma das mais importantes funções de sua época, que era a de ser parteira. São muitos os afilhados espalhados pela região. “Eram muitos os chamados. Eu pedia luz ao Sagrado Coração de Jesus e a Nossa Senhora e fazia. Só não conseguir fazer dois partos, pois eram complicados. Diante daquela aflição rezei e encaminhei para o médico. Quando eu vi que não dava mais parei”, relatou. 

Há 15 anos perdeu uma perna por causa de problemas circulatórios e há dois meses também teve a outra perna retirada, mas o que ela diz ser mais importante não foi perdido: a fé e o desejo de abençoar a todos. Além disso, gosta de manter o zelo com a aparência, usando perfume e vestimentas novas. Até hoje ainda borda e guarda com orgulho, algumas costuras que fez, quando mais jovem.

Justina mora com a filha Maria dos Passos, de 72 anos numa grande casa, localizada em uma das principais ruas da cidade. Tem 23 netos, 26 bisnetos e 1 tataraneto.

A sua festa foi em clima de muita emoção, com homenagens de parentes, amigos, afilhados e vizinhos. Depois da cerimônia, na igreja, uma grande recepção foi organizada em um espaço de evento, da cidade, com muita comida e música. A máquina de costura, usada durante muitos anos e as imagens dos santos estavam presentes, na decoração. No bolo, o destaque em dourado era para os 100 anos de uma “vida bem vivida”, como a própria definiu.

Lilian Machado é jornalista, ex-reporter da editoria de Política da Tribuna da Bahia, ganhadora, mais de uma vez, do Prêmio Quintino de Carvalho, pela melhor cobertura  da Assembleia Legislativa da Bahia.

“Sonho e saudade”, Tito Madi: primoroso samba canção de um mestre grandioso da composição e da voz na música brasileira. que ontem partiu. Fica a obra magistral. Perenemente.

SAUDADES!!!

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)   

set
27

O presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro, segue firme na liderança da corrida pelo Palácio do Planalto, com 31,2 % das intenções de voto, segundo levantamento do instituto Paraná Pesquisas divulgado nesta quarta-feira, que mostrou o petista Fernando Haddad em segundo lugar com 20,2 %.

Combinação de fotos dos candidatos à Presidência Bolsonaro e Haddad REUTERS/Adriano Machado
Combinação de fotos dos candidatos à Presidência Bolsonaro e Haddad REUTERS/Adriano Machado

Foto: Adriano Machado / Reuters

Na última sondagem do Paraná Pesquisas, divulgada no dia 12, Bolsonaro tinha 26,6 %, enquanto Haddad estava com 8,3%, num embolado empate técnico no segundo lugar, embora estivesse numericamente em quinto lugar.

Na pesquisa divulgada nesta manhã no site O Antagonista, o presidenciável do PSL tem 44,3% das intenções de voto em uma simulação de segundo turno contra o petista, que aparece com 39,4%.

Para o primeiro turno, Ciro Gomes (PDT) aparece com 10,1%, ante 11,9%do levantamento anterior, seguido por Geraldo Alckmin (PSDB), com 7,6%, ante 8,7%, e Marina Silva (Rede), com 4,3%, ante 10,6%.

Depois aparecem João Amoêdo (Novo), com 3,8%, ante 3,3%, Alvaro Dias (Podemos), com 1,9%, ante 3,7% , e Henrique Meirelles (MDB), com 1,3%, ante 2,4%.

Os eleitores que disseram que não votarão em nenhum candidato somaram 11,9%, ante 16,0%, e os que disseram que não sabem em que irão votar ficaram em 6,3%, ante 5,8%.

Não há informação no site sobre dias das entrevistas, nem o número de entrevistados ou a margem de erro do levantamento, que foi de aproximadamente 2,0% na pesquisa anterior.

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu hoje (26) rejeitar pedido de liminar feito pelo PSB para evitar o cancelamento dos títulos de eleitores que não realizaram o cadastramento por biometria nas localidades que foram escolhidas pela Justiça Eleitoral.

De acordo com a Justiça Eleitoral, cerca de 3,3 milhões de eleitores não vão votar nas eleições de outubro porque não compareceram aos cartórios eleitorais nos municípios em que houve o recadastramento para identificação biométrica.

Até o momento votaram cinco dos nove ministros aptos a participar do julgamento, entre eles o relator, ministro Luís Roberto Barroso, que teve o voto acompanhado por Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luiz Fux e Cármen Lúcia.

No voto que prevalece no julgamento, Barroso entendeu que não há inconstitucionalidade nas normas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que disciplinaram as regras de alistamento eleitoral. Segundo o ministro, a atualização do cadastro de eleitores é necessária para manter a higidez das eleições.

Na ação, o PSB alegou que são inconstitucionais as resoluções do TSE que disciplinaram o cancelamento do título como penalidade ao eleitor que não realizou o cadastro biométrico obrigatório dentro do prazo, porque resultaram no indevido cerceamento do direito de votar.

Além do PSB, também fazem parte da ação o PT e o PCdoB. Segundo as legendas, o maior número de eleitores que não poderão votar está na Região Nordeste. Para os partidos, cidadãos humildes não tiveram acesso à informação para cumprir a formalidade.

O julgamento continua para tomada dos votos dos ministros Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Marco Aurélio e o presidente, Dias Tofofli. Celso de Mello e a presidente do TSE, Rosa Weber, não participaram do julgamento porque se declararam suspeitos para atuar no processo.

set
27

DO BLOG O ANTAGONISTA

A câmera oculta de Adélio

 

Por Claudio Dantas

No dia 29 de agosto, Adélio Bispo de Oliveira gravou com o celular o momento em que foi recolher sua carteira de trabalho numa empresa em Juiz de Fora.

“Tudo bom? Vim pegar a papelada, né”, diz.

O funcionário, que aparentemente chama Adélio de “Matias”, entrega a carteira e pede a ele que assine um recibo. “Chegou a registrar?”, pergunta. “Não, não”, responde o funcionário.

Não é possível identificar o local.

À noite, Adélio postou o vídeo no Facebook com a mensagem: “Como outras empresas, esta só queria cópia dos meus documentos pessoais e de cartão bancário. Depois de conseguir, não agenda data de início no trabalho. Nem assinam a carteira.”

Como O Antagonista revelou na segunda-feira, Adélio também procurou emprego no grupo Bahamas Supermercados, mas foi reprovado na entrevista.

Reprodução / Arquivo pessoal
Tito Madi faleceu aos 89 anosReprodução / Arquivo pessoal

Rei do samba-canção e precursor da bossa nova, o cantor e compositor Tito Madi morreu na manhã desta quarta-feira (26), no Rio, aos 89 anos. Ele estava internado havia duas semanas no Hospital São Lucas, em Copacabana, em decorrência de uma pneumonia e de problemas renais. Madi estava consciente, de acordo com a filha, Carmem Maddi Bulcão, e feliz com o novo CD de Nana Caymmi, com seu repertório. Ele ainda deixou músicas inéditas; entre elas, parcerias com Paulo César Pinheiro – duas serão gravadas por Aurea Martins.

— Pouco antes de se internar ele teve essa grande alegria, que foi receber o CD da Nana com músicas dele. Foi uma cópia inacabada que o produtor levou. Ficou muito realizado — contou Carmem. Madi teve um acidente vascular cerebral em 2008, e desde então se deslocava de cadeira de rodas. Segundo a filha, ele gostava de rememorar em casa momentos do auge da carreira, e era muito dedicado à família.

— Meu pai foi o melhor que alguém pode ter. Mesmo com a carreira, as muitas viagens, fazia questão de acompanhar tudo da vida dos (dois) filhos e dos (quatro) netos. Gostava de falar dos momentos de auge, mas também não dormia sem saber se todos já estavam em casa — disse Carmem. O enterro foi realizado nesta quarta no Cemitério São João Batista.

O compositor de Balanço Zona Sul, Chove Lá Fora e Não Diga Não chegou a fazer shows em 2015, para o lançamento do CD Quero te Dizer Que Eu Amo, gravado com o pianista Gilson Peranzzetta, um colaborador antigo. 

Descendente de libaneses, Chauki Maddi nasceu numa família musical na pequena cidade de Pirajuí (SP), em 1929, e começou profissionalmente em 1952, como cantor da Rádio Tupi de São Paulo, já com o nome simplificado para o português. Poucos anos depois chegou ao Rio, onde fez a carreira e se radicou, no bairro de Copacabana, epicentro da vida musical da cidade à época, e do samba-canção em particular.

Madi compunha desde os 10 anos de idade, musicando poemas clássicos. Também foi letrista. O romantismo deu o tom de seu trabalho. Ao interpretar, foi inspirado pelo canto macio de Lúcio Alves e Dick Farney. Por sua vez, a voz suave dele influenciou Roberto Carlos e João Gilberto nos anos 1950.

Não Diga Não foi prenúncio do sucesso futuro no começo da década. Chove Lá Fora, hit de 1957, seria versionada para o inglês e gravada pelo quinteto The Platters (com o título It’s Raining Outside). O grupo gravou também Quero-te Assim (I Wish). Balanço Zona Sul estourou com Wilson Simonal nos anos 1960. Madi teve como parceiros mais recentes, além de Paulo César Pinheiro, Carlos Colla, e deixou músicas gravadas em fitas cassete.

Em 2015, por ocasião do show com Peranzzetta, ele deu uma entrevista ao jornal O Dia em que disse: 

— Tenho saudade de quando eu tocava, de quando ia nos programas de televisão e de quando viajava. Me chamam sempre para ir a Conservatória (cidade do interior do Rio considerada ‘a capital da seresta’), mas tenho medo de ficar sozinho no quarto de hotel.

Na entrevista, Madi relembrou também uma briga que teve que João Gilberto em 1961, na qual o cantor, ele contou, lhe deu um golpe com o violão na cabeça. Restou uma cicatriz. 

— Ficamos sem nos falar por décadas, até que, ao fazer um show no Rio em 2008, ele cantou Chove Lá Fora e falou bem de mim no palco. Já o perdoei.

set
27
Posted on 27-09-2018
Filed Under (Artigos) by vitor on 27-09-2018



 

Aroeira, no jornal (RJ)

 

set
27
Posted on 27-09-2018
Filed Under (Artigos) by vitor on 27-09-2018

Do Jornal do Brasil

 Aos 85 anos, o cartunista Ziraldo foi internado em estado grave na tarde desta quarta-feira (26) após sofrer um AVC hemorrágico. Ele está internado no Centro de Terapia Intensiva (CTI) do Hospital Pró-Cardíaco, em Botafogo, na Zona Sul do Rio de Janeiro.

A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do hospital.

Veja a nota na íntegra: 

“O Hospital Pró-Cardíaco informa que o cartunista e escritor Ziraldo Alves Pinto deu entrada na instituição no início da tarde desta quarta-feira (26/9), com quadro de acidente vascular cerebral (AVC) hemorrágico. O paciente encontra-se internado no Centro de Terapia Intensiva (CTI) da unidade e seu estado de saúde é grave. Hospital Pró-Cardíaco”. 

No ano de 2013,  o cartunista já tinha sofrido um infarto leve em Frankfurt, na Alemanha, e foi submetido a um cateterismo  e posteriormente ao procedimento, na época, internado novamente para exames após passar mal.

Macaque in the trees
Ziraldo (Foto: Divulgação)

Carreira

Cartunista, chargista, escritor, colunista e jornalista, Ziraldo é criador do Menino Maluquinho, personagem do livro com mais de três milhões de exemplares vendidos, em 116 edições, desde 1980.

É um dos criadores do jornal O Pasquim, tabloide de oposição ao regime militar, e chegou a ser preso político, um dia após a promulgação do AI-5.

Atualmente, o jornalista ocupa o cargo Diretor de Arte do Jornal do Brasil, relançado na versão impressa no dia 25 de fevereiro deste ano.

  • Arquivos