Resultado de imagem para O Capoeirista Mario Cravo Jr Museu
Resultado de imagem para Mario Cravo Jr morre em Salvador

CRÔNICA/DESPEDIDA

O Parceiro

Gilson Nogueira

 

Os blocos de nuvens avermelhadas parecem refletir   o fogo do maçarico do maior artista plástico do Brasil e um dos maiores do mundo, no seu atelier, lá no Alto de Ondina, onde fui, com o seu amigo Alfredinho, também artista, mostrar alguns guaches que havia produzido para um salão de arte moderna em Brasília, no início dos anos 70. As nuvens de fim de tarde dão-lhe adeus em meu nome e preparam a passagem dele para a Eternidade. Anunciam, penso, sob os olhares de admiração dos anjos, sua chegada no Infinito, silenciosamente. Logo mais, vai haver a Primeira Vernissage do Firmamento, sob o Patrocínio de Deus. Mário Cravo Júnior, assim, por extenso, como pede o cronista que teve o privilégio de conhece-lo pelas ruas da Cidade da Bahia, vendo, nele, mais que um escultor, pintor, professor, intelectual… uma estrela em carne e osso, estará nos olhando lá do alto e agradecendo as homenagens à sua partida e inspirando os que ficaram a valorizar, cada vez mais, os homens e mulheres que, através da arte, escreveram e escrevem a síntese da paz. Arte é a paz, sob qualquer ângulo, forma, perspectiva e material que dê-lhe sentido, vida.

Perco, como a Humanidade, uma referência artística de toda a vida e fico, assim, sem entender como poderá ser a Cidade da Bahia sem ele, a pensar, a ensinar, a produzir, a inspirar, ao vivo, a arte em seu estado divinal! E, aqui, vendo o crepúsculo dar lugar ao breu, invade-me uma vontade enorme de sentar com ele em volta daquela piscina, de novo, no transcorrer dos anos de boemia, para sorrir com arte. E que saudade daquele encontro próximo ao Shopping Barra, não lembro o ano, quando o cumprimentei, emocionado, dizendo-lhe que havia visto e tocado, com o coração, uma escultura em ferro, com um palmo de altura, denominada  O Capoeirista, no Museu da Chácara do Céu, no alto do bairro de Santa Thereza, na cidade do Rio de Janeiro. Pois é, nada acontece por acaso. Aquele sujeito dando um rabo de arraia, em cima daquela mesa, deve, agora, ter saído de lá para saudar a Chegada do Parceiro.”Saravá, Marão!!!”
 
Gilson Nogueira é jornalista, colaborador da primeira hora do BP

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos