nov
23
Postado em 23-11-2016
Arquivado em (Artigos) por vitor em 23-11-2016 00:21

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

“Fico” de Geddel deixa governo em xeque

Toda a desconfiança que a nação depositou nas costas do presidente Michel Temer está para materializar-se na permanência do ministro Geddel Vieira Lima no governo.

Temer, é verdade, ainda está atônito. Passou longe dos jornalistas e, à pergunta explícita se demitirá Geddel, arriscou, com o dedo, um sinal negativo envergonhado.

De fato, ele não pode ter tanta convicção assim, com o assunto nas pautas da Comissão de Ética da Presidência, da Câmara dos Deputados, do Senado e, ainda, da Procuradoria Geral da República.

Geddel pode ser seu grande amigo e inestimável colaborador, mas o que ele fez é muito grave e contamina toda a equipe presidencial, pois se sabe que há ministros de primeira e de segunda classes, os demissíveis e os pétreos.

Imprimir Imprimir Enviar por e-mail Enviar por e-mail

A imprensa será o termômetro do caso

Data: 22/11/2016
13:37:05

Nos últimos anos, assistimos a uma imprensa rigorosa e até agressiva com autoridades flagradas em erro.

No presente caso, vale observar o comportamento de jornais e televisões depois destes momentos iniciais.

Pelas declarações, abertas ou em off, dá para perceber um esforço para abafar o problema.

Outras tentativas semelhantes, com medalhões diversos das vida nacional, não tiveram e continuam não tendo êxito.

Agora, novamente, o desfecho de mais esse escândalo está nas mãos dos órgãos de comunicação. Vamos ver o que eles querem.

Imprimir Imprimir Enviar por e-mail Enviar por e-mail

Muito convincente

O perdão a Geddel está sendo creditado à necessidade de o governo aprovar medidas de interesse do país na Câmara e no Senado, para o que dependeria do bom trânsito de Geddel no meio parlamentar.

Nesse aspecto, somos obrigados a concordar. O poder de convencimento do ministro só não se mostrou eficaz quando ele quis “articular” com um ministro de fora do contexto político tradicional.

Imprimir Imprimir Enviar por e-mail Enviar por e-mail

Descendo aos infernos

O problema de Marcelo Calero talvez seja a juventude. Aos 34 anos, diplomata, aprovado em quinto lugar no concurso do Instituto Rio Branco, é o que ele próprio suspeitou: um ingênuo.

Pensou que estava num governo de homens sérios, idealistas, trabalhadores, preocupados sinceramente com o destino do país e de seu povo, e quis pôr a serviço público seus reconhecidos méritos de gestor e pessoa de diálogo.

Poderia não corresponder a esse perfil perfeito que o vulgo traça, mas, a menos que esteja participando de alguma trama política, o que é improvável, realmente não estava “preparado” para circular nas esferas deploráveis em que se meteu.

Política paroquial (ou arquidiocesana)

A trama, diabólica, referida na nota anterior diz respeito a uma teoria conspiratória segundo a qual o PSDB, com interesses localizados nas eleições de 2018 na Bahia, estaria tentando tirar Geddel do páreo.

De camarote

Se isso tiver fundamento, então o prefeito ACM Neto baixou a bola do aliado sem precisar dar um tiro.

l

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • novembro 2016
    S T Q Q S S D
    « out   dez »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930