Do Jornal do Brasil

 

O teólogo Leonardo Boff foi à Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, nesta segunda-feira (7), para visitar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, após uma tentativa frustrada no dia 19 de abril. 

Segundo o teólogo, o ex-presidente garantiu que não deixará a corrida eleitoral — a não ser que o Partido dos Trabalhadores queira. “O Lula me disse: ‘Sou candidatíssimo’. Só irá renunciar à candidatura no dia em que o juiz Sérgio Moro trouxer uma única prova de que ele é dono do triplex”.

Boff também reiterou que Lula quer voltar ao poder para “radicalizar o projeto de dignificação, de cidadania” das camadas mais pobres da sociedade. Ainda de acordo com o teólogo, o ex-presidente está na cadeia por conta das políticas sociais do PT. “[Eles querem] pôr em xeque projeto que tem dimensão social inegável”.

Leonardo Boff comparou a prisão de Lula com o cárcere dos líderes Mahatma Gandhi e Nelson Mandela. “Essa é uma passagem como a de Gandhi, como a de Mandela, que foram presos em benefício da humanidade”, salientou. 

Leonardo Boff visitou Lula em Curitiba

O teólogo disse ter pedido ao ex-presidente para que fizesse “uma viagem para dentro do seu coração”. Segundo Boff, Lula ficou emocionado quando conversaram sobre a matriarca da família da Silva, Dona Lindu, que morreu em 1980. 

“Ele quase chorou quando falamos sobre Dona Lindu. Disse que vai rezar todos os dias para a mãe, que está mais perto de Deus”, destacou. Boff ainda frisou que o ex-presidente está lendo bastante — inclusive livros que tratam da espiritualidade. Atualmente, Lula lê “O Senhor é meu pastor”, do teólogo.

Na quinta-feira, 19 de abril, Leonardo Boff esperou por horas para poder visitar o amigo de quatro décadas, sem sucesso. 

Be Sociable, Share!

Comentários

Daniel on 8 Maio, 2018 at 2:31 #

Incrível como parte da mídia ainda romantiza a fraude intelectual e de caráter do Leonardo Boff e, de modo abjeto, a figura indigna do criminoso presidiário.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos