jun
11
Postado em 11-06-2018
Arquivado em (Artigos) por vitor em 11-06-2018 00:37

Pesquisa do Instituto Datafolha que foi divulgada neste domingo (10) mostra que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva segue na liderança das intenções de voto para presidente em 2018, com 30%. Em segundo também continua Jair Bolsonaro (PSL), com 17%. Marina Silva (Rede) soma 10%, Geraldo Alckmin, 6%, assim como Ciro Gomes (PDT). 

A pesquisa mostra ainda que 30% dos eleitores dizem que votariam com certeza num candidato indicado por Lula, e 17% dizem que talvez o fariam. Entretanto, 51% afirmam que o apoio do petista os levariam a rejeitar um candidato.

Lula segue na liderança das intenções de voto para presidente

O PT ainda mantém a pré-candidatura do ex-presidente Lula, mesmo ele estando preso há mais de dois meses na carceragem da Polícia Federal de Curitiba. Apesar do apoio de 30% a um candidato indicado pelo petista, os dois nomes mais cotados no PT para a empreitada, o ex-prefeito Fernando Haddad e o ex-governador Jaques Wagner não ultrapassaram 1% nessa pesquisa Datafolha.

Nessa mostra, cerca de 1/3 dos entrevistados afirmaram que Lula deveria apoiar a candidatura de seu ex-ministro Ciro Gomes (PDT), caso seja mesmo impedido pela Justiça de concorrer nas eleições presidenciais de outubro deste ano.

Num contraponto ao porcentual que um candidato pode ter neste pleito, caso tenha o apoio do petista, o Datafolha mostra que uma indicação do presidente Michel Temer (MDB) levaria 92% dos eleitores a não votarem em um candidato. Já o apoio do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) levaria 65% dos eleitores a rejeitarem um candidato.

A mais recente pesquisa Datafolha, realizada entre os dias 6 (quarta-feira) e 7 (quinta-feira) deste mês, teve como base 2.824 entrevistas em 174 municípios em todos os Estados do País, mais Distrito Federal. A margem de erro é de 2 pontos porcentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%. A pesquisa está registrada no TSE sob número BR-05110/2018.

VEJAM OS RESULTADOS

Cenário 1 (Se Lula for candidato)

Lula (PT): 30%

Jair Bolsonaro (PSL): 17%

Marina Silva (Rede): 10%

Geraldo Alckmin (PSDB): 6%

Ciro Gomes (PDT): 6%

Alvaro Dias (Podemos): 4%

Manuela D’Ávila (PC do B): oscila entre 1% e 2%

Rodrigo Maia (DEM): oscila entre 1% e 2%

Aldo Rebelo (SDD): oscila entre 0% e 1%

Fernando Collor de Mello (PTC): oscila entre 0% e 1%

Flávio Rocha (PRB): oscila entre 0% e 1%

Guilherme Afif Domingos (PSD): oscila entre 0% e 1%

Guilherme Boulos (PSOL): oscila entre 0% e 1%

Henrique Meirelles (MDB): oscila entre 0% e 1%

João Amoêdo (Novo): oscila entre 0% e 1%

João Goulart Filho (PPL): oscila entre 0% e 1%

Josué Alencar (PR): oscila entre 0% e 1%

Levy Fidelix (PRTB): oscila entre 0% e 1%

Paulo Rabello de Castro (PSC): não alcança 1% em nenhum cenário

Sem candidato: 21%

Cenário 2 (Se o PT lançar Fernando Haddad no lugar de Lula)

Jair Bolsonaro (PSL): 19%

Marina Silva (Rede): 15%

Ciro Gomes (PDT): 10%

Geraldo Alckmin (PSDB): 7%

Alvaro Dias (Podemos): 4%

Fernando Haddad (PT): 1%

Sem candidato: 33%

Cenário 3 (Se o PT lançar Jaques Wagner no lugar de Lula)

Jair Bolsonaro (PSL): 19%

Marina Silva (Rede): 14%

Ciro Gomes (PDT): 10%

Geraldo Alckmin (PSDB): 7%

Alvaro Dias (Podemos): 4%

Jaques Wagner (PT): 1%

Sem candidato: 33%

Cenário 4 (Se o PT ficar fora da eleição):

Jair Bolsonaro (PSL): 19%

Marina Silva (Rede): 15%

Ciro Gomes (PDT): 11%

Geraldo Alckmin (PSDB): 7%

Alvaro Dias (Podemos): 4%

Sem candidato: 34%

Cenário 1 (se Lula for candidato e chegar ao 2º turno):

Lula (PT): 49%

Jair Bolsonaro (PSL): 32%

Branco/nulo: 17%

Não sabe: 1%

Cenário 2 (se Lula for candidato e chegar ao 2º turno):

Lula (PT): 49%

Alckmin (PSDB): 27%

Em branco/Nulo: 22%

Não sabe: 1%

Cenário 3 (se Lula for candidato e chegar ao 2º turno):

Lula (PT): 46%

Marina (Rede): 31%

Em branco/Nulo: 21%

Não sabe: 1%

Cenário 4 (se o PT lançar Fernando Haddad no lugar de Lula):

Alckmin (PSDB): 36%

Haddad (PT): 20%

Em branco/Nulo: 40%

Não sabe: 4%

Cenário 5 (se o PT lançar Fernando Haddad no lugar de Lula):

Bolsonaro (PSL): 36%

Haddad (PT): 27%

Em branco/Nulo: 34%

Não sabe: 3%

Cenário 6 (se o PT lançar Fernando Haddad no lugar de Lula):

Ciro (PDT): 38%

Haddad (PT): 19%

Em branco/Nulo: 38%

Não sabe: 4%

Cenário 7 (Sem Lula)

Ciro (PDT): 32%

Alckmin (PSDBB): 31%

Em branco/Nulo: 34%

Não sabe: 3%

Cenário 8 (Sem Lula)

Marina (Rede): 42%

Alckmin (PSDB): 27%

Em branco/Nulo: 29%

Não sabe: 2%

Cenário 9 (Sem Lula)

Alckmin (PSDB): 33%

Bolsonaro (PSL): 33%

Em branco/Nulo: 32%

Não sabe: 3%

Cenário 10 (sem Lula)

Marina (Rede): 42%

Bolsonaro (PSL): 32%

Em branco/Nulo: 24%

Não sabe: 2%

Cenário 11 (sem Lula)

Ciro (PDT): 36%

Bolsonaro (PSL): 34%

Em branco/Nulo: 28%

Não sabe: 3%

Cenário 12 (sem Lula)

Marina (Rede): 41%

Ciro (PDT): 29%

Em branco/Nulo: 28%

Não sabe: 2%

Influência

30% dizem que votariam em candidato indicado por Lula.

17% dizem que ‘talvez’ votariam em candidato indicado por Lula

51% dizem que rejeitariam em candidato indicado por Lula

65% dizem que rejeitariam candidato indicado por Fernando Henrique Cardoso

92% dizem que rejeitariam candidato indicado por Michel Temer

Be Sociable, Share!

Comentários

Daniel on 11 junho, 2018 at 18:17 #

Mais uma vez segue a mantra para o qual não há respostas: qual é o sentido em incluir o nome de Lula – que não será candidato – em uma pesquisa presidencial?? Que tipo de interesses estão por trás disso?


Daniel on 11 junho, 2018 at 20:48 #

Lucas Ribeiro on 11 junho, 2018 at 21:40 #

Lucas Ribeiro on 11 junho, 2018 at 22:02 #

Taciano Lemos de Carvalho on 12 junho, 2018 at 17:31 #

Assim falava Bolsonaro: “A utilidade do pobre é votar. Título de eleitor na mão e diploma de burro no bolso”

Mas, para os que sustentam ser Jair Bolsonaro um novo Adolf Hitler, a Folha de S. Paulo forneceu excelente munição nesta 3ª feira (12), com a notícia Bolsonaro defendeu esterilização dos pobres para combater miséria e crime, de autoria de Ranier Bragon.

Trata-se de uma compilação de opiniões e iniciativas do presidenciável brasileiro que certamente arrancariam aplausos entusiásticos do führer alemão.

São simplesmente odiosas. Evidenciam quão sinistro é o personagem que, na tentativa de se tornar palatável para os poderosos da economia, ora está moderando sua retórica tradicionalmente chocante. É sua fase lobo em pele de cordeiro.

http://www.gamalivre.com.br/2018/06/assim-falava-bolsonaro-utilidade-do_12.html


Daniel on 12 junho, 2018 at 21:11 #

Ainda bem que o colega afirmou, antecipadamente, que o dito jornal tenta de todo modo traçar a pecha de capiroto, belzebu em forma de gente e chaga social sobre o referido candidato…

Isso explica muita coisa! rsrs


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos