BOA TARDE!!!

out
18


Exibição de fotos e livros de Bob Dylan em uma livraria em Hibbing,
Minnesota, onde o músico cresceu

DEU NO ESTADÃO

COPENHAGEN – A Academia Sueca desistiu de se comunicar diretamente com Bob Dylan, que foi distinguido com o Prêmio Nobel de Literatura desde ano, depois de quatro dias tentando entrar em contato sem êxito.

Assim disse a secretária permanente da Academia, Sara Danius, para a emissora pública Rádio da Suécia. Os representantes de Estocolmo falaram com o agente do músico e outras pessoas de seu entorno, mas não puderam falar com Dylan, que também ainda não fez nenhuma declaração pública nos últimos dias, apesar de estar fazendo shows regularmente.

CRÔNICA
Futebol: e por falar em saudade…

Gilson Nogueira

O futebol, se gente fosse, bateria na nossa porta, para lembrar que éramos felizes e não sabíamos.E, com isso, nos fazer chorar de saudade,como sugere a vinheta do programa Memória do Rádio, produzido e apresentado pelo jornalista Perfilino Neto, na Rádio Educadora da Bahia, em Salvador, a primeira capital do Brasil, cuja violência urbana a coloca em destaque na lista das mais perigosas do mundo. A idéia do visitante seria cutucar reminiscências para provar que ele era muitíssimo melhor que o atual.
Um espetáculo que alegrava o povo, quando o povo frequentava os estádios. Hoje, infelizmente, não mais. Deram um chute na bunda do torcedor comum dos campos de bola de concreto armado.Elitizaram a emoção, através da coreografia egoísta dos que não gritam gol, dos que preferem fazer caras e bocas para as câmerasespionas a registrarem mais o instante do eu estou aqui e você não está do que o suor na cara de um sujeito com a boca desdentada sorrindo e chorando sem camisa sob um sol de quase 40 graus a paixão por seu clube do coração. A torcida soa fora do tom do grito que vinha da alma do antigo torcedor que frequentava a extinta geral do Estádio Octávio Mangabeira, hoje chamado de Arena.
Aquele cara que arremessava para o alto seu radinho de pilha, o único que possuía, como se, alí, naquele gesto, ele buscasse a catarse que o elevaria aos píncaros da glória enquanto gente. Envergando o uniforme do Nostalgia Futebol Clube, o Senhor Futebol iria,de cara, sem cerimônia, dizer que o futebol arte acabou. E levantando a bola, mais:Cadê o drible, a finta que imitava um poema e que transformava, a cada jogo, o esporte das multidões em diversão de Deus? Os áureos anos do radinho de pilha colocado na orelha ouvindo Nilton Nogueira, Genésio Ramos, José Athayde, Franca Teixeira, Oldemar Seixas e muitos outros locutores esportivos que narravam uma partida de futebol, na Fonte Nova e no Campo da Graca, como se estivessem, a cada jogo, acompanhando o desenrolar de uma orquestra dabola,que era de couro, já eram.
A geral do Estádio Octávio Mangabeira em que o dono da casa viu o vendedor de rolete de cana derrubar o pipoqueiro em um abraco tricolor não mais existe, nem, tampouco, o gandula fazendo cera para devolver a bola, a fim de impedir que o adversário tivesse tempo para sair do gude preso, ou seja, empatar o placar de 1 a 0 que levava seu time ao triunfo. O futebol perdeu a graça. É futebol demais. E futebol de menos. O da Bahia, por exemplo, perde para o que os meninos do Botafoguinho, do Ginásio de São Bento, jogavam, nas décadas de 1950 e 1960 do século passado.

out
18
Posted on 18-10-2016
Filed Under (Artigos) by vitor on 18-10-2016


Sid, no portal de humor gráfico A Charge Online

Conselheiro do mal num Canudos inexistente

Com informações que o faziam crer na prisão, hoje, de Lula, o presidente do PT, Rui Falcão, pede uma vigília “de proteção ao ex-presidente”.

“É importante pensar em uma forma de mobilização”, disse Falcão, e mais adiante: “Temos de estar preparados para nos mobilizar rapidamente”.

A declaração remete imediatamente à conversa telefônica de Falcão com o então ministro Jaques Wagner, em março, quando o Ministério Público paulista pediu a prisão preventiva de Lula no caso do tríplex.

Wagner sugeriu: “Eu acho que tem que ficar cercado em torno do prédio dele [Lula] e sair na porrada, Rui”. O presidente do PT não concordou: “Tem nada”. O ministro recuou: “Não, tudo bem, ué. Mas tem que cercar tudo”.

A nova investida de Falcão dá a impressão de que agora ele concorda com a tese de Wagner, pois, ante uma eventual decisão da Justiça e fora dos recursos legais, não haveria como dar “proteção” a Lula senão pelo apelo físico.

Teríamos, portanto, a ser defendido num Canudos imaginário um Conselheiro do mal. O autêntico, no final do século XIX, em seu arraial, agregou flagelados, índios, ex-escravos e outros desvalidos dispostos a defendê-lo até a morte, como fizeram.

Mas agiram assim porque nele viam, muito além do profeta, o líder político sob o qual viviam em paz e irmandade, numa sociedade produtiva que a aristocracia dominante precisou exterminar pela própria sobrevivência.

O nosso Conselheiro redivivo preferiu outro tipo de aliança, com banqueiros, empresários e políticos viciados que jurou combater, enquanto, com pose de santarrão, deixava cair migalhas da mesa dos glutões. Esse tipo de amigo não costuma ser solidário.

Imprimir Imprimir Enviar por e-mail Enviar por e-mail

Lançamento no Irae

Data: 17/10/2016
10:01:33

Será às 18 horas de quarta-feira, na sede do Instituto Rômulo Almeida, o lançamento do livro “As grandes revoluções científicas, econômicas e sociais que mudaram o mundo”. O autor, engenheiro e professor Fernando Alcoforado, fará palestra sobre a obra.


Deputados na sessão desta segunda-feira.
/Luis Macedo Câmara


DO EL PAÍS

Afonso Benites

Brasília

A Câmara dos Deputados desistiu de votar as mudanças na lei da repatriação de recursos que estavam escondidos no exterior. A decisão foi tomada no fim da tarde desta segunda-feira depois de uma reunião entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o relator da proposta, Alexandre Baldy (PTN-GO). A justificativa apresentada pelo relator foi a de que faltou acordo com todas as bancadas partidárias e os aliados do Governo Michel Temer não quiseram correr o risco de ver o polêmico projeto alterado no plenário da Câmara.

“Colocarmos para votar no plenário é desafiador no momento em que emendas poderiam prejudicar o projeto”, afirmou Baldy após uma série de reuniões com líderes partidários e depois de conversar com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

Na prática, o Governo Temer não se empenhou tanto na aprovação desta proposta como já atuou em outras ocasiões. Acabou fazendo uma espécie de jogo duplo. O Palácio do Planalto dizia que era a favor da proposta, mas não determinou que o seu líder na Casa, o deputado André Moura (PSC-SE), o defendesse e acabou liberando sua equipe econômica a dizer o que bem entendesse. Mesmo com uma base aliada de quase 400 deputados, a gestão Temer não quis entrar de corpo inteiro nessa disputa. Baldy e Maia botaram a culpa na não votação na mudança nos deputados do oposicionista PT, que obstruiu os trabalhos. Mas ambos sabiam que a proposta corria o risco de ser derrotada ou completamente modificada durante a votação.

O novo projeto previa uma série de alterações na lei 13.254/2016 e era mal visto pela Receita Federal e pelo Ministério Público Federal. A primeira entidade previa uma queda na arrecadação, já que teria de dividir parte dos recursos com Estados e Municípios e porque os impostos e as multas obtidos com a repatriação seriam cobrados a partir dos valores registrados no dia 31 de dezembro de 2014. Na atual lei, sancionada no início do ano, os valores eram calculados a partir da movimentação entre 2010 e 2014. Já o Ministério Público, por sua vez, entendia que as mudanças poderiam facilitar a entrada de dinheiro sujo no país, sem a comprovação de sua origem.

Quando foi sancionada, ainda no Governo Dilma Rousseff, havia uma expectativa de se arrecadar entre 11 bilhões de 40 bilhões de reais com essa lei. A alteração dela elevou essa estimativa para 80 bilhões de reais. O valor, contudo, seria dividido com Estados e Municípios a partir do momento em que se arrecadasse acima de 25 bilhões de reais.

O anúncio desta segunda-feira foi um aviso principalmente para os sonegadores que queriam aderir ao programa assim como para o mercado financeiro, que esperava uma definição do assunto. “A colocação para o mercado e para todos que esperavam esse retorno é de que não houve acordo e que, sem acordo, está impossibilitado de se colocar o projeto para se alterar a lei vigente”, afirmou Baldy.

Assim, os que quiserem repatriar recursos e serem anistiados de crimes como falsidade ideológica, sonegação e evasão de divisas têm até o dia 31 de outubro para aderir ao Regime Especial de Regularização Cambial e Tributária. A estimativa é que cerca de 12 bilhões de reais já tenham sido arrecadados em impostos e multas.


Um tango fundamental: para ouvir e meditar.

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)


DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

O “golpe” foi civilizador

Por falar no carioca Marcelo Freixo, O Globo registrou que ele começou a falar em enxugamento da máquina e gestão.

Leiam o que o radical chique disse:

“Vamos reduzir as 26 secretarias para 16, fundindo algumas. É o caso da Casa Civil e da Coordenação de Governo, que viram a secretaria de Planejamento. Saneamento pode virar uma subsecretaria, incluída à pasta do Meio Ambiente. Obras e Conservação, por exemplo, podem ser uma secretaria só. É preciso enxugar a máquina, porque está num momento de crise, e fazê-la funcionar melhor, com mais inteligência. O norte é ter mais transparência, com gabinete virtual, disponibilização de dados à população, e uma gestão melhor, ouvindo os moradores. Com a participação das pessoas, de quem vive a realidade dos bairros, você gasta melhor.”

O “golpe” foi bastante civilizador, aparentemente.

  • Arquivos

  • outubro 2016
    S T Q Q S S D
    « set   nov »
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31