Do Jornal do Brasil

 

A vereadora do Psol Marielle Franco, de 38 anos, foi morta a tiros na Rua Joaquim Palhares, no Estácio, região central do Rio, na noite desta quarta-feira (14). Policiais do 4° BPM (São Cristóvão) informaram que ela foi baleada junto com o motorista, Anderson Pedro Gomes, de 36 anos, dentro de um carro. Ele também morreu. A assessora Fernanda Chaves foi atingida por estilhaços e levada ferida para o Hospital Souza Aguiar, sem risco de morte.

De acordo com as primeiras informações, bandidos em um carro teriam emparelhado ao lado do veículo, disparado e fugido em seguida. As características da ação apontam para uma execução. Marielle deixa uma filha de 19 anos.

Marielle Franco, vereadora do Psol, é morta a tiros no Centro do Rio
Marielle Franco, vereadora do Psol, é morta a tiros no Centro do Rio

O ataque à vereadora aconteceu na Rua Joaquim Palhares. Ela voltava de um evento chamado “Jovens Negras Movendo as Estruturas”, na Rua dos Inválidos, na Lapa. Uma ambulância do quartel central do Corpo de Bombeiros foi acionada para o local e constatou a morte da parlamentar e do motorista. A vereadora estava indo para casa no bairro da Tijuca, zona norte do Rio. A Delegacia de Homicídios fez a perícia no carro da vereadora, atingido por vários tiros, e está investigando o caso.

Em nota, a Executiva Nacional do PSOL manifestou pesar pelo assassinato da vereadora e destacou sua atuação política. “A atuação de Marielle como vereadora e ativista dos direitos humanos orgulha toda a militância do PSOL e será honrada na continuidade de sua luta”, diz um trecho. O partido também exigiu apuração “imediata e rigorosa” sobre as circunstâncias do crime. O deputado estadual pelo Psol Marcelo Freixo destacou que Marielle não vinha recebendo ameaças. Ele reforçou que o partido cobrará rigor na apuração do assassinato.

Há duas semanas, Marielle havia assumido relatoria da Comissão da Câmara de Vereadores do Rio criada para acompanhar a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro. Ela vinha se posicionando publicamente contra a medida.

A parlamentar também chegou a denunciar, em suas redes sociais, no fim de semana, uma ação de policiais militares na favela do Acari. “O 41º Batalhão da Polícia Militar do Rio de Janeiro está aterrorizando e violentando moradores de Acari. (…) Acontece desde sempre e com a intervenção ficou ainda pior”, escreveu.

A PMERJ confirmou a operação e argumentou que criminosos atiraram contra os policiais e houve confronto. Durante vasculhamento na comunidade, dois homens foram presos e houve apreensão de um fuzil calibre 7,62 mm e oito rádios comunicadores, segundo nota da corporação.

Trajetória

Eleita com 46,5 mil votos, a quinta maior votação para vereadora nas eleições de 2016, Marielle Franco estava no primeiro mandato como parlamentar. Oriunda da favela da Maré, zona norte do Rio, Marielle tinha 38 anos, era socióloga, com mestrado em Administração Pública e militava no tema de direitos humanos.

Prefeito

O prefeito Marcelo Crivella se manifestou sobre a morte da vereadora Marielle Franco. “É com profundo pesar que lamentamos o brutal assassinato da vereadora Marielle Franco, cuja honradez, bravura e espírito público representavam, com grandeza inigualável, as virtudes da mulher carioca. Sua trajetória exemplar de superação continuará a brilhar como uma estrela de esperança para todos que, inconformados, lutam por um Rio culto, poderoso, rico, mas, sobretudo, justo e humano. Em cada lar uma prece, em cada olhar uma lágrima e em cada coração um voto de tristeza, dor e saudade. É assim que hoje anoitece a cidade desolada e amargurada pela perda de sua filha inesquecível e inigualável. Que Deus a tenha!”

Do Jornal do Brasil

 

 

O primeiro estelionato da campanha eleitoral deste ano já foi cometido.  João Dória elegeu-se prefeito de São Paulo demonizando os políticos. Ele era apenas um gestor. O “João trabalhador”. Em um ano e pouco de mandato só fez política, enquanto crescia na cidade o “apagão dos postes” e os buracos de rua.  Profissionais de saúde e educação da prefeitura estão anunciando uma paralisação.  Na campanha, ele documentou fartamente a promessa de que ficaria no cargo quatro anos mas vai cometer o estelionato se vencer a prévia do PSDB no domingo. Deixará a prefeitura em 7 de abril para ser candidato a governador.

Com Dória candidato e livre para fazer política, o governador  Geraldo Alckmin vai ter um problema a mais para administrar, no esforço para dar impulso à sua candidatura presidencial.  O homem é uma espécie de “deus de muitas faces”, aquele cultuado por  personagens de Game of Thrones.  Como as  candidaturas só serão registradas em agosto, se  a oportunidade aparecer, ele pode muito bem desarquivar seu projeto de concorrer ao Planalto. Principalmente se Alckmin não decolar. 

Logo que tomou posse, em 2017,  embriagado pela vitória em primeiro turno, Dória desandou a viajar pelo país, tentando encarnar simultaneamente dois papéis: o anti-Lula que era ao mesmo tempo o procurado “nome novo”.   Nas passagens pela capital paulista, ia trocando de máscaras. Ora se vestia de gari, ora aparecia como cadeirante, ora como agente de trânsito.  Mas logo ficaram evidentes a traição ao padrinho Alckmin, inventor de sua candidatura a prefeito, e o excesso de marquetagem. No final do ano passado sua popularidade despencou e ele desistiu da candidatura a presidente. 

Agora, ele tenta convencer os paulistanos de que está rompendo a contragosto  a promessa de governar quatro anos. A inscrição de seu nome na prévia foi feita por um coletivo partidário. Logo, ele está sendo convocado, quase obrigado a quebrar a promessa.  Inscrito, disse não precisar do aval de Alckmin pois já tem o do partido. Só esta declaração já devia preocupar o governador, a quem ele pede agora,  através de terceiros, para que convença dois inscritos na prévia a desistirem: o secretário Floriano Pesaro e o cientista político Luiz Felipe D’Ávila.  O terceiro é o ex-deputado e suplente de senador José Aníbal,  que não admite conversa sobre desistência.  O que ele fala de Dória, não deixa dúvidas sobre o quão dividido o PSDB sairá da disputa. “Este sujeito é um caso de esquizofrenia aguda. Mente de forma contumaz”.  Se o candidato a governador não unir os tucanos, não dará um bom palanque a Alckmin. 

Nesta semana que precede as prévias, diz Aníbal, ele recusou todos os convites para um debate. “Recusa porque  não tem o  que dizer. Vai continuar dizendo que não é político?  Eu digo que sou político e sou gestor. Fui bom gestor tanto na Secretaria de Ciência e Tecnologia como na de Energia e Meio Ambiente. O que ele fez na prefeitura foi deixar o mato crescer, como se pode ver para todo lado na cidade”. 

Mas, disputando a prévia no cargo, apoiado por deputados estaduais desesperados para se reelegerem,  Dória tem mais chances de vencer. E se for o candidato, haverá estilhaços no PSDB.

VETOR PARTIDÁRIO 

A avaliação da preferência partidária pela pesquisa CNI-IBOPE divulgada ontem deve ser levada em conta pelos projetores de cenários eleitorais. Apesar dos tropeços, o PT, com 19% de preferência ou simpatia, ganhou de longe do MDB (7%) e do PSDB (6%).  Isso conta a favor do candidato que Lula lançará se confirmada sua inabilitação.  O problema é a hora. Muito cedo, estaria jogando a toalha. Muito tarde, já perto do primeiro turno,  pode ser tarde para a efetivação da transferência de votos.

A apresentação do cantor espanhol em Paris ,  que rendeu um dos melhores vinis de Iglésias. E uma versão em vídeo, da qual faz parte este clip, de “Fidéle, que o cantor interpreta com ajuda de uma senhora francesa convidada ao palco. Uma aula de profissionalismo e delicadeza. Confiram!

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)   

Do G1 BA

Corpos das quatro vítimas do desabamento de sobrado em Pituaçu são enterrados em Brotas

Corpos das quatro vítimas do desabamento de sobrado em Pituaçu são enterrados em Brotas

Uma multidão acompanhou o enterro das quatro vítimas do desabamento de um prédio no bairro de Pituaçu, em Salvador, na tarde desta quarta-feira (14). Os sepultamentos ocorreram no Cemitério Municipal de Brotas, sob forte comoção de familiares e amigos.

 Bebê de um ano foi o primeiro a ser enterrado (Foto: Maiana Belo/ G1)

Bebê de um ano foi o primeiro a ser enterrado (Foto: Maiana Belo/ G1)

O desabamento ocorreu no início da manhã de terça-feira (13). Três pessoas sobreviveram: Alex Pereira, irmã de Rosemeire e Alan, a mulher dele, Bianca Menezes, e a filha do casal, Sabrina.

 

Dona Iara, mãe das vítimas do desabamento em Pituaçu, é amparada durante enterro dos filhos (Foto: Maiana Belo/ G1) Dona Iara, mãe das vítimas do desabamento em Pituaçu, é amparada durante enterro dos filhos (Foto: Maiana Belo/ G1)

Dona Iara, mãe das vítimas do desabamento em Pituaçu, é amparada durante enterro dos filhos (Foto: Maiana Belo/ G1)

A mãe de Rosemeire e Alan, Iara Maria Silva de Jesus, 55 anos, compareceu ao enterro, mas não conversou com a imprensa. Um dos sobreviventes, Alex, também foi ao sepultamento dos irmãos e sobrinhos. Ele se emocionou muito durante a cerimônia.

Durante o velório, as vítimas foram lembradas com muito carinho pelos amigos e familiares, que com flores nas mãos, foram dar o último adeus.

“Família maravilhosa e muito unida. Era uma família que se amava”, lembrou a amiga das vítimas Juliana Abreu Alcântara.

 

Alex, que perdeu os irmãos e os sobrinhos na tragédia, recebe o carinho de amigos no sepultamento dos familiares (Foto: Maiana Belo/ G1) Alex, que perdeu os irmãos e os sobrinhos na tragédia, recebe o carinho de amigos no sepultamento dos familiares (Foto: Maiana Belo/ G1)

Alex, que perdeu os irmãos e os sobrinhos na tragédia, recebe o carinho de amigos no sepultamento dos familiares (Foto: Maiana Belo/ G1)

Juliana também falou sobre Rosemeire e as crianças. O filho dela estudou com Robert e eram amigos desde pequenos. “Ela era uma mãe guerreira, mulher que batalhava para cuidar da família. Robert um menino muito educado, tinha o sonho de jogar bola, era estudioso”, contou.

As crianças também foram lembradas com carinho pelos vizinhos. “[A tragédia] abalou a estrutura do alto [do São João]. Rose estava muito feliz com os filhos. Artur estava aprendendo a andar. Ele [Artur] estudava com meu filho. A gente sempre se encontrava no caminho quando ia deixar os meninos na creche”, disse Larissa Gomes Gonçalves.

 

Enterro das vítimas da tragédia ocorreu nesta quarta, no Cemitério Municipal de Brotas (Foto: Maiana Belo/ G1) Enterro das vítimas da tragédia ocorreu nesta quarta, no Cemitério Municipal de Brotas (Foto: Maiana Belo/ G1)

Enterro das vítimas da tragédia ocorreu nesta quarta, no Cemitério Municipal de Brotas (Foto: Maiana Belo/ G1)

A aposentada Rosália Genoveva foi ao velório para representar a filha, que era amiga de Alan Pereira e não pôde ir ao sepultamento.

“Eu moro no Rio Sena [subúrbio de Salvador] e, apesar da distância, não poderia deixar de fazer minha última homenagem. Ele vivia na minha casa, era muito gentil, amigo de todo mundo. Minha filha quando fazia amigo secreto no final do ano, incluía ele. Ele dormia na minha casa, muito amigo da minha filha e do meu genro. Fiquei sabendo pela televisão. Eu via e não acreditava”, disse.

Uma jovem amiga da família, Duda Santos de Andrade não esqueceu de falar do cachorro Nino, único sobrevivente da parte de baixo do imóvel. “Hoje [quarta-feira] ele correu a rua toda e só queria ficar no lugar da casa”, disse.

Tragédia

 

Quatro pessoas morreram e três foram resgatadas com vida após desabamento d eprédio em Pituaçu (Foto: Divulgação/SSP-BA) Quatro pessoas morreram e três foram resgatadas com vida após desabamento d eprédio em Pituaçu (Foto: Divulgação/SSP-BA)

Quatro pessoas morreram e três foram resgatadas com vida após desabamento d eprédio em Pituaçu (Foto: Divulgação/SSP-BA)

O desabamento aconteceu na Rua Alto do São João, durante uma forte chuva que atingiu a capital baiana. Em cerca de três horas, três bairros de Salvador registraram um índice de precipitação 70% do esperado para todo o mês de março.

Há suspeita de que a construção estava irregular, segunda informações de Sosthenes Macêdo, diretor geral da Defesa Civil de Salvador.

Outros imóveis tiveram a estrutura abalada e precisaram ser demolidos. Sete foram condenados e os moradores tiveram que deixar suas casas. No total, dez famílias tiveram que sair do local. Nesta quarta, cinco barracos já tinham sido demolidos.

mar
15
Posted on 15-03-2018
Filed Under (Artigos) by vitor on 15-03-2018



 

Sid, no portal de  humor gráfico  A Charge Online

 

DO BLOG O ANTAGONISTA

Petistas têm que focar em Fachin, diz Sepúlveda

 

Sepúlveda Pertence disse ao Estadão, depois da reunião de hoje com Cármen Lúcia, que as esperanças petistas de julgar o habeas corpus de Lula estão na mão de Edson Fachin.

“Temos que trabalhar agora junto ao ministro Fachin”, afirmou o ex-presidente do STF, hoje defensor do condenado por corrupção e lavagem de dinheiro.

Segundo Sepúlveda, a presidente do Supremo reiterou a disposição de não pautar as ações que tratam da execução antecipada de pena, mas ressalvou que nada impede o relator –Fachin– de levar o pedido de liberdade a julgamento.

Um chá com Hawking

Hawking em Tenerife para participar do terceiro festival Starmus.Hawking em Tenerife para participar do terceiro festival Starmus. DESIREE MARTIN (AFP)

Nos anos 1970, não havia alegria maior para os doutorandos em física nuclear de Oxford do que compartilhar o chá da tarde com os papas da física teórica que visitavam a cafeteria do laboratório de vez em quando. Os de Cambridge, cujo rei era o antipático Dirac, eram o alvo preferido de nossas piadas. Uma tarde nos disseram que Hawking, o dos buracos negros, estava por ali. Quando apareceu ficamos assustados: vinha em postura incerta sobre uma cadeira de rodas. Abriram um espaço para ele na mesa em que eu estava. Durante quase uma hora fizeram-lhe perguntas sobre a radiação dos buracos negros. Eu não me atrevi, porque a única coisa que sabia desses inquietantes objetos era que sua massa era tal que nada podia escapar deles, nem mesmo a luz. Como diabos podiam emitir radiação?

A mecânica quântica, ao fundir-se com a relatividade especial de Einstein, permite vislumbrar processos tão fascinantes como a flutuação do vazio: espontaneamente, ou seja, como um efeito sem causa, geram-se uma partícula e sua antipartícula. Aniquilam-se rapidamente, mas o que acontece se uma delas se criar dentro do horizonte de um buraco negro e a outra fora? Esta pode escapar gerando radiação e o horizonte do buraco negro se torna “cinza”. Essa perda nítida de energia faz sua massa diminuir tão mais rapidamente quanto menor for. Se fosse do tamanho de uma partícula, ele “evaporaria” instantaneamente. Isso é o que nos permite que ficar tranquilos diante das predições agourentas do LHC (Grande Colisor de Hádrons, na sigla em inglês). Para estudar essa radiação, aquele físico corroído por uma estranha doença degenerativa teve de transcender a relatividade especial e enfrentar a geral, a gravitação, a teoria do universo como um todo, com o microcosmos governado pela mecânica quântica. Esse é um dos desafios intelectuais mais portentosos que o cérebro humano pode enfrentar e Hawking se atreveu a encará-lo. Com sucesso.

Depois daquele primeiro chá com Hawking, comprovei que ele adorava sentar-se com os jovens e perguntar sobre nosso trabalho. Nós, sobretudo os estrangeiros, ficávamos inquietos por um lado porque já não o entendíamos muito bem e, por outro, porque temíamos que nossas respostas a suas perguntas não estivessem a sua altura. Era extraordinariamente perspicaz com qualquer tema de nossas teses e tão amável que nunca nos sentimos incomodados por seus comentários. Quando ia embora, ficávamos pensativos e comovidos por uma boa variedade de sentimentos. Acredito que todos nós, uns seis ou sete, guardamos grande carinho e respeito por ele.

Ao longo dos anos me dava pena ver como a doença o consumia ao mesmo tempo que me irritava o uso comercial que se fazia dele e de suas penosas circunstâncias. A jovialidade com que tentava explicar suas maravilhosas teorias aos jovens físicos e a força avassaladora de sua vontade são seu melhor legado.

Manuel Lozano Leyva é catedrático de Física Atômica, Molecular e Nuclear na Faculdade de Física da Universidade de Sevilha.

  • Arquivos