A atriz Luisa Arraes e uma amiga em foto de seu Instagram.


DO EL PAÍS

André de Oliveira

São Paulo

Quando a figurinista Susllem Tonani tomou a decisão de publicar um texto acusando o ator José Mayer de assédio sexual sistemático (foram cerca de oito meses) estava sozinha e não estava. Sua decisão foi solitária, mas veio depois de anos de mobilizações feministas que buscam tirar da invisibilidade as mulheres e seus onipresentes relatos de assédios sofridos e emudecidos. E, se estava sozinha no momento da publicação, poucos dias depois se viu apoiada por uma mobilização de funcionárias que adotou a hashtag #MexeuComUmaMexeuComTodas e ganhou as redes sociais. Agora, analisam ativistas e pesquisadoras do tema, a história de Tonani é mais uma pedra, mais um marco, que oferecerá amparo para outras vítimas de abuso sexual em ambientes de trabalho.

“O caso trouxe para o centro do debate situações que ocorrem em empresas e instituições públicas, mas que ficam em geral restritas à vítima”, diz Nadine Gasman, representante da ONU Mulheres Brasil. “A mobilização que se seguiu à denúncia revela união na defesa de direitos das mulheres em ambientes de trabalho, além de mostrar para outras empresas que políticas e mecanismos eficazes para que as queixas das trabalhadoras sejam escutadas são necessários”, argumenta Gasman. Em uma cartilha desenvolvida pela instituição das Nações Unidas, empresas privadas são orientadas a ter uma política de tolerância zero contra qualquer tipo de assédio, além de criar mecanismos claros, eficazes e de responsabilização de atos.

Segundo a diretora-executiva do Instituto Patrícia Galvão, Jacira Melo, o assédio vivido por Tonani e o desenrolar dele foi exemplar por diferentes motivos. Primeiro, porque ao reagir e expor o caso, Tonani elevou o enfrentamento de assédios a um ponto sem volta: “É claro que outras mulheres que agora sofrem assédio em uma condição de invisibilidade vão se sentir encorajadas”. Segundo, porque apesar de um intervalo de alguns dias, a posição corporativa da TV Globo foi rápida e muito simbólica. “Estamos falando da maior emissora do Brasil e isso, com certeza, terá um impacto sobre os departamentos de recursos humanos e a mentalidade de muitas outras empresas no país”, diz Melo. Terceiro, por fim, está a carta de Mayer que, apesar de ser claramente de “redução de danos” e de fazer uma tentativa de individualizar a questão, como se esse episódio fosse um ponto fora da curva, não deixa de ser uma confissão.

A exposição do caso revela também que o assédio pode ter diferentes facetas, reflete Juliana Faria, criadora da Think Olga, ONG feminista. “O tipo de violência praticada por Mayer foi, antes de atingir o extremo, algo que as pessoas têm dificuldade de encaixar na cultura do estupro”, diz. “Se foi uma cantada, há quem diga que foi só uma palavra. Se foi passar a mão no cabelo, no ombro, há quem diga que foi só um carinho. Só que isso depende do consentimento. Houve consentimento? Tudo depende disso”, continua. E há um caminho que vítimas de assédio devem seguir? “É complicado falar de um passo a passo, porque a discussão não pode passar apenas pelo que a vítima deve fazer, mas por como a sociedade e as empresas lidam com o assédio”, completa.

Nesse sentido, Melo acredita que o caso representa um marco, pois ajudará também na percepção que há sobre o que é assédio e o que não é. “E, mais importante, é um marco que tem a ver com a percepção pública, criada a partir da mobilização das novas gerações, de não tolerar mais esse tipo de coisa”, diz Melo. “Culpar a idade, como fez Mayer, não dá. Mas, de fato, os tempos são outros e, se a Susllem tomou uma decisão sozinha, ela não estava, de fato sozinha”, completa. Uma prova concreta e numérica disso está, por exemplo, no aumento de ligações para o 180, número da Central de Atendimento à Mulher, do Governo Federal.

Criado em 2005, o serviço está disponível 24 horas por dia no Brasil e mais 16 países e tem como função orientar e encaminhar mulheres brasileiras vítimas de assédio – ou qualquer pessoa que queira fazer uma denúncia ou receber orientação sobre a legislação vigente. Se em 2015, o 180 já tinha batido recorde de atendimento, com 749 mil ligações; em 2016, ano dos últimos dados disponíveis, o número pulou para 1.133.345. O aumento exponencial é creditado não só ao enraizamento do serviço, mas também ao fato de que a violência contra a mulher está mais visível, mais gritante, como atesta o desfecho da história de assédio sofrida por Tonani.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos