Para a desembargadora Marília de Castro Neves Vieira, da 20ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, o líder negro Zumbi dos Palmares é um “mito inventado”, que serviria para “estimular um racismo que o Brasil até então não conhecia”. A magistrada, que ganhou os holofotes ao escrever no Facebook mentiras sobre a vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada no dia 14, coleciona posts de cunho machista e homofóbicos na rede social. Sobre o fundador do quilombo dos Palmares, o maior do Brasil, Vieira afirma que “talvez o povo entenda que investir na educação não é (…) inventar mitos históricos como Zumbi para estimular um racismo que o Brasil até então não conhecia”.

Nesta terça-feira o PSOL entrou com outra representação contra ela – a primeira foi pela difamação de Marielle. Desta vez o partido acionou o Conselho Nacional de Justiça contra a desembargadora por, em outra postagem, ter sugerido, em dezembro de 2015, o fuzilamento do deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ), único parlamentar homossexual assumido do Congresso. O CNJ acatou o pedido e anunciou que está abrindo procedimento para averiguar os fatos relativos às postagens sobre a veradora Marielle.

Sobre o deputado Jean Willys, em uma postagem Vieira afirma que ela, “particularmente”, é “a favor de um “paredão” profilático para determinados entes… O Jean Willis (sic), por exemplo, embora não valha a bala que o mate e o pano que limpe a lambança, não escaparia do paredão”. Um seguidor comenta que o deputado “gostaria” de ser fuzilado se pudesse “ficar de costas”, ao que a desembargadora responde de forma homofóbica, dizendo ter dúvidas, uma vez que “o projétil é fininho”.

Em outra postagem a juíza dispara contra a Lei Maria da Penha, considerada uma das legislações mais importantes já aprovada no país para o enfrentamento da violência contra a mulher. Estima-se que a Lei tenha evitado até 250.000 mortes. “Até onde se sabe, numericamente somos [as mulheres] maioria, o que não impede a politicamente correta Lei Maria da Penha de ser covardemente utilizada contra o homem nas relações conjugais – ou semelhante”, escreve Vieira.

Marília de Castro Neves Vieira também escreveu sobre assédio sexual e direitos das minorias. “Sinceramente, não aguento mais ler palavras de ordem do tipo: assédio sexual, direitos das minorias, inclusão social, social democracia…. Assédio sexual é o que??? Paquera no trabalho???? Francamente!!!! Será que não temos nada mais importante pelo que lutarmos???? Uma pia de louça para lavarmos???”, diz a postagem.

Em um grupo fechado do Facebook intitulado “Juízes”, Vieira debochou de pessoas com síndrome de Down. A desembargadora diz ter ouvido no rádio que “o Brasil é o primeiro país a ter uma professora portadora de síndrome de down!!!”. Ela continua: “Aí me perguntei: o que será que essa professora ensina a quem (sic)???? Esperem um momento que fui ali me matar e já volto, tá?”.

A Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down divulgou nota de repúdio à desembargadora por seu “preconceito” com relação às pessoas com Down. “Não obstante essa árdua luta que visa mudar os paradigmas sociais e culturais mediante novos valores que reconhecem a dignidade humana, nos deparamos com comentários feitos por pessoa cujo exercício da nobre função de magistrada, desce ao mais baixo nível”, diz o texto.

 Fake news sobre Marielle

Durante o final de semana a desembargadora escreveu um post que viralizou na rede. Eram mentiras sobre a vereadora assassinada. Na mensagem, Vieira afirmou que Marielle “estava engajada com bandidos” e “não era apenas uma lutadora”. Ainda de acordo com ela, “a tal Marielle descumpriu ‘compromissos’ assumidos com seus apoiadores”, supostamente do Comando Vermelho , e por isso foi morta.

Após a polêmica envolvendo seu post com mentiras sobre Marielle a desembargadora divulgou nota, na qual afirmou que se precipitou ao divulgar informações que teria lido em uma postagem no Facebook. “A conduta mais ponderada seria a de esperar o término das investigações, para então, ainda na condição de cidadã, opinar ou não sobre o tema”, diz o texto. “Reitero minha confiança nas instituições policiais, esperando, como cidadã, que este bárbaro crime seja desvendado o mais rápido possível. Independentemente do que se conclua das investigações, a morte trágica de um ser humano é algo que se deve lamentar e seus algozes merecem o absoluto rigor da lei”.

Em nota, a CNJ explica que tanto o PSOL como a Associação de Juristas para a Democracia “entraram no CNJ com duas representações contra a magistrada. Em relação às postagens feitas pela desembargadora Marília Neves em redes sociais sobre a atuação de uma professora portadora da Síndrome de Down, o corregedor nacional [João Otávio de Noronha] determinou a abertura de Pedido de Providências e será concedido prazo para que a desembargadora se manifeste a respeito.”

Be Sociable, Share!

Comentários

Daniel on 21 Março, 2018 at 21:20 #

É interessante quando a militância fala em “sociedade” e a ofendida é a própria militância…

Acusar ligação da vereadora com o tráfico não pode, mas acusar sistematicamente a polícia de assassinato pode. Haja cinismo!


Taciano Lemos de Carvalho on 22 Março, 2018 at 18:48 #

Justiça do DF condena padre que usou fake news contra o deputado federal Jean Wyllys. Foi falar besteira em rede de TV, dançou.

O padre alegou que pegou a notícia do Facebook de alguém.

Sentença bem fundamentada. O juiz se referiu também ao caso da desembargadora que espalhou mentira na internet.

R$15 mil é o valor da indenização.


Taciano Lemos de Carvalho on 22 Março, 2018 at 18:50 #

Daniel on 22 Março, 2018 at 20:25 #

Mais uma vez comprova- se a anomalia e o duplo grau do arremedo contraditório brasileiro. Enquanto um lado é condenado por falar o que pensa (não há liberdade de expressão ou qualquer coisa do gênero) o outro cansa de se escorar no “direito de opinar” para disseminar abominações e impropérios e nada acontece.


Jair Santos on 23 Março, 2018 at 19:03 #

Taciano Lemos de Carvalho on 23 Março, 2018 at 19:05 #

Vídeos de canalhas: Justiça manda YouTube retirar 16 vídeos que difamam memória de Marielle

http://www.gamalivre.com.br/2018/03/videos-de-canalhas-justica-manda.html


Taciano Lemos de Carvalho on 23 Março, 2018 at 19:15 #

Jair Santos.

Lendo essas babaquices dessa moça, fico aqui querendo saber se houve a implantação de algum tipo de chip na cabeça da doutora. E quem teria implantado. Algum Dr. Silvano? Talvez um chipe com todo tipo de vírus.


Taciano Lemos de Carvalho on 23 Março, 2018 at 23:18 #

Após decisão judicial,YouTube vai retirar vídeos que difamam memória de Marielle

http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2018-03/youtube-vai-retirar-videos-que-difamam-memoria-de-marielle


Daniel on 24 Março, 2018 at 17:00 #

Pergunta no tribunal:

Será que, com base nessa jurisprudência, os vídeos ofensivos e difamatórios contra a polícia e grupos contrários à exploração política do crime também serão retirados?


Taciano Lemos de Carvalho on 24 Março, 2018 at 22:49 #

Facebook retira do ar página com fake news contra Marielle Franco

A página Ceticismo Político, página falsa e uma das maiores usinas da extrema direita, dedicata exclusivamente a propagar mentiras, fakes news, foi retirada do ar pelo Facebook.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos