DO JORNAL O TEMPO/BH
 

O ex-governador de Minas Gerais Francelino Pereira morreu, na manhã desta quinta-feira (21), aos 96 anos, por causas naturais. Ele faleceu no hospital Mater Dei, em Belo Horizonte, onde estava internado há uma semana. O velório ocorre até as 19h30, no Palácio da Liberdade, na região Centro-Sul da capital mineira. A cremação vai ser realizada durante uma cerimônia reservada aos familiares.

Nos últimos anos de vida, segundo familiares, Francelino vivia recluso em um apartamento no bairro de Lourdes, em Belo Horizonte. Com o passar dos anos, ele apresentou perda de memória, de visão e de audição. Ele deixa a mulher, Latife Haddad Pereira dos Santos, mais conhecida como Dona Latife, e três filhos.

Trajetória

Filho de lavradores e criadores de reses e caprinos, Francelino nasceu em 2 de julho de 1921, na zona rural de Angical, cidade do Piauí. Ele mudou-se para a capital mineira aos 23 anos, onde formou-se em direito pela Universidade Federal de Minas Gerais. Ele iniciou o exercício da advocacia no Fórum Lafayette e depois tornou-se redator político da rádio Inconfidência, emissora oficial do governo mineiro.

O seu primeiro cargo político foi como vereador de Belo Horizonte. Ele foi eleito pela União Democrática Nacional (UDN) e cumpriu o mandato entre os anos de 1951 e 1954. Depois, elegeu-se deputado federal por Minas e cumpriu quatro mandatos consecutivos (1963-1979).

Durante o regime militar, assumiu o governo estadual pelo partido Arena após eleições indiretas. Francelino comandou o Estado entre os anos de 1979 e 1983. Em 1990 assumiu a presidência do Diretório Regional do PFL em Minas Gerais e quatro anos depois foi eleito senador para o mandato de 1995 a 2003.

Após a conclusão de seu mandato, passou a integrar o Conselho de Administração da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) e a presidir de forma honorária a Comissão Especial de Estudos do Centro Cultural da Praça da Liberdade. Atualmente, ocupava a cadeira n° 25 da Academia Mineira de Letras.

Luto

O atual governador de Minas, Fernando Pimentel (PT), lamentou a morte de Francelino Pereira e decretou luto oficial de três dias, a partir desta quinta-feira, em todo o Estado. “Manifesto o pesar pelo falecimento do ex-governador de Minas Gerais, Francelino Pereira, homem público que pautou sua trajetória de forma íntegra, cumprindo importante papel na redemocratização do Brasil. Como governador, senador e deputado federal sempre defendeu os interesses do nosso estado. Presto minha solidariedade aos familiares e amigos. Em sinal de pesar, está decretado luto oficial de três dias, em todo o território mineiro, a partir da data de hoje”, declarou por meio de nota.

 ===========================================
DE O GLOBO
DE FRANCELINO PEREIRA PARA RENATO RUSSO

 

  • RIO — “Que país é este”, frase dita por Renato Duque ao advogado, quando estava sendo preso pela primeira vez, em novembro de 2014, não foi criada pelo cantor e compositor Renato Russo em sua conhecida música, mas ainda em 1976, pelo então presidente da Arena, Francelino Pereira. Na época, em pleno regime militar, discutia-se uma promessa do presidente Ernesto Geisel de iniciar a transição, em que o regime seria aberto gradualmente e os governadores seriam eleitos pelo voto direto dali a dois anos.

Quando  a oposição duvidou da promessa, Francelino Pereira perguntou: “Que país é este em que o povo não acredita no calendário eleitoral estabelecido pelo próprio presidente”. Mas, no ano seguinte, Geisel fechou o Congresso, aumentou o mandato dos presidentes para seis anos, e decidiu que um terço dos senadores seria indicado pelo presidente.

O Brasil só passou a eleger governadores pelo voto direto em 1982. E Renato Russo transformou a frase no refrão de seu rock em 1987.

 

“Quando chega o verão é um desassossego!”

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

DO EL PAIS
São Paulo
Mochilas distribuídas pela prefeitura de Jequié.
Mochilas distribuídas pela prefeitura de Jequié. Reprodução/Twitter

Entra ano, sai ano e os memes brasileiros continuam sendo um produto de tamanha qualidade que são exportados mundo afora. Com conotação política ou o intuito de auxiliar a população a se desligar temporariamente da crise que assola o país, essa forma de comunicação e humor típica da Internet nos deu muitas alegrias. E enquanto esperamos o hit do verão 2018, repassamos aqui os memes que marcaram o ano de 2017.

Janeiro

No início do ano, que agora parece tão distante, fomos presenteados com esse vídeo que ditou o ritmo de todo 2017. Depois disso, a trilha sonora ainda recebeu uma versão oficial produzida por Kondzilla, o diretor dos clipes de Funk mais famosos do Brasil.

Fevereiro

A data mais esperada de todo o ano, o feriado do Carnaval foi celebrado neste mês, o que resultou em uma lista de memes ambulantes nas ruas e avenidas onde a festa era celebrada. Além de terem se inspirado no prefeito João Doria, no ex-presidente Lula e no presidente dos Estados Unidos Donald Trump, os foliões se fantasiaram da cantora Beyoncé que havia anunciado sua gravidez algumas semanas antes em um ensaio considerado brega por grande parte dos usuários da rede mundial de computadores.

Março

Mesmo que sejam os brasileiros os maiores utilizadores dos Stories, houve uma tentativa de traçar um limite para Mark Zuckerberg, afinal de contas, meme no Brasil é uma instituição muito séria e concede o direito de questionar um dos líderes da Internet na atualidade.

Abril

As reformas Trabalhista e da Previdência anunciadas pelo presidente Michel Temer geraram uma onda de protestos sendo a Greve Geral que aconteceu no dia 28 de abril, o maior deles. A paralisação dos trabalhadores foi um dos assuntos mais procurados no Google naquela semana. A expectativa pela greve foi alimentada com muito memes, entre eles, uma montagem divulgada pelo deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) inspirada na série 13 Reasons Why da Netflix, o meme no entanto, viralizou no mês seguinte quando o presidente foi gravado pelo empresário Joesley Batista, um acontecimento que sacudiu a política nacional.

Maio

Comumente, as aulas escolares têm início em fevereiro. É também nesse período em que os alunos recebem seus materiais escolares. Na cidade de Jequié, na Bahia, os alunos só receberam suas mochilas em maio. O que as crianças e nem a prefeitura imaginavam é que se tornariam em ícones da Internet.Depois do sucesso de Nazaré Tedesco e Gretchen com internautas do mundo todo, foi a vez dos gringos conhecerem a força de mais um meme feminino brasileiro, sendo ninguém menos que a Cuca. A bruxa jacaré do Sítio do Picapau Amarelo invadiu as redes sociais podendo até ser considerada uma das personalidades do ano.

Junho

2017 explicado em memesREPRODUÇÃO/FACEBOOK

Julho

“Amigo é coisa pra se guardar/ Debaixo de sete chaves/ Dentro do coração”, já profetizava Milton Nascimento em sua Canção da América. No dia 20 desse mês é celebrado o dia do amigo no Brasil, e qual a forma mais sincera e tocante de celebrar este sentimento tão bonito do que causando juntas? A foto dessas grandes amigas ao lado, que viralizou possivelmente por conta dessa efeméride, acabou inspirando milhares de amigos durante 2017.

Agosto

O meme mais temido de todo o ano foi criado e difundido em grande escala nesse período, logo pule direto para o próximo mês caso você não queira cair no Gemidão do zap! A pegadinha em forma de vídeo nada mais é do que a atriz pornô Alexis Texas em um de seus filmes. O usuário inadvertido ousava abrir vídeos enviados por amigos sem os fones de ouvido e o resultado era no mínimo, constrangedor. Mas não estamos aqui para julgar: que atire a primeira pedra quem não caiu no Gemidão!

Setembro

É cada vez mais comum ver idosos se integrando com a tecnologia, porém existem algumas faces dos avanços da engenharia que ainda podem ser problemática para os nossos avós. Mas pelo menos, isso pode nos render alguns momentos de risada e fofura como este abaixo.

Outubro

Além dos idosos, outras criaturas que elevam o nível de fofura ao extremo são os animais. É simplesmente impossível resistir a tanta doçura. Os internautas gostam tanto dos animais que ficaram preocupados com a fisionomia do cachorro presidencial depois que o presidente Michel Temer publicou uma foto com seu bichinho de estimação, o Thor, nas redes sociais.

Novembro

Com o fim do ano se aproximando, muitas pessoas poderiam já estar com a cabeça nas deliciosas comidas natalinas. Os frequentadores da orla soteropolitana, no entanto, têm à sua disposição uma iguaria tipicamente brasileira tão deliciosa quanto. OLHA O PASTELLL!!!!!!!

Dezembro

As festas de fim de ano finalmente batem a nossa porta. é o momento ideal para fazermos o balanço do ano que passou. Mas além de reavaliar nossas próprias atitudes, este mês oferece a oportunidade perfeita para que a gente relembre todos os memes do ano. E houve quem conseguiu juntar tanta informação em um tweet só.

Por fim, fica também o questionamento sobre quais serão os memes do ano que virá.

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

“Não sabíamos que o Bolsonaro queria o partido inteiro”, diz presidente do conselho

Walney Rocha, deputado do Patriota (antigo PEN) pelo Rio de Janeiro e presidente do conselho nacional da legenda, disse a O Antagonista que Jair Bolsonaro está descumprindo acordos e que “dessa forma, não dá”.

“A vaga de presidente é dele, isso está acertado há mais de dois meses, mas não sabíamos que ele queria o partido inteiro. Ele quer a presidência nacional, ele quer os estados todos, ele quer todos os diretórios… Dessa forma, não dá.”

Segundo Rocha, o presidente do Patriota, Adilson Barroso, presidente do Patriota, não dará mais espaço a Bolsonaro, além do que já foi acordado.

 

São Paulo / Barcelona
Eleições na Catalunha
Idosas votam nesta quinta-feira. Juan Carlos Cárdenas EFE

Em uma eleição parlamentar apertada nesta quinta-feira, que retratou uma população dividida, os independentistas da Catalunha saíram como os grandes vitoriosos da batalha com o Governo espanhol que se arrasta há meses. Apesar de um partido anti-separatista (Ciudadanos) ter conseguido obter a maior quantidade de cadeiras de deputados, o bloco formado pelos três partidos que defendem o descolamento da Espanha conseguiu a maioria das vagas e terá a quantidade de votos necessária para indicar o próximo presidente catalão. Impuseram, assim, uma derrota ao Governo do primeiro-ministro Mariano Rajoy, que no final de outubro dissolveu toda a cúpula de poder da Catalunha e convocou novas eleições como resposta à realização de um referendo separatista ilegal. A expectativa governista de que a crise poderia ser amenizada após o pleito se esvai e uma nova etapa de incertezas se abre em um país já fraturado.

A eleição desta quinta teve dados de participação históricos: com 90% das urnas apuradas, já se apontada que mais de 80% dos 5,5 milhões de catalães aptos a votar compareceram às urnas, comprovando a importância que este pleito adquiriu na Catalunha. A decisão era maior do que uma simples eleição de deputados. Ela apontaria se o processo separatista ganharia um novo ímpeto ou se seria rechaçado. Durante o dia, os candidatos e líderes dos movimentos convocaram a população para a votação e filas de até 40 minutos foram registradas em alguns colégios eleitorais. Tudo transcorreu sem incidentes, ao contrário do que foi registrado na votação do referendo independentista de 1º de outubro, marcado por forte repressão policial por parte do Governo de Rajoy e o confisco de urnas. Na ocasião, 90% dos votantes disseram sim à independência em uma votação de pouca segurança eleitoral, mas apenas 42% dos aptos a votar participaram —muitos deixaram de ir às urnas porque não queriam legitimar o processo considerado ilegal. 

No bloco independentista, o partido que logrou a maior quantidade de cadeiras foi o Junts per Catalunya, cuja lista de deputados é encabeçada justamente por Carles Puigdemont, o ex-presidente destituído por Rajoy após o referendo e que fugiu para Bruxelas para evitar a prisão. Foi seguido pela ERC (Esquerda Republicana da Catalunha), cuja cabeça da lista é ocupada por Oriol Junqueras, o ex-vice-presidente da comunidade autônoma, que se encontra preso preventivamente em Madri. A CUP (Candidatura de Unidade Popular), terceiro partido do bloco independentista, assegurou as vagas restantes para que o bloco obtivesse ao menos 68 das 135 cadeiras do parlamento.

“As forças independentistas voltaram a ganhar as eleições na Catalunha apesar da ofensiva policial e da ofensiva midiática do Governo espanhol”, comemorou Marta Rovira, a número dois da ERC. “O resumo desta noite é muito simples: o independentismo voltou a ganhar as eleições e Mariano Rajoy perdeu”, destacou. Puigdemont também se pronunciou, de Bruxelas: “Os catalães temos que decidir a solução e nosso futuro, e nenhuma receita que queira prescindir das maiorias parlamentares na Catalunha funcionará.”

Os três partidos, que na última eleição, em 2015, lançaram uma candidatura única (a coligação Junts per Sí ou Juntos pelo Sim) não conseguiram chegar, desta vez, a um acordo para formar uma lista de deputados única, mas garantem que se unem em determinados pontos, como a “recuperação das instituições após a aplicação do artigo 155 da Constituição“, que permitiu que o Governo central espanhol destituísse o Governo catalão. Uma das discordâncias, especialmente entre o Junts per Catalunya e a ERC era, justamente, sobre o nome que o bloco apontaria para a presidência da comunidade autônoma, caso obtivesse a maioria das cadeiras. Junts per Catalunya é a favor de devolver o Governo a Puigdemont. Enquanto a ERC prefere indicar Junqueras. A incógnita agora é saber a qual nome comum eles devem chegar e se qualquer um dos dois, ausentes fisicamente do Parlamento, poderá assumir a tarefa.

Os partidos anti-independentistas, que formam o bloco denominado constitucionalista (pois apoiam a aplicação do artigo 155 da Constituição e a decisão do Tribunal Constitucional de que o referendo separatista é inconstitucional), também chegaram à eleição divididos em três partidos: Ciudadanos, Partit dels Socialistes e o PP de Rajoy, que tem pouca força na Catalunha. Apesar de suas diferenças políticas, eles prometeram se unir em um Governo de coalizão caso somassem a quantidade de cadeiras suficientes para formar a maioria e eleger um presidente e, com isso, colocar um ponto final no processo independentista. Ciudadanos foi o partido com o melhor desempenho e conseguiu assegurar a maioria das vagas do Parlamento, mas o desempenho dos demais partidos do bloco fez com que eles não alcançassem a maioria.

Após os resultados, o líder do PP na Catalunha, Xavier García Albiol, reconheceu que os constitucionalistas “não foram capazes de gerar uma alternativa diferente ao separatismo no Parlamento”. ” “Vemos com muita preocupação um futuro social e econômico para a Catalunha com uma possível maioria independentista”, ressaltou.

Luis Inácio Lula da Silva, ex-presidente da República, fundador do PT, condenado a 9 anos e seis meses de prisão em processo da Lava Jato, e postulante a candidato a presidente da República nas eleições de 2018. Dando conselhos aos jornalistas.

  • Arquivos

  • dezembro 2017
    S T Q Q S S D
    « nov   jan »
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    25262728293031