dez
23
Postado em 23-12-2016
Arquivado em (Artigos) por vitor em 23-12-2016 23:55

DEU NO BLOG POR ESCRITO ( DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

Artífices da falência até hoje ditam as regras

Hoje, o Brasil e o mundo sabem – vide termos do acordo com Estados Unidos e Suíça – que a Odebrecht funcionava como um Congresso paralelo no país.

Em apenas duas das várias medidas provisórias que conseguiu aprovar de 2005 a 2015, a empresa teve lucro de R$ 8,4 bilhões, gastando apenas R$ 16,9 milhões em propina.

No centro das operações estava o senador Romero Jucá – e mesmo os pleitos que chegavam ao senador Renan Calheiros a ele eram destinados como uma espécie de coordenador.

As matérias de que tratavam as MPs eram a isenção de PIS/Cofins na compra de nafta para a Braskem, empresa do grupo Odebrecht, e venda de energia elétrica mais barata a grandes indústrias pela Chesf.

São dois exemplos de ações de homens que até agora ocupam dos mais altos postos da República, nos quais não se pode esperar que se conduzam de forma diferente daquela do tempo em que quebravam o país.

Petroquisa se foi para nunca mais voltar

Trinta e cinco anos atrás, o Polo Petroquímico já era o principal pilar da economia baiana, com grande contribuição tributária e geração de empregos, e representava o investimento de prosaicos US$ 5 bilhões.

Foi construído, como quase todo o parque petroquímico nacional, em sistema tripartite, pela associação entre o capital privado e o estatal, representado pela Petroquisa, subsidiária da Petrobras, com o investimento estrangeiro, que trazia o suporte tecnológico.

No governo Collor (1990-92), sem que houvesse razão econômica para tanto, a Petroquisa foi alienada em transação duvidosa, em benefício, principalmente, dos parceiros brasileiros da sociedade, entre os quais a Odebrecht.

A Petroquisa tinha participação em cerca de 90 empresas, como as gigantes Copene (atual Braskem), Petroflex e Copesul, além de grupos empresariais de grande porte, como o Ultra e o Unipar.

Toda essa riqueza foi trocada por papéis podres de diversas natureza, levando o presidente da estatal Joel Rennó, já no governo Itamar (1992-94), a estimar o prejuízo da companhia em US$ 1,2 bilhão.

Uma CPI retroativa, se possível fosse, poderia revelar as entranhas do crime de lesa-pátria então praticado, com os nomes de todos os culpados, que seriam facilmente descobertos pelo consagrado método “siga o dinheiro”.

Be Sociable, Share!

Comentários

rosane santana on 26 dezembro, 2016 at 11:39 #

Caro Luis, voltemos ao presente: agora mesmo, enquanto o País assiste ao circo político no qual se transformou a LavaJato, este governo que aí está, com apoio de paneleiros e caminhantes, entregou, repito, entregou, de bandeja, dois poços de petróleos a empresas internacionais. Quantos pólos petroquímicos isto representa?


luis augusto on 26 dezembro, 2016 at 18:06 #

É verdade, Rosane. Estamos historicamente cercados.

A boa notícia é que você dá essa força ao BP na ausência do titular.


rosane santana on 26 dezembro, 2016 at 18:48 #

kkkk


luis augusto on 26 dezembro, 2016 at 19:49 #

Desculpe, Ró. Foi um mal-entendido. Agora vi que foi Vitor, onde quer que se encontre, quem postou o texto. Pensei que você tava fazendo as postagens do BP, como Cláudio Leal fez numa época de viagem de Vitor.


Taciano Lemos de Carvalho on 27 dezembro, 2016 at 8:11 #

Prisão tá cheia! Carnaval 2017

“Pra Gedel, Renan, Michel vamos ter que arruMar cela”

Letra, música e voz do maestro Jorge Antunes, professor da UNB. Sempre crítico, irônico e arrasador em suas marchinhas de carnaval. Essa também vai fazer sucesso, inclusive no famoso e maravilhoso Bloco do Pacotão, em Brasília.

Desfilam pela música, Renan, Gedel, Michel e coxinhas mil.

Vale acessar o vídeo
https://youtu.be/IWpd3-teQ_c


luis augusto on 27 dezembro, 2016 at 14:06 #

Maravilhoso, fantástico, Taciano. O cara é bom de veneno e rima.


Taciano Lemos de Carvalho on 27 dezembro, 2016 at 23:28 #

O cara é bom demais, Luís. E não perdoa ninguém.

FHC, Lula, Dilma, Roriz, Arruda, e mais um monte de gente assim já foram “vítimas” das suas marchinhas de carnaval ou de “operas de rua”.

Ainda para o Carnaval 2017 conheço mais duas marchinhas de arrasar e também de autoria do maestro Jorge Antunes.

Quando tiver um tempinho veja e ouça:

Marchinha dos codinomes
https://youtu.be/BRSJPpmXNuo

Vou com fé
https://youtu.be/hmLOP_6swvM


Jair Santos on 28 dezembro, 2016 at 17:39 #

Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • dezembro 2016
    S T Q Q S S D
    « nov   jan »
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031