abr
04
Postado em 04-04-2018
Arquivado em (Artigos) por vitor em 04-04-2018 00:35

DO PORTAL TERRA BRASIL

De nada adiantaram os apelos da presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, por serenidade e respeito às decisões do Judiciário: qualquer que seja o resultado do julgamento do habeas corpus de Luiz Inácio Lula da Silva, marcado para esta quarta-feira (4), um clima de convulsão política tomará conta do país.

Avenida Paulista, em São Paulo

 Avenida Paulista, em São Paulo
Foto: Roberto Sungi / Futura Press

Isso já ficou claro nesta terça (3), quando milhares de manifestantes pró-Lava Jato romperam seu dogma de não protestar em dias de semana e foram às ruas de dezenas de cidades brasileiras para pedir a prisão do ex-presidente da República.

Avenida Paulista, em São Paulo

 Avenida Paulista, em São Paulo
Foto: Júlio Zerbatto / Futura Press

Os atos foram convocados por diversos grupos, como o Movimento Brasil Livre (MBL), hoje ligado ao Democratas (DEM), e o Vem Pra Rua. Embalados pelo hino nacional e pelo verde e amarelo da bandeira do Brasil, os manifestantes gritaram palavras de ordem contra Lula e em defesa da Lava Jato e exibiram bonecos representando o ex-presidente como presidiário.

Os protestos tinham um objetivo: pressionar o STF a não rever seu próprio entendimento que permite a prisão de condenados em segunda instância, ainda que haja possibilidade de recursos nos tribunais superiores.

Avenida Paulista, em São Paulo

 Avenida Paulista, em São Paulo
Foto: Renato S. Cerqueira / Futura Press

A Constituição Federal diz que “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”, mas o próprio Supremo já autorizou o cumprimento da pena após o julgamento em segundo grau.

É o caso de Lula, sentenciado a 12 anos e um mês de prisão pelo Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF-4), que aumentou os nove anos e meio que haviam sido impostos em primeira instância por Sérgio Moro.

No entanto, o ex-presidente entrou com um habeas corpus preventivo no STF para evitar sua prisão imediata, que o tiraria não apenas das eleições de 2018, fato já previsto pela Lei da Ficha Limpa, mas também do papel de cabo eleitoral do futuro candidato do PT.

Copacabana, Rio de Janeiro
Copacabana, Rio de Janeiro

Foto: Alessandro Buzas / Futura Press

Liminar

Na semana passada, ao perceber que não conseguiria terminar o julgamento do habeas corpus, o Supremo adiou a sessão para esta quarta-feira e concedeu uma liminar que impede a prisão do ex-presidente enquanto o caso não for analisado.

Acredita-se que os ministros Marco Aurélio, Celso de Mello, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes votem contra a detenção após a segunda instância, enquanto Edson Fachin, Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux e a presidente da Corte, Cármen Lúcia, devem ficar contra.

O fiel da balança pode ser Rosa Weber, cuja posição ainda é uma incógnita, embora ela tenha votado a favor da liminar em benefício de Lula e já tenha ficado contra a prisão após segunda instância no passado.

Be Sociable, Share!

Comentários

Daniel on 4 Abril, 2018 at 11:53 #

Em plena noite de terça- feira, sem distribuição de mortadela, sem caravanas patrocinadas por sindicatos e organizações paraestatais, sem arregimentação de militantes pagos, sem bandeiras vermelhas, coletes e balões de partidos políticos, tivemos manifestações surpreendentes pela grande participação da população. Consequência direta da indignação diante do momento pernicioso que vivemos, em que um chefe de quadrilha, que provoca animosidades por onde passa e condenado em duas instâncias, pode receber salvo conduto da maior corte judicial do país.

Um equívoco da reportagem: o MBL não é ligado ao Democratas. Apenas alguns nomes do grupo se filiaram ao partido para que possam concorrer às eleições desse ano.


Daniel on 4 Abril, 2018 at 11:54 #

Em plena noite de terça- feira, sem distribuição de mortadela, sem caravanas patrocinadas por sindicatos e organizações paraestatais, sem arregimentação de militantes pagos, sem bandeiras vermelhas, coletes e balões de partidos políticos, tivemos manifestações surpreendentes pela grande participação da população. Consequência direta da indignação diante do momento pernicioso que vivemos, em que um chefe de quadrilha, que provoca animosidades por onde passa e condenado em duas instâncias, pode receber salvo conduto da maior corte judicial do país.

Um equívoco da reportagem: o MBL não é ligado ao Democratas. Segundo consta, apenas alguns nomes do grupo se filiaram ao partido para que possam concorrer às eleições desse ano.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • Abril 2018
    S T Q Q S S D
    « mar    
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    30