CRÔNICA/CINEMA

O FILME DO LONGO AMOR

Maria Aparecida Torneros

Minha amiga me levou pra ver o filme que ela classificou de maravilhoso. Assisti atenta ao filme francês que conta a história de um longo amor. Bem estruturado com excelente maquiagem que acompanha o passar do tempo para o casal por 45 anos de história. Como surpresa as revelações da viúva que desnuda o mito do seu marido escritor revelando detalhes do seu relacionamento íntimo e dados que incluem até o uso do sobrenome dela de origem judaica pelo autor que ela ajudou a criar. Chega a revelar que muitas vezes escreveu por ele. Mas não assume o que conta ao jornalista que a entrevista para saber do escritor com quem ela viveu por tanto tempo. Com quem teve filhos e dividiu fama e prestígio.

Tormentas de dia a dia de qualquer casal são mostradas de ângulo sutil. Victor o personagem escritor torna- se um ser dependente da mulher de personalidade forte. Mas a trama reconhece que há momentos de muita emoção até o fim da sua vida em comum.

O filme mostra a decrepitude da idade avançada e a perda de memória do marido que chega a chamar a mulher de mae.
O desfecho leva a crer que ela o libertou da vida desmemoriada mas que jamais tornará isso publico.
Li a crítica de Marta Medeiros sobre o filme. Ela enfatiza que a convivência e suas nuances é mais prodigiosa que qualquer medalha ou troféu. Quem convive por tempos com alguém vive de tudo um pouco desde a loucura até a plena paz.

O legado de Monsieur Adelman é a certeza de uma longa história igual a de tantos casais que se completam ou tentam fazê- lo a partir da esperança de serem felizes.
Felicidade é dúvida e incerteza mas serve de pano de fundo para gente como a gente. O amor é múltiplo e pode ser intenso até o final.

Cida Torneros é jornalista e escritora, mora no Rio de Janeiro, onde edita o Blog da Cida

Be Sociable, Share!

Comentários

Mariana Soares on 10 agosto, 2017 at 16:48 #

Amei este filme! Há tempos uma história não me surpreendia tanto! Também fui ao cinema após ler a crônica de Martha Medeiros e não me arrependi, muito pelo contrário. Adoro histórias de amor! Acredito que sem amor nada somos e nada podemos. E esta não é uma história de amor comum, muito longe disso. Corram pra ver!


Cida Torneros on 10 agosto, 2017 at 20:15 #

Verdade. Mariana. O amor é tudo e nesse filme assume nuances de surpresas e segredos. Vale conferir!


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos