Viva Salvador : ontem, hoje e sempre!

Feliz aniversário!!!

(Vitor Hugo Soares)


DO G1.

Por G1 Rio

Justiça determina prisão de cinco conselheiros do Tribunal de Contas do RJ

O presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Jorge Picciani, foi conduzido coercitivamente pela Polícia Federal para prestar depoimento, na manhã desta quarta-feira (29). Agentes da Polícia Federal buscaram o deputado em sua casa, em um condomínio de luxo na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, e o levaram para a sede da PF, por volta das 12h.

A condução faz parte da Operação Quinto do Ouro, que foi deflagrada nesta manhã. A ação investiga desvios de até 20% de contratos com órgãos públicos para autoridades, em especial membros do Tribunal de Contas do Estado do Rio (TCE-RJ) e da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Seis mandados de prisão foram cumpridos contra conselheiros e um ex-conselheiro do tribunal. As prisões são temporárias, ou seja, têm prazo para terminar.

Veja a lista de presos:

Aloysio Neves, conselheiro e atual presidente do TCE
Domingos Brazão, conselheiro
José Maurício Nolasco, conselheiro
José Gomes Graciosa, conselheiro
Marco Antônio Alencar, conselheiro e filho do ex-governador e prefeito do Rio, Marcello Alencar
Aluísio Gama de Souza, ex-conselheiro

O G1 ligou para os gabinetes dos cinco conselheiros, mas não conseguiu contato. Os e-mails também não foram respondidos. A reportagem tenta localizar a defesa de Aluísio Gama de Souza.

O gabinete de Picciani na Alerj foi alvo de busca e apreensão. Agentes deixaram a assembleia com malotes, que foram levados para a sede da PF. A Alerj informou que os mandados de busca e apreensão nos gabinetes da presidência da casa foram cumpridos normalmente pela Polícia Federal.

A assessoria do deputado Jorge Picciani afirmou que ainda está esperando informações sobre a investigação e que vai se manifestar mais tarde. O PMDB declarou que tem certeza de que Jorge Picciani dará todos esclarecimentos às autoridades competentes.


Deu na Folha de S. Paulo, reproduzido no espaço da autora teatral Aninha Franco, no Facebook.

RUA CHILE RENASCE E DESPERTA SALVADOR

Nizan Guanais

A rua Chile não é mais aquela rua do passado de Salvador e da minha infância. Aquela rua onde ficavam a farmácia Chile, a farmácia dos baianos, e a loja Sloper, onde ia fazer compras com a minha mãe após sofrer muito no dentista.

Depois de décadas decadentes, depois da maior crise econômica da história do país, a principal artéria do centro histórico e comercial de Salvador começa a renascer. Graças a gente como Rogerio Fasano, Antônio Mazzafera e ACM Neto, a primeira rua do Brasil será o coração de uma nova Salvador.

E o que acontece em Salvador não fica em Salvador, o Brasil sabe disso desde que nasceu.

Mazzafera é um amigo que fiz quando ele morava em Londres, onde cuidava de um dos melhores hotéis da cidade.

Empreendedor que estudou em Harvard, ele reformou o antigo e belo Hotel Palace, construção art déco dos anos 1930 inspirada no edifício Flatiron de Nova York, para ser o novo e belíssimo Fera Palace, um hotel design de muito bom gosto, feito a quatro mãos, com a ajuda do arquiteto dinamarquês Adam Kurdahl. Do hall impactante e chique à sua deslumbrante piscina no “rooftop”, tudo nele nos diz: a rua Chile voltou.

Mazzafera planeja fazer muitos investimentos na área, de um prédio-garagem de design arrojado a edifícios de escritórios que vão incendiar a rua Chile e fazer dela o point de uma Salvador ao mesmo tempo histórica e antiga, mas também moderna, baiana e global.

O sonho grande de Mazzafera será potencializado com a chegada, pelas mãos da grife Fasano, do Hotel Palace à praça Castro Alves, ocupando a antiga sede do jornal “A Tarde”, outro belo prédio art déco dos anos 1930. Castro Alves, poeta morto aos 24 anos já com uma obra gigantesca, merece essa beleza.

Não conheço detalhes do projeto, mas conheço Rogério Fasano.?Tudo o que ele faz é lindo, inteligente, chique e de alta qualidade. A praça onde a rua Chile deságua voltará à sua antiga glória com aquela vista magnífica e imponente da baía de Todos os Santos.

Nasce, assim, em plena rua Chile, uma Barcelona capaz de transformar criatividade em inovação, visão em realidade.

Junta-se a Mazzafera e a Fasano o fator Neto. Jovem e moderno como os dois empreendedores, ele está modernizando e cuidando de Salvador com competência, criando condições para que investimentos como esses aconteçam cada vez mais.

Sempre defendi isso. O futuro de Salvador está no seu passado. Quando os portugueses chegaram aqui, escolheram o melhor ponto, onde a vista avista a baía que deu nome a tudo, onde a brisa ameniza aquilo que o sol castiga, onde o olho descansa no mar.

Agora, a rua mais antiga do Brasil caminha para ser a mais moderna.?A primeira rua será a rua primeira de uma Salvador do futuro. A preservação e, mais do que isso, a revitalização do patrimônio histórico é uma bênção ao conhecimento do passado e à construção do futuro.

Nos anos 1980, convencemos o então poderoso presidente-fundador da Sony, Akio Morita, a entrar na campanha pela revitalização do Pelourinho, o bairro em que nasci, bem perto da rua Chile. O Pelourinho virou símbolo da beleza e da força criativa nacional e palco global para estrelas como Paul Simon e Michael Jackson.

O Brasil começa finalmente a sair de sua pior crise econômica. O que mais precisamos agora são sonhos grandes realizados pelas mãos de empreendedores visionários, como no renascimento da rua Chile.
Salvador, amor da minha vida, que bom que você voltou.

BOM DIA!!!

mar
29


DO EL PAÍS

Heloísa Mendonça

São Paulo

A aprovação na Câmara da polêmica lei que libera a ampla terceirização causou um racha dentro do PMDB. Após a base aliada do Governo Michel Temer conseguir ressuscitar um projeto de lei proposto há 19 anos e passar o texto com um placar folgado na semana passada, o líder do partido, Renan Calheiros, assinou junto a nove senadores do PMDB um manifesto contra a sanção do projeto de lei.

Segundo a nota dos senadores, o texto aprovado pela Câmara precariza as relações de trabalho, derruba a arrecadação, revoga conquistas da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) e piora a perspectiva da aprovação da Previdência. “A bancada discutiu bastante a terceirização e pela maioria dos presentes assinou uma nota pedindo a Temer que não sancione [a lei], porque, como está, irá precarizar as relações de trabalho”, disse Calheiros a jornalistas após reunião com os senadores.

Para Calheiros, que afirmou não ser o articulador da carta, a melhor solução “é regulamentar os terceirizados, mas colocando um limite”, já que ele é contra a terceirização da atividade-fim das empresas. “Na crise, ela [a lei] vai precarizar as relações de trabalho, a terceirização é o boiafria.com, isso é retroceder”, disse. Além dele, a nota foi assinada por Marta Suplicy (SP), Kátia Abreu (TO), Eduardo Braga (AM), Elmano Ferrer (PI) Rose de Freitas (ES), Hélio José (DF), Simone Tebet (MS), Waldemir Moka (MS).

O projeto aprovado pela Câmara, no entanto, é amplamente defendido pelos empresários, que defendem que a existência de uma lei sobre o assunto é fundamental para garantir a segurança jurídica deles e dos trabalhadores. Como não há uma lei específica para a terceirização, o tema vem sendo regulado pelo Tribunal Superior do Trabalho através da súmula 331, de 2003.

Nesta terça-feira, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE) também se disse favorável a sanção por Temer do projeto aprovado na Câmara, mas afirmou que outro projeto sobre a terceirização que tramita no Senado continuará o rito normal na casa. O texto será enviado para análise de uma ou mais comissões permanentes. No entanto, ainda não há previsão de quando a proposta será apreciada pelo Senado.

Uma fonte do Palácio do Planalto disse à agência Reuters, nesta semana, que parte do Governo considera a versão de terceirização aprovada pela Câmara “dura demais” e que o presidente estaria preocupado com o “desgaste público” com a medida. O projeto aprovado traz apenas três salvaguardas aos trabalhadores terceirizados, enquanto o que tramita no Senado traz um número bem maior. No dia 15 de março, milhares de pessoas foram as ruas protestar contra a terceirização irrestrita e a Reforma da Previdência.

Uma das principais diferenças entre as propostas de terceirização é que, na aprovada na semana passada pela Câmara, a responsabilidade por direitos trabalhistas seria principalmente da empresa terceirizada. Já no texto do Senado, essa responsabilidade seria dividida com a empresa onde o terceirizado trabalha. O relator do projeto no Senado, o oposicionista Paulo Paim (PT-RS) também apresentou nesta terça-feira, um relatório em que pede que seja vedada a possibilidade das empresas terceirizarem a “atividade -fim”. Assim, uma escola não poderia terceirizar, por exemplo, seus professores.

“O mais importante é que eu não permito a terceirização das atividades-fim. Eu destaco no meu relatório também que o trabalhador terceirizado precisa receber todos os direitos dados aos outros trabalhadores, o que está garantido na CLT e na Constituição”, afirmou Paim ao EL PAÍS.

O senador petista disse ainda que está disposto a negociar e que gostaria de definir o tema até o início de maio. “Falei para o presidente do Senado que podemos tentar construir um acordo. Acho que podemos fazer esse debate no mês de abril. Assim chegamos ao primeiro de maio com essa questão resolvida, regulamentando a questão desses 15 milhões de trabalhadores irregulares”, afirmou o petista que ressaltou que “até o presidente da República está dizendo que este projeto da Câmara é muito forte”. Temer tem dia 15 úteis para sancionar ou vetar a a proposta aprovada pelos deputados na semana passada.

DO CORREIO

Miro Palma/ REDE BAHIA

Oito jogos, oito vitórias e um sentimento: a Seleção Brasileira de Tite está no caminho certo para a conquista do sexto título mundial na Copa da Rússia, em 2018. Ainda falta um bom tempo daqui até lá e, por isso, os torcedores precisam se contentar com as Eliminatórias. Na noite desta terça-feira (28), no Itaquerão, em São Paulo, triunfo de 3×0 sobre o Paraguai.

Os rivais estavam atravessados na garganta brasileira. Desde 2009, o Brasil não vencia “La Albirroja”. Foram quatro empates seguidos, aliados aos jogos traumáticos de 2011 e 2015, com duas eliminações nas edições da Copa América, ambas nos pênaltis.

Disposto a manter o retrospecto de 100% de aproveitamento sob o comando de Tite, o Brasil manteve o estilo de jogo, com marcação alta e boa saída de bola dos volantes. O resultado pôde ser observado na posse de bola: 70% para a equipe verde e amarela.

Em 25 minutos de bola rolando, Neymar já havia levado cinco faltas dos paraguaios. A cada bola parada, por sinal, um susto daqueles para o goleiro Anthony Silva. De cabeça, Firmino exigiu toda a elasticidade do camisa 12.

De tanto pressionar, o Brasil conseguiu furar a defesa adversária. Coutinho partiu livre pela direita e tocou para Paulinho, que devolveu de calcanhar. O camisa 11 meteu uma chapa bonita, de fora da área, no cantinho do gol. Bola na rede e festa na arquibancada. Foi suficiente na primeira etapa.

Após a chuvarada que caiu em Itaquera, a intensidade brasileira seguiu a mesma. Com apenas quatro minutos, Coutinho cruzou rasteiro para Neymar, que entrou de carrinho e por muito pouco não balançou a rede.

A chance viria logo no minuto seguinte, quando o próprio Ney roubou a bola e sofreu pênalti. Na cobrança, o camisa 10 bateu no canto, mas o goleiro Anthony Silva pegou.

Não tem problema. Após 10 minutos, o craque partiu de trás do meio-campo, deixou dois paraguaios na saudade e entrou na área. Gingou, chutou e correu para o abraço. Ainda teve tempo de Neymar fazer mais um gol, mas o lance foi anulado devido ao impedimento do atacante.

Já aos 40, Marcelo recebeu passe de letra de Paulinho e, na saída do goleiro, deu uma cavadinha por cima. Caixão fechado e a torcida se acabou de cantar: “O campeão voltou, o campeão voltou!”. E tem que respeitar mesmo.

As Eliminatórias só retornam no dia 31 de agosto, dia em que o Brasil vai enfrentar o Equador em casa. Cinco dias depois, será a vez de encarar a Colômbia como visitante.

mar
29
Posted on 29-03-2017
Filed Under (Artigos) by vitor on 29-03-2017


Aroeira, no jornal O DIA (RJ)


Messi pega pesado com bandeirinha brasileiro


DO EL PAÍS

Pablo Vande Rusten

Lionel Messi foi punido pela FIFA e não jogará a partida da noite desta terça-feira entre a Seleção Argentina e a Bolívia em La Paz. O camisa 10 argentino e do Barcelona não poderá entrar em campo com sua seleção nos próximos quatro jogos – além desta terça, ficará de fora também contra o Uruguai em Montevidéu, em 31 de agosto; contra a Venezuela, em setembro; e contra o Peru em outubro. Só poderá disputar o último jogo das Eliminatórias para a Copa da Rússia-2018.

“La concha de tu madre” (“a vagina da sua mãe”) é um dos insultos argentinos mais conhecidos. Foi isso que Lionel Messi disse a Emerson Augusto de Carvalho, o árbitro assistente que apontava os impedimentos da Argentina no segundo tempo do jogo contra o Chile no estádio Monumental, em Buenos Aires. O brasileiro, consultado pela Comissão Disciplinar da FIFA, diz não ter entendido a ofensa naquele instante. Messi xingou o juiz mais de uma vez: primeiro ao final da etapa inicial; depois, quase no final da partida; e, finalmente, antes de ir para o vestiário, com a vitória consumada.

  • Arquivos