set
05
  Haddad e sua mulher, Ana Estela, após visitarem Lula na cadeia. Haddad e sua mulher, Ana Estela, após visitarem Lula na cadeia. HEULER ANDREY AFP

Os dois principais institutos de pesquisa do Brasil, o Ibope e o Datafolha, mudaram os planos de divulgação dos resultados de seus levantamentos sobre a corrida presidencial que estavam previstos para ocorrer nesta semana. O Ibope havia feito suas entrevistas entre os dias 1º e 3 de setembro e havia confirmado que noticiaria os resultados nesta terça, mas acabou decidindo pela suspensão da divulgação conforme publicou, primeiramente, a revista digital Crusoé, por causa da situação de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), impugnado como candidato pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) na madrugada de sábado. Ao EL PAÍS, o TSE confirmou oficialmente que o Ibope havia feito um questionamento sobre essa pesquisa, mas o esclarecimento do que havia ocorrido só viria no próprio Jornal Nacional, da TV Globo, onde deveria ser divulgado o levantamento. Segundo nota do Ibope, lida no programa, o instituto fez o registro no dia 29 de agosto prevendo perguntar aos eleitores sobre Lula, mas acabou não usando o questionário que incluía o ex-presidente por causa da derrota do petista na Justiça Eleitoral. Só nesta terça, informou o instituto, o Ibope então questionou o TSE se poderia divulgar o resultado, diferente daquilo que havia sido registrado. O tribunal, seguiu a nota, não havia respondido até então.

O levantamento do Ibope foi contratado também pelo jornal O Estado de S. Paulo. A notícia da suspensão provocou protestos de petistas. Em seu perfil no Facebook, o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), disse em tom de ironia que a suspensão do Ibope foi curiosa. “Não tenho dúvidas: Lula apareceria mais uma vez liderando com folga, pra desespero da direita. A pressão que rolou nos bastidores para anular a divulgação teve dedos poderosos das elites sem voto”.

Já o Datafolha anunciou no site do jornal Folha de S. Paulo, ao qual o instituto é vinculado, que cancelou o registro de sua pesquisa por causa da situação de Lula, agora impedido. Segundo o órgão, a solicitação para realizar o levantamento havia sido feito no dia 31, antes, portanto, do TSE declarar Lula inelegível. Conforme a lei eleitoral, os registros das pesquisas precisam ser feitos em até cinco dias antes da data de divulgação de seus resultados.

Como até a semana passada havia dúvidas se Lula poderia ou não ser candidato (apesar de o PT tê-lo lançado) os institutos de pesquisas costumavam fazer levantamentos com pelo menos dois cenários. Em um no qual Lula era o presidenciável do PT e no outro em que o concorrente era o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad. No primeiro cenário Lula aparecia na liderança, com 37% no Ibope e 39% no Datafolha, seguido de Jair Bolsonaro (PSL – 18% e 19%) e Marina Silva (REDE – 6% e 8%). No outro cenário, Haddad aparece apenas como o quinto colocado (com 4% em ambos institutos) e o líder é Bolsonaro, com 20 % no Ibope e 22% no Datafolha. As pesquisas mais recentes foram publicadas nos dias 20 e 22 de agosto, respectivamente.

Be Sociable, Share!

Comentários

Daniel on 5 setembro, 2018 at 8:58 #

Aí em pergunto: a quem interessou a inclusão do nome do condenado nas pesquisas até aqui? Será que dá pra confiar nessas aferições, sabendo que ele não seria candidato? Não haveria a possibilidade de ser um balão de ensaio para inflar o discurso de “perseguição” da militância?


Lucas Ribeiro on 5 setembro, 2018 at 10:13 #

Exatamente . Até que em fim escrevestes algo correto :inflar o discurso de “perseguição” da militância?
Salve o torturadou USTRA. Idolo do fascista !!!


Daniel on 5 setembro, 2018 at 11:02 #

Não disse. O sujeito, roda, roda, roda, mas volta sempre ao mesmo lugar.

Só Freud explica o fetiche…


Lucas Ribeiro on 5 setembro, 2018 at 11:53 #

E você , nunca explica ou justifica a paixão do fascista pelo USTRA . Rodeia , tergiversa , fala dos ditadores de esquerda e não assume os fatos.


Daniel on 5 setembro, 2018 at 14:12 #

Nunca explico porque não tenho essa paixão inveterada e mal explicada pelo aludido defunto.

Aconselho ida a um psicanalista!


Daniel on 5 setembro, 2018 at 14:32 #

A pergunta que não quer calar permanece:

A quem interessava a inclusão do nome do condenado nas pesquisas??


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos