Resultado de imagem para Edivaldo Boaventura morre em Salvador

Texto e poema publicado nesta quarta-feira, 22, deste dolorido agosto, pelo jornalista e poeta Florisvaldo Mattos, em seu espaço da rede social Facebook, em justo e correto tributo, através de “interlocução pelo Gmail diante da informação sobre a morte do amigo e confrade, Edvaldo Boaventura…escritor de vasta obra literária, biográfica e ensaística e um dos espíritos mais marcantes no campo das realizações culturais em instituições tantas por onde passou ou a que pertenceu”…

Bahia em Pauta reproduz a homenagem de Florisvaldo ao mestre e figura humana referencial que a Bahia acaba de perder. É também (o autor nos permita generosamente) o comovido tributo deste site blog a um de seus grandes inspiradores e amigos do peito. Saudades!!!

(Vitor Hugo Soares, editor do BP)

====================================================

FLORISVALDO MATTOS:

Sentida interlocução que acabo de cometer pelo Gmail diante da informação sobre a morte de um amigo e confrade, que repasso aos amigos do Facebook. Segue abaixo.

Amigos, confrades e confreiras:

Fui hoje cedo surpreendido e logo impactado com a notícia do passamento do amigo e confrade Edivaldo Boaventura, escritor de vasta obra literária, biográfica e ensaística e um dos espíritos mais marcantes no campo das realizações culturais em instituições tantas por onde passou ou a que pertenceu, exemplo de dignidade, sinceridade e fraternidade, em tudo um educador. Conhecemos-nos desde a Faculdade de Direito onde, depois que publiquei poemas na saudosa revista “Ângulos”, me cravou o cordial apelido de Poeta Agrário, com que sempre me saudava, na ALB (Academia de Letras da Bahia), no jornal “A Tarde”, em lugares muitos. Sou-lhe grato por muitas e indefiníveis provas de amizade e afeto. Em 2011, dediquei-lhe um poema inspirado numa vertente menos pública, a de cultor dos prazeres gustativos, destacando-se na corrente de um refinado enólogo. Ei-lo, como foi publicado em meu “Poesia Reunida e Inéditos”, p. 296.

 

Resultado de imagem para Florisvaldo Mattos lança livro em Salvador

 

ENOGASTRONOMIA

A Edivaldo M. Boaventura

Nunca vi arrozais. Vinhedos?
Só de passagem. Sorvi
de olivais lúbricos sabores
(foi possível, degustando,
rearrumar amores, sonhos,
perseguir rastros no silêncio).

Trigais em Van Gogh,
ávidos amarelos vi;
cacauais plenos de luas
douradas, feridos caules
latejando dor e podas,
voraz tumor em ramo e fruto
arde em sangue e memória,
nada num marulho de pés
em chão ocre e oco,
em mãos de tez esquálida.

Deixa em nós todos profunda lacuna afetiva e cultural. Que o grande Edivaldo Boaventura descanse em paz.

Florisvaldo Mattos

 

O que escrevi ontem em meu espaço (e do Bahia em Pauta), no Facebook, ao tomar conhecimento da morte do professor Edivaldo Boaventura, cujo corpo será sepultado nesta quinta-feira, 23, às 15h, no cemitério Jardim da Saudade, em Salvador (Brotas):

“Luto da Bahia educada, estudiosa, gentil, realizadora,bem humorada, grande e modesta: Morreu na madrugada de hoje (22), aos 84 anos, o professor Edivaldo Boaventura, após complicações de uma cirurgia cardíaca. Duas vezes secretário da Educação, fundador da Universidade Estadual da Bahia-UNEB, professor de gerações da UFBA, integrante destacado da Academia de Letras da Bahia, ex-diretor do jornal A Tarde, pai do ator e cantor da Globo,Daniel Boaventura, feirense da melhor cepa e muito mais. Imensamente muito mais, como a história deste baiano que acaba de partir, seguramente registrará para sempre. Enorme sentimento de perda e vazio do Bahia em Pauta a começar por este editor , que teve a honra e o merecimento de ter conhecido, convivido, trabalhado ao seu lado em A Tarde e  dele tendo recebido sempre atenção, acolhimento e respeito profissional e intelectual, além da amizade deste elegante, digno, leal e modesto grande homem que a Bahia acaba de perder. Saudades!!! ( Vitor Hugo Soares).

EM TEMPO: que o canto de seu filho amado, Daniel Boaventura, seja também o nosso tributo nesta quinta-feira da despedida (VHS).

  • DO PORTAL DE NOTÍCIAS TERRA BRASIL/ESTADÃO
  • Yuri Silva
 SALVADOR – O juiz Carlos Cerqueira Júnior, da 6ª Vara Cível e Comercial do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), proibiu em caráter liminar a realização de uma manifestação em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso em Curitiba no âmbito da Operação Lava Jato, durante o III Simpósio Nacional de Combate à Corrupção.

O evento, que será realizado hoje, 23 (quinta-feira) e 24 (sexta-feira) em Salvador, tem como principais palestrantes o juiz da 13ª Vara Criminal de Curitiba, Sérgio Moro, que condenou o petista em primeira instância, e o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, relator dos pedidos de impugnação do registro de candidatura do ex-presidente.

A proibição do juiz baiano de primeira instância foi solicitada pelo Condomínio Shopping Barra, empresa responsável por administrar o centro comercial onde o evento será realizado. Uma multa diária de R$ 100 mil foi fixada para o caso de descumprimento da liminar.

O pedido para impedir o protesto aconteceu após simpatizantes de Lula realizarem, na semana passada, um ‘trompetaço’ no shopping – ato político com bandas de instrumentos de sopro e percussão cantando jingles antigos de Lula e palavras de ordem.

O simpósio é promovido pela seção baiana da Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF-BA) e também terá a presença do ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Rogério Schietti.

De acordo com trecho da decisão, ficam proibidos “quaisquer tipos de atos de tumulto, vandalismo, violência, agressões ruidosas, lançamentos de objetos, ameaça, protesto, sedição, conturbação, desordem e repúdio violento, interdição de ruas, passagens, trânsito de veículos e tráfego de pessoas, no interior das dependências do shopping, e fora delas, por ocasião do III Simpósio Nacional de Combate à Corrupção, programado para acontecer nos dias 23 e 24 dos correntes mês e ano, sob pena de desobediência à ordem judicial”.

Em nota assinada pelo Fórum de Movimentos Sociais de Salvador, os organizadores do ato classificaram como “um absurdo completo, um desrespeito total ao direito de expressão” a decisão judicial. Os organizadores afirmam que já recorreram da decisão e mantém o ato.

O comunicado, no qual o juiz Sérgio Moro é chamado de “correligionário do PSDB”, diz ainda que “a decisão do magistrado baiano representa justamente o que a manifestação pretende denunciar: o autoritarismo do Judiciário brasileiro, que tem colocado em xeque o Estado Democrático de Direito, nestes tempos sombrios”.

De acordo com a nota divulgada pelo movimento, a manifestação durante o simpósio visava denunciar “o vergonhoso auxílio moradia para juízes e procuradores” e “a partidarização do judiciário, que permanentemente persegue os partidos de esquerda”. “O estado de exceção posto em prática pela República de Curitiba a serviço de Michel Temer não vai intimidar aqueles que lutam pela liberdade e pela democracia”, finalizam os organizadores no texto.

ago
23
 
Fernando Haddad grava um vídeo de campanha em frente à superintendência da Polícia Federal onde Lula está preso.
Fernando Haddad grava um vídeo de campanha em frente à superintendência da Polícia Federal onde Lula está preso. Rodolfo Buhrer REUTERS

Com o crescimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas pesquisas de opinião, o PT inicia a corrida eleitoral tentando descobrir a solução para uma equação que deve se tornar uma verdadeira obsessão dos dirigentes do partido nas próximas semanas: Fernando Haddad, vice na chapa petista e substituto de Lula caso a Justiça Eleitoral barre a sua candidatura, conseguirá herdar votos suficientes do seu padrinho político para chegar ao segundo turno?

As três sondagens divulgadas após o início oficial da campanha trouxeram dados divergentes sobre o poder de transferência de Lula, que chega ao patamar de 37% das intenções de voto tanto no levantamento da Confederação Nacional do Transporte (CNT) quanto na do Ibope; no Datafolha, desta quarta, ele alcança 39%. Na da CNT, 17,3% dos que manifestaram voto no ex-presidente disseram que, se ele for impedido de concorrer, passariam a apoiar Haddad (é importante destacar que a pergunta não mencionava que o ex-prefeito de São Paulo seria apoiado por Lula). Isso coloca Haddad com cerca de 6,5% da preferência do eleitorado, um ponto de partida frustrante para as ambições da legenda de reconquistar o Palácio do Planalto. No Datafolha mais recente, no entanto, que questionou se os pesquisados votariam em um candidato apoiado por Lula, 48% disseram “não”, enquanto 31% afirmaram que “sim” e outros 18% que “talvez” —num cenário sem Lula, Haddad, entretanto, aparece com apenas 4% das intenções de voto, empatado num distante quinto lugar com Álvaro Dias (Podemos).

A do Ibope, por outro lado, associou Lula diretamente a Haddad em uma das perguntas. Se o ex-presidente for tirado da disputa e declarar apoio a seu vice, 13% dos entrevistados afirmaram que votariam em Haddad “com certeza” — outros 14% disseram que “poderiam votar” nele. Longe de ser um começo ruim para quem ainda é desconhecido de boa parte do eleitorado, o levantamento trouxe, entretanto, um dado que preocupa para o PT. No mesmo item, quando os entrevistados são perguntados sobre o que fariam se a candidatura de Lula for impugnada, 60% afirmaram que “não votariam em Haddad de jeito nenhum”.

“A gente não consegue mensurar muito bem ainda a força de transferência de votos”, avalia Marco Antonio Teixeira, cientista político da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Segundo o especialista, as formas diferentes como os questionários foram formulados, por exemplo, influenciam nos resultados divergentes. “Ela [a força de transferência de votos] só vai ficar clara quando a candidatura de Lula não existir”, argumenta.

Lula foi preso em abril no âmbito da operação Lava Jato, condenado em segunda instância por, segundo a Justiça, ter aceitado um tríplex no Guarujá como propina de uma empreiteira. Por isso, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deve declarar Lula inelegível com base na Lei da Ficha Limpa, mas desde a prisão do ex-presidente o PT redobrou a aposta na candidatura do seu maior líder. Não que os aliados de Lula acreditem numa reviravolta no Judiciário que libere a candidatura do ex-presidente no último instante, mas apostam que a estratégia de insistir no capital político (e na vitimização) de Lula surtirá resultados. Para se ter uma ideia, no Ibope divulgado nesta segunda, o ex-presidente reúne 47% dos votos válidos, um desempenho que, para qualquer postulante sem os obstáculos legais no caminho do ex-mandatário, significaria chances reais de levar o pleito ainda no primeiro turno.

A expectativa, neste momento, é que o Tribunal Superior Eleitoral julgue o registro de Lula até o final deste mês, portanto antes do início do horário eleitoral gratuito, em 31 de agosto.

“Fato acachapante”

As reações de petistas ouvidos pelo EL PAÍS às pesquisas têm ido em duas direções. Primeiro, dizem que o potencial de transferência medido pelo Ibope, de 13%, é positivo neste momento. Segundo, minimizam a alta parcela de entrevistados que, caso Lula seja impedido de concorrer e declare apoio a Haddad, disseram que não votariam no ex-prefeito paulistano “de jeito nenhum”. “Essa pergunta mostra um cenário em que o Lula só transfere a rejeição para o Haddad, o que não é crível”, avalia o ex-presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia. “Eu acho um número estranho, a rejeição ao Haddad não é tão alta. De qualquer forma, a rejeição é trabalhada durante a campanha e é uma questão que importa muito mais no segundo turno”, complementa um ex-ministro petista.

Existe entre as lideranças do PT a avaliação de que qualquer estimativa do real poder de transferência de votos é quase impossível de ser feita a esta altura. Trata-se de algo que vai depender, dizem, dos efeitos da campanha de comunicação que a sigla prepara para associar Haddad a Lula; da forma como o ex-prefeito poderá aparecer nos primeiros programas de rádio e tevê, caso a impugnação não ocorra antes do horário eleitoral; e, inclusive, do quanto o partido conseguirá adiar a troca lembrando que o prazo final para a substituição de candidato é 17 de setembro. 

Um parlamentar argumenta, por exemplo, que o potencial de migração de votos só será “mensurável” quando o “fato político se impuser”. “O fato em si [a impugnação de Lula e a sua substituição] será acachapante. É óbvio que o potencial real só será medido com o fato concreto em si, se ele vier a ocorrer”, diz.

Até lá, o Q.G. da campanha Lula-Haddad corre contra o tempo para tornar o ex-prefeito de São Paulo mais conhecido e, principalmente, para colar sua imagem na do ex-presidente. Foi publicado nesta terça nas redes do partido um vídeo em que Haddad, em meio a cenas do comício que o ex-presidente improvisou horas antes da sua prisão em abril, é apresentado como “vice-presidente do Lula”. Na peça, Haddad afirma que andará por todos os cantos do Brasil levando “as ideias e sonhos” do líder petista.

Não por acaso, a largada desse esforço de tornar Haddad conhecido começou pelo Nordeste, que se consolidou como o maior bastião de votos do partido nas últimas eleições presidenciais. Depois de desembarcar no Piauí, Haddad passou esta terça-feira em Salvador, de onde seguirá para Paraíba, Rio Grande do Norte e Maranhão. Na semana seguinte, nova investida, dessa vez por Pernambuco, Ceará e Alagoas.

A aposta do PT pelo Nordeste encontra eco nos dados do Ibope. Quando perguntados o que fariam caso Lula, uma vez impedido, declarasse seu apoio a Haddad, o número de entrevistados da região que dizem que votariam no ex-prefeito paulistano “com certeza” sobe quase dez pontos percentuais em relação à média do Brasil: vai para 22%. “Quando a coisa for consumada [a impugnação do Lula] o Haddad precisa estar mais conhecido. Então ele está dando aquele rolé pelo Nordeste”, brinca um dirigente do PT da Bahia.

O cenário altamente atípico das eleições atuais (o líder das sondagens preso e virtualmente inelegível, cujo capital político, segundo as atuais pesquisas, se converte em votos brancos, nulos e se fragmenta em maior ou menor grau entre quatro candidatos) faz com que a equação crucial deste pleito esteja longe de ser resolvida. A única certeza é que será uma aposta de alto risco para o PT. Até o momento, o o partido parece disposto a levá-la adiante.

ago
23
Posted on 23-08-2018
Filed Under (Artigos) by vitor on 23-08-2018



 

Sinovaldo, no (RS)

 

ago
23
Posted on 23-08-2018
Filed Under (Artigos) by vitor on 23-08-2018

Juiz proíbe ato lulista em evento com Moro

 

O juiz Carlos Cerqueira Júnior, da 6ª Vara Cível e Comercial do Tribunal de Justiça da Bahia, proibiu em caráter liminar a realização de um ato em defesa de Lula durante evento marcado para amanhã e sexta-feira, em Salvador, com a presença de Sergio Moro, informa o Broadcast Político, do Estadão.

A medida foi solicitada pelo Condomínio Shopping Barra, empresa responsável por administrar o centro comercial onde será realizado o evento.

Uma multa diária de 100 mil reais foi fixada para o caso de descumprimento da liminar.

  • Arquivos