set
17
Posted on 17-09-2018
Filed Under (Artigos) by vitor on 17-09-2018
Manifestação pela legalização do aborto em dezembro de 2016 Rovena Rosa Agência Brasil

As mulheres brasileiras são a maioria (53%) entre os eleitores nas eleições presidenciais que estão à porta. E são sempre as que mais votam. Querendo, elas podem decidir quem presidirá o país em um dos momentos mais difíceis e perigosos após a ditadura militar. A democracia, que muitos vêem ameaçada pelo ressurgimento de uma extrema direita militarista e violenta, presidida pelo capitão da reserva, Bolsonaro, poderá ser salva graças às mulheres.

Elas começaram a se mexer com força, como indica o movimento “Mulheres Unidas contra Bolsonaro”, que já coletou mais de um milhão de assinaturas no Facebook e está conseguindo 10 mil membros por minuto. É uma aposta feminina contra o ressurgimento de uma política que visa resolver os problemas deste convulsionado continente com balas, oferecendo a violência como um talismã para a solução de todos os males.

Sempre apostei em uma solução positiva para este país, mesmo quando tudo parecia ficar política e socialmente sombrio. Quando, meses atrás, soavam como luto os sinos da abstenção nas eleições, alcançando 40% do eleitorado, continuei acreditando que, no final, a sensatez triunfaria, sob pena de colocar o país diante de um abismo com sérias repercussões econômicas e morais que acabam atingindo sempre os mais frágeis. Aqueles que hoje parecem dispostos a não votar ou a anular o voto, já são cada vez em menor número e estão se aproximando das taxas normais das eleições anteriores. O senso de responsabilidade está vencendo.

Uma vez terminadas as eleições, cuja aposta espero que seja naqueles que defendem os melhores valores desta sociedade que quer viver em paz, poderemos ver o peso real que o voto feminino teve contra os fantasmas da intolerância e do populismo. As mulheres, afinal, vivem umbilicalmente ligadas à vida real, à dor de cada dia. Elas são as maiores vítimas da violência dentro e fora de casa.

Um movimento feminino contra o candidato que ameaça incendiar o país com a violência e com nostalgias de golpes militares é a melhor demonstração de que a mulher, desde o Homo Sapiens, continua a ser a defensora da vida que nela é gerada. Da vida e dos valores da liberdade e da religião como o motor da libertação contra a tirania dos ídolos. Gea, a primeira divindade da História, era uma mulher. Era a deusa da Terra e da fecundidade. Enquanto os homens lutavam em guerras, as mulheres cultivavam a vida.

A mulher, apesar de ter sido estigmatizada com o selo da fragilidade, como se tem visto com a candidata negra Marina Silva, sempre se revelou mais forte que o homem, principalmente nas horas de dor e derrota. E isso, apesar do fato de que os homens, que provavelmente dominavam até mesmo a linguagem, tingirem de feminino todos os substantivos femininos que se referem à violência. Assim, eles fizeram a guerra feminina. Feminino são as batalhas, as armas, as balas, a bomba atômica. Até as flechas envenenadas dos nativos são femininas. E a pólvora. São femininas a pobreza, a escravidão e a derrota.

O arrojo, o heroísmo e o orgulho foram reservados para eles, os homens. São masculinos. E no entanto, é nos lagos do feminino que os conceitos mais nobres da Humanidade são reproduzidos, como a paz e a esperança, junto com a criatividade, a arte e a cultura. Feminina é a vida. São as mãos que curam, abraçam e nutrem. A luz é mulher, assim como a poesia.

O mundo escureceu quando os homens masculinizaram os deuses que se tornaram violentos. A religião foi sempre feminina até que alguém a transformasse em um instrumento de poder e prevaricação contra os mais frágeis. A política é feminina, assim como a democracia. E no Brasil, poderão ser as mulheres que devolverão a esperança a esta sociedade amargurada e irritada. A liberdade, como a igualdade, é profundamente feminina, e as mulheres brasileiras estão lutando para que não acabem profanadas nas garras da intolerância, que é a bandeira de todos os famintos e sedentos de violência.

Se a semana começa com Paulinho e Amélia na vitrola do Bahia em Pauta, começa bem. Escute e confira.

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

DO EL PAIS

O candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, recebeu alta da Unidade de Terapia Intensiva (UTI), onde estava internado desde a madrugada de quinta-feira, 13, após passar por uma cirurgia de emergência na noite anterior.

De acordo com boletim médico divulgado pela equipe do Hospital Albert Einstein na manhã deste domingo, 16, o deputado passa agora para uma unidade de cuidados semi-intensivos. Ele continua “com boa evolução clínica, sem febre e exames laboratoriais estáveis, recebendo nutrição por via parenteral (endovenosa) exclusiva, medidas de prevenção de trombose venosa, fisioterapia respiratória e motora”, diz o comunicado.

Bolsonaro, que é líder nas pesquisas de intenção de voto, está internado desde que foi alvo de uma facada durante agenda de campanha em Juiz de Fora (MG), no último dia 6. Ele recebeu atendimento de emergência na cidade mineira e foi transferido, no dia seguinte, para São Paulo. Seu estado saúde evoluía bem até que, na quarta-feira, um exame de imagem detectou uma aderência obstruindo o intestino delgado, o que o levou ao procedimento de emergência.

Foto: Diego Vara/Reuters

Por G1 Campinas e região

Mala com dólares e reais apreendida com a delegação da Guiné Equatorial — Foto: Divulgação Mala com dólares e reais apreendida com a delegação da Guiné Equatorial — Foto: Divulgação

O avião do governo da Guiné Equatorial decolou na manhã deste domingo (16) do Aeroporto Internacional de Viracopos (SP), em Campinas (SP), rumo a Malabo, capital do país africano, sem a mala com US$ 1,4 milhão e R$ 55 mil, e os cerca de 20 relógios avaliados em US$ 15 milhões, apreendidos com a delegação na chegada ao Brasil, na sexta-feira (14).

O vice-presidente do país, Teodoro Obiang Mang, embarcou no voo. Filho do ditador africano que comanda a Guiné Equatorial há 39 anos, Teodorín, como é conhecido, teria vindo ao Brasil para realizar tratamento médico, conforme depoimento do secretário da Embaixada à Polícia Federal.

Leminio Akuben Mikue explicou às autoridades brasileiras que Teodorín veio ao Brasil para tratamento médico, e que o US$ 1,4 milhão em uma das malas seria utilizado em missão oficial posterior, com destino a Singapura. Sobre os relógios, o secretário informou que seriam de uso pessoal de Teodoro Obiang Mang.

Imagem do boeing 777-200, do governo da Guiné Equatorial, na chegada ao Brasil, na sexta-feira (14) — Foto: Viracopos FullHD Imagem do boeing 777-200, do governo da Guiné Equatorial, na chegada ao Brasil, na sexta-feira (14) — Foto: Viracopos FullHD

Imagem do boeing 777-200, do governo da Guiné Equatorial, na chegada ao Brasil, na sexta-feira (14) — Foto: Viracopos FullHD

O Boeing 777-200, pertencente ao governo do país africano, decolou de Campinas às 6h21 com os 11 integrantes da comitiva. O G1 tem tentado contado desde a noite de sexta-feira com a embaixada do Brasil na Guiné Equatorial, sem sucesso.

Filho de ditador da Guiné Equatorial (de azul) acompanha desfile da Beija-Flor sobre o país — Foto: Daniel Marenco/Folhapress Filho de ditador da Guiné Equatorial (de azul) acompanha desfile da Beija-Flor sobre o país — Foto: Daniel Marenco/Folhapress

Filho de ditador da Guiné Equatorial (de azul) acompanha desfile da Beija-Flor sobre o país — Foto: Daniel Marenco/Folhapress

A Polícia Federal diz que o caso está sob sigilo diplomático e a Receita Federal não comenta o caso. Em nota, o Itamaraty informa que “se manteve em coordenação permanente com a Receita Federal e a Polícia Federal no acompanhamento do caso, inclusive quanto à adoção das medidas cabíveis”.

A apreensão

O avião com a delegação da Guiné Equatorial chegou a Viracopos na sexta-feira à tarde vindo de Malabo, capital do país. Além do vice-presidente do país, 10 pessoas estavam a bordo. Embora trouxesse uma autoridade do governo do país africano, o voo não era uma missão diplomática oficial.

 

Relógio cravejado de diamantes foi apreendido nas malas não diplomáticas do vice-presidente da Guiné Equatorial — Foto: Divulgação Relógio cravejado de diamantes foi apreendido nas malas não diplomáticas do vice-presidente da Guiné Equatorial — Foto: Divulgação

Relógio cravejado de diamantes foi apreendido nas malas não diplomáticas do vice-presidente da Guiné Equatorial — Foto: Divulgação

Em missões oficiais, as chamadas malas diplomáticas – que contêm documentos e objetos de uso oficial do país de origem – não podem ser fiscalizadas no destino. A aeronave da Guiné Equatorial, entretanto, trazia um conjunto de malas não diplomáticas, que não possuem essa proteção.

Quando agentes da Receita e da PF tentaram analisar o conteúdo dessas malas, seguranças que estavam no voo tentaram impedir. Houve confusão. Membros da comitiva foram levados para prestar esclarecimentos às autoridades brasileiras, mas o vice-presidente foi liberado do procedimento.

Teodorín esteve no Brasil em 2015, quando a escola de samba Beija Flor, do Rio de Janeiro, fez um desfile em homenagem à Guiné Equatorial.

set
17
Posted on 17-09-2018
Filed Under (Artigos) by vitor on 17-09-2018


 

Luscar, no portal de humor

 

DO BLOG O ANTAGONISTA

Bolsonaro: “O PT não esconde o que faz mais”

 

Jair Bolsonaro fez uma ‘live’ no Facebook diretamente do leito em que está internado no hospital Albert Einstein.

O candidato do PSL, ainda bastante debilitado, disse aos petistas para se colocarem no lugar do presidiário Lula.

“Você aceitaria, passivamente, bovinamente, ir para a cadeia? Você não tentaria uma fuga? Bem, se você não tentou fugir, é obviamente porque tem um plano B. E qual é o plano B desse presidiário?”

Bolsonaro também voltou falar do projeto de voto impresso e lembrou que Dilma Rousseff o vetou.

“Não temos qualquer garantia nas eleições. O PT não esconde o que faz mais.”

  • Arquivos