Resultado de imagem para Fogo no Museu Nacional e o meteorito de Bendegó
No bairro de São Cristóvão, o Museu Nacional destruído pelo
abandono e o fogo…
Resultado de imagem para Fogo no Museu Nacional e o meteorito de Bendegó
…o meteorito de Bendegó resistiu ao incêndio que devastou o museu.

 

ARTIGO DA SEMANA

Fogo no Museu Nacional, JB saqueado: Ai de ti, São Cristóvão (Rio)

Vitor Hugo Soares

Trechos do célebre artigo “Ai de Ti, Copacabana”, de Rubem Braga, ressurgem na memória sempre que vou ao Rio de Janeiro (desde um domingo de janeiro de 2006), e atravesso o bairro de São Cristóvão, pela Avenida Brasil, no trajeto entre o Aeroporto Tom Jobim e a  zona sul .. Tem sido assim desde a invasão, depredação e saque da sede do centenário Jornal do Brasil (onde trabalhei por  17 anos). Se voltar ao Rio, nem sei como será, desde as lágrimas de domingo passado do incêndio que devastou o Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, bem perto do prédio abandonado do JB, invadido e saqueado há 12 anos “por grupos de moradores sem-teto”, segundo o noticiário de então.

“É de fazer chorar”, assinalou em seu blog o jornalista Ricardo Noblat, velho companheiro de profissão e de batente no JB (ele na sucursal de Brasília e eu na da Bahia, na era de ouro do jornal da condessa Pereira Carneiro). Palavras buscadas na letra do antológico frevo de Luiz Bandeira, diante da assombrosa imagem do “esqueleto” que restou, do museu fundado há 200 anos pelo imperador D. João VI e que guardava relíquias da história, da arte e da ciência do Rio, do Brasil e da Humanidade.  

Pior são as tentativas de escamotear fatos e evidências, tirar o corpo fora, desenvolver desculpas improvisadas e mal alinhavadas , que ferem a inteligência, para justificar o descaso escandaloso que envergonha mais ainda o Rio e o País diante do mundo. O jogo sórdido e deslavado de palavras, na tentativa de manipulação e utilização política e eleitoral em tempo de campanha presidencial e eleições gerais.  E a ideologização burra e caquética – da esquerda à direita – deste caso de patente omissão e leniência, que cobra investigação séria e profunda da Polícia Federal e punição severa pela admministração pública e pela justiça de responsáveis . Antes de se falar em dar mais dinheiro para gestores boquirrotos e incompetentes, do tipo que se tem revelado Roberto Leher, reitor da UFRJ, instituição pública (transformada em aparelho partidário e ideológico pelo poder dominante, a exemplo de outras universidades federais no país), a quem cabia o zelo e guarda do agora destruído, Museu Nacional.

 No meio dos escombros e assombros (nem se imaginava o esfaqueamento do candidato Jair Bolsonaro durante ato de campanha em Juiz de Fora, nesta quinta-feira), um momento de alívio e grande contentamento: ver na TV o meteorito de Bendegó, que resistiu ao fogo, sendo levado para lugar mais seguro. O pedaço da galáxia que desabou no Nordeste, relíquia científica e histórica que caiu nas terras de Monte Santo, no sertão baiano de Canudos do beato Conselheiro – “um aviso”, no dizer de Glauber Rocha. Um sinal?, pergunto diante do incêndio no museu.

O cronista Rubem Braga escreveu: “Ai de ti, Copacabana, porque a ti chamaram Princesa do Mar, e cingiram tua fronte com uma coroa de mentiras; e destes  risadas ébrias e vãs no seio da noite. Já movi o mar de uma parte e de outra parte, e suas ondas tomaram o Leme e o Arpoador, e tu não vistes este sinal…. Sem Leme, quem te governará?”. Diz agora o jornalista – depois das destruições da sede do JB, e do Museu Nacional: “Ai de ti, nobre e amado bairro de São Cristóvão da cidade do Rio de Janeiro. Tu que fostes casa de poder, morada de reis e imperadores no norte da cidade maravilhosa, quem te salvará nesta hora de abandono, perda e indignação?

Vitor Hugo Soares é jornalista, editor do site blog Bahia em Pauta. E-mail: vitor_soares1@terra.com.br  

Be Sociable, Share!

Comentários

Taciano Lemos de Carvalho on 8 setembro, 2018 at 12:37 #

Únicas peças do acervo Indígena do Museu Nacional estão em Brasília

As peças estão em exposição no Memorial dos Povos Indígenas

http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2018-09/unicas-pecas-do-acervo-indigena-do-museu-nacional-estao-em-brasilia


Vanderlei on 8 setembro, 2018 at 20:24 #

Caro Vitor, o seu texto me remeteu ao tempo da leitura do JB e de ouvir também a Rádio Jornal do Brasil, em morava Juiz de Fora – MG, onde através dos dois veículos de comunicação aprendi ler jornais e ouvir músicas de qualidade. Herança do meu saudoso pai, que comprava o jornal e ouvia a rádio. Até hoje sinto saudades dos dois veículos de comunicação, pois foram formadores da minha intelectualidade. E é por isso que respeito tanto esse seu blog e não deixo de ler todos os dias. Qualidade JB!
Foi através da Rádio JB que soube do assassinato de John Kennedy e depois li tudo sobre o fato, no Jornal do Brasil. Mudei de Juiz de Fora para São Paulo, em 1968, com a minha formação “jornalistica e radiofônica”, moldada no Jornal do Brasil. Coisa que não encontrei, até hoje coisa igual aos dois veículos de comunicação. Sou, ainda, até hoje, um órfão do JB, daquela época. Bahia em Pauta é uma extensão da minha infância e adolescência.


vitor on 8 setembro, 2018 at 20:39 #

Vanderlei

Muito honrosas e confortantes as suas palavras, que agradeço com emoção. Por mim, pelo Bahia em Pauta e Pelo JB, a minha grande escola de jornalismo e de bom gosto. Vejo agora, com grande alegria, que a sua também. Chega mais, que a casa é sua, mais que nunca. Grande e comovido abraço.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos