abr
10
Postado em 10-04-2018
Arquivado em (Artigos) por vitor em 10-04-2018 00:20

A deputada estadual Manuela D’Ávila (PCdoB-RS) foi provocada por um homem que declarou apoio para o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ), também pré-candidato ao Planalto, enquanto participava de um ato em apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Curitiba.

Após falar a manifestantes e conceder uma entrevista coletiva à imprensa em frente ao local onde Lula está preso, um homem pediu para tirar uma foto com Manuela. Ao se posicionar para a selfie, ele falou: “Aqui com a pré-candidata Manuela D’Ávila. Bolsonaro 2018”, saindo em seguida.

Diante do episódio, a deputada insistiu com a Polícia Militar para entrar no prédio da Polícia Federal e pedir esclarecimentos sobre a identificação do “agressor”, como ela classificou o homem. A preocupação, disse, é que ele possa ser um agente da PF, pois teria sido escoltado pela PM para dentro do prédio da Polícia Federal depois do episódio. “Nenhum homem tem direito de tocar no meu corpo”, afirmou.

Mais tarde, a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), disse que o homem foi identificado como sendo da Polícia Civil. “Não sabemos se é agente ou delegado, aqui do Paraná”. Informações dão conta de ele se chamaria Karlindo.

Manuela  afirmou que vai formalizar uma denúncia judicial para identificar quem a provocou

Manuela, o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) e o deputado Paulo Pimenta (PT-RS) entraram no local e pediram uma audiência com a Superintendência do órgão, mas foram atendidos por um agente responsável pela segurança, conforme relataram.

Ao sair do prédio, a pré-candidata afirmou que vai formalizar uma denúncia judicial para identificar quem a provocou. “Como alguém entra, provoca e é escoltado para sair?”, questionou. “O meu problema é saber quem é o agressor, como ele tem trânsito livre e entra na PF diante de uma situação concreta” Ela afirmou que a PF precisa ter pressa em identificá-lo diante da preocupação com a segurança de Lula. “É só essa a preocupação”, falou.

Lindbergh e Pimenta acrescentaram que é preciso esclarecer eventuais riscos à segurança de Lula na carceragem. “A gente está preocupado com a segurança do presidente Lula, a gente quer saber o que ele está comendo, o que ele bebe. O que a gente quer esclarecer e descartar é a possibilidade que seja alguém que trabalha aqui dentro”, afirmou Lindbergh.

A Polícia Federal ainda não havia se pronunciado sobre o episódio até a publicação desta materia.

Presidenciável publicou a foto do homem que a provocou no Facebook

Apoio

No ato de apoio a Lula, Manuela e os senadores convocaram a militância a soltar gritos de apoio em direção ao prédio onde Lula está e disseram que haverá uma mobilização permanente enquanto o ex-presidente estiver na prisão.

Há expectativa de que pelo menos sete governadores do Nordeste venham a Curitiba nesta terça-feira, 10, para prestar solidariedade a Lula. Os aliados tentam negociar com a PF a possibilidade de o ex-presidente receber visitas políticas.

Be Sociable, Share!

Comentários

Daniel on 10 Abril, 2018 at 18:16 #

Taí um caso concreto em que uma deputada age como o mais deletério e tenebroso modus operandi do fascismo: identificar, fichar, perseguir, punir e linchar aquele que o põe em cheque.

O cidadão não cometeu qualquer tipo de crime, apenas posou para foto e disse uma frase que a tal deputada odeia. O resto é a busca tresloucada por inventar formas de punir um cidadão que apenas a colocou em saia justa. E pior, utilizando o aparato do estado para isso!!

Imagine se Bolsonaro tivesse a mesma atitude que essa senhor a teve, ao tentar criar uma caçada de ódio a quem ousou colocá- lo em maus lençóis? Com certeza essa mesma reportagem estaria fazendo matérias sobre o caráter “autoritário, fascista e nazista” do candidato…

Enquanto isso, esses mesmos ativistas delinquentes dizem que não foi agressão o tapa no rosto que o desequilibrado Ciro Gomes deu em um youtuber.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos