BOA TARDE!!!

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

O calouro Saraiva

O advogado José Leite Saraiva Filho, que ainda tem dúvidas sobre se Geddel Vieira Lima precisa ser investigado, assumiu uma vaga na Comissão de Ética Pública em setembro.

A reunião de hoje foi a terceira que ele participou como membro do colegiado.

Digamos que não é o melhor começo.

nov
21


DO EL PAÍS

Afonso Benites

Brasília

Se alguém quiser tirar do rumo o secretário do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI) do Governo Michel Temer, Moreira Franco, basta citar o nome de um político: Eduardo Cunha, o maquiavélico ex-deputado federal do PMDB preso pela Operação Lava Jato sob suspeita de corrupção. Escolhido para ser a primeira vidraça contra quem Cunha mirou sua artilharia, ainda antes de estar detido em Curitiba, Moreira Franco se esforça para não mudar sua fisionomia ou alterar o tom de voz quando tem de tratar de seu correligionário. Um esforço inócuo.

Diz que tudo o que Cunha tem dito sobre ele são “insinuações malévolas” e que não há nenhum lastro de verdade. “A minha indignação é santa”. Por que, então, foi o eleito para ser o primeiro alvo de Cunha, um potencial delator da Lava Jato? “Essa pergunta você tem de fazer para ele”, responde rispidamente o secretário,

Um dos principais aliados de Michel Temer desde a década de 1990, Moreira Franco é um dos homens-fortes da gestão, ao lado de Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo), Eliseu Padilha (Casa Civil) e Romero Jucá (defenestrado do Ministério do Planejamento por causa da Lava Jato e agora reinstalado como líder do Governo no Senado). Ganhou posição estratégica no Governo empossado em maio, virou o czar das privatizações, carregando para si a responsabilidade de gerenciar um orçamento de aproximadamente 25 bilhões de reais. O valor será usado em financiamentos a serem distribuídos para empresas privadas que participarem das licitações dos programas de privatizações e concessões no Brasil. Até o momento, 34 projetos foram apresentados e os primeiros resultados devem começar a surgir em meados de 2017.
Vidraça desde setembro

À diferença de Geddel, agora no meio do tiroteio por causa das declarações do ex-ministro da Cultura Marcelo Calero de que agiu para obter benefício pessoal em uma decisão ligada à sua pasta, Moreira Franco virou vidraça já em setembro, quando foi citado por Eduardo Cunha como o beneficiário em um esquema ilegal relacionado ao Fundo de Investimentos do FGTS. Já um ex-diretor da Odebrecht, preso pela Lava Jato que negocia delação, diz que ele teria recebido em propinas 3 milhões de reais para enterrar o projeto que previa instalar um aeroporto na cidade de Caieiras, no interior de São Paulo. Na época, ele era o ministro da Secretaria da Aviação Civil de Dilma Rousseff e discutia a concessão de um terceiro aeroporto particular na Grande São Paulo que seria tocado pela Andrade Gutierrez e pela Camargo Corrêa, ambas acusadas pela operação. Sobre a Odebrecht, o secretário também diz se tratar de uma “mentira afrontosa”.

Oficialmente ele não é investigado pela polícia ou pelo Ministério Público, nem foi chamado para explicar qualquer declaração feita contra si. “Essas afirmativas não são de algumas pessoas, como se quer divulgar. Elas têm nome e sobrenome. São de quem montou esse esquema, o Eduardo Cunha. Não tenho nada a ver com isso”. Especificamente sobre o imbróglio do aeroporto, Franco nega ter recebido propina afirma que, enquanto ministro, ele só cumpriu a legislação nacional que impedia a construção desse equipamento.

As desavenças com Cunha se iniciaram porque Moreira Franco teria trabalhado para eleger Rodrigo Maia (DEM-RJ), e não Rogério Rosso (PSD-DF), para suceder o peemedebista na presidência da Câmara. Maia é casado com uma enteada de Franco e Cunha acredita que a relação pessoal deles pesou na hora do Governo Temer apoiar um candidato do DEM e não um apadrinhado seu, do “centrão”.
De “gato angorá” a camaleão

No Congresso Nacional, Franco coleciona dezenas de aliados e pouco mais de uma dúzia de inimigos. Depois que acumulou superpoderes em sua secretaria (que ainda não lhe dá o título de ministro nem o foro privilegiado das autoridades públicas), o número de confrontadores parece ter diminuído. “Qual governista vai querer brigar contra o cara que pode distribuir rios de dinheiro para a iniciativa privada? Só quem não tem amor por si mesmo”, diz um deputado do PMDB que diz não ter simpatia pelo chefe do PPI.

“Ele é desses que sempre esteve no poder. O seu lado é o do Governo da hora”, dispara um dos adversários no Congresso. Militante na esquerdista e opositora Ação Popular durante a ditadura militar, o sociólogo Moreira Franco foi influenciado pelo então sogro, o senador Amaral Peixoto, para se filiar ao MDB no Rio de Janeiro. Assim que entrou na política, ganhou a alcunha de “genro do genro”. Peixoto era casado Alzira Vargas, filha do ex-presidente da República Getúlio Vargas.

Na década de 1970 foi deputado federal e prefeito de Niterói pelo partido, mas em 1980, quando acabou o bipartidarismo, migrou para a legenda que dava sustentação ao regime militar, o PDS. A justificativa era de que houve uma desavença interna que fez com que todo o seu grupo político virasse a casaca.

Pelo PDS, disputou a eleição para o Governo do Rio, em 1982 e perdeu para Leonel Brizola (PDT). Aquele pleito ficou marcado pela suspeita de que o candidato do regime, Moreira Franco, seria beneficiado por uma fraude que o favoreceria. Dois anos mais tarde, retornou ao PMDB e em 1986, elegeu-se governador. Nos anos, 1980 Brizola o apelidou de “gato angorá”, por conta da cabeleira branca e por, segundo seu adversário, passar de colo em colo. Na década de 1990, seu amigo, Luís Eduardo Magalhães (deputado federal baiano) o chamava de “anjo mau”, por mapear as intrigas do Planalto Central.

Na esfera federal, além de ser deputado em três ocasiões, Moreira Franco foi assessor especial de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), vice-presidente da Caixa na gestão de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e ministro das Secretarias de Assuntos e Estratégicos e de Aviação Civil de Dilma Rousseff (PT). O término de sua participação na gestão de Rousseff, porém, foi o que marcou o seu futuro. O brusco rompimento com a petista trouxe mágoas que o transformaram em um dos principais articuladores do impeachment dela junto a congressistas. O próprio Temer, que o usava como um porta-voz informal, o incumbiu da função de agir nos bastidores para derrubar a petista.

Em uma recente reportagem do jornal Folha de S. Paulo, recebeu um novo apelido, o de camaleão. O que ele refuta com a mesma ênfase que rebate Cunha. “Sempre ocupei cargos pelo meu partido, o PMDB. A ida para o PDS foi uma questão política local”.

Enquanto o relógio da contagem regressiva de uma possível delação dos diretores da Odebrecht e do próprio Cunha já está em curso, Moreira Franco tem algo importante em que se fiar. Se não tem as benesses de foro privilegiado dos ministros de Estado, ao menos conta com amplo apoio da maior autoridade do Brasil. Assim que as primeiras pedras contra Franco foram lançadas, Temer logo disse que até agora nada existia contra seu auxiliar. Eram apenas “alegações” que não haviam sido comprovadas. A confiança é tamanha que a sala usada pelo secretário hoje é a mesma que Temer usava até maio, a da Vice-Presidência da República.

Ben segunda-feira para começar bem a semana!!!

BOM DIA!!!

(Gilson Nogueira)

DEU NO BLOG POR ESCRITO ( DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

BLAGUE NO BLOG – Mercado em crise

Zeloso delegado, nos anos 80, relatava à imprensa as ações de combate à maconha, assegurando que a destruição de plantações em áreas produtoras chegara aos 70%.

Repórter aparentemente de visão heterodoxa sobre a questão atalhou-o: “Quer dizer que o abastecimento será prejudicado em Salvador neste verão?”

O policial reagiu com veemência: “Abastecimento prejudicado?!” – e desenrolou um discurso sobre os malefícios das drogas e os valores da ordem e da família.

nov
21
Posted on 21-11-2016
Filed Under (Artigos) by vitor on 21-11-2016


Jarbas, no Diário de Pernambuco (Recife)

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

O alho e o bugalho

Sete corpos foram encontrados na mata da Cidade de Deus, desde que os policiais começaram a reagir aos traficantes que podem ter derrubado um helicóptero da PM (a hipótese de pane ainda não foi descartada).

Mas os Jogos Olímpicos do Rio foram os melhores da história e a cidade se transformou.


Chuva de verdade e de gols no Barradão

DA TRIBUNA DA BAHIA

Para o Vitória, nem o empate servia. Era vencer ou vencer, na tarde deste domingo (20/11), no Barradão, em Salvador, e empurrar de vez o Figueirense para o rebaixamento, aproveitando para se manter fora do Z-4, no Campeonato Brasileiro Série A.

E logo aos 7 minutos Kieza acertou a trave de Gatito Fernández. Aos 18 minutos foi a vez de Marcelo exigir uma defesa em dois tempos do goleiro do Figueira, mas aos 22 minutos Willians Faria acertou um tirambaço. A bola ainda bateu na trave antes de estufar as redes. Vitória 1 x 0 Figueirense.

A partir daí, o que se viu foi o time visitante tentando sair no desespero, apostando em bolsas esticadas, e o Rubro-Negro baiano mais compacto, com controle da partida, mas perdendo várias oportunidades.

O segundo gol dependia apenas de mais capricho, e ele veio logo aos 37 segundos do segundo tempo. Zé Love, de primeira, aproveitando sobra da zaga, após cruzamento. Vitória 2 x 0 Figueirense.

Estava fácil, faltava Kieza desemcabular. E o atacante desemcabulou aos 12 minutos, marcando seu nono gol na Série A deste ano, em jogada que envolveu Zé Love e Marinho. Vitória 3 x 0 Figueirense.

Cheiro de goleada, porque o Vitória ainda tinha Marinho em campo. O Barradão esperava o quarto gol. E foi mesmo de Marinho, aos 16 minutos, de pé esquerdo. A bola fez uma curva impossível de ser acompanhada pelo goleiro Gatito Fernández. Vitória 4 x 0 Figueirense.

Mas aí o técnico Argel Fucks tirou Marinho, substituído por Tiago Real, e o Vitória puxou o frieo de mão, embora precisasse melhorar o saldo de gols.

Ficha do jogo

Vitória: Fernando, Zé Welison, Victor Ramos, Kanu e Diego Renan; Willian Farias, Marcelo e Cárdenas; Marinho, Kieza e Zé Love. Técnico: Argel Fucks

Figueirense – Gatito Fernández; Ayrton, Bruno Alves, Werley e M. Pedroso; Josa, J. Caucaia e Bady; Lins, E. Santos e Rafael Moura

Arbitragem – Luiz Flávio de Oliveira (SP), auxiliado por Marcelo Van Gasse (SP) e Miguel Cataneo da Costa (SP)

Público – 22.648

Renda – R$ 212.988

  • Arquivos

  • novembro 2016
    S T Q Q S S D
    « out   dez »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930