DEU NO JORNAL A TARDE/ COLUNA DE RONALDO JACOBINA

Gil ironiza coro de “Fora, Temer”

No domingo de Carnaval, além de manter a tradição de acompanhar a saída dos Filhos de Gandhy no Pelourinho, o cantor baiano Gilberto Gil ainda fez questão de ir pessoalmente receber os convidados do Expresso 2222. Já passava de 1h de segunda-feira quando ele deixou o camarote. No local, só se comentava sobre a vitalidade de Gil, que circulou a noite inteira pelo espaço, cumprimentou a todos, posou para fotos com os fãs, conversou com os amigos e recebeu homenagens dos trios que passavam em frente ao edifício Oceania. Vida longa ao mestre!

Modismo

Gil disse ver com satisfação as manifestações políticas durante o Carnaval, como a realizada pela banda Baiana System na última sexta-feira, no circuito Dodô (Barra-Ondina). Na ocasião, a banda puxou um coro contra o presidente Michel Temer. Segundo ele, expressões desse tipo durante a festa remetem aos antigos carnavais. “A festa sempre teve essa coisa da crítica, da troça. É muito interessante. Mas o ‘Fora, Temer’ parece que virou uma frase da moda, não é?”, ironizou.

fev
28
Posted on 28-02-2017
Filed Under (Artigos) by vitor on 28-02-2017


DO EL PAÍS

Afonso Benites

Brasília

Uma decisão envolvendo o ex-presidente José Sarney (PMDB) tomada pelos cinco ministros da 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal, a esfera responsável por analisar a maioria dos processos da operação Lava Jato, passou quase despercebida pelo noticiário brasileiro na última semana. Mas suas implicações dão dois indicativos: 1) a corte trata de maneiras distintas ex-autoridades públicas, como Sarney e Luiz Inácio Lula da Silva (PT); e 2) o relator da Lava Jato, o ministro Edson Fachin, terá dificuldade em emplacar sua tese dentro deste colegiado.

O primeiro teste de fogo de Fachin ocorreu há uma semana, quando votou a favor da manutenção dos quatro inquéritos que envolviam Sarney na primeira instância. Foi derrotado por quatro votos a um. Os ministros Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Celso de Mello concordaram com a tese da defesa do peemedebista e entenderam que, por suas investigações estarem ligadas a suspeitos como foro privilegiado, ele deveria ser julgado pelo Supremo. As suspeitas contra Sarney surgiram após grampos clandestinos feitos contra ele pelo ex-presidente da Transpetro e ex-senador Sergio Machado que também envolveram outros dois senadores, os também peemedebistas Romero Jucá e Renan Calheiros. Na ocasião, veio a público a tentativa dos peemedebistas de frearem a Lava Jato.

Em uma das investigações, Sarney é suspeito de se juntar a Jucá e a Calheiros para elaborar um projeto de lei para impedir que suspeitos presos fizessem delação premiada. Na outra, ele é suspeito de receber propinas de 16 milhões de reais. O ex-presidente nega que tenha recebido propinas ou esteja envolvido nos crimes investigados pela Lava Jato.

Apesar de não ser contemplado por nenhuma das exigências que beneficiam as milhares de pessoas que têm direito ao foro privilegiado (aquele em que apenas tribunais podem julgá-lo), Sarney acabou recebendo esse benefício. Enquanto o ex-presidente Lula, não. O petista é réu em quatro processos e, até o momento, todos serão julgados pelo juiz Sergio Moro, o célere e rígido magistrado responsável pela Lava Jato na primeira instância. No caso de Lula, seus advogados já tentaram elevar os casos para o STF, mas não conseguiram porque a Corte entendeu que até o momento não foi comprovado o envolvimento de autoridades com essa prerrogativa.
Pelo fim do foro

Quando o STF se posicionou favoravelmente a Sarney, seu advogado, Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, disse que a decisão embasaria sua tese de que seu cliente não cometeu nenhum crime. “Como temos absoluta certeza de que a delação [de Sergio Machado] é falsa, oportunista e falaciosa, será fácil demonstrar neste único inquérito que o único crime foi cometido pelo Sergio Machado com a gravação criminosa, ilegal e imoral”, afirmou ao site Consultor Jurídico, especializado nesse tipo de cobertura.

O curioso, no caso de Kakay, é que ele mesmo já defendeu, mais de uma vez, o fim do foro privilegiado. A defesa enfática mais recente ocorreu nesta segunda-feira, em entrevista ao O Estado de S. Paulo. Diz o advogado de Sarney: “Tenho defendido a garantia de foro apenas a presidentes da República, do Supremo, do Senado e da Câmara”.

Nesse longo debate, outro que se beneficiará do foro o delator Sérgio Machado. Essa definição do STF coloca em evidência idas e vindas nem tão claras da corte constitucional brasileira. Quando do julgamento do mensalão petista, por exemplo, todos os envolvidos com autoridades com direito a foro foram julgadas pelo Supremo. Anos depois, quando a análise foi sobre o mensalão tucano, a decisão foi que só seriam julgados nesta instância os que tivesse esse benefício. Agora, voltam ao entendimento anterior, ao menos em parte.

“O problema do STF é que ele nunca estabeleceu um padrão. O Supremo não definiu esse padrão porque sabe que há um custo político por trás disso e, agora, parece que ele não quer pagá-lo”, afirmou o professor de Direito da Fundação Getúlio Vargas, Ivar Hartmann. Coordenador do projeto Supremo em Números, da FGV, Hartmann diz que a tentativa de manter os casos nesta Corte tem ao fundo uma esperança de que os crimes prescreverão com maior facilidade.

Um levantamento da FGV mostra que 68% dos processos envolvendo réus com foro privilegiado entre janeiro de 2011 e março de 2016 tiveram um fim que não se espera do Judiciário: os processos ou prescreveram ou foram enviados às instâncias inferiores e protelaram uma decisão. Para chegar a esses dados, os pesquisadores analisaram 404 ações penais que já tiveram alguma conclusão. A pesquisa foi antecipada por alguns veículos de imprensa há cerca de dez dias, mas ainda não foi publicada pela própria instituição, apesar de ter seu resultado confirmado.

Informações como essas reforçam o movimento que pede o fim do foro privilegiado para as autoridades. Atualmente, pelas regras constitucionais a gama de beneficiados por julgamentos distintos do cidadão comum é extensa. Mais de 22.000 pessoas só podem ser julgadas por colegiados, ou seja, por Tribunais de Justiça dos Estados, Tribunais Regionais Federais, Superior Tribunal de Justiça ou Supremo Tribunal Federal. Entre os beneficiados estão o presidente da República, seus ministros e seu vice, os governadores, os senadores, os deputados federais e estaduais, os ministros de tribunais superiores, os promotores de Justiça, os procuradores federais, os prefeitos e o procurador-geral da República.

Atualmente, há sete projetos de lei tramitando no Congresso sobre o tema. O que está em estágio mais avançado é a proposta de emenda constitucional (PEC) número 10 de 2013. Aprovada em novembro do ano passado na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, ela aguarda que o presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE), paute sua votação no plenário, algo que não tem data para ocorrer. Oliveira, é um dos citados na Lava Jato.


Vai dedicado a Wellington e Glavânia, casal de amigos do peito que amam o frevo pernambucano e o carnaval da Bahia com igual intensidade. EVOÉ!!!
===========================
Vai também para Alaor Soares ( onde estiver), meu pai, grande folião, que morreu em um 28 de fevereiro , de ano bissexto, quando a folia batia às portas em Salvador. Saudades!

BOA TARDE!!!

(Vitor Hugo Soares)

fev
28


Dom Helder: mensagem histórica de um sábio.

DOM HELDER CÂMARA – ARCEBISPO DE OLINDA E RECIFE (EM MEMÓRIA, COM SAUDADES)

“Carnaval é a alegria popular. Direi mesmo, uma das raras alegrias que ainda sobram para a minha gente querida. Peca-se muito no carnaval? Não sei o que pesa mais diante de Deus: se excessos, aqui e ali, cometidos por foliões, ou farisaísmo e falta de caridade por parte de quem se julga melhor e mais santo por não brincar o carnaval. Estive recordando sambas e frevos, do disco do Baile da Saudade: ô jardineira por que estas tão triste? Mas o que foi que aconteceu….Tú és muito mais bonita que a camélia que morreu. BRINQUE MEU POVO POVO QUERIDO! MINHA GENTE QUERIDÍSSIMA. É VERDADE QUE 4a FEIRA A LUTA RECOMEÇA. MAS, AO MENOS, SE PÔS UM POUCO DE SONHO NA REALIDADE DURA DA VIDA!”

Dom Helder Câmara, 01 de fevereiro de 1975 durante sua crônica radiofônica “um olhar sobre a cidade”da Rádio Olinda AM.
Postado por AÇÃO CULTUR

DEU NO BLOG POR ESCRITO ( DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

Neto “in love” com a democracia

O prefeito ACM Neto declarou que não será ele a “censurar” ou “retaliar” ninguém em razão de posicionamentos políticos ou de outra natureza.

É um sinal de grande valor para o futuro, que o “Fora Temer” de Russo Passapusso, da BaianaSystem, lhe deu a chance de manifestar.

Sendo ele o herdeiro genético e nominal do falecido senador Antonio Carlos Magalhães, que o lançou e inspirou na política, a declaração sugere que define, nesse aspecto, rumo oposto ao do avô.

Anticarlistas deram apoio em massa

A abordagem é necessária porque, à medida que o tempo passa, percebemos que a política não é feita de velhas rixas que fixam parâmetros inabaláveis.

Já houve o tempo do carlismo e do anticarlismo, que, para muitos, Neto incorporaria pelo fato de ser quem é. E muitos preferiram na sua primeira eleição, no segundo turno, votar “ideologicamente”, independentemente da questão da cidade.

A reeleição, contudo, não deixou dúvida: 74% dos votos, com vitória homogênea em todas as regiões de Salvador, o que significa que o prefeito recebeu massivo apoio de segmentos que jamais votaram em ACM e seus candidatos na capital.

O desafio de respeitar a frágil flor

A liderança do prefeito já se distingue no âmbito nacional, fruto inegável de talento político e capacidade administrativa. Numa circunstância histórica em que se busca por “renovação”, poderá ter carreira longa e ascendente.

Exatamente aí reside o desafio para quem se pretenda, por exemplo, um estadista: proteger o frágil vaso onde está plantada a flor democracia e ver no serviço público a oportunidade de melhorar a vida dos seus concidadãos.

Veja a diferença

Sobre o mesmo assunto, o presidente do Conselho do Carnaval, Pedro Costa, deu chilique. Certamente sem conhecer o comentário do prefeito, disse que haverá uma avaliação para ver se a banda participará do Carnaval de 2018.

Afirmando que “não é permitida manifestação política” (?), ameaçou com código de ética e ainda mandou sair na Mudança do Garcia quem quisesse protestar.

fev
28
Posted on 28-02-2017
Filed Under (Artigos) by vitor on 28-02-2017


Aroeira, no jornal O DIA (RJ)

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

Padilha: sem problemas

Foi concluída sem problemas a cirurgia a que o ministro Eliseu Padilha foi submetido hoje à tarde.

Padilha foi operado no hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, para a retirada da próstata.

Ele permanecerá dois dias sob observação.

A assessoria do ministro afirmou ao G1 que ele volta ao trabalho na segunda-feira.

  • Arquivos

  • Fevereiro 2017
    S T Q Q S S D
    « jan   mar »
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728