Valeu, Belô! Valeu!!!

Bom e agradável de ouvir na primeira tarde e noite de dezembro.

BOA TARDE!!!BOA NOITE!!!

(Vitor Hugo Soares)

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

URGENTE: GILMAR MENDES MANDA SOLTAR JACOB BARATA DE NOVO

Gilmar Mendes acaba de mandar soltar –outra vez– Jacob Barata Filho, o “rei dos ônibus” no Rio.

Além de acolher pedido de habeas corpus da defesa de Barata, o ministro do STF revogou a ordem de prisão de Lélis Teixeira, o ex-presidente da Fetranspor, a associação das empresas de ônibus do Rio.

Bem vindo dezembro, para o que der e vier.

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)


Rosângela Moro postou mensagem de despedida aos fãs do marido
(Foto: Reprodução/Facebook)


DO G1/O GLOBO

Por G1 PR, Curitiba

A advogada Rosângela Wolff Moro, casada com o juiz federal Sérgio Moro, divulgou nesta quinta-feira (30) que vai retirar do ar a página que mantêm no Facebook em apoio ao marido. O espaço intitulado “Eu MORO com ele” foi aberto em março de 2016 e servia para concentrar mensagens de admiradores do magistrado nas redes sociais.

A página também foi usada pelo próprio juiz para para agradecer o apoio da população ao trabalho exercido por ele à frente dos processos da Operação Lava Jato. No espaço, ele ainda fazia comentários informais sobre temas que considerava relevantes.

Em outro momento, o juiz usou a página para pedir a apoiadores que não viajassem a Curitiba, no dia em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seria ouvido pela primeira vez na condição de réu, em um dos processos a que responde no âmbito da Lava Jato.

Em uma mensagem de despedida, Rosângela Moro afirmou que “a página cumpriu seu papel”. A advogada também aproveitou para fazer críticas ao momento político que o país atravessa. “A corrupção destrói nosso país”, afirmou.

Ela também disse que cabe ao parlamento se posicionar contra a corrupção. “A lei não pode ser alterada para resultar em impunidade”, disse.

Aos seguidores, ela mandou uma mensagem de conscientização. “Vote consciente! Seu voto pode mudar muito, muito mais que a Lava Jato!” A advogada também prometeu aos seguidores fazer uma retrospectiva com os melhores momentos da página.

Leia abaixo a despedida da página “Eu MORO com ele”:

“É chegada a hora da despedida. EuMoroComEle vai sair da rede. A página cumpriu seu papel. Ela foi criada para agradecer cada manifestação de apoio recebida e assim, eu e a Cláudia Vasconcelos Pires, administradoras da página, tentamos fazer. Mas antes, precisamos lembrar que: 1. O apoio de todos foi fundamental pelos momentos difíceis, 2. Meus dias de clausura ficaram amenos porque estive muito bem acompanhada por cada um de vocês, 3. Todas, absolutamente todas as lembranças recebidas serão eternamente guardadas; 4. A corrupção destrói nosso país, 5. A justiça é para todos; 6. O Brasil precisa de instituições fortes, 7. O parlamento precisa se mostrar efetivamente contrário à corrupção; 8. A lei não pode ser alterada para resultar em Impunidade, 9. Vote consciente! Seu voto pode mudar muito, muito mais que a Lava Jato! E, finalmente, 10. Vamos fazer uma retrospectiva com os nossos melhores momentos. OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA!

Mulher se ajoelha ante as bandeiras que homenageiam os 44 tripulantes do Ara San Juan, na base naval de Mar del Plata. EFE


DO EL PAÍS

Federico Rivas Molina

Buenos Aires

Duas semanas sem encontrar vestígios foram demais. A Marinha argentina anunciou, nesta quinta-feira, que não procurará mais sobreviventes do submarino ARA San Juan e recolheu ao porto as cápsulas de resgate fornecidas pelos EUA. O porta-voz Enrique Balbi disse que continuarão procurando a embarcação no leito do Atlântico, mas já “não haverá salvamento de pessoas”.

Como uma litania, a Marinha argentina repetiu há duas semanas que não há vestígios do submarino ARA San Juan, desaparecido no Atlântico Sul com 44 tripulantes. Foram duas semanas com todas as emoções possíveis, da euforia dos primeiros dias ante o mais ínfimo indício de vida à decepção mais dura na quinta-feira passada, quando as autoridades anunciaram o registro de uma explosão a bordo, duas horas depois do último contato. As famílias dos marinheiros já tinham perdido as esperanças de encontrá-los com vida, mas esperam agora que pelo menos se encontre a embarcação no fundo do mar. Participam da busca navios e aviões de 18 países, na maior operação já realizada na Argentina.

O ARA San Juan se perdeu no oceano na quarta-feira 15 de novembro. Duas semanas depois se sabem detalhes que podem explicar o que aconteceu naquele dia, mas não o suficiente para encontrar o submarino e seus tripulantes. A última comunicação do comandante alertou a base para um princípio de incêndio em suas baterias, consequência de uma entrada de água através do snorkel, o tubo que se estende à superfície para permitir a entrada de ar. A Marinha não considerou o incidente grave e ordenou ao capitão que abandonasse suas tarefas de controle de pesca ilegal e retornasse a Mar del Plata, seu porto final a 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires. Desde então não se soube de mais nada.

Na sexta-feira 16 de novembro a Marinha informou que tinha perdido contato com a embarcação, mas limitou o assunto a um “problema de comunicação”. Com o correr dos dias, a situação se complicou. Depois de uma semana de busca sem sucesso, o Governo argentino informou que sensores destinados à identificação de testes nucleares proibidos tinham detectado uma explosão no local do desaparecimento. O anúncio mergulhou no desespero as famílias que esperavam notícias na base naval de Mar del Plata, enquanto navios e aviões da Argentina, EUA, Rússia, Reino Unido, Noruega e outros 13 países concentravam sua busca na área da explosão.

Os trabalhos terminaram, apesar do uso dos equipamentos de rastreamento mais avançados do mundo. O temor é que o ARA San Juan tenha caído para o lado onde a plataforma continental argentina se perde em profundidades de até 3.000 metros. Nesta quinta-feira, durante o ato que deu início à presidência argentina no G-20, Macri agradeceu a ajuda dos países que participam do rastreamento. Mas as boas notícias não chegam.

Já não se falava de quanto oxigeno pode restar para os marinheiros presos, porque a esperança se perdeu faz tempo. A paciência de alguns familiares se esgotou faz tempo. Oito famílias se apresentaram perante a juíza Marta Yáñez, encarregada da investigação judicial do acidente, para consultar sobre a possibilidade de processar a Marinha. Consideram que a embarcação não estava em condições de navegar por falta de manutenção, apesar de o Governo sempre afirmar que o ARA San Juan estava em perfeito estado e foi sido submetido a uma renovação completa há menos de três anos.

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

Veja o tamanho da “burrada sem tamanho” de Lula

Como registramos mais cedo, um dirigente do PT disse ao Estadão que a caravana carioca de Lula é “uma burrada sem tamanho”, porque os eleitores vão relembrar a parceria do petista com Sérgio Cabral.

Há um ano, Felipe Moura Brasil editou um vídeo mostrando como Lula glorificava o chefão da organização criminosa que afundou o Rio de Janeiro.

Mas, é claro, o petista não sabia de nada.

Assista:

dez
01
Posted on 01-12-2017
Filed Under (Artigos) by vitor on 01-12-2017


Miguel, no Jornal do Comércio (PE)

DO EL PAÍS

“’Divorciada. Americana. Atriz’, escreve o Daily Mail, ao mesmo tempo em que se pode ouvir como vomitam por todos os lados horrorizados”. A escritora e colunista Hadley Freeman não estava fora de si quando tuitou na terça-feira a respeito da cobertura do anúncio do casamento entre Meghan Markle e o príncipe Harry pelos tabloides britânicos.

E não foi a única. Durante todo o dia, jornalistas e diversos veículos criticaram a cobertura sobre o anúncio do casamento por parte de alguns setores da imprensa. Tampouco foi a primeira vez que isso se deu. Já em 2016, por meio de seu setor de comunicação, o príncipe Harry emitiu uma nota definida por ele mesmo como “incomum” em que denunciava o “racismo e sexismo” presentes nas informações sobre sua namorada e se mostrava preocupado com o “abuso e assédio” em relação a Markle na cobertura da mídia sobre sua relação. Os mesmos modelos criticados nessa nota parecem continuar se reproduzindo nos tabloides britânicos ao noticiarem o noivado, não tanto pela notícia pertinente de que uma casa real bastante presa ao passado se modernize, mas sim pelo tom e os sinais supostamente irônicos de algumas publicações e que, para muitos, escondem uma mentalidade racista, classista e sexista e com um certo antiamericanismo em relação à futura integrante da família real britânica.

A jornalista Lisa Ryan reuniu em The Cut alguns dos casos. Dentre eles, está “as americanas pegam os britânicos porque chupam bem”, tal como insinuou Tatler em um texto sobre o casal (“as garotas americanas sempre fazem sexo oral muito antes do que as britânicas porque não veem isso como sexo”). Ou: “em outras épocas ela seria a amante”, como escreveu The Spectator (“alguém precisa dizer isso: 70 anos atrás Meghan Markle seria o tipo de mulher que o príncipe teria como amante, não como esposa”); ou, ainda: “não é uma Kate Middleton!”. Nessa mesma linha vai um texto do The Sun em que se descrevem as diferenças entre as duas, exaltando a “rosa britânica Kate” por sua classe ante a “família divorciada” ou desabonando o estilo de Markle (“saias de couro justas” e “camisetas largas de algodão”) ante o estilo de Middleton, que “irradia sofisticação”.

Meghan Markle aproveitou o anúncio do noivado, na segunda-feira, para dizer que se sente afetada por esse tipo de cobertura. Segundo declarou, quando a imprensa focou a questão de sua raça nas primeiras coberturas sobre o relacionamento (ela é filha de mãe negra e pai branco), sentiu esse fato como algo “desanimador”. Não se sabe se continuará tendo esse sentimento, no momento em que esse aspecto continua sendo priorizado quando se fala dela.

  • Arquivos

  • dezembro 2017
    S T Q Q S S D
    « nov   jan »
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    25262728293031