fev
21
Postado em 21-02-2017
Arquivado em (Artigos) por vitor em 21-02-2017 00:06

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

Quando o delator de Cabral chorou

As relações entre criminosos são espantosamente baseadas em… lealdade.

Durante os depoimentos de delação premiada, os irmãos Renato e Marcelo Chebar, foram firmes o tempo todo, disse a O Antagonista um dos procuradores da Lava Jato fluminense.

Renato, no entanto, fraquejou, chorou mesmo, quando foi perguntado sobre a relação de confiança entre eles e Cabral.

O investigador quis saber como Cabral tinha garantia de que eles devolveriam todo o dinheiro que guardavam no exterior (US$ 80 milhões só do ex-governador e outros US$ 20 milhões de outros membros da ORCRIM).

O que aconteceria se os dois morressem, perguntou o procurador?

Segundo Renato, os dois tentavam evitar riscos. Nunca viajavam no mesmo avião, por exemplo.

“Mas, e em uma situação hipotética, o que aconteceria, se vocês dois morressem?”, insistiu o procurador.

Segundo Renato Chebar, essa seria a única possibilidade de Cabral levar calote.

O delator afirmou que era totalmente leal ao ex-governador, e que não existia a possibilidade de ficar com o dinheiro dele. Disse, ainda, que a decisão de colaborar com a Justiça, foi a última alternativa, “última mesmo”. E caiu no choro.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • Fevereiro 2017
    S T Q Q S S D
    « jan   mar »
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728